A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Brício dos Santos Reis Universidade Federal de Viçosa - MG Universidade Federal de Viçosa OCB/SESCOOP - GO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Brício dos Santos Reis Universidade Federal de Viçosa - MG Universidade Federal de Viçosa OCB/SESCOOP - GO."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Brício dos Santos Reis Universidade Federal de Viçosa - MG Universidade Federal de Viçosa OCB/SESCOOP - GO

2 Nome e formação acadêmica. O que sabemos sobre: Contabilidade; Administração Financeira; e Cooperativismo.

3 Analisar o papel do administrador financeiro em cooperativas; Entender a estrutura dos principais relatórios contábeis que subsidiam o processo de tomada de decisão; Apresentar técnicas de análise de balanços para traduzir as inúmeras informações disponibilizadas nesses relatórios; Aplicar os conceitos e técnicas de análise de balanços à realidade das cooperativas de crédito.

4 Aulas expositivas; Trabalho em grupo: 2 indivíduos por grupo; Leitura de texto de apoio; Resposta a questões formuladas.

5 OLIVEIRA JÚNIOR, C. C. de. Avaliação da eficiência empresarial das cooperativas. Curitiba: OCEPAR, ª edição. (capítulo 1 – páginas 6 a 14). Questões: Quais as diferenças no conceito de eficiência empresarial para cooperativas e para sociedades de capital? De acordo com sua base doutrinária, as cooperativas não deveriam apresentar sobras em suas relações com associados. Essa afirmativa é verdadeira? Comente. Explique, resumidamente, o ciclo de crescimento das cooperativas.

6 A eficiência empresarial em cooperativas envolve: Lucratividade e liquidez do empreendimento; Repasse de benefícios aos associados, que são ou podem ser Proprietários, Fornecedores e/ou Clientes

7 Sobras: Valor que representa desembolso, por parte dos cooperados, superior às despesas da entidade e que, teoricamente, deveria retornar ao quadro social. Excesso de receitas em relação às despesas.

8 Formação de Capital (próprio e de terceiros) Investimentos Permanentes Investimentos Operacionais Investimentos Financeiros Resultados CapitalizaçãoDistribuição Quadro Social (Mobilização) Agentes Externos

9 Conceito de Finanças: Arte e ciência de administrar fundos. Conjunto de técnicas para melhor captação e aplicação de recursos em uma empresa. Atividades básicas: Análise financeira; Decisões de investimento; Decisões de financiamento; Planejamento financeiro.

10 Contabilidade: Regime de competência; Coleta e organização de dados. Administração Financeira: Regime de caixa; Análise de dados e tomada de decisão.

11 A quem interessa? Administração; Governo; Investidores; Instituições Financeiras; Associados.

12 Registro dos fatos contábeis (escrituração); Demonstração expositiva desses fatos (relatórios); Verificação da adequabilidade desses registros e demonstrações (auditoria); Análise e interpretação dessas demonstrações (análise de balanços).

13 Balanço Patrimonial (BP); Demonstração de Resultado do Exercício (DRE); Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA); Demonstração de Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL); Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR); Demonstração do Valor Adicionado (DVA); e Fluxo de Caixa (FC).

14

15 Ativo – bens e direitos: Propriedade da empresa; Mensuráveis monetariamente; Benefícios presentes ou futuros. Passivo – obrigações exigíveis: Recursos de terceiros (fornecedores, empregados, instituições financeiras, etc.). Patrimônio Líquido – obrigações não-exigíveis: Recursos próprios (associados).

16

17

18 Lei 5764/71 – Artigo 4º: As cooperativas são sociedades de pessoas, com forma e natureza jurídica próprias, de natureza civil, não sujeitas à falência, constituídas para prestar serviços aos associados, distinguindo-se das demais sociedades pelas seguintes características: I – adesão voluntária, com número ilimitado de associados, salvo impossibilidade técnica de prestação de serviços.

19 Lei 5764/71 – Artigo 4º:... II – variabilidade do capital social representado por quotas-partes. Patrimônio Líquido: Obrigações não-exigíveis Capital Social

20 Lei 5764/71 – Artigo 4º:... III – limitação do número de quotas-partes do capital para cada associado, facultado, porém, o estabelecimento de critérios de proporcionalidade, se assim for mais adequado para o cumprimento das obrigações sociais.

21 Patrimônio Líquido: Reserva Legal (Fundo de Reserva); Reserva ou Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social (RATES ou FATES); Outras reservas (estatutárias ou não): Finalidade; Percentual sobre resultado e critérios para sua definição; e Limite máximo.

22 Lei 5764/71 – Artigo 4º:... IV - – indivisibilidade dos Fundos de Reserva e de Assistência Técnica, Educacional e Social.

