A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FÓRUM DE ATENÇÃO BÁSICA DA MACRORREGIÃO FORTALEZA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO COORDENADORIA DE POLÍTICAS E ATENÇÃO À SAÚDE NÚCLEO DE ATENÇÃO PRIMÁRIAMAIO/2013.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FÓRUM DE ATENÇÃO BÁSICA DA MACRORREGIÃO FORTALEZA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO COORDENADORIA DE POLÍTICAS E ATENÇÃO À SAÚDE NÚCLEO DE ATENÇÃO PRIMÁRIAMAIO/2013."— Transcrição da apresentação:

1

2 FÓRUM DE ATENÇÃO BÁSICA DA MACRORREGIÃO FORTALEZA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO COORDENADORIA DE POLÍTICAS E ATENÇÃO À SAÚDE NÚCLEO DE ATENÇÃO PRIMÁRIAMAIO/2013

3 o Apoiar as Coordenadorias Regionais de Saúde do Estado (CRES) na Organização da Atenção Primária à Saúde.

4 ÁREAS DE RESPONSABILIDADES GESTÃO DA APS ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ATENÇÃO À SAÚDE DO IDOSO o ATENÇÃO À SAÚDE DO HOMEM ATENÇÃO À SAÚDE DO ADULTO o ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE o ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER

5 A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Lei 8.080/90 – CAPÍTULO IV: Da Competência e das Atribuições Seção II – Da Competência Art compete à união promover a descentralização para unidades federadas e municípios, dos serviços e ações de saúde respectivamente de abrangência estadual e municipal; Art compete aos estados promover a descentralização para os municípios dos serviços e ações de saúde; Lei 8.142/90: Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências Art. 1°- O Sistema Único de Saúde (SUS), de que trata a Lei n° 8.080, de 19 de setembro de 1990, contará, em cada esfera de governo, sem prejuízo das funções do Poder Legislativo, com as seguintes instâncias colegiadas: I - a Conferência de Saúde; e II - o Conselho de Saúde

6 COORDENADORIAS REGIONAIS DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ 1ª FORTALEZA 7ª ARACATI 13ª TIANGUÁ 19ª BREJO SANTO 2ª CAUCAIA8ª QUIXADÁ14ª TAUÁ20ª CRATO 3ª MARACANAÚ 9ª RUSSAS 15ª CRATEÚS 21ª JUAZEIRO DO N. 4ª BATURITÉ 10ª LIMOEIRO DO N. 16ª CAMOCIM 22ª CASCAVEL 5ª CANINDÉ11ª SOBRAL17ª ICÓ 6ª ITAPIPOCA 12ª ACARAÚ18ª IGUATÚ

7 MACRORREGIÕES DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ

8 Fundamentos e Diretrizes Possibilitar o acesso universal e contínuo a serviços de saúde de qualidade e resolutivos – PORTA DE ENTRADA ABERTA E PREFERENCIAL oAdscrever os usuários e desenvolver relações de vínculo e responsabilização entre as equipes e a população oCoordenar a integralidade das ações realizando a gestão do cuidado integral do usuário junto as redes de atenção oEstimular a participação do usuário no enfrentamento dos determinantes e condicionantes de saúde

9 POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇAO BÁSICA - ESF. As ações da Estratégia Saúde da Família são oferecidas por equipes multiprofissionais formadas por, no mínimo, um médico, um enfermeiro, um auxiliar ou técnico de enfermagem e até 12 agentes comunitários de saúde (ACS) e, preferencialmente, 1 cirurgião-dentista e 1 auxiliar e/ou 1 ou 2 técnico(s) em Saúde Bucal. ACS – Máximo de 750 pessoas - Máximo 12 ACS/ESF Carga populacional máxima – pessoas/média recomendada de pessoas Jornada de 40 horas semanais...com exceção dos profissionais médicos...dedicação mínima de 32 horas para atividades na ESF

10 POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇAO BÁSICA - ACS...e até 8 horas do total da CH para prestação de serviços na rede de urgência/ especialização em Saúde da Família, Residência Multiprofissional e/ou de Medicina de Família... OUTRAS MODALIDADES DE CARGA HORÁRIA PARA MÉDICOS 40, 30 e 20 horas semanais EQUIPES TRANSITÓRIAS – Porte Populacional

11

12 Perfil demográfico e epidemiológico

13 A modalidade permite o uso mais racional de recursos, aumentando a disponibilidade de leitos, ao diminuir a permanência hospitalar DIFERENCIAL 2)-Uso Racional de Recursos 3)- Valores Imensuráveis DIGNIDADEDIGNIDADE SATISFAÇÃOSATISFAÇÃO INCLUSÃOSOCIALINCLUSÃOSOCIAL RECUPERAÇÃO

