A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CISTERNA tecnologia social: atendimento população difusa Semi- árido: REGIME IRREGULAR DE CHUVA: variação inter-anual e sazonal necessidade de armazenamento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CISTERNA tecnologia social: atendimento população difusa Semi- árido: REGIME IRREGULAR DE CHUVA: variação inter-anual e sazonal necessidade de armazenamento."— Transcrição da apresentação:

1 CISTERNA tecnologia social: atendimento população difusa Semi- árido: REGIME IRREGULAR DE CHUVA: variação inter-anual e sazonal necessidade de armazenamento (GARANTIA DE SUPRIMENTO) ATLA NE- soluções de abastecimento para minicípios com mais de 5 mil habitantes

2 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Dimensionamento Déficit pluviométrico mês a mês. Área de captação do telhado. Volume da cisterna. Variáveis importantes sobre o dimensionamento de cisternas

3 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Segundo Jalfim (2001), o consumo de água necessária para suprir as necessidades básicas de uma pessoa é 6 litros por pessoa por dia. O autor considera necessidades básicas água para beber e cozinhar. Dimensionamento Segundo Ariyananda (1999), o valor correto para o consumo de água necessária para suprir as necessidades básicas de uma pessoa é 20 litros por pessoa por dia. O autor considera que entre as necessidades básicas estão a água para higiene pessoal.

4 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Dimensionamento Número de dias do mês Consumo diário por pessoa adotado Número de moradores na residência Volume necessário para suprir uma família.

5 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Dimensionamento Precipitação média do mês Área de captação Coeficiente de escoamento (perdas) Volume disponível no mês para abastecimento

6 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 O V2 deve ser maior ou igual ao V1. Nos meses em que o V1 for maior que o V2 deve-se tentar garantir a diferença em meses anteriores onde exista um excedente de água. Dimensionamento

7 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 ESTIMATIVA DE DESABASTECIMENTO DE CISTERNAS USANDO PREVISÕES PROBABILÍSTICAS DE PRECIPITAÇÃO SAZONAL (Dantas et al., 2006) ESTIMATIVA DE DESABASTECIMENTO DE CISTERNAS USANDO PREVISÕES PROBABILÍSTICAS DE PRECIPITAÇÃO SAZONAL (Dantas et al., 2006) a garantia de suprimento de água (G) em cada ano da série histórica é dada pela razão entre a quantidade de períodos em que a demanda foi atendida e o número de períodos totais calculados (365 no caso anual) a garantia de suprimento de água (G) em cada ano da série histórica é dada pela razão entre a quantidade de períodos em que a demanda foi atendida e o número de períodos totais calculados (365 no caso anual) déficit hídrico, que é a porcentagem de dias do ano em que a cisterna não atende a essa demanda déficit hídrico, que é a porcentagem de dias do ano em que a cisterna não atende a essa demanda

8 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Qualidade da água de chuvas Em geral a água de chuva é adequada para o consumo humano, com exceção de locais onde existam muita poluição atmosférica (Andrade Neto, 2003). A contaminação da água de chuvas normalmente acontece após o contato com o telhado ou partes do sistema de captação-armazenamento (Andrade Neto, 2003).

9 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos Dissertação de Mestrado AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE BARREIRAS SANITÁRIAS EM MODELOS PILOTO PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUAS DE CHUVA NO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO Autor: Sérgio Henrique Braga de Souza Orientadora: Profª Dra. Suzana Montenegro Co-orientadora: Profª Dra. Sylvana Santos

10 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Soluções adequadas para qualidade da água Equipamento de descarte automático das primeiras águas.

11 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Soluções adequadas para qualidade da água Bomba Manual

12 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Descrição da área de estudo Localização de Pesqueira na região agreste de Pernambuco Fonte: Modificado de Pesqueira (21/01/08).

13 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Seleção dos locais para instalação Vila de casas conjugadasEscola Municipal São José

14 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Projeto dos Modelos Piloto Projeto do Modelo Piloto instalado na vila de casas conjugadas

15 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Projeto dos Modelos Piloto Projeto do Modelo Piloto instalado na Escola rural

16 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Projeto dos Modelos Piloto Desvio : Teoria dos vasos comunicantes Desvio : Princípio do fecho hídrico

17 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Instalação dos Modelos Piloto Assentamento das placas da paredeRevestimento das paredes

18 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Instalação dos Modelos Piloto Módulo Misturador

19 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Experimento Escolha dos pontos de amostragem de água

20 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Experimento Objetivos dos pontos de coleta Ponto de coleta ObjetivoA Investigar a qualidade original da água de chuva. B Investigar a qualidade da água que passou pelo teto e pelas calhas e que não será destinada às cisternas. C Investigar o desempenho do dispositivo de desvio das primeiras águas de chuva. D e E Investigar a qualidade da água armazenada nas cisternas. D e E Investigar a qualidade da água na saída das bombas.

21 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 alcalinidade turbidez O dispositivo de descarte das primeiras águas instalado na vila de casas conjugadas, que é fundamentado no princípio do fecho hídrico, obteve êxito em melhorar a qualidade da água em todos os parâmetros analisados, tanto do ponto de vista físico- químico, quanto do ponto de vista bacteriológico.

22 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 DESAFIOS Desabastecimento Desabastecimento »volume das cisternas x Consumo »períodos secos Caminhão pipa, garantia qualidade da água Caminhão pipa, garantia qualidade da água Qualidade da água« » barreiras sanitárias bomba manual, dispositivo de descarte Qualidade da água« » barreiras sanitárias bomba manual, dispositivo de descarte Educação ambiental

23 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS PARA O SEMI- ÁRIDO CAMPINA GRANDE, MAIO 2009 Monitoramento participativo da qualidade da água (Agentes de Saúde, Alunos de Escolas Rurais) Monitoramento participativo da qualidade da água (Agentes de Saúde, Alunos de Escolas Rurais) Articulação institucional (ONGs, agentes de saúde, prefeituras) Experiências: Bacia do Tapacurá (PE), Ceará (EMBRAPA), etc. Experiências: Bacia do Tapacurá (PE), Ceará (EMBRAPA), etc. Desinfecção (SODIS, etc) Desinfecção (SODIS, etc) DESAFIOS


Carregar ppt "CISTERNA tecnologia social: atendimento população difusa Semi- árido: REGIME IRREGULAR DE CHUVA: variação inter-anual e sazonal necessidade de armazenamento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google