23 Ativo Circulante Disponibilidades Caixa Bancos C/Movimento Direitos Duplicatas a Receber Adiantamentos a Cooperados Ativo Não Circulante Realizável a Longo Prazo Investimentos Imobilizado Intangível Passivo Circulante Cooperados Fornecedores Salários a Pagar Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido Capital Social Reserva Legal Rates Sobras/Perdas à Disp. AGO

24 Contas de Resultado: Receitas (–) Custos (–) Despesas (=) Resultado Líquido Patrimônio Líquido Distribuição aos Sócios

25 Demonstração de Resultado do Exercício Receita Bruta (-) Deduções Receita Líquida (-) Custo Lucro Bruto (-) Desp. Operacionais Lucro Operacional (+) Res. Não-operacional Lucro Antes do IR (-) IR e CSLL Lucro Líquido

26 Atos Cooperativos: Lei 5764/71 – Artigo 79 Denominam-se atos cooperativos os praticados entre as cooperativas e seus associados, entre estes e aquelas e pelas cooperativas entre si quando associadas, para consecução dos objetivos sociais. Parágrafo único. O ato cooperativo não implica operação de mercado, nem contrato de compra e venda de produto ou mercadoria.

27 Atos Cooperativos: Participação direta dos associados; e Conformidade com o objeto social da cooperativa. Lei 5764/71 – Artigo 111: Serão considerados como renda tributável os resultados positivos obtidos pelas cooperativas nas operações de que tratam os artigos 85,86 e 88 desta Lei. Atos Não-cooperativos

28 Atos Cooperativos: Receitas = Ingressos Custos e Despesas = Dispêndios Resultado = Sobras ou Perdas Atos Não-cooperativos: Receitas, Custos e Despesas Resultado = Lucro ou Prejuízo

29 Sobras Lucro Perdas ou Prejuízos Distribuição aos sócios Retenção RATES FR; Reservas; Capital. FR Rateio

30 Atos Cooperativos Atos Não-cooperativos Receita Bruta (-) Deduções (1.000)(1.000) Receita Líquida (-) Custo (1.000)(1.000) Resultado Bruto (-) Desp. Operacionais (800)(200) Resultado Operacional (+) Res. Não-operac. -(800) Resultado Antes do IR (-) IR e CSLL -(5.000) Resultado Líquido (-) Fundo de Reserva (7.720)- (-) Rates (3.860)(12.000) Sobras à Disp. da AGO

31 Capital Circulante Liquido (CCL): CCL = Ativo Circulante – Passivo Circulante Origens (incrementos do CCL): Operações (Resultado Líquido Ajustado); Associados; Terceiros. Aplicações (reduções do CCL): Pagamento de financiamentos; Distribuição de sobras; Compra de bens do imobilizado; etc.

32

33

34 Definição: Conjunto de informações que pode ou não ter origem na contabilidade financeira e tem como principal objetivo demonstrar o grau de envolvimento da empresa em relação à sociedade que a acolhe... (Santos et al., 1998) Informações contábeis tradicionais (destinatários): Proprietários; Credores; Governo; e Investidores.

35 Vertentes: Balanço Ambiental; Balanço de Recursos Humanos; Benefícios e contribuições à sociedade em geral; e Demonstração do Valor Adicionado.

36 Conceito econômico: Diferença entre o valor bruto da produção e os consumos intermediários (Simonsen, 1975) Conceito contábil: Riqueza agregada pela empresa aos insumos de produção, ou seja, diferença entre o valor das vendas e o custo desses insumos. (Santos, 2003)

37 Definição: Demonstração contábil que utiliza como fonte primária de informações a DRE e que se diferencia da mesma por apresentar não apenas a parte do Valor Adicionado pertencente aos associados (Lucro Líquido), mas também as parcelas que cabem aos financiadores externos, aos empregados e ao governo. Demonstração contábil destinada a evidenciar, de forma concisa, os dados e as informações do valor da riqueza gerada pela entidade em determinado período e sua distribuição. (NBC T 3.7)

38 1. Receitas $$$$$ Vendas VendasVendas $$$$$ Provisão para devedores duvidosos Provisão para devedores duvidososProvisão para devedores duvidososProvisão para devedores duvidosos $$$$$ Não-operacionais Não-operacionaisNão-operacionais $$$$$ 22. Insumos Adquiridos de Terceiros 2$$$$$ Matérias-primas Matérias-primas$$$$$ Outros custos Outros custos$$$$$ Energia, serviços de terceiros e outras despesas operacionais Energia, serviços de terceiros e outras despesas operacionais$$$$$ Perda na realização de ativos Perda na realização de ativos$$$$$ 3. Valor Adicionado Bruto (1 – 2) $$$$$

