A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROFESSOR RODRIGO PENNA. Professor Rodrigo Penna Sítio na internet: www.fisicanovestibular.com.brwww.fisicanovestibular.com.br Blog: www.quantizado.blogspot.comwww.quantizado.blogspot.com.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROFESSOR RODRIGO PENNA. Professor Rodrigo Penna Sítio na internet: www.fisicanovestibular.com.brwww.fisicanovestibular.com.br Blog: www.quantizado.blogspot.comwww.quantizado.blogspot.com."— Transcrição da apresentação:

1 PROFESSOR RODRIGO PENNA

2 Professor Rodrigo Penna Sítio na internet: Blog: Link para currículo no Sistema Lattes: s

3 3 Professor Rodrigo Penna INTRODUÇÃO Preservar os alimentos é uma técnica antiga. O SAL era utilizado para salgar as carnes e deu origem à palavra SALÁRIO. Durante os ciclos do Ouro e do Diamante em Minas Gerais, carne de charque vinha do sul do país em lombo de burro, trazida por tropeiros, para abastecer as minas. As grandes navegações partindo da Europa nos séculos XV e XVI eram originalmente em busca de rotas para comercializar especiarias, temperos, também usados em conservas.

4 4 FORMAS DE CONSERVAÇÃO Enlatados. Pasteurizados. Conserva. Óleo. Desidratação. Professor Rodrigo Penna

5 5 Professor Rodrigo Penna CULTURA DO DESPERDÍCIO Desperdício de alimentos segundo a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo: Supermercados: 13 milhões de toneladas/ano! Feiras livres: mais de mil toneladas/dia! Frutas, verduras e legumes: ¼ de tudo o que se produz no país é jogado fora! Somadas às toneladas de sobras de restaurantes e cozinhas industriais. E mais o que jogamos fora em nossas próprias casas.

6 6 A FOME... Barriga inchada: cerca de um ano comendo pasto e farinha! Afeganistão. Professor Rodrigo Penna

7 7 Professor Rodrigo Penna SEBASTIÃO SALGADO

8 8 Professor Rodrigo Penna A MISÉRIA AFRICANA

9 9 Professor Rodrigo Penna MISÉRIA E FOME: NOSSOS VIZINHOS

10 10 Professor Rodrigo Penna FOME E DESNUTRIÇÃO NO PAÍS Principais carências alimentares nas diferentes regiões.

11 11 Professor Rodrigo Penna A IRRADIAÇÃO DE ALIMENTOS Embora a técnica não seja nova, pode-se dizer que é novidade no país, dado o desconhecimento da população. Vítima de preconceitos, o alimento irradiado é recusado a priori por muita gente, inclusive no chamado primeiro mundo. Mas qualquer pessoa esclarecida não pode descartá-la a primeira vista em face do grave problema da fome e do desperdício, que assola nosso país e várias outras regiões do planeta.

12 12 Professor Rodrigo Penna QUADRO NORTE-AMERICANO 45 a 55% dos consumidores desejam comprar carne irradiada, para reduzir a contaminação. Aprovado pelo Departamento de Agricultura e Associação Médica (USDA e AMA). Produtos irradiados a disposição do consumidor nas prateleiras desde 1992, no estado da Flórida. Em alguns casos, como morango e cogumelos, os consumidores preferem os irradiados na proporção de até 10 para 1.

13 13 Professor Rodrigo Penna PRINCÍPIOS FÍSICOS As radiações ionizantes, todas elas, dos Raios X aos Raios, partículas, etc, são capazes de provocar efeitos biológicos. Isto porque estas radiações, que são bastante energéticas, transferem esta mesma energia aos organismos vivos nos quais incidem. A energia pode matar e esterilizar bactérias e fungos patogênicos, tal como a famosa salmonella (aquela famosa das maioneses caseiras que vira e meche dão manchete nas tvs).

