A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 2151 – CONCRETOS ESPECIAIS CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS BASTOS (wwwp.feb.unesp.br/pbastos) UNIVERSIDADE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 2151 – CONCRETOS ESPECIAIS CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS BASTOS (wwwp.feb.unesp.br/pbastos) UNIVERSIDADE."— Transcrição da apresentação:

1 1 2151 – CONCRETOS ESPECIAIS CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS BASTOS (wwwp.feb.unesp.br/pbastos) UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil

2 2 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS FONTE: Paulo Terzian, Concreto para estruturas pré- fabricadas. Concreto, Ensino, Pesquisa e Realizações, São Paulo, Ed. Geraldo Cechella Isaia, IBRACON, 2005, pp.1363- 1389.

3 3 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS INTRODUÇÃO Importância: grande produção de peças pré- fabricadas no Brasil, em indústrias de pequeno, médio e grande porte, bem como em canteiros de obra. NBR 9062/2006 – Projeto e execução de concreto pré-moldado.

4 4 http://fr.cpci.ca/?sc=potm&pn=monthly22005 EXEMPLOS

5 5 http://www.cpci.ca/?sc=totalprecast EXEMPLOS

6 6 http://fr.cpci.ca/?sc=potm&pn=monthly22005 EXEMPLOS

7 7 http://fr.cpci.ca/?sc=potm&pn=monthly22005 EXEMPLOS

8 8 http://fr.cpci.ca/?sc=potm&pn=monthly22005 EXEMPLOS

9 9 http://cordecbr.blogspot.com.br/2010/07/o-rimt-no-brasil.html EXEMPLOS

10 10 http://recentpastnation.org/?page_id=931 EXEMPLOS

11 11 http://www.bethlehemconstruction.com/nw/concrete/ EXEMPLOS

12 12 http://purpleopurple.com/inventions-and-inventors/pre-stressed- concrete.html EXEMPLOS

13 13 http://www.archiexpo.com/prod/samer-spa/prestressed- concrete-beams-for-bridge-61928-293109.html EXEMPLOS

14 14 http://www.archiexpo.com/prod/consolis/prestressed-concrete- rectangular-beams-59644-339034.html EXEMPLOS

15 15 http://www.fhwa.dot.gov/publications/publicroads/09julaug/alo ngroad.cfm EXEMPLOS

16 16 EXEMPLOS

17 17 http://www.cadernodaconstrucao.com.br/Artigos/Artigo?idArtigo=379 EXEMPLOS

18 18 http://www.ghellerengenharia.com.br/WebForms/interna.aspx?secao_id= 51 EXEMPLOS

19 19 http://www.armtec.com/en-ca/products-and-services/buildings-and- venues/precast-concrete-structures-and-elements.aspx EXEMPLOS

20 20 http://www.buildingproducts.co.uk/news/british-precast-concrete- products-industry-raises-the-bar EXEMPLOS

21 21 http://www.bethlehemconstruction.com/sw/concrete/stadium/ EXEMPLOS

22 22 http://www.armtec.com/en-ca/products-and-services/underground-and- utilities/precast-tunnel-liner.aspx EXEMPLOS

23 23 http://www.smeinc.com/nfl-charlotte-panther-stadium EXEMPLOS

24 24 http://www.aecinfo.com/1/pdcnewsitem/01/54/42/index_1.html EXEMPLOS

25 25 http://wildish.com/content/wildish-enlarges-home-ducks EXEMPLOS

26 26 http://prefort.webnode.com.br/album/galeria-de-fotos/ EXEMPLOS

27 27 EXEMPLOS http://prefort.webnode.com.br/album/galeria-de-fotos/

28 28 EXEMPLOS http://prefort.webnode.com.br/album/galeria-de-fotos/

29 29 EXEMPLOS http://www.energiposte.com.br/galpao%20pre%20moldado/16EF85_3.jp g

30 30 EXEMPLOS http://www.manutencaoesuprimentos.com.br/conteudo/6992- revestimentos-em-concreto/

31 31 EXEMPLOS http://www.vibracom.com.br/produtos-5,galp%C3%B5es-de-concreto- pr%C3%A9-moldado-e-postes-de-concreto

32 32 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS MATERIAIS Cimentos Mais indicados: CP V (ARI) e CP II (composto), classe 40, para elevadas resistências iniciais.

