A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Google Go Pós-Graduação em Modelagem Computacional – PGMC

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Google Go Pós-Graduação em Modelagem Computacional – PGMC"— Transcrição da apresentação:

1 Google Go Pós-Graduação em Modelagem Computacional – PGMC
Introdução a Computação Paralela Google Go Professor: Ricardo Fabbri Aluno: Mateus Guida Nova Friburgo, 01 de novembro de 2012.

2 ESTRUTURAÇÃO DA APRESENTAÇÃO
INTRODUÇÃO CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM EXEMPLOS DO USO DO GOOGLE GO

3 INTRODUÇÃO - Go é uma linguagem de programação criada pela Google e lançada em código livre em novembro de 2009. - É uma linguagem com programação concorrente, com recursos de multithreading e garbage collector. - A linguagem possui características de sintaxe e performance semelhante às linguagens C/C++ e o dinamismo do Python. - O projeto inicial da linguagem foi feito em setembro de 2007 por Robert Griesemer, Rob Pike e Ken Thompson. - Atualmente, há implementações para Windows, Linux, Mac OS X e FreeBSD.

4 - Bom suporte para concorrência e comunicação (usando CSP).
INTRODUÇÃO - A sintaxe de Go é semelhante a C, mas com a facilidade de uma linguagem dinâmica. - Linguagem segura: sem erros de tipo (problemas entre diferentes tipos de dados) e sem erros de memória (overflow, ponteiros que não apontam para objetos válidos). - Bom suporte para concorrência e comunicação (usando CSP). - Eficiente, garbage collector - sem latência. - Alta velocidade de compilação.

5 Programação Concorrente
CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Programação Concorrente - Execução simultânea de várias tarefas computacionais interativas, (programas separados ou como um conjunto de threads criadas por um único programa). - Executadas por um único processador, vários processadores em um único equipamento ou processadores distribuídos por uma rede. - Programação concorrente é relacionada com programação paralela, mas foca mais na interação entre as tarefas. - Comunicação por memória compartilhada ou por troca de mensagens.

6 Coordenando o acesso aos recursos - Exemplo bool saque( int quantia )
CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Coordenando o acesso aos recursos - Exemplo bool saque( int quantia ) { if( balanco > quantia ) balanco = balanco - quantia; return true; } else return false; - balanco = 500; saque(300) e saque(350)

7 bool saque( int quantia ) { pthread_mutex_lock(v_bloqueio);
CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS bool saque( int quantia ) { pthread_mutex_lock(v_bloqueio); if( balanco > quantia ) balanco = balanco - quantia; pthread_mutex_unlock(v_bloqueio); return true; } else return false;

8 - Recupera uma área de memória inutilizada por um programa.
CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Garbage Collector - Garbage Collector (ou GC, ou Coletor de Lixo) é um processo usado para a automação do gerenciamento de memória.. - Recupera uma área de memória inutilizada por um programa. - Contraponto: gerenciamento manual de memória - programador especifica as desalocações de memória.

9 evita erros de má utilização de ponteiros. Desvantagens:
CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Vantagens: programador não precisa se preocupar com o gerenciamento (desalocação as vezes até proibida); evita erros de má utilização de ponteiros. Desvantagens: Consomem recursos computacionais para o gerenciamento; o momento em que o objeto é realmente desalocado não é determinístico; o uso de recursividade atrasa a desalocação automática, aumentando os requisitos de memória do algoritmo; a detecção semântica de objetos a serem desalocados é um problema indecidível para qualquer processo automático.

10 - Communication Sequential Processes
CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS CPS - Communication Sequential Processes - Linguagem formal desenvolvida por Tony Hoare, também criador do Quicksort e da Lógica de Hoare. - Permite a descrição de sistemas em termos de processos de componentes, que operam de forma independente e interagem atráves de troca de mensagens. - A forma como cada processo se comunica com o seu ambiente é usando vários operadores algébricos.

11 Operadores sobre processos e/ou eventos
CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Composta por: Eventos (canais) Processos (equações) Operadores sobre processos e/ou eventos Estrutura de dados baseadas no paradigma funcional Álgebra de Processos. - Cada processo possui seu próprio estado e comunicam-se com os outros. - A comunicação acontece através dos eventos, que são atômicos. Só ocorre através da sincronização entre dois ou mais processos.

12 Prefixo ( -> ): comportamento linear Ex: ev -> Proc
CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS STOP e SKIP. Prefixo ( -> ): comportamento linear Ex: ev -> Proc Ex: TwoSteps = leftFoot -> rightFoot -> SKIP Escolha Determinística ( [ ] ): possibilidade de P tanto quanto Q A decisão não pertence a P[ ]Q, mas de quem interage com ele. Escolha Não Determinística ( |~| ): se P e Q tem eventos iniciais em comum (a = b) A escolha é feita pelo processo, internamente.

13 Composição Paralela Generalizada ( [|ev|] )
CONCEITOS E CARACTERÍSTICAS Composição Paralela Síncrona ( || ): execução em paralelo, sincronizando todos os eventos em comum. Ex: P || Q Entrelaçamento( ||| ): execução em paralelo, de forma independente, sem sincronizar eventos. Ex: P ||| Q Composição Paralela Generalizada ( [|ev|] ) * P [|x|] Q – P e Q são executados em paralelo, mas só sincronizando os eventos em x. Outros eventos são realizados de forma independente. Ocultação ( \ ) Ex: P\X - P\X comporta-se como P, exceto pelo fato de que os eventos em X são escondidos, executados internamente.