14 14 Professor Rodrigo Penna REPRESENTAÇÃO Esquema de um dos efeitos biológicos das radiações capaz de levar à morte um organismo vivo: a destruição do DNA. Transferindo uma quantidade de energia suficiente, a ruptura do DNA, que carrega o código genético, impede a reprodução do organismo e pode levá-lo à morte quando a dose de radiação atinge determinado patamar. Além da ionização que a incidência de radiação provoca, e que também tem implicações biológicas.

15 15 Professor Rodrigo Penna EVOLUÇÃO HISTÓRICA Descobrimento dos raios-X - Roentgen Descobrimento da radioatividade - Becquerel Estudo do efeito bactericida dos raios-X- Minck Primeira proposta documentada para uso da radiação ionizante na conservação de alimentos. Patente inglesa no de 26 de janeiro de 1905, requerida por Appleby e Banks Uso dos raios-X no controle de insetos - Runner Patente americana para uso da radiação (raios-X) na conservação de alimentos - Gillett Uso da radiação para inativação do parasita Trichinella spiralis em carne de porco - Schwartz Patente francesa para uso da radiação para eliminar bactérias em alimentos enlatados - Wüst Esterilização de hamburgueres por radiação ionizante - Proctor Uso de elétrons acelerados para conservação de alimentos, principalmente carnes - Brasch e Huber

16 16 Professor Rodrigo Penna EVOLUÇÃO HISTÓRICA Resultados de 5 anos de estudos pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology): esterização segura de alimentos e medicamentos pelo uso da radiação ionizante, sem uso de calor - Proctor e Goldblith Desenvolvimento de Programas de Irradiação de Alimentos pelos governos dos Estados Unidos, Belgica, Alemanha, Canada, France, União Soviética, Polonia, e outros Publicação dos primeiros livros sobre Irradiação de Alimentos: Rosenstock - USA e Kuprianoff e Lang - Alemanha FDA (U.S. Food and Drug Administration) aprova para consumo humano bacon esterilizado por radiação ionizante Introdução de alimentos esterilizados por radiação ionizante aos astronautas americanos do programa Apollo A Organização Mundial de Saude (OMS) libera e recomenda o uso da radiação ionizante em alimentos até a dose máxima de 10kGy Liberação de doses de radiação superiores a 10 kGy pela Organização Mundial de Saude ( WHO Technical Report Series Nº 890)

17 17 Professor Rodrigo Penna EFEITOS DA IRRADIAÇÃO Inibição do brotamento em bulbos e tubérculos Retardo da maturação de frutas e legumes Desinfestação de grãos, cereais, frutas e especiarias Eliminação de parasitas (Cisticercose e Triquinose - vermes) Redução da carga microbiana (fungos, bactérias e leveduras) Eliminação de microrganismos patogênicos (Salmonella spp e outros) Esterilização

18 18 Professor Rodrigo Penna VANTAGENS DA IRRADIAÇÃO Processo a frio (não estraga o produto nem a embalagem). Se aplica a grande variedade de produtos e não é necessário a manipulação (contaminação). Aumento da vida útil sem alterar qualidade. Substitui produtos químicos (alguns sabidamente cancerígenos e já abolidos em alguns países: brometo de metila, o óxido de etileno e outros pesticidas). O alimento já pode estar embalado. Atinge microorganismos no interior dos alimentos, e não só na superfície.

19 19 Professor Rodrigo Penna PROCESSOS DE IRRADIAÇÃO Radurização Usa dose baixas ( em média de 50 a 1000 Gy ) com a finalidade de inibir brotamentos (batata, cebola, alho,etc), retardar o período de maturação (frutas) e de deterioração fúngica de frutas e hortaliças (morango, tomate, etc) e controle de infestação por insetos e ácaros (cereais, farinhas, frutas, etc).

20 20 Professor Rodrigo Penna 2- Radicidação ou Radiopasteurização Usa doses intermediárias (de 1 a 10 kGy) com o fim de pasteurizar sucos, retardar a deterioração de carnes frescas, controle de Salmonella em produtos avícolas, etc.

