A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Programa Espacial Brasileiro de Observação da Terra Seminário de Avaliação e Planejamento da OBT Campos do Jordão, dezembro 2004.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Programa Espacial Brasileiro de Observação da Terra Seminário de Avaliação e Planejamento da OBT Campos do Jordão, dezembro 2004."— Transcrição da apresentação:

1 Programa Espacial Brasileiro de Observação da Terra Seminário de Avaliação e Planejamento da OBT Campos do Jordão, dezembro 2004

2 Comparação entre Programas Espaciais PaísAgênciaOrçamento Anual (US$ bilhões) ALEMANHADLR1,10 FRANÇACNES2,10 ÍNDIAISRO0,49 JAPÃOJAXA1,70 EUANASA20,00 BrasilAEB/INPE0,10

3 Satélites de Observação da Terra: Políticas de Dados Diferentes políticas de acesso Alta resolução espacial (0.5 – 5 m) Ênfase comercial Média resolução (20-80 m) Baixo custo, sem royalties (LANDSAT) Disponibilidade via Internet (CBERS, ASTER) Alta resolução temporal, alta resolução espectral ( bandas) Diferentes resoluções Radar Diferentes bandas e resoluções

4 MODIS2001 MERIS2002 WFI2003 WFI-IRS2002 AWFI2008 Programas Internacionais de Sensoriamento Remoto – Optico (Alta Resolução Temporal)

5 LANDSAT51984 LANDSAT82008? SPOT41998 SPOT52002 CBERS CBERS IRS-P62003 Programas Internacionais de Sensoriamento Remoto – Optico (Media Resolução, Cobertura Global)

6 IKONOS2000 ORBVIEW2001 QUICK2002 EROS2001 SPOT Pleiades2007 Programas Internacionais de Sensoriamento Remoto – Optico (Alta Resolução)

7 ENVISAT ASAR C-HH ENVISAT- 2 C-dual TERRASA R X-dual interf RADARSA T-2 C-quad interf PALSARL-quad MAPSARL-quad Programas Internacionais de Sensoriamento Remoto - SAR

8 O que há num Satélite?

9 EstruturaPainel Solar e Suprimento Energia

10 Sensores Óptica Sensores Eletrônica Computador Bordo Controle Orbita e Atitude Transponders e antenas

11 Situação da Tecnologia Nacional SubsistemaCompetência Tecnológica Competência Industrial Painel SolarCompletaRecuperar EstruturaCompletaExistente TranspondersCompletaExistente Comp.BordoCompletaPotencial Controle ÓrbitaBaixaInexistente Sensores ÓpticosBaixa Detectores CCDInexistente Sensores SARPotencial

12 CBERS Work Share (70% China, 30% Brazil) Service Module StructureBrasil Thermal Control China Attitude and Orbit Control China Power supplyBrasil On-board computerChina TelemetryBrasil Payload Module CCDChina IRMSSChina WFIBrasil Data TransmissionChina Data collectionBrasil

13 PNAE: A Visão da ETE e a Visão da OBT

14 Plataforma Multi-Missão Massa185 Kg Potência consumida pela plataforma 150W Potência disponível para a carga útil 180W (80W eclipse) Inclinações0 a 90 Altitude400 Km a 1500 Km Estabilização3 axis

15 Plataforma Multi-Missão (cont.)

16 PMM equipada com câmera CCD e um transponder para coleta de dados. Órbita Polar. Principais Aplicações: Agricultura – Avaliação e estimativa de produtividade de áreas cultivadas; Recursos Hídricos – monitoramento de poluição em áreas costeiras; Defesa Civil. Satélite de Sensoriamento Remoto 1 (SSR-1)

17 Satélite SSR – 1 (em avaliação) Bandas Radiométricas Configuração em 2003 (largura de faixa imageada ~ 840 Km) (revisita ~ 5 dias) B1 Azul 0.45 – m B2 Verde 0.52 – m B3 Vermelho 0.63 – m B4 Infra-vermelho próximo 0.77 – m B5 Infra-vermelho médio 1.55 – m

18 Satélite de Sensoriamento Remoto 2 (SSR-2) Missão SSR-2 encontra-se em avaliação. Aplicações: agricultura, florestas, cartografia, mineração, oceanografia e defesa civil. Possiblidade em estudo: PMM equipada com carga útil radar. (SAR). (*) Resolução : 3m, 10m ou 30m Swath: 30km, 300km Sumário de requisitos, elaborado a partir de reunião com potenciais usuários. (INPE,abril / 2002) Banda: L Polarimetria: (HH, HV, VV, VH)