33 33

34 34 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Restrição ao CP III (alto forno) em peças protendidas com aderência, por prejudicar a armadura de protensão.

35 35 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Agregados Evitar agregados lamelares, alongados e com muito pó (aumentam necessidade de água e consequentemente de cimento).

36 36 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Agregados Ao ficarem próximos da superfície das peças, eles também originam manchas devido a diferenças de tonalidades na argamassa mais fina. Controle de qualidade rígido e permanente no recebimento dos agregados na fábrica.

37 37 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Agregados Ao ficarem próximos da superfície das peças, eles também originam manchas devido a diferenças de tonalidades na argamassa mais fina.

38 38 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Aditivos São usados redutores de água de alta eficiência (polifuncionais e superplastifican- tes). Necessários testes prévios para avaliar “teor de ar incorporado” no concreto.

39 39

40 40 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS INFLUÊNCIA DA CURA TÉRMICA NA RESISTÊNCIA Processos Tradicionais Tradicional a cura com vapor de água aquecido, para acelerar reações de hidratação do cimento, visando obter a resistência necessária rapidamente, para desfôrma em algumas horas. Cura térmica sem vapor não deve ultrapassar 40 graus, para evitar perda de água. Fazer estudos comparativos (laborat. e fábrica).

41 41 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Precauções com a Cura a Vapor Cura térmica a vapor: tradicional no mundo, com custo compatível com os benefícios obtidos. Necessário controle rigoroso da temperatura, para evitar excessos. Temperatura máxima: 70 graus.

42 42 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Efeitos da Alta Temperatura Temperaturas de 70 graus podem reduzir (10 a 20 %) a resistência do concreto para certos tipos de cimento. Temperaturas superiores reduzem ainda mais a resistência e podem causar falhas na superfície da peça.

43 43 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Estudo de Dosagem Estudos feitos em laboratório à temperatura ambiente, e correlação com a resistência obtida na fábrica. É importante controlar a temperatura em 70 graus para a correlação correta. Algumas empresas adicionam maior quanti- dade de cimento para compensar a queda de resistência devido à temperatura ultrapassar 70 graus.

44 44 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Estudo de Dosagem Solução simples: curar os cps num tambor submetido a condições de cura idênticas à da produção. Objetivo: avaliar com maior precisão a influência da temperatura da cura a vapor na resistência do concreto.

45 45 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Efeitos na Produção As temperaturas elevadas resultam em concretos de baixa resistência, que pode comprometer a segurança da peça. Resumo: o controle rigoroso da temperatura é essencial para a qualidade do concreto final.

46 46 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Cura Térmica a Baixa Temperatura Maturidade Correlação entre as Resistências Ensaios não Destrutivos Exemplo de Aplicação Características do Sistema Evolução Térmica do Concreto Maturidade da Peça e dos CPs Ensaio não Destrutivo

47 47 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS ADENSAMENTO Muito importante para a qualidade das peças pré-fabricadas. Objetivos: acomodar o concreto na fôrma e retirar as bolhas de ar. Utilização de dois ou mais vibradores de imersão simultaneamente na mesma peça. Um no lançamento do concreto e o outro no concreto já lançado, fazendo a finalização do adensamento.

48 48

49 49 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS DESMOLDANTE Produtos aplicados na superfície interna das fôrmas com o objetivo de facilitar a sua retirada. Utilizar produtos de qualidade reconhecida, a fim de evitar manchas no concreto aparente.

50 50

51 51 CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS APARÊNCIA Deve haver controle da aparência, peça por peça. Verificar: geometria, quinas, quantidade de bolhas, manchas. Controle eletrônico dos erros, para correção e evolução dos operários.

52 52


Carregar ppt "1 2151 – CONCRETOS ESPECIAIS CONCRETO PARA ESTRUTURAS PRÉ-FABRICADAS Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS BASTOS (wwwp.feb.unesp.br/pbastos) UNIVERSIDADE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google