14 MUNICÍPIOSEQUIPES EMAD EQUIPES EMAP MARANGUAPE11 MARACANAÚ21 SÃO GONÇALO 11 TOTAL43 o Art. 8º As EMAD deverão ser organizadas a partir de uma base territorial, sendo referência em atenção domiciliar para uma população definida, e se relacionar com os demais serviços de saúde que compõem a rede de atenção à saúde, em especial a atenção básica." (NR) PT de 16 de JULHO de 2012

15 MARANGUAPE – GM Nº de 30 de Dezembro de 2011 – Hospital Municipal Argeu Braga Herbster (1 EMAD E 1 EMAP) ; GM Nº de 27 de Junho de UBS Antonio Vieira (1 EMAD E 1 EMAP) – FEVEREIRO/ R$ ,00 EMAD = ,00 EMAP = 6.000,00 MARACANAÚ – GM Nº 2.47 de 25 de Setembro de 2012 – Hospital Municipal João Elísio de Holanda ( 2 EMAD e 1 EMAP) SÃO GONÇALO – Hospital Geral Luiza Alcântara e Silva ( 1 EMAD e 1 EMAP) MUNICÍPIOS HABILITADOS

16 PT GM 963 DE 27 DE MAIO DE 2013 REVOGA AS PORTARIAS 2.527/2011 e 1.533/2012 ARTs 1º, 2º e 6º >= 20 mil habitantes EMAD 1 – EMAD 2 com cadastro obrigatório no CNES EMAP – pré requisito EMAD Modalidades AD 1, AD2, AD3 Capítulo III - & 3º (possibilita consórcio) Art. 34

17 ELEGÍVEIS – 25 MUNICÍPIOS 1ª CRES: Fortaleza, Aquiraz, Itaitinga 2ª CRES: Caucaia, Itapajé, Paracuru, Paraipaba, Pentecoste 3ª CRES: Pacatuba, Guaiuba 4ª CRES: Aracoiaba 6ª CRES: Itapipoca,Trairi, Amontada, Uruburetama 7ª CRES: Aracati 9ª CRES: Russas, Morada Nova, Jaguaruana 10ª CRES: Limoeiro do Norte, Jaguaribe, Tabuleiro do Norte 22ª CRES: Pacajus, Beberibe, Ocara

18 Cobertura Estadual Abril 2013 População: habitantes ACS - 83,98% ESF – 69% Cobertura Macrorregião Fortaleza Abril 2013 População: habitantes (57,8%) ACS – 72,67% ESF – 59,63%

19 ORDENADORA DAS RAS - RAP ESF PSE NASF SAD CONS. RUA APS TS ACD

20 DESAFIOS Processo de Trabalho – EQUIPE Lembrar - São atribuições comuns a todos os profissionais: I - participar do processo de territorialização e mapeamento da área de atuação da equipe, identificando grupos, famílias e indivíduos expostos a riscos e vulnerabilidades II - manter atualizado o cadastramento das famílias e dos indivíduos no sistema de informação... V - garantir da atenção a saúde buscando a integralidade por meio da realização de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde e prevenção de agravos VIII - responsabilizar-se pela população adscrita, mantendo a coordenação do cuidado mesmo quando esta necessita de atenção em outros pontos de atenção do sistema de saúde ATENÇÃO SECUNDÁRIA

21 ATUALIZAR TERRITÓRIOS – POTENCIALIDADES: COSEMS, GESTORES, EQUIPES DA ESF, COORDENADORIAS REGIONAIS, NUAP, APOIADOR INSTITUCIONAL DESCENTRALIZADO/DAB, CGTES, CESAU, ESP... EQUIPES INTEGRADAS AMPLIAÇÃO DAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PMAQ, PROVAB, TELESSAÚDE 20 MUNICÍPIOS APRESENTAM COBERTURA ABAIXO DE 70% AMPLIAÇÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE – 20 MUNICÍPIOS APRESENTAM COBERTURA ABAIXO DE 90% AMPLIAR CAPACIDADE DE MONITORAMENTO, ANÁLISE E PLANEJAMENTO ORDENAÇÃO DO TRABALHO DAS ESF/NASF/ACADEMIA DA SAÚDE – OFICINAS REGIONAIS/TERRITORIALIZAÇÃO/ATUALIZAÇÃO DE CADASTROS FAMILIARES EVITAR RODÍZIOS SISTEMÁTICOS DE TÉCNICOS NAS EQUIPES DAS SMS PARTICIPAR, ATIVAMENTE, DOS FÓRUNS DE FORMAÇÃO, DISCUSSÕES E DECISÕES PNAB COMO CARTILHA PERMANENTE DESAFIOS Ampliar áreas de vigilância e assistência – profissionais qualificados

22 OBRIGADA!


Carregar ppt "FÓRUM DE ATENÇÃO BÁSICA DA MACRORREGIÃO FORTALEZA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO COORDENADORIA DE POLÍTICAS E ATENÇÃO À SAÚDE NÚCLEO DE ATENÇÃO PRIMÁRIAMAIO/2013."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google