A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS – CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS – CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS – CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA

2 Evolução temporal e espacial do uso e ocupação do solo para os anos de 1994 e 2002 no município de Vitória, ES, utilizando imagens orbitais do satélite Landsat TM Fabíola Candido Silva Vieira

3

4 EVOLUÇÃO TEMPORAL E ESPACIAL DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO PARA OS ANOS DE 1994 E 2002 NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA – ES, UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS DO SATÉLITE LANDSAT TM Graduanda: Fabíola Candido Silva Vieira Orientador: Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos

5 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO DO SEMINÁRIO Introdução ê Objetivos ê Material e Métodos ê Resultados e Discussões ê Considerações finais

6 INTRODUÇÃO Uso e ocupação do solo em Vitória Utilização do sensoriamento remoto Evolução temporal 1994 e 2002 com imagens Landsat

7 1 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ð Brasil – problemas de concentração do solo - FAYET (1978) ð Aglomeração urbana na Grande Vitória – FJSN (1979) ð 1940 a 1960 expansão do território do município de Vitória CAMPOS JÚNIOR (2002) ð Vitória como principal pólo urbano de Vitória - PMV (2002)

8 2 SENSORIAMENTO REMOTO ð Conceito - MOREIRA (2003) ð Resoluções das imagens digitais - IBGE (2001) Resolução espacial Resolução espectral Resolução radiométrica Resolução temporal

9 OBJETIVOS ðAvaliar a evolução temporal e espacial do uso e ocupação do solo para os anos de 1994 e 2002 para o município de Vitória, utilizando-se imagens do satélite Landsat TM. ðDelimitar e pesquisar os possíveis impactos visíveis gerados pela concentração urbana desordenada; ðRealizar a classificação supervisionada por diferentes metodologias para os anos em estudo.

10 MATERIAL E MÉTODOS 2. SOFTWARE UTILIZADO 3. GERAÇÃO DA BASE DE DADOS 5. CLASSIFICAÇÃO DAS IMAGENS DIGITAIS 4. CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA 1. ÁREA EM ESTUDO

11

12 Digitalização no Arc View 3.3 POLYRAS Converção de polígono vetor para raster Converção de polígono vetor para raster POLYRAS Imagem Vetorial Imagem Raster Cartas Topográficas IBGE 1: Bairros Vitória Imagem Raster Bairros Vitória Município Vitória Município Vitória Quadrante em estudo Criação de uma Sub-imagem TIF para IDRISI mm mm mm mm mm IMPORT Banda Infravermelho próximo Banda azul Banda verde Banda vermelho WINDOW Banda azul Banda verde Banda vermelho Quadrante em estudo Banda azul Banda verde Banda vermelho Cena utilizada no trabalho Banda Infravermelho médio Banda Infravermelho próximo Banda Infravermelho médio Banda Infravermelho próximo Banda Infravermelho médio Etapas necessárias para a geração da base de dados

13 Localizar exemplos representativos de cada tipo de cobertura que pode se identificar na imagem Criação de assinaturas espectrais para cada tipo de cobertura Classificação da imagem inteira considerando cada pixel individualmente, comparando sua assinatura particular com das uma das assinaturas conhecidas Digitalização de polígonos em torno de cada área de treinamento

14 Validação das coordenadas X e Y das imagens MAKESING Banda 1 Banda 2 Banda 3 Banda 4 Banda 5 DIGITALIZER Digitalização das amostras de treinamento: 1. Água 2. Vegetação 3. Área urbana 4. Mangue 5. Solo exposto 6. Sombra Serviço de campo Coleta de pontos GPS Criação de uma imagem composta COMPOSITE Quadrante Banda 1 Validado X, Y Quadrante Banda 5 Validado X, Y Quadrante Banda 4 Validado X, Y Quadrante Banda 3 Validado X, Y Quadrante Banda 2 Validado X, Y Imagens composta e colorida normal Imagens composta e colorida falsa cor Quadrante Banda 1 Quadrante Banda 3 Quadrante Banda 4 Quadrante Banda 2 Quadrante Banda 5 Mapa vetorial das amostras de treinamento Criação dos arquivos de assinaturas MAX LIKE HARD CLASSIFIERS Classificação das imagens com base nos arquivos de assinaturas MINDIST PIPED Classificação paralelepípedo mínimos e máximos Classificação distância normalizada Classificação mínima bruta Classificação máxima verossimilhança Classificação Paralelepípedo desvio padrão

15 RESULTADOS E DISCUSSÕES

16 1. CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA PARA CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA PARA 2002

17 Uso e ocupação do solo do município de Vitória - ES, usando o método de classificação supervisionada de distância mínima normalizada, 1994.

18 Uso e ocupação do solo do município de Vitória - ES, usando o método de classificação supervisionada de máxima verossimilhança, 1994.

19 Uso e ocupação do solo do município de Vitória - ES, usando o método de classificação supervisionada de distância mínima normalizada, 2002.

20 Uso e ocupação do solo do município de Vitória - ES, usando o método de classificação supervisionada de máxima verossimilhança, 2002.

21 Evolução temporal do uso e ocupação do solo para os anos de 1994 e 2002 Método de classificação supervisionada de distância mínima normalizada

22 Método de classificação supervisionada de máxima verossimilhança Evolução temporal do uso e ocupação do solo para os anos de 1994 e 2002

23 CONSIDERAÇÕES FINAIS A utilização das imagens Landsat para os anos de 1994 e 2002 representou de maneira adequada a evolução temporal e espacial do uso e ocupação do solo nesse intervalo de tempo. A classificação supervisionada de distância mínima normalizada e máxima verossimilhança foram as metodologias que melhor representaram a realidade do real. A metodologia utilizada demonstrou eficiência, possibilitando-nos comprovar a evolução e crescimento da população de Vitória, com aumento da sua área urbana e diminuição da vegetação existente. Este fato possibilitou o entendimento do aumento dos impactos ambientais existentes na capital capixaba.

24 No gráfico da classificação de discriminação normalizada, a vegetação diminuiu em 8,76%, fruto da constante ocupação populacional nos morros e encostas da capital. A área urbana aumentou em 9.12%, graças ao crescimento urbano que a cidade passou nestes últimos oito anos em estudo. O mangue teve sua vegetação aumentada em 1.80%, devido a intensa atividade de proteção ambiental, promovidas pela PMV. O solo exposto diminuiu em 3.26%, devido a aglomeração na cidade, e o interesse de ocupar todos os locais disponíveis.

25 O aplicativo Idrisi for Windows foi de grande importância para a realização deste estudo, mostrando-se ser uma ótima ferramenta para a manipulação de imagens matriciais, permitindo que sejam criadas metodologias de acordo com o interesse do autor, além de possibilitar boa resolução e visualização dessas imagens.

26 GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS – CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google