21 21 Professor Rodrigo Penna 3 - Radapertização ou Esterilização Comercial Usa doses elevadas (10 a 70 kGy) na esterilização de carnes, dietas e outros produtos processados. Filé e peito de peru embalados foram irradiados pela NASA (EUA) para alimentação de Astronautas.

22 22 Professor Rodrigo Penna RADIOPROTEÇÃO DOSE ABSORVIDA, D Relação entre as unidades nova e antiga.

23 23 LIMITES - CNEN Professor Rodrigo Penna

24 24 DOSES E EFEITOS 1 KGy significa uma absorção de energia igual a Joules para cada Kg de massa. Professor Rodrigo Penna

25 25 POLÊMICAS - ALARMISMO O alimento irradiado dificilmente será mais seguro, considerando que passa pelo equivalente a mais de 233 milhões de raios X do tórax. Pesquisas indicam que alimentos irradiados têm menor valor nutritivo que os seus homólogos naturais. Por exemplo, a irradiação destrói 80% da vitamina A em ovos e 48% do beta caroteno no suco de laranja. Professor Rodrigo Penna

26 26 Professor Rodrigo Penna POLÊMICA - PRÓS CDTN, Funed e UFMG pesquisam irradiação em alimentos. Já aplicada na Europa, o processo "é absolutamente seguro... "A irradiação já é exigida em vários países importadores de alimentos. Esta tecnologia já vem sendo utilizada em 37 países. "Nos Estados Unidos, propensão do consumidor para comprar alimentos irradiados aumentou de 57% para 83% graças a um campanha educativa.

27 27 Professor Rodrigo Penna POLÊMICA - CONTRAS Não há consenso quanto à utilização da tecnologia, mas já consumimos esses produtos sem saber. Desde 1955 são realizadas pesquisas sobre a segurança da irradiação em alimentos. Quando alimentos contendo gorduras são irradiados, ocorre a formação de 2-DCB (2- dodecilciclobutanona), uma substância que possui propriedades citotóxicas e genotóxicas e que não é encontrada normalmente em alimentos. Constatou-se, também, elevado nível de morte intra- uterina em camundongos cuja dieta continha alimentos irradiados.

28 28 SÍMBOLO - RADURA NÃO ME LEMBRO DE VÊ-LO NEM SEQUER UMA ÚNICA VEZ EM NENHUM ALIMENTO, NEM EM SUPERMERCADOS, CEASA, SACOLÕES, ETC. Professor Rodrigo Penna

29 29 Professor Rodrigo Penna EMBRARAD - OPERANTE EMBRARAD- Empresa Brasileira de Radiações Comercial e Administrativo – Rua Agostinho Togneri, CEP São Paulo - SP Fone / Fax: 55 (11) Unidade Operacional ver mapaver mapa – Av. Cruzada Bandeirante, CEP Cotia - SP Fone / Fax: 55 (11)

30 30 Professor Rodrigo Penna CTMSP - 1 O CTMSP está iniciando um trabalho de pesquisa, em conjunto com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN) e a Diretoria de Abastecimento da Marinha (DAbM), para estudar a melhoria em qualidade e aumento de tempo de vida de alguns alimentos e rações especiais da Marinha, previstos para armazenagem em ambientes altamente agressivos em termos de temperatura, salinidade, umidade, etc. Foto de um irradiador no site do Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo – CTMSP.

31 31 CTMSP Utilização Ração para náufragos, armazenadas em balsas salva-vidas de navios; Ração de combate do Corpo de Fuzileiros Navais; Ração para uso em postos de combate dos navios da Marinha; Alimentos para uso de tropas em regiões tropicais (Amazônia); Alimentos para uso em navios com longa permanência no mar (submarinos, navios- hidrográficos, graneleiros e navios-tanque); Alimentos para uso na Estação Antártica "Comandante Ferraz"; Alimentos para pacientes imuno-deprimidos dos Hospitais Navais e outros. Vista geral do porta-aviões norte-americano Enterprise, com propulsão nuclear Professor Rodrigo Penna

32 32 Professor Rodrigo Penna CTMSP - 3 Ao lado a Classe russa Typhoon, de Submarinos Nucleares de Mísseis Balísticos, é composta pelos maiores navios do tipo já construídos, com deslocamento submerso de toneladas. A Marinha brasileira também pesquisa a propulsão nuclear.

