A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Auto da Barca do Inferno O Procurador e o Corregedor.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Auto da Barca do Inferno O Procurador e o Corregedor."— Transcrição da apresentação:

1 Auto da Barca do Inferno O Procurador e o Corregedor

2 Corregedor – magistrado judicial, com alçada (poder) sobre os juízes. - juiz presidente de um círculo judicial; - título que tinha antigamente o representante do rei em cada comarca do país; Procurador – homem que trata dos negócios de outra pessoa, em virtude de procuração, ou seja de negócios privados, da coroa, da cidade, da vila, comunidade religiosa…

3 Símbolos caracterizadores Corregedor: - vara e feitos (processos) * Procurador: - livros jurídicos * * Estes símbolos representam a justiça e o jurado, ou seja, os seus cargos na Terra. Grupo a que pertenciam: - Cor. – Magistratura. - Proc. - Funcionário da Coroa

4 Caracterização: Corregedor: - corrupto Dia. - Oh amador de perdiz - presunçoso Cor. - À terra dos demos/há-de ir um corregedor? - subornado Dia. - nonne accepistis rapina? = não aceitaste roubos? - crente mas só quando se via em maus lençois Cor. -Domine, memento mei! – ó senhor, lembra-te de mim!)

5 - - mentiroso/falso Cor. - Semper ego justitia/ fecit e bem per nivel. = sempre procedi conforme a lei e imparcialmente. - hipócrita Cor. - Nom som peccatus meus, peccavit uxore mea = não são pecados meus, foi a minha mulher que pecou.)Procurador: - graxista/ bajulador Proc. - Bejo-vo-las mãos, Juiz! ) - crente mas tal como o Corregedor, só nas situações de risco Proc. - Quia speramus in Deo = porque temos esperança em Deus)

6 Acusações: O Diabo acusa o Corregedor de: - ser corrupto Oh amador de perdiz,/gentil cárrega trazês! - parcial/ faccioso / tendencioso Quando éreis ouvidor/nonne accepistis rapina? = não aceitas-te roubos, A largo modo adquiristis /sanguinis laboratorum,/ ignorantes peccatorum./ Ut quid eos non audistis. = enriquecestes com o trabalho dos lavradores e nem sequer escutastes as suas queixas.)

7 Auto acusação do Corregedor e do Procurador: - acusaram-se de ser mentirosos, falsos, presunçosos e estavam convencidos de que se se confessassem, teriam garantida a entrada no Paraíso. Cor. – Confessaste-vos, doutor? Proc. – Bacharel som… Dou-me ó demo!/Não cuidei que era extremo,/nem de morte minha dor./E vós, senhor Corregedor? Cor. – Eu mui bem me confessei,/mas tudo quanto roubei/encobri ao confessor…/ Porque, se o nom tornais,/ não vos querem absolver,/ e é muito mao de volver,/depois que o apanhais.

8 O Joane acusa o Corregedor e o Procurador de: - serem ladrões, pecadores e de levarem a religião de uma forma superficial (rapinastis coelhorum/et pernis perdiguitorum/e mijais nos campanairos! – rapinastes coelhos e pernas de perdigotos.)

9 Defesas: Corregedor: - Defendeu-se sendo falso e hipócrita No meu ar conhecerês / que nom é ela do meu jeito. e Semper ego justitia/ fecit e bem per nivel – sempre procedi segundo a justiça e imparcialmente. - Quando o Diabo o acusa de imparcialidade e de má aplicação da justiça, este não negou, mas atirou as culpas para a sua mulher Nom som peccatus meus,/ peccavit uxore mea. – Não são pecados meus, foi a minha mulher que pecou.)

10 Recursos estilísticos: Eufemismo: - Diab.- Irês ao lago dos cães/ e verês os escrivães/ como estão prosperados. ; Cor.- E na terra dos danados/ estão os evangelistas? ; Cor.- Venha a negra prancha cá! Ironia: - Anjo - Como vindes preciosos,/sendo filhos da ciência! Antítese: Cor. - Á terra dos demos/há-de ir um corregedor? Dia. – Santo descorregedor.

