A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Professor Mário Dantas Set/2010 E NGENHARIA DE S OFTWARE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Professor Mário Dantas Set/2010 E NGENHARIA DE S OFTWARE."— Transcrição da apresentação:

1 Professor Mário Dantas Set/2010 E NGENHARIA DE S OFTWARE

2 Aula 03 - Agenda Engenharia de Requisitos

3 Objetivos Conhecer os conceitos e técnicas relacionadas a engenharia de requisitos, bem como sua aplicação; Saber as diferenças entre os requisitos de software funcionais e não funcionais; Entender como os requisitos podem ser organizados em um documento de requisitos.

4 Seu pior pesadelo Um cliente entra no seu escritório, senta-se, olha você direto nos olhos e diz: Eu sei que você pensa que entende o que eu disse, mas o que você não entende é que, o que eu disse, não é o que eu queria dizer.

5

6 Definições Pfleeger (2004), um requisito é uma característica do sistema ou a descrição de algo que o sistema é capaz de realizar para atingir os seus objetivos. Sommerville (2007), as descrições das funções e restrições são os requisitos do sistema. SWEBOK (2004), um requisito é descrito como uma propriedade que o software deve exibir para resolver algum problema no mundo real.

7 Definições Uma condição ou capacidade necessária para um usuário resolver um problema ou alcançar um objetivo. Uma condição ou uma capacidade que deve ser alcançada ou estar presente em um sistema para satisfazer um contrato, padrão, especificação ou outro documento formalmente imposto.

8 Importância dos Requisitos Resultados de um estudo feito pelo Standish Group em 350 companhias e 8000 projetos de software (Pfleeger, 2004): 31% dos projetos cancelados antes de estarem completos Em pequenas companhias, somente 16% dos projetos foram entregues no prazo e no orçamento inicialmente estabelecido Em grandes companhias, apenas 9% estão de acordo com esses critérios

9 Importância dos Requisitos O Standish Group classificou os projetos em 3 categorias: Sucesso (16,2%) : Cobre todas as funcionalidades, em tempo e dentro do custo previsto (cronograma e orçamento) Problemático (52,7%) : Não cobre todas as funcionalidades exigidas, custo aumentado e/ou com entregas em atraso. Fracasso (31,1%): Cancelado durante o desenvolvimento

10 Desafios Compreensão do domínio do problema. Comunicação efetiva com reais usuários e clientes do sistema. Evolução contínua dos requisitos do sistema.

11 Domínio O termo, no contexto da engenharia de software, é utilizado para denotar ou agrupar um conjunto de sistemas ou de áreas funcionais, que exibem características similares. É definido por um conjunto de características que descrevem uma família de problemas para os quais uma determinada aplicação pretende dar solução.

12 Especificação de Requisitos Estabelece uma base de concordância entre o cliente e o fornecedor sobre o que o software fará. Fornece uma referência para a validação do produto final (uma especificação de requisitos de alta qualidade é pré-requisito para um software de alta qualidade). Reduz o custo do software.

13 Por que precisamos de requisitos? Para entender o que o cliente quer Para documentar o que o cliente quer Para assegurar a qualidade e a satisfação do cliente Para entender o problema do negócio Para documentar o escopo do projeto e definir suas restrições Para definir critérios de aceitação e gerenciar as expectativas do cliente

14

15 Definição Sommerville (2003), Engenharia de Requisitos é o processo de descobrir, analisar, documentar e verificar as funções e restrições do sistema.

16 Engenharia de Requisitos O processo de descobrir, analisar, documentar e verificar as descrições dos serviços fornecidos pelo sistema e as suas restrições operacionais.

17 Engenharia de Requisitos Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis enfrentadas por um engenheiro de software. (Pressman, R.)

18 Engenharia de Requisitos Descreve as atividades relacionadas à investigação e definição de escopo de um sistema de software. Processo sistemático de produção de requisitos por meio de atividades cooperativas de análise em que os resultados são documentados em uma variedade de formatos e a precisão das observações é constantemente verificada.