33 33 Professor Rodrigo Penna Irradiador industrial Dentre as máquinas que utilizam radioisótopos, o irradiador industrial é uma das mais significativas, pois, utiliza o 60 Co em grande quantidade e atividade. A atividade total de 60 Co atinge a 3,7 · Bq = 37 PBq ( Curies). Ele é muito utilizado em diversos tratamentos para desinfestação e conservação de produtos alimentares, como frutas, especiarias, aves, peixes e carnes; esterilização e redução da carga microbiana de produtos descartáveis como seringas, luvas e alguns produtos médico-cirúrgicos. A fonte é constituída de cilindros metálicos contendo 60 Co, encapsulados em varetas de aço inox, dispostas verticalmente numa armação retangular, semelhante a um secador de roupa. A instalação é constituída basicamente de um sistema de correia transportadora que carrega, do exterior para dentro da máquina, as caixas e containers apropriados para a irradiação, fazendo-os passar diante da fonte exposta, com uma velocidade pré-estabelecida. Cada caixa passa duas vezes pela fonte, expondo ora um lado ora outro, para aplicar, o mais homogeneamente possível, a dose nos produtos alocados em seu interior. Para realizar a irradiação, um eletromecanismo suspende a fonte, a partir do fundo de uma piscina cheia de água pura, até a posição de operação. Em qualquer outra situação, a fonte fica recolhida no fundo da piscina. Todo o conjunto contém um sofisticado e redundante sistema de segurança e é envolvido por uma espessa blindagem de concreto, constituindo uma forte casamata, dentro da qual pessoa nenhuma pode permanecer, um segundo sequer. As doses aplicadas no tratamento de frutas variam entre 0,2 e 0,4 kGy e para produtos médico-cirúrgicos na faixa de 25 kGy.

34 34 ESQUEMA DO IRRADIADOR Professor Rodrigo Penna

35 35 Professor Rodrigo Penna RADIAÇÃO GAMA

36 36 Professor Rodrigo Penna MATERIAIS CIRÚRGICOS O processo de esterilização por radiação consiste em expor os produtos a uma fonte radioativa de Co-60, numa planta especialmente desenhada. A radiação gama mata todos os microorganismos por meio da ruptura da estrutura do seu DNA, não afetando o produto em si. Devido ao alto poder de penetração da radiação na matéria (o seu comprimento de onda é da ordem de cm), o processo pode ser executado com os produtos já na sua embalagem final para o consumidor, e o produto pode ser usado imediatamente após o processo. A embalagem permanece selada e intacta durante o processo de esterilização, evitando o manuseio em qualquer fase e garantindo a esterilidade do produto até o momento da abertura da embalagem, ou seja, do uso. O processo não provoca aumento de temperatura, sendo uma alternativa para a esterilização de materiais termossensíveis. A radiação gama não deixa resíduos tóxicos e não induz radioatividade nos produtos, pois as energias envolvidas são insuficientes para interações com os núcleos. A interação da radiação gama Co-60 com os produtos se dá através da ejeção de elétrons das camadas externas dos átomos, causando as quebras moleculares. A resposta dos microorganismos à radiação já é bastante conhecida, o que permite a validação do processo de maneira segura, eficaz e totalmente reprodutível.