11 Tipos de cómico: Cómicos de situação: - Cor. – Oh! Renego da viagem/e de quem m'há-de levar!/Há'qui meirinho do mar? - Proc. – Dix! Nom vou eu pera lá!/Outro navio está cá,/muito milhor assombrado. e Diz um texto do Degredo…(decreto). Cómicos de carácter: - Cor. – No meu ar conhecerês/que nom é ela do meu jeito. e Ó arrais dos gloriosos/passai-nos neste batel!.

12 Cómicos de linguagem: - nesta cena há muitos cómicos de linguagem. O latim macarrónico falado pelas personagens, mas há mais versos com a presença de cómicos de linguagem. Vê alguns exemplos: Dia. - Oh amador de perdiz/gentil cárrega trazês! e Imbarquimini in barco meo…- embarcai no meu barco. Joa. – rapinastis coelhorum/ et pernis perdiguitorum/e mijais nos campanairos! – rapinastes coelhos e pernas de perdigotos; e Beleguinis ubi sunt?/Ego latinus macairos. – Onde estão os beleguins? Eu falo latim macarrónico.

13 Outros aspectos: Registo de língua: - Corregedor e Procurador: Gíria - usavam o latim, pois era uma língua muito utilizada em Direito; - Diabo e Joane: Corrente (latim macarrónico). - Anjo: Apenas teve uma fala e utilizou um registo corrente. Percurso cénico: - O corregedor ao chegar ao cais dirigiu-se á barca do Inferno onde dialogou com o Diabo, entretanto chega o Procurador e dirigem-se ambos á barca da Glória onde são renegados pelo Anjo, voltando assim para a barca do Inferno onde embarcam.

14 Questões de interpretação: Oh amador de perdiz. Como interpretas este cumprimento do Diabo? - A perdiz, era uma das moedas com as quais se compravam os favores dos juízes, assim o Diabo com este cumprimento pretende acusar o corregedor de corrupção. Com que intenção o Diabo lhe responde (ao corregedor) em Latim Macarrónico? - O Diabo responde-lhe em Latim Macarrónico com intenção de ridicularizar a linguagem usada na justiça, mostrar-lhe que não lhe servia de nada saber falar Latim se não subesse aplicar as leis.

15 Irês ao lago dos cães/e verês os escrivães/como estão prosperados. Interpreta as palavras do Diabo, no que diz respeito ao alargamento da crítica. - Com estes versos, Gil Vicente, pretende alargar a crítica a todos os homens ligados á justiça. Ele queria dizer que assim que a personagem em julgamento nesta cena, quando chegasse ao Inferno, veria os seus colegas (Homens ligados á Justiça). Sendo o Procurador um funcionário da Coroa e de entidades privadas, por que razão o colocará Gil Vicente na situação de ser julgado em simultâneo com o corregedor? - Porque ambos passavam informação, ambos pertenciam á justiça (havia cumplicidade entre a justiça e os assuntos do Rei, ambos eram corruptos.)

16 Os dois réus falam sobre a confissão. O que nos revela o seu diálogo? - O seu diálogo revela-nos que para eles a confissão não era muito importante, apenas se confessavam em situações de risco e isto, quando tinham tempo, mas não diziam todo a verdade, pois segundo a sua conversa, omitiam os seus pecados ao confessor. Como reage o Anjo á aproximação do Corregedor e do Procurador? - O Anjo quando viu chegar o Corregedor e o Procurador, ficou irritado, reagiu mal e mostrou-lhes que eles que praticavam a justiça humana na Terra, seriam agora réus e julgados perante a justiça divina.

17 Conclusão:


Carregar ppt "Auto da Barca do Inferno O Procurador e o Corregedor."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google