A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

fernando rios 2ª exposição virtual ALÉM PALADAR TRILOGIA LITERATURA E FOTOGRAFIA CLIQUE E NAVEGUE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "fernando rios 2ª exposição virtual ALÉM PALADAR TRILOGIA LITERATURA E FOTOGRAFIA CLIQUE E NAVEGUE."— Transcrição da apresentação:

1

2

3

4 fernando rios 2ª exposição virtual ALÉM PALADAR TRILOGIA LITERATURA E FOTOGRAFIA CLIQUE E NAVEGUE

5

6

7

8 TRILOGIA ALÉM PALADAR FERNANDO RIOS anatomia leguminosa frutas e frutos do bem e do mal eu e os legumes (I) eu e os legumes (II)

9

10

11

12 ANATOMIA LEGUMINOSA

13

14 TOMATES I tomates comumente se envergonham primeiro se apresentam verdes incomíveis mesmo fritos (nós, ocidentais preferimos pomodoros)

15

16 TOMATES II tomates vermelhos também se prestam bem à política mas de muito maduros burocraticamente desmancham num muro sem fim péssimo exemplo de quem queria ser modelo tomates vermelhos, firmes melhor com azeite, sal orégano e alecrim

17

18 TOMATES III tomates se salgam em saladas e molhos tomates longe da política devem esperar bom tempo precisam de colorida maturidade para saírem do jardim e debruçarem-se languidamente em pratos e pastas para um prazer sem fim tomates lembram animais humanos

19

20

21 PEPINOS pepinos são fálicos consolam homens e mulheres mas trazem em si o trauma do desconforto tudo que é pepino costuma fazer sofrer mas o pepino em si em rodelas ariscas (es)correm pelo prato navegando em azeites, sais e suas flores então... o pepino saboreia o sabor do interlocutor pepinos como quase tudo e todos são dúbios

22

23

24 ABOBRINHAS I abobrinhas são fálicas porém suavemente fálicas prestativas se deixam levar calmamente à panela e não reclamam dissolvem-se na boca nas rodelas cozidas fritas assadas levemente coitadas envoltas em suaves temperos abobrinhas são pacíficas absolutamente pacificas e não mentem nem protestam

25

26 ABOBRINHAS II abobrinhas também são mal-faladas como se fossem culpadas pelos disparates que saem da boca de incautos pseudofalantes sobretudo pelos cotovelos abobrinhas não merecem esse tratamento mesmo porque antes de saírem da boca quando italianamente dispostas são convites perfeitos para acompanhar macarrões solitários e/ou lazanhas entristecidas

27

28 ABOBRINHAS III abobrinhas fazem à perfeição a contramão da fala abobrinhas cheias ou vazias redondas ou cúbicas nos trazem a saudável sensação de que o corpo aplaude no inverno, quente no verão, fria mas sempre abobrinha, calmamente abobrinha silenciosamente abobrinha deliciosamente abobrinha

29

30 ABOBRINHAS IV abobrinhas são carentes de proteção divina mas se prestam saborosas à preferência humana masculina ou feminina de tão pacíficas e retraídas excitam as papilas e pacificiamente não matam a fome deixam essa tarefa para alimentos mais íngremes

31

32

33 BATATAS I quem quer ser batata? cozida ou frita ensopada ou recheada elas nos olham compungidas agrestes esbugalhadas sujas ou lavadas batatas trazem o valor de serem reveladas desenterradas ao contrário dos mortos

34

35 BATATAS II quando arrancadas do solo e devidamente banhadas encolhem-se em sacos variados e seus vendedores mimeticamente reparem bem ao se afeiçoarem a elas registram as mesmas feições

36

37 BATATAS III ninguém rendeu maior preito às batatas do que van gogh apenas mostrando batatas plantando batatas comendo batatas

38

39 BATATAS IV batatas e girassois alimentaram e iluminaram a vida de van gogh e alimentam e iluminam a nossa

40

41 BATATAS V batatas transcendem em nós divinamente quando pousamos olhares profícuos nos rostos batatas nas batatas rostos que nos trazem cada história de cada prato de cada gesto de cada batata que descascamos vangoghianamente no nosso dia a dia de plantar regar desenterrar e comer batatas batatas nos subvertem ao se livrarem do pó da terra

42

43

44

45

46

47 FRUTAS E FRUTOS DO BEM E DO MAL

48

49 ABACAXIS há os abacaxis e seus aspectos tropicais para serem descascados o que de doce se lhe extrai de negro também se lhe cobre ter nas mãos um abacaxi sem levá-lo à boca e sorvê-lo avidamente é desencontrar do futuro um abacaxi deve ser comido se não ele come seu possuidor

50

51

52 LARANJAS laranjas são sempre coloridas de laranja, cinza ou verde os laranjas são sorrateiros dissimulados rateiros ratazanas solertes as laranjas principalmente aquelas com umbigos sabem cumprir seu cordão umbilical sabem escorrer pela manhã e fazer uma garganta aprazível as laranjas diferentemente dos laranjas se apresentam se oferecem resplandecem e sólidas ou liquefeitas honram sua citricidade os laranjas desonram

