A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Inspeção de Sistemas de Prevenção e Combate a Incêndios Arqª e Urb ª Vanessa Pacola Francisco Engª Civil e de Seg. do Trab. Marli Kalil Câmara de Inspeção.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Inspeção de Sistemas de Prevenção e Combate a Incêndios Arqª e Urb ª Vanessa Pacola Francisco Engª Civil e de Seg. do Trab. Marli Kalil Câmara de Inspeção."— Transcrição da apresentação:

1 Inspeção de Sistemas de Prevenção e Combate a Incêndios Arqª e Urb ª Vanessa Pacola Francisco Engª Civil e de Seg. do Trab. Marli Kalil Câmara de Inspeção Predial – BAPE/SP Out/2013

2 NOTÍCIAS BRASILEIRAS INCÊNDIOS

3 15 de dezembro de 1961 – Niterói/RJ 503 pessoas morreram no Gran Circo Norte-Americano Sabotagem

4 Em 1972 – Centro de São Paulo Fogo consumiu o Edifício Andraus - 16 mortos e 330 feridos Sobrecarga do sistema elétrico

5 Em 1974 – Centro de São Paulo Fogo consumiu o Edifício Joelma 188 mortos e 345 feridos Curto-circuito - aparelho de ar condicionado

6 Em 1976 – Porto Alegre Incêndio das Lojas Renner 41 mortos e 60 feridos

7 Em 1984 – Vila Socó – Cubatão/SP 500 casas foram destruídas em minutos 100 mortos e milhares de feridos e desabrigados Madeira e gatos de eletricidade juntamente com vazamento numa das tubulações da Refinaria Presidente Bernardes

8 17 de fevereiro de 1986 – Centro do RJ Fogo destruiu o edifício Andorinha prédio comercial 23 mortos e mais de 40 feridos Curto-circuito no sistema elétrico de um dos andares

9 20 de junho de 2000 – Uruguaiana/RS Incêndio na Creche Casinha da Emília- 12 crianças entre 2 e 4 anos morreram Curto circuito num aquecedor

10 24 de novembro de 2001 – BH Show no Canecão Mineiro - 7 mortos e 300 feridos Um acidente com uma queima de fogos no palco

11 Em 2008 – São Paulo Teatro Cultura Artística - Sem mortos e feridos Curto-circuito

12 27 de janeiro de 2013 – Santa Maria/RS Incêndio na boate Kiss 242 mortos e centenas de feridos Um acidente com uma queima de fogos no palco

13 6 de junho de 2013 – Porto Alegre Incêndio no Mercado Público Sem mortos e feridos Fogo iniciou no Bar e Choperia Atlântico, junto a tubulação de energia elétrica

14 Notícias sobre incêndios em construções são quase comuns no dia-a-dia das grandes cidades. Fiação antiga e sem manutenção, acidentes com produtos químicos e falha humana são os principais fatores causadores destas catástrofes. O propósito da segurança contra incêndio em edificações é a redução do risco de vidas e da propriedade.

15 Das tragédias nos grandes prédios, vieram mudanças. Materiais de construção mais seguros, exigência de saídas de emergência para o caso de incêndio. Novos equipamentos para os bombeiros.

16 NOTÍCIAS BRASILEIRAS RISCOS E ACIDENTES

17 5 de janeiro de 2011 – São Paulo ZN 27 anos depois a prefeitura interdita shopping center na zona norte a cidade Risco de explosão por causa do acúmulo de gás metano. Os três estabelecimentos ficam no mesmo terreno - em cima de uma montanha de lixo em decomposição.

18 3/06/2013 – Ferraz de Vasconcelos – SP Vazamento de gás mata marido e ainda esposa grávida de sete meses sofre aborto A instalação errada - instalado aquecedor de gás natural, porém o condomínio era abastecido por GLP.

19 17/09/ Ferraz de Vasconcelos – SP Vazamento de gás mata mãe e três filhos em apartamento A instalação errada - instalado aquecedor de gás natural, porém o condomínio era abastecido por GLP.

20 25 de setembro de 2013 – São Paulo - ZL Vazamento de gás causa interdição parcial de condomínio A Defesa Civil interditou o local depois de ser constatado um vazamento de gás na tubulação do andar térreo

21 SISTEMA DE PREVENÇÃO AO FOGO E COMBATE A INCÊNDIO É o conjunto, procedimentos e instalações hidráulicas, elétricas, acessórios e demais instalações e componentes pertinentes que quando acionados ou em uso possibilitam a ação desejada.