37 37 Professor Rodrigo Penna VANTAGENS - Confiabilidade do processo - Fácil monitoramento, a única variável de controle do processo é o tempo. - Economicamente viável para pequenos e grandes volumes - Possibilidade de validação do processo segundo normas internacionais ISO e EN Não é necessária quarentena, não há resíduos - Não há necessidade de embalagem papel grau cirúrgico, a radiação penetra em qualquer embalagem - Produtos são processados sem manuseio, a radiação penetra em todas as porções do produto.ISO 11137

38 38 EXEMPLOS Professor Rodrigo Penna

39 39 Professor Rodrigo Penna CURIOSIDADE: PEDRAS A irradiação de gemas com Cobalto-60 apenas acelera o processo de coloração, que poderia ser propiciado pela própria natureza em milhares de anos.

40 40 MDS-NORDION (fabricante) Palletron x-ray irradiator for intact pallets. Professor Rodrigo Penna

41 41 MDS-NORDION: Cobalto-60 U N I Q U E H O R I Z O N T A L S O U R C E R A C K One of the highly innovative features of the CENTURION design is its horizontal source rack, which allows for flexible product handling.This unique design concept makes it possible for products to be very efficiently irradiated in their normal orientation, which means boxes do not require any turning or flipping to fit them into a conveying mechanism. This prevents the products from slumping or becoming damaged. Professor Rodrigo Penna

42 42 SUREBEAM - fabricante Irradiador por feixe de elétrons. Professor Rodrigo Penna

43 43 Professor Rodrigo Penna BIBLIOGRAFIA Coluna Vida Saudável, artigo As eleições e o desperdício de alimentos, de Jocelen Salgado, site UOL, em 19/02/ Reportagem Afegãos estão comendo grama para sobreviver, site em 19/02/ Revista Pangea, reportagem A miséria da política, de Demétrio Magnoli, site em 19/02/ Site do jornalista Josué de Castro, autor de Homens e Caranguejos, site em 19/02/ Ensaio fotográfico Fome no Sahel, Sebastião Salgado, site em 19/02/05.http://www.terra.com.br/sebastiaosalgado/ 6.Reportagem Alunos do Colégio Marista de Maringá visitam o lixão da cidade, site em 19/02/ Artigo Irradiação de Alimentos, do site NÓS E AS RADIAÇÕES, em 21/02/05. em 21/02/05 8.Artigo Irradiação de Alimentos, da Revista Eletrônica CENA, editada pela USP, site em 21/02/ Radioproteção e Dosimetria – Fundamentos, Luiz Tauhata, Ivan P. A. Salati, Renato Di Prinzio e Antonieta R. Di Prinzio, Instituto de Radioproteção e Dosimetria - IRD - CNEN ( disponível na internete e na biblioteca da escola). 10.Reportagem CDTN, Funed e UFMG pesquisam irradiação em alimentos, de 17 de janeiro de 2005, Centro de Comunicação, UFMG, site em 19/01/05.http://www.ufmg.br/ 11.Reportagem IRRADIAÇÃO - UM FALSO MILAGRE, revista Consumidor S.A., edição Junho/Julho Site da EMBRARAD- Empresa Brasileira de Radiações, em 22/01/05.http://www.embrarad.com.br/index.htm

44 44 Professor Rodrigo Penna BIBLIOGRAFIA Site do CTMSP - Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo, em 23/01/05.http://www.ctmsp.mar.mil.br/index.htm 14.Site Segurança e Defesa, em 23/02/05.http://www.segurancaedefesa.com/index.html 15.Artigo Engenharia Genética e Irradiação de Alimentos: Gêmeos do mal ameaçam a Segurança Global dos Alimentos, site Public Citizen, em 22/09/04.www.citizen.org/cmep 16.MDS-NORDION, fabricante de irradiadores, site em 22/02/05.http://www.mdsnordion.com/ 17.IRRADIATED FOODS, Fifth Edition, e-book, site e em 19/01/2005.www.acsh.orgwww.HealthFactsAndFears.com


Carregar ppt "PROFESSOR RODRIGO PENNA. Professor Rodrigo Penna Sítio na internet: www.fisicanovestibular.com.brwww.fisicanovestibular.com.br Blog: www.quantizado.blogspot.comwww.quantizado.blogspot.com."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google