A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1. 2 Introdução ao Programa Erasmus Mundus 2004-2008 e 2009-2013Introdução ao Programa Erasmus Mundus 2004-2008 e 2009-2013 Objectivos do ProgramaObjectivos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1. 2 Introdução ao Programa Erasmus Mundus 2004-2008 e 2009-2013Introdução ao Programa Erasmus Mundus 2004-2008 e 2009-2013 Objectivos do ProgramaObjectivos."— Transcrição da apresentação:

1 1

2 2 Introdução ao Programa Erasmus Mundus e Introdução ao Programa Erasmus Mundus e Objectivos do ProgramaObjectivos do Programa Acções do EMAcções do EM Alguns Resultados do EMAlguns Resultados do EM Agenda Algumas Conclusões do EMAlgumas Conclusões do EM

3 3

4 4 É um programa de cooperação e mobilidade da UE, no domínio do ensino superior, que pretende: visibilidade e atractividadeDar maior visibilidade e atractividade ao ensino superior europeu nos países terceiros. Conceder bolsasConceder bolsas de estudo financiadas pela UE: aos cidadãos de países terceiros, para estudarem na UE; aos cidadãos da UE, para estudarem em países terceiros. centro de excelênciaPromover a UE como um centro de excelência em aprendizagem, em todo o mundo. Âmbito do Programa Erasmus Mundus

5 5 Parlamento Europeu e pelo Conselho,05 de Dezembro de 2003Decisão nº 2317/2003/CEFoi instituído pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho, a 05 de Dezembro de 2003, através da Decisão nº 2317/2003/CE 20 de Janeiro de 2004Entrou em vigor a 20 de Janeiro de – 2008Aplica-se durante o período de 2004 – milhões de eurosTem um orçamento de 230 milhões de euros Em 2007, o programa foi avaliado e, dado o sucesso no período , foi estendido para Marcos Importantes do Programa EM Marcos Importantes do Programa EM

6 6 ERASMUS MUNDUS Decisão nº 1298/2008/EC O Programa ERASMUS MUNDUS foi publicado no Jornal Oficial da União Europeia, através da Decisão nº 1298/2008/EC, em 19 de Dezembro de Estende as actividades desenvolvidas na primeira fase do Programa EM Em Julho de 2009 foi publicado o Relatório da avaliação do Programa Erasmus Mundus Marcos Importantes do Programa EM Marcos Importantes do Programa EM

7 7

8 8 PromoverPromover o ensino superior com elevado nível de qualidade, aliciante tanto a nível da UE como além – fronteiras; EncorajarEncorajar e permitir aos diplomados e académicos de todo o mundo obter qualificações e / ou experiências na EU e fora das fronteiras da UE; DesenvolverDesenvolver uma cooperação mais estruturada entre a UE e as universidades de países terceiros; MelhorarMelhorar a acessibilidade e reforçar a imagem de marca e a visibilidade do ensino superior na UE. Objectivos

9 9 principais novidades relativamente ao Erasmus Mundus são:As principais novidades relativamente ao Erasmus Mundus são: Extensão para doutoramentos; Bolsas para os estudantes europeus; Melhor integração das instituições de ensino superior de países terceiros; Incorporação das Janelas de Cooperação Externa  nova designação: Parcerias Erasmus Mundus; Envolvimento de empresas; Maior envolvimento de centros de investigação. Novidades do EM

10 10

11 11 Acção 1 Mestrados Erasmus Mundus Acção 1 Mestrados Erasmus Mundus Acção 2 Bolsas de estudo Erasmus Mundus Acção 2 Bolsas de estudo Erasmus Mundus Acção 3 Parcerias Acção 3 Parcerias Acção 4 Promoção da atractividade Acção 4 Promoção da atractividade Organização Programa Erasmus Mundus Programa de Cooperação do Ensino Superior sobre Mestrados Programa de Cooperação do Ensino Superior sobre Mestrados