22 Fogo x Incêndio Fogo – Para sua existência é necessário o combustível, o oxigênio associado a fonte de ignição. Entende- se por situação de fogo quando podemos controlar com relativa facilidade um dos elementos presentes na reação, através de pequenas e rápidas ações, como extingui-lo com água, abafamento, ou seja, anular a fonte ou o produto que está sendo queimado. Incêndio – É o fogo em situações desproporcionais ou descontroladas, destruindo e podendo causar prejuízos ao meio ambiente, onde se exige a ação intensa de meios e equipamentos de maior potência para controle e extinção.

23 INCÊNDIO Não pode ser classificado como tragédia, pois a tragédia é, por definição, algo que não pode ser previsto nem controlado.

24 SISTEMA: COMBATE A INCÊNDIO Pautados em requisitos estabelecidos nas normas técnicas da ABNT Caso ocorram uso de equipamento ou acidentes de qualquer natureza, envolvendo os sistemas de prevenção e combate a incêndio, estes devem ser inspecionados imediatamente. Fica a dica!

25 SistemaCaracterísticas TécnicasManutenção PORTA CORTA FOGO (PCF) - Devem abrir no sentido de saída; - Em locais de reunião de público acima de 100 pessoas as PCFs deve ser provida de barra antipânico; - As PCFs devem permanecer fechadas por dispositivo de pressão; - Devem estar instaladas tanto na PCF quanto no batente placas numeras padronizadas pela ABNT e INMETRO. Deve ser mantida uma faixa livre de pelo menos 1 m de qualquer obstáculo; Mensalmente deve ser efetuado ensaio de funcionamento da PCF, observado o automatismo fechamento e facilidade de abertura; Semestralmente, inspeção de todos os componentes (molas, travas, ferrolhos e Barra antipânico); Anualmente, deve ser efetuada inspeção total verificando, corrosão, empenamento e deterioração.

26

27 SistemaCaracterísticas TécnicasManutenção GÁS- Todo o ambiente que faça o uso, estoque ou movimentação de gás deve possuir ventilação permanente; - O armazenamento de recipientes de gás deverá estar em ambiente exclusivo, ventilado e em acesso externo a edificação; - Quando disponível sistema de distribuição de gás de rua a edificação deve ser atrelada, eliminando o seu estoque. Nenhuma unidade habitacional deve possuir reservatório de gás em seu interior; Promover a substituição dos componentes da rede de gás em conformidade com o fabricante; Anualmente, fazer uma verificação do estado geral do sistema.

28

29 SistemaCaracterísticas TécnicasManutenção ILUM.DEEMERGÊNCIAILUM.DEEMERGÊNCIA - clarear áreas escuras de passagens, horizontais e verticais; - sinalizar rotas de fuga utilizáveis no abandono da edificação; - balizar, com o uso de símbolos ou frases, que indiquem a rota de saída; - assinalar todas as mudanças de direção, obstáculos, saídas, escadas; - não deve ser obstruída por anteparos ou arranjos; - As baterias devem possuir vida útil de 4 anos, isenta de manutenção, quando centralizadas, em compartimento resistente a 2 horas de fogo; - As luminárias dispostas não mais que 15 metros umas das outras, e ser visível de todos os pontos. Rotineiramente verificar se a luminária está ligada a rede; Mensalmente deve ser efetuado um ensaio do funcionamento, observado o acionamento quando a energia é cortada; Anualmente, verificar deve ser verificada a autonomia do sistema em funcionamento, nunca inferior a 1 hora e ainda verificar todo sistema de iluminação

30

31 SistemaCaracterísticas TécnicasManutenção EXTINTORES - Devem estar dispostos em todos os pavimentos da edificação. - Devem ser disposto pelo menos duas unidades extintoras, por pavimento (Sendo uma para incêndio classe A água e outra para classe C CO2 ou Pó BC, podem ser substituídos por 2 unidades ABC); - Devem ser dispostos em locais fixos, determinados em projeto, a alça do extintor deve estar no máximo a 1,6 metros do piso, quando apoiado no chão, deve possuir base que o distancie no mínimo a 20 centímetros do chão; - Quando embutido em abrigo ou armário, a tampa do mesmo deve ser transparente e sinalizada. Mensalmente, verificar se o extintor está desobstruído numa faixa de 1 metro a qualquer obstáculo, verificar se está disponível a identificação por placa e ainda verificar o nível de carga, lacre, estado geral do extintor e seu suporte. Seguir a periodicidade de recarga e de teste de estanqueidade do casco do extintor fixado pelo fabricante ou empresa de manutenção.