19 PNAE: A Visão da ETE para o SSR-1 Duas concepções são propostas para a missão SSR-1 (...). Na primeira, a PMM é equipada com uma câmera de largo campo de visada, com características semelhantes à câmera WFI prevista para os satélites CBERS 3 e CBERS 4. A missão poderia, em princípio, ser desenvolvida no âmbito de uma cooperação internacional, sendo que a Argentina já há longa data manifesta interesse no desenvolvimento conjunto desta missão (...) A segunda proposta para a missão SSR-1 é assemelhada à primeira no que concerne à plataforma orbital e à carga útil – PMM equipada com um instrumento semelhante ao WFI /CBERS 3&4. Ao invés da órbita polar, porém, nesta missão a órbita seria equatorial ou de baixa inclinação. A missão teria como objetivo principal a aquisição de dados para o monitoramento da região amazônica através de uma solução inovadora.

20 PNAE: A Visão da ETE para o SSR-2 Como na missão SSR-1, diferentes concepções encontram-se em estudo para a missão SSR-2. No momento todas consideram a possibilidade de desenvolvimento de um satélite SAR (synthetic apperture radar) em banda L, tendo este requisito sido definido em função de consultas preliminares aos potenciais usuários nacionais. Em um dos conceitos em avaliação, com o cognome de MAPSAR (multi-application purpose SAR), uma antena refletora seria montada em uma plataforma de pequeno porte, como a PMM. Este estudo vem sendo desenvolvido em conjunto com a agência espacial alemã (DLR). O outro conceito em avaliação consiste de uma antena ativa planar montada em uma plataforma de grande porte como a do satélite CBERS.

21 PNAE: A Visão da OBT O Brasil precisa de sensores ópticos com resolução espacial média e alta resolução temporal, e com bandas posicionadas nas faixas espectrais do visível e do infravermelho próximo (uma banda no infra-vermelho de ondas curtas é extremamente desejável). Estes requisitos são em parte atendidos pelo programa CBERS através do uso combinado de seus diferentes instrumentos. O sensor mais adequado para o Brasil seria um imageador de cobertura global com resolução espacial da ordem de metros, largura de faixa de 1000 km, e 5 bandas (3 no visível, 1 no infra-vermelho próximo, e 1 no infra-vermelho médio). Dever-se-ia pensar numa configuração como essa para a próxima geração do CBERS. Como complemento ao CBERS, o Brasil deve garantir o acesso a pelo menos mais dois sensores de média resolução espacial, a ser escolhidos entre o IRS, SPOT-5, LANDSAT e DMC/China. Devem ser iniciadas negociações com a China para possível acesso aos dados de seus dois satélites DMC.

22 PNAE: A Visão da OBT O Brasil deve colocar o programa de satélites de sensoriamento remoto com SAR em alta prioridade, pois se trata de uma tecnologia de ampla utilização potencial em nosso país. O programa deve enfatizar sensores com banda L, multipolarização e capacidade interferométrica. Para o monitoramento marinho, a prioridade passa a ser um SAR em banda C. Recomenda-se que o Brasil estabeleça conversações iniciais com países como a China e Israel, no sentido de avaliar a possibilidade de construção conjunta de um satélite de alta resolução espacial. Este satélite brasileiro de alta resolução deve pensado como um bem público, com imagens disponíveis sem custo para os usuários nacionais.

23 PNAE: A Visão da OBT As cargas úteis a serem colocadas na plataforma multimissão devem, em princípio, ser complementares aquelas dos sensores do programa CBERS. Considerando seu cronograma de construção, a primeira carga útil da plataforma multimissão deveria ser óptica, com um sensor AWFI similar aos dos satélites CBERS-3 e 4 ou um sensor de alta resolução e capacidade estereoscópica (câmara pancromática com no máximo 3 metros de resolução). Em ambos os casos, a órbita da plataforma deveria ser polar com cobertura global. A segunda carga útil da plataforma multimissão deveria ser um sensor SAR banda L, por suas características já demonstradas de imageamento das áreas florestais e agrícolas do território brasileiro. A OBT está comprometida com uma participação ativa na especificação dos sensores da plataforma multimissão e na construção do segmento solo destas missões.


Carregar ppt "Programa Espacial Brasileiro de Observação da Terra Seminário de Avaliação e Planejamento da OBT Campos do Jordão, dezembro 2004."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google