19 Questionamentos Típicos Como seguir um processo pré-estabelecido se tantos fatores são desconhecidos no início do desenvolvimento do software? Os fatores desconhecidos serão melhor elucidados e os riscos serão minimizados com um processo sistemático, iterativo e incremental.

20 Questionamentos Típicos Quantas iterações são necessárias para verificar a correção e a precisão das observações? A quantidade de iterações ideal será aquela suficiente para que cliente e fornecedor sintam-se seguros e concordem com o que está definido, mesmo com o que surgir de novo e for aceito para o escopo do projeto.

21 Questionamentos Típicos Quais representações e notações devem ser usadas na captura e documentação dos requisitos? As representações e notações devem estar previstas no processo de software e no método adotado por esse processo. Tipicamente, são usados casos de uso e suas especificações.

22 Questionamentos Típicos Qual o nível de precisão e formalidade dos requisitos? Dependerá de quão crítico é o sistema e das características do cliente.

23 Questionamentos Típicos Como sabemos que chegamos ao final do processo? Similarmente à quantidade de iterações, até que haja uma base sólida de concordância entre o desenvolvedor e o cliente

24 Visão Geral Produção de Requisitos LevantamentoRegistro Obtenção de Comprometimento Verificação Gerência de Requisitos Controle de Mudança Gerência de Configuração Rastreabilidade Gerência de Qualidade de Requisitos Engenharia de Requisitos

25 Síntese dos Objetivos Estabelecer uma visão comum entre o cliente e a equipe de projeto sobre os requisitos que serão atendidos; Registrar e acompanhar requisitos ao longo de todo o desenvolvimento; Documentar e controlar os requisitos para estabelecer uma base para uso gerencial e da equipe de desenvolvimento; Manter planos, artefatos e atividades de software coerentes com os requisitos alocados.

26 Uma Última Questão O que acontece se: O usuário mudar de idéia em relação a uma funcionalidade? O ambiente mudar? O usuário perceber novas possibilidades na automação? O engenheiro de requisitos (ou analista) não ter entendido corretamente a necessidade do usuário?

27 Gerência de Mudança É preciso gerenciar as mudanças! Mudanças em requisitos ao longo do processo fazem parte do desenvolvimento de software. Alterações em requisitos podem implicar mudanças em artefatos de projeto, de código, casos de testes, etc.

28 Identificação dos Requisitos Trata-se da identificação dos requisitos em si para formação da idéia inicial do sistema e compreensão do domínio do problema. Trabalhe com os usuários e não contra eles (AMBLER). Temos que aceitar a instabilidade dos requisitos como um fato da vida, e não condená-la como o resultado de um raciocínio mal conduzido (COAD).

29 Ações com Foco no Usuário Identificar Objetivos de Negócio (Por que desenvolver algo?) Identificar Stakeholders (Quem está envolvido?) Obter diferentes Pontos de Vista (Com que os stakeholders estão preocupados? Existem conflitos?) Resolver Conflitos Identificar Cenários (Quais resultados as pessoas desejam? Sob que circunstâncias?)

30 Problemas Comuns Escopo: O limite do sistema é mal definido, ou detalhes técnicos desnecessários confundem os objetivos globais Entendimento: Os clientes e usuários não estão completamente certos do que é necessário, não tem pleno entendimento do domínio do problema, têm dificuldade de comunicar as necessidades, têm pouca compreensão das capacidades Volatilidade: Os requisitos mudam com o tempo

31 Desafios a Suplantar Falta de conhecimento do usuário das suas reais necessidades e do que um produto de software pode oferecer Falta de conhecimento do desenvolvedor sobre o domínio do problema

32 Habilidades do Desenvolvedor Dominar o processo de produção de requisitos e suas técnicas Ouvir o que os usuários têm a dizer sem induzi-los a aceitar visões e interpretações já vivenciadas pela equipe Comunicar adequadamente aos usuários e clientes a evolução do trabalho e suas limitações A produção de requisitos é um processo social

33 Classificação de Requisitos Classificação Comum: Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Requisitos do Domínio

34 Outras Classificações para Requisitos Requisito do usuário: declarações sobre as funções que o sistema deve oferecer Requisito do sistema: detalhamento das funções e das restrições (contrato entre cliente e desenvolvedor) Requisito do projeto: define como o projeto deve ser conduzido e que artefatos devem ser produzidos (escopo do projeto).