32

33

34 SistemaCaracterísticas TécnicasManutenção HIDRANTES E MANGOTINHOS - Deve ser disposto um conjunto em cada pavimento, disposto não mais que 5 metros do acesso ao pavimento, distribuídos de forma que a mangueira alcance qualquer ponto a área a ser protegida; - O conjunto nunca deve ser instalado dentro de escadas ou antecâmaras de fumaça Há duas possibilidades de proteção: 1 - Proteção por hidrante: - Deve possuir: Válvula com engate rápido, 40 mm (dentro ou fora do abrigo); - O abrigo deve possuir: 1 ou 2 rolos de mangueira, com 15 metros cada; 1 chave de hidrante; 1 esguicho regulável. 2 - Proteção por mangotinho: - Deve possuir: Válvula com engate rápido, 40 mm (fora do abrigo). - O abrigo deve possuir a mangueira rígida (de 25 ou 32 mm), já conectada a rede mediante uma válvula de abertura rápida e em sua ponta o esguicho regulável. Obs: Não é necessário dispor da mangueira de 40mm. Mensalmente, verificar se as mangueiras estão enroladas de forma a facilitar o seu uso, verificar se todos os componentes do abrigo estão disponíveis, verificar se o hidrante está desobstruído numa faixa de 1 metro a qualquer obstáculo e ainda verificar se está disponível a identificação por placa; Anualmente, verificar o estado de conservação de todo o sistema; Seguir a periodicidade de teste hidrostático fixado pelo fabricante ou empresa de manutenção. Devem ser seguidas a periodicidade da manutenção preventiva; e Elaborado pelo projetista do sistema.

35

36

37 SistemaCaracterísticas TécnicasManutenção CHUVEIRO AUTOMÁTICO Não são obrigatórios em prédios residenciais. Em empreendimentos comerciais, aconselha-se manutenção uma vez por ano. DETECTOR DE FUMAÇA E CALOR Não são obrigatórios em prédios residenciais. Em empreendimentos comerciais, aconselha-se manutenção uma vez por ano.

38

39 SistemaCaracterísticas TécnicasManutenção ROTA DE FUGA - É composta por portas, corredores, halls, passagens externas, escadas, rampas, ou outros dispositivos de saída, a ser percorrido pelo usuário em caso de emergência, de qualquer ponto da edificação, até atingir espaço aberto; - Deve ser formada por um caminho continuo, devidamente protegido, sinalizado com placas fotoluminescente; - A saída de emergência é dimensionada em função da população da edificação, da ocupação e das distâncias a serem percorridas; - As rampas (quando utilizadas), não podem terminar em degraus; - As escadas devem possuir corrimãos contínuos em ambos os lados; - Os elevadores não devem ser utilizados a fim de evacuação da edificação. Mensalmente, verificar se a rota de fuga está desobstruída, verificar se o corrimão encontra-se firme, sem pontas vivas (observa-se seu suporte preferencialmente no formato L), verificar a integridade do piso; Anualmente, verificar a integridade, e sua interação com demais sistemas ( sinalização, iluminação, ventilação, portas corta fogo); Na manutenção do piso, verificar com projetista o melhor indicado, com coeficiente de atrito não inferior a 0,5 e que evite desemplacamento térmico, em caso de incêndio.

40

41

42 SistemaCaracterísticas TécnicasManutenção CAIXAS / PRUMADAS - Deve ser compartimentado horizontalmente por selos corta- fogo, que protegem as aberturas destinadas a passagem de instalações (elétricas, hidro sanitárias, telefônicas, e outras); - Devem possuir seladura total do tipo corta-fogo; - Os selos aplicados no entorno de tubulações com mais de 40 mm devem ser capaz de fechar o buraco, caso este seja consumido pelo fogo; - As prumadas de ventilação e exaustão permanente (de banheiros, churrasqueiras,..), devem ser compartimentadas verticalmente. Sempre reparar avarias do selo corta-fogo, por ventura de qualquer intervenção; Retirar materiais estranhos, repousados ou esquecidos sobre os selos; Devem ser seguidas a periodicidade de substituição dos selos, elaborado pelo projetista do sistema (consulte o manual do proprietário).