12 12 Programa de Cooperação do Ensino Superior sobre Mestrados e Doutoramentos Programa de Cooperação do Ensino Superior sobre Mestrados e Doutoramentos Acção 1A Erasmus Mundus Master Courses (EMMC) Acção 1B Erasmus Mundus Doctoral Programmes (EMJD) Acção 1A Erasmus Mundus Master Courses (EMMC) Acção 1B Erasmus Mundus Doctoral Programmes (EMJD) Bolsas de estudo EMMC Categoria A: Países Terceiros Categoria B: Países Europeus Bolsas de estudo EMJD Categoria A: Países Terceiros Categoria B: Países Europeus Bolsas de estudo EMMC Categoria A: Países Terceiros Categoria B: Países Europeus Bolsas de estudo EMJD Categoria A: Países Terceiros Categoria B: Países Europeus Acção 2 Parcerias Erasmus Mundus (Designação anterior Janelas de Cooperação Externa) Acção 2 Parcerias Erasmus Mundus (Designação anterior Janelas de Cooperação Externa) Acção 3 Promoção da Educação Superior Europeia Acção 3 Promoção da Educação Superior Europeia Organização Programa Erasmus Mundus

13 13 elevada qualidade um consórcio de universidadesSão programas de estudos de 2º ciclo com elevada qualidade e oferecidos por um consórcio de universidades. Duração: 1 a 2 anos (60 a 12 ECTS). mínimo de três instituições do ensino superiorEnvolve um mínimo de três instituições do ensino superior de pelo menos três países europeus diferentes, do EEE-EFTA, da Turquia, dos Balcãs Ocidentais ou da Suiça. - Pode incluir Instituições de Países Terceiros. - Pode incluir empresas e centros de investigação. ACÇÃO 1A – Erasmus Mundus Master Courses (EMMC) (1/2)

14 14 estudos, em pelo menos duas das três instituiçõesdiplomaOs estudantes têm de fazer estudos, em pelo menos duas das três instituições e obter um diploma duplo ou conjunto EURCada consórcio recebe um montante fixo, por ano = EUR EURCada parceiro recebe no máximo EUR. ACÇÃO 1A – Erasmus Mundus Master Courses (EMMC) (2/2)

15 15 elevada qualidade um consórcio de universidadesSão programas de estudos de 3º ciclo com elevada qualidade e oferecidos por um consórcio de universidades. mínimo de três instituições do ensino superiorEnvolve um mínimo de três instituições do ensino superior de pelo menos três países europeus diferentes, do EEE-EFTA, da Turquia, dos Balcãs Ocidentais ou da Suiça. - Pode incluir Instituições de Países Terceiros. - Pode incluir empresas e centros de investigação. ACÇÃO 1B – Erasmus Mundus Doctoral Programmes (EMJD) (1/2)

16 16 estudos, em pelo menos duas das três instituiçõesdiplomaOs estudantes têm de fazer estudos, em pelo menos duas das três instituições e obter um diploma duplo ou conjunto. ACÇÃO 1B – Erasmus Mundus Doctoral Programmes (EMJD) (2/2) EURCada consórcio recebe um montante fixo, por ano = EUR EURCada parceiro recebe no máximo EUR.

17 17 estudantesA bolsa de estudo para estudantes tem a duração igual à do curso. académicosA bolsas de estudo para académicos de países terceiros: tem a duração máxima de três meses. decisão da atribuição das bolsas de estudoA decisão da atribuição das bolsas de estudo: é tomada pelo consórcio e baseada no CV. Valor das bolsas de estudo de Mestrado (EMMC):Valor das bolsas de estudo de Mestrado (EMMC): EUR.  Do estudante Países Terceiros, por ano = (bolsa) (despesas de viagem) = EUR.  (fees no máx.) EUR  Do estudante Europeu, por ano = (bolsa) (despesas de viagem) = EUR  (fees no máx.) EUR Do académico, por três meses = 4.800x 3 = EUR ACÇÃO 1A – Bolsas de Estudo EMMC

18 18 estudantesA bolsa de estudo para estudantes tem a duração igual à do programa doutoral com duração até 36 meses. decisão da atribuição das bolsas de estudoA decisão da atribuição das bolsas de estudo: é tomada pelo consórcio e baseada no CV. Valor das bolsas de estudo de Doutoramento (EMJD) até 36 meses:Valor das bolsas de estudo de Doutoramento (EMJD) até 36 meses: EUR  Do estudante Países Terceiros, por ano = (bolsa) (despesas de viagem) = EUR  (fees no máx.) EUR  Do estudante Europeu, por ano = (bolsa) (despesas de viagem) = EUR  (fees no máx.) ACÇÃO 1B – Bolsas de Estudo EMJD

19 19 ACÇÃO 2 – Parcerias EM com Países Terceiros (1/2) Janelas de Cooperação Externa Europeiaspaíses terceirosEsta acção primeiramente designada “Janelas de Cooperação Externa” pretende promover a cooperação entre as instituições do Ensino Superior Europeias e as de determinados países terceiros, de modo a incrementar o intercâmbio de estudantes, investigadores e docentes. União Europeia24 países terceirosFoi iniciada em 2006, com a cooperação entre a União Europeia e 24 países terceiros. Posteriormente em 2008, a Comissão Europeia decidiu alargar a sua cobertura geográfica.