39 3. Valor Adicionado Bruto $$$$$ 44. Retenções 4$$$$$ Depreciação, amortização e exaustão Depreciação, amortização e exaustão$$$$$ 5. Valor Adicionado Líquido (3 – 4) $$$$$ 66. Valor Adicionado Recebido em Transferência 6$$$$$ Resultado de equivalência patrimonial ou dividendos Resultado de equivalência patrimonial ou dividendos$$$$$ Receitas financeiras Receitas financeiras$$$$$ Aluguéis e royalties (receitas) Aluguéis e royalties (receitas)$$$$$ 7. Valor Adicionado Total (5 + 6) $$$$$

40 DVA 7. Valor Adicionado Total $$$$$ 88. Distribuição do Valor Adicionado 8$$$$$ Colaboradores (pessoal e encargos) Colaboradores (pessoal e encargos)$$$$$ Governo (tributos) Governo (tributos)$$$$$ Financiadores externos (juros e aluguéis) Financiadores externos (juros e aluguéis)$$$$$ Associados Associados$$$$$ Sobras retidas / perdas (prejuízos) do exercício Sobras retidas / perdas (prejuízos) do exercício$$$$$

41 Cálculo: (+) Receita Bruta (-) Devoluções (-) Abatimentos (-) Descontos (+) Outras Receitas Operacionais Considerações: Inclui os impostos incidentes sobre o faturamento (ICMS, IPI, PIS/COFINS, etc.)

42 Cálculo: (-) Constituição (-) Acréscimos (+) Reversões Considerações: Se há constituição de reservas para risco de inadimplência ou acréscimo do valor já constituído, ocorre redução do VA; Já quando há redução do valor já constituído (reversão), ocorre aumento do VA.

43 Envolve: Ganhos/perdas com venda de permanente Não incluir: Ganhos ou perdas com investimentos correntes avaliados pelo método de equivalência patrimonial ou de custo; Receitas financeiras; Rendas de aluguéis ou royalties.

44 Envolve: Custo de matérias-primas e outros insumos do processo produtivo; Despesas operacionais com terceiros (telefone, água, serviços, etc.); Perdas na realização de estoques ou investimentos. Não incluir: Salários e encargos; Depreciação, amortização e exaustão; Aluguéis pagos; Despesas financeiras.

45 Retenções A depreciação, a amortização e a exaustão devem ser deduzidas da Valor Adicionado pois representam, na visão de Santos (2003): A depreciação, a amortização e a exaustão devem ser deduzidas da Valor Adicionado pois representam, na visão de Santos (2003):...distribuição de custos de determinados ativos em diversos períodos....distribuição de custos de determinados ativos em diversos períodos. Adquiridos de terceiros

46 Valor Adicionado Recebido em Transferência Resultado de equivalência patrimonial ou dividendos recebidos (método de custo): Resultado de equivalência patrimonial ou dividendos recebidos (método de custo): Receita – acréscimo ao valor adicionado; Receita – acréscimo ao valor adicionado; Despesa – redução do valor adicionado. Despesa – redução do valor adicionado. Receitas financeiras: Receitas financeiras: Resultantes de operações com instituições financeiras ou qualquer tipo de organização. Resultantes de operações com instituições financeiras ou qualquer tipo de organização. Aluguéis ou royalties: Aluguéis ou royalties: Receitas não-operacionais. Receitas não-operacionais.

47 Distribuição do Valor Adicionado Colaboradores: Colaboradores: Gastos com salários, férias, 13º, FGTS, alimentação, transporte, etc.; Gastos com salários, férias, 13º, FGTS, alimentação, transporte, etc.; Não incluir encargos com INSS. Não incluir encargos com INSS. Governo: Governo: INSS, IR, CSLL, ICMS, IPI, PIS, COFINS, ISS, etc; INSS, IR, CSLL, ICMS, IPI, PIS, COFINS, ISS, etc; Para os impostos cumulativos (ICMS, PIS e COFINS), considerar o valor pago ou devido (e não o total sobre o faturamento). Para os impostos cumulativos (ICMS, PIS e COFINS), considerar o valor pago ou devido (e não o total sobre o faturamento). Financiadores Externos: Financiadores Externos: Despesas financeiras e de juros relativas a quaisquer tipos de empréstimos/financiamentos; Despesas financeiras e de juros relativas a quaisquer tipos de empréstimos/financiamentos; Aluguéis pagos ou devidos. Aluguéis pagos ou devidos.

48 Distribuição do Valor Adicionado Associados: Associados: Juros sobre o capital próprio pagos ou devidos; Juros sobre o capital próprio pagos ou devidos; Sobras distribuídas. Sobras distribuídas. Sobras Retidas: Sobras Retidas: Reservas (Legal, Fates, etc.); Reservas (Legal, Fates, etc.); Sobras acumuladas sem destino definido. Sobras acumuladas sem destino definido.


Carregar ppt "Prof. Brício dos Santos Reis Universidade Federal de Viçosa - MG Universidade Federal de Viçosa OCB/SESCOOP - GO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google