43

44 ROTEIRO DE INSPEÇÃO PREDIAL elaborado por: PAULO CHAVES DE ARAÚJO (Ten. Cel. Res. do Corpo de Bombeiros de São Paulo). Ao iniciar uma inspeção predial de proteção contra incêndio o profissional deve fazer no mínimo as seguintes perguntas: O prédio possui AVCB com validade em dia? Se não possui, sugerir consultar o site do Corpo de Bombeiros do estado para saber como providenciar. A inspeção deve prosseguir, tenha ou não tenha o prédio o AVCB, a fim de inspecionar no mínimo as seguintes medidas de segurança contra incêndio:

45 Medida 01 - Plano de Emergência O prédio possui procedimentos ou plano de emergência contra incêndio em conformidade com a Norma ABNT NBR e com o RT do Corpo de Bombeiros do seu estado? Se não possui, sugerir providenciar. O plano de emergência contém uma rotina de inspeção visual diária da central de detecção e alarme de incêndio, em conformidade com o que recomenda o manual do fabricante do equipamento? Contém uma rotina de inspeção periódica do sistema de detecção e alarme de incêndio, em conformidade com a Norma ABNT NBR 17240? Contém os principais procedimentos para os participantes da equipe de abandono? Orientador de saída Vistoriador e Coordenador da equipe de abandono do andar Contém o ponto de encontro?

46 Medida 02 – Sistema de detecção e alarme de incêndio Possui sistema de detecção e alarme de incêndio em conformidade com a Norma ABNT NBR e em conformidade com o RT do Corpo de Bombeiros local? Se possui, o inspetor deve: Central de detecção e alarme de incêndio: Efetuar a inspeção visual diária, em conformidade com o que recomenda o manual do fabricante do equipamento, conforme previsto no plano de emergência e inspecionar os demais equipamentos que fazem parte do sistema tais como acionadores manuais, detectores de calor e de fumaça e avisadores sonoros e visuais (sirenes).

47 Medida 03 - Sistema de comunicação interna Testar o funcionamento do sistema de interfones, quando houver. Medida 04 - Brigada de incêndio O prédio possui Brigada de Incêndio em conformidade com a NBR e com o RT do Corpo de Bombeiros local? Se possui o inspetor deve avaliar o conhecimento de um ou mais brigadistas em conformidade com o RT do Corpo de Bombeiros local.

48 Medida 05 - Bombeiro Civil O prédio possui Bombeiro Civil, em conformidade com a Norma ABNT NBR e em conformidade com o RT do Corpo de Bombeiros local? Se possui o inspetor deve avaliar o conhecimento de um ou mais bombeiros em conformidade com o RT o Corpo de Bombeiros local.

49 Medida 06 - Saídas de emergência O prédio possui saídas de emergência, sinalizadas e iluminadas em conformidade com a Norma ABNT NBR 9077 e em conformidade com o RT do Corpo de Bombeiros local? Se possui, o inspetor deve vistoriar todas as saídas para: Verificar se há algum material que possa obstruir a saída das pessoas; Verificar fechamento e vedação das portas corta fogo; Verificar as condições do selo de certificação de conformidade das portas corta fogo; Verificar as condições de funcionamento do eletroímã das portas corta fogo, quando houver;

50 Verificar as condições da sinalização do andar, dentro e fora da escada de emergência, quando houver; Verificar as condições dos corrimãos; quando houver; Testar as condições de funcionamento das luzes de emergência no interior da escada e das rotas de fuga; Verificar as condições de funcionamento do sistema de exaustão de fumaça, quando houver; Verificar as condições de materiais combustíveis armazenados em locais impróprios tais como casa de máquinas de elevadores, de ar condicionado e de geradores de emergências entre outros; Verificar as condições de vedação dos shafts, quando houver;