20 20 ACÇÃO 2 – Parcerias EM com Países Terceiros (2/2) Serviço de Cooperação EuropeAid Agência Executiva Educação, Audiovisual e CulturaEsta acção de cooperação e de mobilidade no Ensino Superior foi lançada pelo Serviço de Cooperação EuropeAid e é implementado pela Agência Executiva Educação, Audiovisual e Cultura. cobrir todos os níveis do Ensino SuperiorOs projectos seleccionados poderão cobrir todos os níveis do Ensino Superior, desde a licenciatura ao pós-doutoramento.

21 21 Apoia projectos estudos europeus de cooperação: imagem de marca, a visibilidade e a acessibilidade que visem melhorar a imagem de marca, a visibilidade e a acessibilidade do ensino superior europeu; garantia de qualidade, do reconhecimento de créditos e da mobilidade; que tenham dimensão internacional, com a garantia de qualidade, do reconhecimento de créditos e da mobilidade; instituição coordenadora A instituição coordenadora é de um país membro da União Europeia, do EEE-EFTA, Turquia, Balcãs ocidentais ou Suíça. ACÇÃO 3 – Promoção do Ensino Superior

22 22

23 23 Acção Selecção de 57 mestrados em consórcio Portugal participa em 13 mestrados EM, sendo coordenador de coordenador de 2 mestrados (Univ. Algarve e Univ. de Aveiro). Alguns Resultados EM

24 24 Acção alunos são de países terceiros; 42 académicos são de países terceiros alunos são de países terceiros, dos quais 350 são alunos asiáticos; 130 académicos são de países terceiros, dos quais 20 são académicos asiáticos. Alguns Resultados EM

25 25 Acção 3 Selecção de 19 parcerias; Portugal participa em 5 parcerias e destas, 3 são também com a China; 570 estudantes europeus são de países Terceiros; 120 académicos europeus leccionam e investigam em países Terceiros. Alguns Resultados EM

26 26 14 projectos de promoção da atractividade do ensino superior: 7 projectos iniciados em 2004; 7 projectos iniciados em Portugal participa em 3 projectos de promoção da atractividade do ensino superior Acção 4 Alguns Resultados EM

27 27 [1] [1] Estes valores incluem participações da mesma Instituição de Ensino Superior, em mais do que uma proposta. Participação das Instituições do Ensino Superior (IES), no período 2004 a 2006 Países da UE + EFTA +EEA Candidaturas Propostas Candidaturas Seleccionadas IESAprovadas Taxa de Sucesso (%) Alemanha248 (4º luga) ,53 Áustria236426,09 Bélgica ,55 Chipre0000,00 Dinamarca ,22 Eslováquia101110,00 Eslovénia172211,76 Espanha383 (1ª lugar) ,49 Estónia203215,00 Finlândia407517,50 França367 (2º lugar) ,62 Grécia344411,76 [1] [1] Estes valores incluem participações da mesma Instituição de Ensino Superior, em mais do que uma proposta.

28 28 Países da UE + EFTA +EEA Candidaturas Propostas Candidaturas Seleccionadas IESAprovadas Taxa de Sucesso (%) Holanda ,14 Hungria578314,04 Irlanda396515,38 Islândia2000,00 Itália277 (3º lugar) ,91 Letónia19000,00 Liechtenstein0000,00 Lituânia26000,00 Luxemburgo61116,67 Malta16116,25 Noruega ,91 Polónia ,00 Portugal131 (5º lugar) ,27 Reino Unido ,23 Rep. Checa489418,75 Suécia ,39 Total ,75 [1] [1] Estes valores incluem participações da mesma Instituição de Ensino Superior, em mais do que uma proposta.