35 Requisitos Funcionais Requisitos diretamente ligados ao comportamento do software Descrevem as funções que o software deve executar Descrevem as interações entre o sistema e seu ambiente O software deve permitir que o atendente consulte o relatório com os resultados dos testes clínicos de um paciente.

36 Exemplos [RFO1] O software deve permitir que o atendente efetue cadastro de clientes. [RFO2] O software deve permitir que o caixa efetue o registro de itens vendidos. [RFO3] O software deve permitir que o administrador gere o um relatório de vendas por mês.

37 Exercícios Escreva três requisitos funcionais para sistemas a serem desenvolvidos para os seguintes domínios: Vídeo Locadora Apoio Inteligente à Análise de Risco para Bolsa de Valores Sistema de Caixa de Auto-atendimento de um Sistema Bancário.

38 Uma Solução Possível Vídeo Locadora: O software deve permitir que o administrador efetue o cadastro de clientes O software deve permitir que o administrador efetue o cadastro de DVDs O software deve permitir que o atendente efetue o registro de DVDs alocados Auto-atendimento Bancário: O software deve permitir que o cliente consulte seu extrato O software deve permitir que o cliente efetue saque; O software deve permitir que o cliente efetue o pagamento da fatura do cartão de crédito.

39 Soluções Possíveis Apoio Inteligente à Análise de Risco para Bolsa de Valores O domínio da aplicação pode dificultar – e muito – o trabalho de produção dos requisitos!

40 Requisitos Não Funcionais São requisitos que expressam condições que o software deve atender ou qualidades específicas que o software deve ter. Em vez de informar o que o sistema fará, os requisitos não funcionais impõem restrições ao sistema. Podem ser mais críticos que requisitos funcionais, chegando a tornar um sistema impossível ou inútil.

41 Exemplos As consultas ao sistema devem ser respondidas rapidamente As consultas ao sistema devem ser respondidas em menos de três segundos Requisitos Não Funcionais devem ser mensuráveis e estar associados a uma forma de medida ou referência

42 Medidas para Requisitos Não Funcionais PropriedadeMedida VelocidadeTransações processadas por segundo Tempo de resposta do usuário/evento TamanhoKbytes Num. De chips de RAM FacilidadeTempo de treinamento Num. Quadros de ajuda ConfiabilidadeTempo médio de falhas Probabilidade de indisponibilidade Taxa de ocorrência de falhas RobustezTempo de reinício após a falha Percentual de eventos causando falha PortabilidadeNum. de sistemas destino

43 Classificação dos RNF

44 RNF do Produto: Produto deve comportar-se de forma particular (velocidade de execução, confiabilidade, etc.) RNF Organizacionais: Conseqüência de políticas e procedimentos organizacionais (padrões de processo usados, requisitos de implementação, etc.) RNF Externos: Conseqüência de fatores externos ao sistema e ao processo de desenvolvimento (legislação, etc.)

45 RNF do Produto RNF de usabilidade: usuários devem ser capazes de usar as funções do sistema após duas horas de treinamento RNF de confiabilidade: o sistema deve estar disponível 99% das vezes RNF de segurança: o acesso aos dados deve ser protegido, conforme RN RNF de desempenho: o sistema deve processar n requisições por segundo RNF de capacidade: o sistema deve suportar n usuários concorrentemente RNF de portabilidade: o sistema deve rodar nas plataformas X e Y

46 RNF Organizacionais São procedentes de políticas e procedimentos nas organizações do cliente e do desenvolvedor: RNF de entrega: um relatório de progresso deve ser entregue a cada duas semanas RNF de implementação: o sistema deve ser implementado na linguagem Java RNF de padrões e métodos de desenvolvimento: uso de métodos orientados a objetos; desenvolvimento utilizando a ferramenta X