53

54

55

56 MAÇÃS E BANANAS I maçãs se apresentam sempre biblicamente mas não conhecem sua verdadeira história depoimentos de maçãs nos chegam por adão e eva e uma estranha e viperina figura que amor fizeram eles? de que vergonha foram cobertos? segundo cascudo, não o peixe, o câmara fruto proibido do paraíso deveria ser banana

57

58 MAÇÃS E BANANAS II aliás banana serve para designar figuras sólitas e insólitas mas de que bananas estamos falando? e por que essa estranha ladainha de chamar de banana quem só dá passos ao léu ou solta palavras ao vento? as bananas não foram feitas para esse destino olimpicamente são ouro e prata e outros quetais menos nobres mas de belos sabores

59

60 MAÇÃS E BANANAS III desqualificar frutas desqualifica a vida delas juntar bananas, laranjas e abacaxis julgá-las e mostrar-lhes o inferno são injustiças injustificadas eles os frutas selados se cumprirem pena se digladiam elas as frutas juntas iluminam as papilas produzem luz no estômago aquecem o âmago mesmo geladas caladas harmônicas frutas juntas são gastro/irônicas saladas

61

62

63

64 EU E OS LEGUMES (I) HOMENAGEM AO MERCADO DE PINHEIROS, EM SAMPA

65

66 1 os legumes estáticos prontos para a entrega não resistem aos olhares insistem nos pegares e se oferecem gentis e cálidos para qualquer água morna ou quente da barraca do mercado para a panela qual sentinela os legumes se movimentam estáticos em paradas fanfarronadas esteticamente montados em paredes imóvel desfile

67

68 2 diante dos olhos olhares pacientes in pacientes os legumes se apresentam internamente alvoroçados e não sabem se devem falar aos olhos ou às mãos à maneira de corpos

69

70 EU E OS LEGUMES (II) PARA MARCOS COBRA, COMPANHEIRO DE MERCADO DE PINHEIROS

71

72 1 abóboras esperam um gesto repolhos esperam um gesto pepinos esperam um gesto batatas esperam um gesto berinjelas esperam um gesto pimentões ficam indecisos abobrinhas ficam indecisas cenouras ficam indecisas quiabos ficam indecisos beterrabas ficam indecisas alfaces em revoada envolvem as cabeças escarolas em revoada envolvem as cabeças couves em revoada envolvem as cabeças salsas e cebolinhas em revoada envolvem as cabeças almeirões em revoada envolvem as cabeças rúculas em revoada envolvem as cabeças e todas e todos poeticamente se (pré) dispõem às caçarolas

73

74 2 nas mãos legumes sensibilizam as papilas excitam as meninas dos olhos transbordam a saliva antecâmara do repasto o mercado continente contém amores humores saberes sabores à mão à vista ao palato ao olfato

75

76 3 quem se habilita a esta sina bendita de repartir o repasto sem quebrar os pratos de cama e mesa e viver a vida saladamente leguminarmente funda mental mente na mais das verdades em qualquer verde ou madura idade que ao contrário de gládio cobre de idéias o versário jamais ad e o convida para antecipar e degustar o repasto reposto frio ou quente ávido à vida devida

77

78 4 no mercado mulheres e homens e legumes e frutas e hortaliças se naturalizam e esperam um gesto e um ato e ficam indecisos e em revoada se envolvem às cabeças em papos palpos e teias de aranhas no mercado homens e mulheres e legumes (como deveria ser sempre no mundo) se saladeiam se ensopeiam e se deslimitam e se multiplicam em vontades de se verem de se sentirem

79

80 5 homens e mulheres e frutas e legumes e hortaliças se salgam se adoçam e assim sendo seres legumes naturalmente banham-se servem-se e saboreiam-se entre si e encontrando-se enraizada mente se convivem e se retemperam em mesa e cama porque mais do que simplesmente matar a fome se encolhem e escolhem pacificamente saciar corporalmente a fome de viver

81

82

83

84

85

86 fernando rios / texto e fotos FERNANDO RIOS É JORNALISTA, PUBLICITÁRIO, ANTROPÓLOGO, CONSULTOR EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL INTEGRADA, POETA E ARTISTA PLÁSTICO. / carlo cirenza: curadoria e edição filipe rios: finalização música: gymnopedie no. 1, 2 & 3 / erik satie ( ) contribuição voluntária para não depender de editoras tradicionais, este trabalho está sendo divulgado gratuitamente pela internet. porém, as pessoas que desejarem oferecer algum tipo de contribuição voluntária (ela será muito bem-vinda) podem fazê-lo por meio de depósito de qualquer valor em qualquer uma destas contas: CAPITULAR EDITORA banco itaú 341 / agência:8725 / conta: banco do brasil 001 / agência / conta: rua aecri, 238 cep são paulo sp contato para aquisição de quadros ou fotos e solicitação de capas de livros, ilustrações, projetos gráficos e editoriais, assessoria e consultoria de comunicação: PREÇOS: FOTO (30 x 45 cm): R$ 500,00


Carregar ppt "fernando rios 2ª exposição virtual ALÉM PALADAR TRILOGIA LITERATURA E FOTOGRAFIA CLIQUE E NAVEGUE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google