29 29 Classificação Número em 2007 Percentagem em 2007 Percentagem em ,5% ,9%46,5% ,6%29,7% ,0%8,43% Total174100% Avaliação das Propostas Alguns Resultados

30 30 DuraçãoPropostasRecebidasPropostasAprovadas 1 ano110 Entre 1 e 2 anos213 2 anos14420 Total17623 Duração dos Mestrados da Acção 1, em Alguns Resultados

31 31 Idioma ING FRAFRAFRAFRAE EESPSPEESPSP ALEALEALEALEI IITATAIITATA PORPORPORPOR HOLHOLHOLHOL SUESUESUESUE CHECHECHECHE HUNHUNHUNHUN POLPOLPOLPOLDINFINE EESLSLEESLSL Total Idiomas dos Cursos de Mestrado Aprovados Alguns Resultados

32 32 Candidaturas por Área Científica, Total% Ciências Agrárias74,0% Arquitectura, Urbanismo e Planeamento Regional148,0% Artes e Desenho84,5% Estudos de Gestão e Ciências de Gestão1810,2% Educação e Ensino42,3% Engenharia e Tecnologia2212,5% Geografia e Geologia52,8% Humanidades95,1% Línguas e Ciências Filológicas63,4% Direito74,0% Matemática e Informática2614,8% Ciências Médicas137,4% Ciências Naturais179,7% Ciências Sociais137,4% Comunicação e Ciências da Informação21,1% Outras Áreas de Estudo52,8% Alguns Resultados

33 33 AnoCandidaturas (EMMC) (EMJD)135 Número Total de Candidaturas da Acção 1 Alguns Resultados EM e EM

34 34 DesignaçãoValores Candidaturas182 Países com mais candidaturas França (66) Alemanha (65) Espanha (65) Itália (57) Candidaturas com mais coordenação França (37) Itália (21) Reino Unido (16) Bélgica (16) Universidades envolvidas860 Propostas com Países Europeus25 Propostas com Países Terceiros50 Universidades de Países Terceiros14,5% Organizações não educacionais46% Alguns Resultados EM 2009 em “EMMC”

35 35 DesignaçãoValores Propostas aprovadas 50 Propostas (a iniciar em 2009) 31 Propostas em curso 19 Participação de Portugal em propostas aprovadas 9 Participação de Países Terceiros22 Coordenação de propostas aprovadas França (10) Suécia (7) Bélgica (7) Espanha (6) Portugal (2) Áreas Científicas Engenharia (11) Agricultura (8) Matemática (6) C. Naturais (6) C. Sociais (4) Alguns Resultados EM 2009 em “EMMC”

36 36 DesignaçãoValores Candidaturas135 Candidaturas com mais coordenação Itália (43) França (24) Alemanha (15) Reino Unido (10) Universidades envolvidas773 Propostas com Países Europeus25 Propostas com Países Terceiros 50 (EUA, China e Austrália, Rússia, canada e Japão) Organizações não educacionais 61% (484 organizações, de 62 países) Alguns Resultados EM 2009 em “EMJD”

37 37 DesignaçãoValores Propostas aprovadas 13 Participação de Portugal em propostas aprovadas 2 Participação de Países Terceiros16 Coordenação de propostas aprovadas Itália (4) França (4) Áreas Científicas C. Duras: Informática, Engenharia e Ambiente: 8 Humanidades e C. Sociais: 2 Gestão e Direito: 1 C. da Vida: 2 Alguns Resultados EM 2009 em “EMJD”

38 38

39 39 visibilidade do ensino superior da UEO Programa Erasmus Mundus pretende fazer realçar a visibilidade do ensino superior da UE no mundo. programas integrados de doutoramento, em Foram lançados os programas integrados de doutoramento, em com financiamento da Comissão Europeia. Portugal tem tido um desempenho bom.Comparando as actividades dos Mestrados Portugueses com as dos outros países da UE, no período verifica-se que Portugal tem tido um desempenho bom. Algumas Conclusões Mestrados e Doutoramentos sem Fronteiras

40 40 As fronteiras do conhecimento estão cada vez mais diluídas, não só devido à Internet (e-learning, e-bases de dados científicas, e-livrarias, e- bibliotecas e e-revistas), mas também a programas de formação, tal como o Erasmus Mundus, que agregam países europeus e países terceiros, no âmbito de mestrados e de doutoramentos. É crucial para o desenvolvimento económico e social de Portugal, que seja dada muita atenção à formação do capital humano, devendo a qualidade e o rigor técnico-científico ser apanágio de todos os cursos, especialmente os nível superior. Mestrados e Doutoramentos sem Fronteiras Algumas Conclusões

41 41

42 42

43 43

44 44 Com Participação de Instituições Portuguesas EMMS - Joint European Masters Programme in Materials Science: PT – Universidade de Aveiro;PT – Universidade de Aveiro; DE - Technische Universität Hamburg-Harburg; DK - Aalborg Universitet. Lista dos Mestrados Aprovados em 2004 Acção 1