47 RNF Externos Impostos tanto ao produto quanto ao processo de desenvolvimento em função do ambiente no qual o sistema é desenvolvido: RNF de interoperabilidade: o sistema deve interagir com os sistemas X e Y RNF de restrições éticas: o sistema não deverá revelar aos operadores nenhuma informação pessoal dos clientes RNF de restrições legais: o sistema deverá armazenar as informações de acordo com a Lei número XXYY de ZZ

48 Exercício Forneça alguns exemplos de requisitos não funcionais (RNF) para, classifique-os: 1. Vídeo Locadora 2. Sistema de Auto-atendimento Bancário

49 Requisitos de Domínio Derivados do domínio da aplicação e descrevem características do sistema e qualidades que refletem o domínio Podem ser gerar requisitos funcionais novos ou restrições sobre os existentes São regras de negócio (RN)

50 Problemas Entendimento Requisitos são descritos na linguagem do domínio da aplicação Não é entendido pelos engenheiros de software que vão desenvolver a aplicação Aspectos Implícitos Especialistas no domínio entendem a área tão bem que assumem que os requisitos estão claros para os desenvolvedores

51 Exemplos [RN1] Os campos referentes a Orçamento Projeto Vinculado só estarão ativos se o tipo de projeto for Vinculado. [RN2] O campo Valor Total Orçado para o Projeto é calculado somando-se os valores definidos para todas as rubricas incluídas no orçamento do projeto, seja ele vinculado ou não-vinculado. [RN3] A soma dos percentuais a ser distribuído entre os fundos incluídos no plano de aplicação deve ser entre 0 e 100%

52 Exercício Forneça alguns exemplos de requisitos de domínio (RN) para: 1. Vídeo Locadora 2. Sistema de Auto-atendimento Bancário

53 Respostas Vídeo locadora: [RN1] O software deve permitir que o cliente alugue no máximo 2 filmes na primeira locação. Sistema de Auto-atendimento Bancário: [RN1] O cliente pode sacar o valor máximo de R$ 100,00 por dia.

54

55 Processo de ER Ambiente ideal: clientes e engenheiros de software trabalhando juntos na mesma equipe. Neste caso, a ER é simplesmente uma questão de conduzir conversas entre colegas que são membros bem conhecidos da equipe. Exemplo: Desenvolvimento ágil de software.

56 Processo de ER Ambiente real: clientes em cidade ou país diferente, com uma vaga idéia do que é necessário, opiniões conflitantes sobre o sistema a ser construído, conhecimento técnico limitado, tempo limitado para interagir com o engenheiro de requisitos, etc. Nada disso é desejável, mas são situações comuns em que a equipe de software é forçada a trabalhar.

57 Processo de ER Trata dos passos necessários para conduzir a Engenharia de Requisitos. Busca colocar o projeto em andamento e mantê-lo em movimento até se alcançar uma solução bem- sucedida.

58 Identificação dos interessados Interessado: qualquer um que se beneficie de modo direto ou indireto do sistema que está sendo desenvolvido. O engenheiro de requisitos deve criar uma lista de pessoas que fornecerão entradas à medida que os requisitos forem levantados. Com quem mais vocês acham que eu deveria falar? Início do Processo

59 Diferentes pontos de vista Requisitos inconsistentes e conflitantes O engenheiro de requisitos deve categorizar todas as informações dos interessados a fim de que os tomadores de decisão escolham um conjunto de requisitos consistente. Busque a colaboração entre os interessados. Início do Processo

60 Primeiras questões Engenheiro de Requisitos: Quem solicitou? Quais são os usuários? Qual o benefício econômico? Há outra fonte para a solução? Equipe de Software: Quais são as saídas geradas? Qual o ambiente de negócios da solução? Restrições de desempenho afetarão a solução? Início do Processo

61 Primeiras questões Você é a pessoa certa para responder a essa questões? Suas respostas são oficiais? Alguém mais pode fornecer informações adicionais? ATENÇÃO: Essas e outras questões ajudam no início da comunicação, entretanto, não abuse delas durante as reuniões. Início do Processo