51 Medida 07 - Extintores de incêndio Os extintores estão em conformidade com a Norma ABNT NBR 15808, NBR e em conformidade com o RT do Corpo de Bombeiros local? Estão em conformidade com as Portarias do INMETRO? procedimento de fiscalização de extintores - Inmetro Os extintores existentes são apropriados para o risco de incêndio predominante no espaço próximo? Há em cada andar, no mínimo um extintor para incêndio classe A e outro para incêndio Classe B e C? Verificar as condições dos manômetros, lacres, travas de segurança, anel e selo de inspeção e validade do ensaio hidrostático dos extintores; Verificar as condições de altura dos suportes, sinalização, capacidade extintora e acesso dos extintores;

52 Medida 08 - Iluminação de emergência O prédio possui iluminação de emergência, em conformidade com a Norma ABNT NBR e em conformidade com o RT do Corpo de Bombeiros local? Se possui, o inspetor deve vistoriar e testar todas as luminárias

53 Medida 09 – Sistema de combate a incêndio por hidrantes O prédio possui sistema de combate a incêndio por hidrantes em conformidade com a Norma ABNT NBR e l? em conformidade com o RT do Corpo de Bombeiros loca Se possui, o inspetor deve vistoriar todos os hidrantes e: Verificar as condições de sinalização, acesso, lacre e alarme, quando houver; Verificar as condições, comprimento e o tipo das mangueira em conformidade com a Norma ABNT NBR 11861, tipo I para edifícios residenciais e tipos, II, IV ou V para edifícios comerciais e industriais; Verificar o selo de inspeção, manutenção e ensaio hidrostático das mangueiras em conformidade com a Norma ABNT NBR 12779;

54 Verificar as condições dos anéis de vedação das juntas de uniões das mangueiras, adaptadores e esguichos; Verificar as condições de vedação das válvulas de abertura e fechamento dos hidrantes; Verificar as condições dos adaptadores, esguichos, acondicionamento das mangueiras e mangotinhos, quando houver; Verificar as condições do barrilete, reserva de incêndio e da válvula de recalque (RR)

55 Medida 10 - Controle de materiais de acabamento Verificar se os materiais de acabamento e de revestimento empregados na edificação, vistoriada atendem aos requisitos de restringir a propagação de fogo e o desenvolvimento de fumaça em conformidade com a Norma ABNT NBR 9442 Lembrar que a IT 10 de CB de São Paulo determina que a responsabilidade do controle de materiais de acabamento e de revestimento nas edificações é do responsável técnico, sendo a manutenção destes materiais de responsabilidade do proprietário ou responsável pelo uso da edificação

56 Medida 11 - Chuveiros automáticos O prédio possui sistema de combate a incêndio por chuveiros automáticos em conformidade com a Norma ABNT NBR e em conformidade com o RT do Corpo de Bombeiros local? Se possui, o inspetor deve, testar a abertura e fechamento de todas as válvulas de governo existentes e verificar as condições para livre atuação de cada chuveiro (bico).

57 Medida 12 - Inspeção visual em instalações elétricas de baixa tensão Fazer a inspeção visual na instalação elétricas de baixa tensão, em conformidade com a Norma ABNT NBR 5410 e em conformidade com o RT do Corpo de Bombeiros local Consultar o manual de inspeção visual no site clicando em profissionais, downloads, manual inspeção casa segura IT 41. Inspecionar as condições da casa de máquinas do gerador de emergência a fim de verificar principalmente as condições do dique de proteção do tanque de combustível, os extintores e se há a presença de materiais combustíveis no local.

58 OBRIGADA Arqª e Urb ª Vanessa Pacola Francisco (coordenadora da câmara de Inspeção predial do IBAPE/SP) Engª Civil e de Seg. do Trab. Marli Kalil (vice-coordenadora da câmara de Inspeção predial do IBAPE/SP) Câmara de Inspeção Predial – BAPE/SP Out/2013

59 Rua Maria Paula, 122 cj. 106 – 1° andar - São Paulo/SP CEP: Tel.(11)

60 Os conceitos e opiniões apresentados nesta atividade são de responsabilidade exclusiva do palestrante. O Congresso não se responsabiliza por opiniões ou pareceres emitidos por terceiros, associados ou não, ou pelo emprego indevido das informações aqui contidas. É proibida a reprodução total ou parcial deste material sem a aprovação prévia e por escrito do XVII COBREAP.


Carregar ppt "Inspeção de Sistemas de Prevenção e Combate a Incêndios Arqª e Urb ª Vanessa Pacola Francisco Engª Civil e de Seg. do Trab. Marli Kalil Câmara de Inspeção."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google