45 45 European Joint Master in Water and Coastal Management: PT – University of Algarve;PT – University of Algarve; NO - University of Bergen; ES - University of Cadiz; UK - University of Plymouth. Com Participação de Instituições Portuguesas Lista dos Mestrados Aprovados em 2004 Acção 1

46 46 European Masters Program in Computational Logic: DE – Dresden University of Technology; IT - Free University of Bozen-Bolzano; AT - Vienna University of Technology; PT - New University of Lisbon;PT - New University of Lisbon; ES - Technical University of Madrid; Lista dos Mestrados Aprovados em 2004 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

47 47 European Masters Degree in Higher Education: NO – University of Oslo; PT - University of Aveiro;PT - University of Aveiro; FI - University of Tampere. Lista dos Mestrados Aprovados em 2004 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

48 48 International Master in Quaternary and Prehistory: IT - University of Ferrara; FR - National Museum of National History; PT - Polytechnic Institute of Tomar;PT - Polytechnic Institute of Tomar; ES - Rovira I Virgili University; PT - University of Tras-os-Montes and Alto Douro;PT - University of Tras-os-Montes and Alto Douro; Lista dos Mestrados Aprovados em 2004 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

49 49 Master der Europäischen Rechtspraxis: DE – University of Hanover; PT - Universidade Católica Portuguesa;PT - Universidade Católica Portuguesa; FR - University du Havre; FR - University of Rouen. Lista dos Mestrados Aprovados em 2004 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

50 50 Master Mundus: Crossways in European Humanities (2 years): F – Université de Perpignan; I - Universitá degli Studi di Bergamo; P - Universidade Nova de Lisboa;P - Universidade Nova de Lisboa; UK - University of Saint Andrews; UK - University of Sheffield. Lista dos Mestrados Aprovados em 2005 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

51 51 Master International “Vintage”, Vine, Wine and Terroir Management (2 years): F – Ecole Supérieure d’Agriculture d’Angers; GR - Technologiko Ekpedeftiko Idrima (T.E.I.) Athinas; E - Universidad Politecnica de Valencia; I - Università di Bologna; I - Università Cattolica del Sacro Cuore; P - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.P - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Lista dos Mestrados Aprovados em 2005 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

52 52 MIME: Master européen en Ingénierie des Médias pour l’Education (2 years): F – Université de Poitiers; E - Universidad nacional de Educación a Distancia; P - Universidade Técnica de Lisboa - Faculdade de Motricidade Humana.P - Universidade Técnica de Lisboa - Faculdade de Motricidade Humana. Lista dos Mestrados Aprovados em 2005 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

53 53 SEFOTECH.nut: European MSc Degree in Food Science, Technology and Nutrition (1 year, 6 months): B – Katholieke Hogeschool Sint-Lieven; IE - Dublin Institute of Technology; D - Hochschule Anhalt; P - Universidade Católica Portuguesa.P - Universidade Católica Portuguesa. Lista dos Mestrados Aprovados em 2005 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

54 54 Master on Work, Organizational and Personnel Psychology (WOP-P) (2 years): ES - Universitat de València; ES - Universitat de Barcelona; IT - Alma Mater Studiorum. Universitá degli Studi di Bologna; FR - Université René Descartes – Paris 5; PT - Universidade de Coimbra.PT - Universidade de Coimbra. Lista dos Mestrados Aprovados em 2006 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

55 55 PHOENIX EM Dynamics of Health and Welfare (2 years): FR – Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales; SE - Linköping Universitet; PT - Universidade de Évora;PT - Universidade de Évora; ES - Universitat Autònoma de Barcelona. Lista dos Mestrados Aprovados em 2006 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 1

56 56 Participação Portuguesa: Universidade do Algarve «coordenadora»; Universidade de Aveiro «em parceria»; Universidade Tràs-os-Montes e Alto Douro «em parceria» Instituto Politecnico de Tomar «em parceria»; Universidade Católica Portuguesa «em parceria». Lista dos Mestrados Aprovados em 2006 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 3

57 57 Participação Portuguesa (Projecto); Universidade Aberta «em parceria»; Universidade Nova de Lisboa «em parceria»; Universidade de Coimbra. «em parceria». Lista dos Mestrados Aprovados em 2006 Com Participação de Instituições Portuguesas Acção 4


Carregar ppt "1. 2 Introdução ao Programa Erasmus Mundus 2004-2008 e 2009-2013Introdução ao Programa Erasmus Mundus 2004-2008 e 2009-2013 Objectivos do ProgramaObjectivos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google