62 Coleta colaborativa de requisitos Especificar o problema Propor elementos da solução Negociar abordagens Especificar um conjunto inicial de requisitos Reuniões Levantamento de Requisitos

63 As reuniões são conduzidas e assistidas por engenheiros de software, clientes e outros interessados. São definidas regras para a preparação e a participação. É sugerida uma agenda suficientemente formal para cobrir todos os pontos importantes, porém suficientemente informal para encorajar o livre fluxo de idéias. Um facilitador (cliente, desenvolvedor ou outra pessoa) controla a reunião. Levantamento de Requisitos

64 Um mecanismo de definição é usado (folhas de rascunho, flip charts, quadro de avisos eletrônico, fórum virtual, etc). A meta é identificar o problema, propor elementos da solução, negociar diferentes abordagens e especificar um conjunto preliminar de requisitos da solução. Levantamento de Requisitos

65 Quais são os produtos finais desta etapa? Declaração da necessidade e viabilidade Escopo do problema Clientes, usuários que participaram Lista de requisitos Conjunto de cenários de uso (descrição de como o sistema será usado) Protótipos Levantamento de Requisitos

66 Análise de Requisitos Objetivo Estabilidade do modelo à medida que ele evolui Elementos do Modelo de Análise Elementos baseados em cenários. Exemplo: casos de uso Elementos baseados em classes. Exemplo: diagramas de classes Elementos comportamentais. Exemplo: diagramas de seqüência Elementos orientados a fluxo

67 Negociação Funcionalidades e desempenho podem ser questionados em função do custo e do prazo Clientes (necessidades satisfeitas) e desenvolvedores (orçamentos e prazos realistas) ganham. Conciliação é a arte de dividir um bolo de tal modo que todos acreditam ter o maior pedaço. (Ludwing Erhard)

68 A arte da negociação Reconheça que não é uma competição Trace uma estratégia Ouça atentamente Focalize os interesses das outras partes Não deixe a coisa ficar pessoal Seja criativo Esteja pronto a se comprometer Negociação

69 Validação Requisito consistente com o objetivo, sem restrições contraditórias? Requisitos estão especificados em um nível de detalhes suficiente? Todas as funções foram incluídas? Há necessidade do requisito? Ambigüidade? Requisitos conflitantes? Requisitos podem ser testados?

70 Técnicas de Validação Revisões de requisitos: podem ser formais ou informais. As revisões formais devem ser conduzidas através da verificação da consistência, erros e completeza do requisito. São verificadas também: facilidade de verificação; facilidade de compreensão; adaptabilidade: alterações no requisito podem provocar efeitos significativos? Levantamento de Requisitos

71 Gerenciamento de Requisitos Requisitos para grandes produtos são modificados freqüentemente Diversidade de usuários (diferentes requisitos e prioridades) Restrições orçamentárias e organizacionais X requisitos dos usuários finais Modificações na empresa e no ambiente técnico Impacto das mudanças do requisito (facilidade de rastreamento)

72 O Processo de Engenharia de Requisitos

73 Estrutura de um Documento de Requisitos Prefácio Introdução Glossário Definição dos Requisitos do Usuário Arquitetura de Sistemas Especificação de Requisitos do Sistema Modelos de Sistema Evolução de Sistema Apêndices Índice

74 Atividade Praticando o Processo de Engenharia de Requisitos. Cada grupo será responsável por elaborar um documento de requisitos para um dos domínios abaixo: Locadora de Vídeo Universidade Atendimento ao cliente Algum outro domínio escolhido pelo grupo deve ser apresentado previamente ao professor.

75 Orientações Gerais Elaborar um documento de requisitos com base nas tarefas de concepção, levantamento, elaboração, negociação, especificação, validação e gestão de requisitos. Grupos de até 5 alunos Apresentação na próxima aula Duração: 5 minutos Entregar documento de requisitos (até 4 páginas), conforme o modelo entregue ao Aluno. Dica: definir um papel para cada integrante do grupo. Exemplo: gerente da empresa, usuário final, engenheiro de software, desenvolvedor, etc.


Carregar ppt "Professor Mário Dantas Set/2010 E NGENHARIA DE S OFTWARE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google