14 blocos de código cercados por chaves - {}
DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM Sintaxe semelhante a C. blocos de código cercados por chaves - {} estruturas de repetição e condicionais - for, switch, if. Algumas diferenças delimitação de linhas com ponto e vírgula são opcionais. declaração de variáveis e tipos são diferenciadas. novas palavras-chave de controle - go e select - para dar suporte a programação concorrente. Ausência de parênteses em volta das estruturas for e if. Vetores associativos e strings fazem parte da linguagem.

15 Go é projetado para uma compilação rápida, mesmo em hardware modesto.
DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM Algumas funcionalidades ausentes são tratamento de exceção, herança, programação genérica, assert e sobrecarga de métodos. Os autores expressam abertura para discutir programação genérica, mas argumentam abertamente contra asserções e defendem a omissão de herança de tipos em favor da eficiência. Go é projetado para uma compilação rápida, mesmo em hardware modesto.

16 Cada programa Go é composto de pacotes.
DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM Cada programa Go é composto de pacotes. Programas começam rodando pelo pacote main. O programa abaixo está usando os pacotes com caminhos de importação “fmt” e “math”. Por convenção, o nome do pacote é o mesmo que o último elemento do caminho de importação. package main import ( "fmt" "math" ) func main() { fmt.Println("Dia", math.Pi, "Feliz") } Executando... Dia Feliz

17 DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM
Concorrência Goroutines - Uma goroutine é um thread leve e gerenciado pelo runtime de Go. Ex: go f(x, y, z) Goroutines executam no mesmo espaço de endereço, para que o acesso à memória compartilhada seja sincronizada. Canais - Canais são um condutor tipado através do qual você pode enviar e receber valores com o operador de canal, <-. Os canais devem ser criados antes de se usar - Ex: ch := make(chan int) Por padrão, enviam e recebem um bloqueio até o outro lado estar pronto, permitindo que goroutines sincronizem sem bloqueios explícitos ou variáveis ​​de condição. ch <- v // v envia para o canal ch. v := <-ch // Recebe do ch, e atribui o valor de v

18 DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM
package main import "fmt" func soma(a []int, c chan int) { soma := 0 for _, v := range a { soma += v } c <- soma // envia soma para c func main() { a := []int{7, 2, 8, -9, 4, 0} c := make(chan int) go soma(a[:len(a)/2], c) go soma(a[len(a)/2:], c) x, y := <-c, <-c // recebe de c fmt.Println(x, y, x + y) Executando...

19 DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM
Os canais podem ser bufferizados. Fornecendo o tamanho do buffer como o segundo argumento para make para inicializar um canal bufferizado: Enviar dados para um canal bufferizados bloqueia apenas quando o buffer está cheio. Receber dados bloqueia quando o buffer está vazio. ch := make(chan int, 100) package main import "fmt" func main() { c := make(chan int, 2) c <- 1 c <- 2 fmt.Println(<-c, <-c) } Executando... 1 2

20 DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM
package main import "fmt" func main() { c := make(chan int, 2) c <- 1 c <- 2 c <- 3 fmt.Println(<-c, <-c, <-c) } Executando... throw: all goroutines are asleep - deadlock! goroutine 1 [chan receive]: main.main() /tmpfs/gosandbox-a6ce82b3_746d45db_7e0da0f5_ c_a079aaeb/prog.go:7 +0x49 package main import "fmt" func main() { c := make(chan int, 2) fmt.Println(<-c, <-c) }

21 ok é false se não há mais valores a receber e o canal está fechado.
DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM Um remetente pode fechar um canal para indicar que os valores não serão mais enviados. Receptores podem testar se um canal foi fechado através da atribuição de um segundo parâmetro para a expressão de recepção: ok é false se não há mais valores a receber e o canal está fechado. O laço for i := range c recebe valores do canal repetidamente até que seja fechado. Nota: Apenas o remetente deve fechar um canal, nunca o receptor. O envio em um canal fechado irá causar um erro. Outra nota: Canais não são como arquivos, você geralmente não precisa fechá-los. O encerramento só é necessário quando o receptor precisa saber que não há mais valores chegando, como para terminar um laço range. v, ok := <-ch

22 DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM
package main import ( "fmt" ) func fibonacci(n int, c chan int) { x, y := 1, 1 for i := 0; i < n; i++ { c <- x x, y = y, x + y } close(c) func main() { c := make(chan int, 10) go fibonacci(cap(c), c) for i := range c { fmt.Println(i) Executando... 1 2 3 5 8 13 21 34 55

23 DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM
A instrução select permite uma espera na goroutine sobre as operações de comunicação múltiplas. O bloco select aguarda até que um de seus cases possam executar, então ele executa esse case. Ele escolhe um ao acaso se vários estiverem prontos. O case default em um select é executado se nenhum outro caso está pronto.

24 DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM
package main import "fmt" func fibonacci(c, quit chan int) { x, y := 0, 1 for { select { case c <- x: x, y = y, x + y case <-quit: fmt.Println("sair") return } . . func main() { c := make(chan int) quit := make(chan int) go func() { for i := 0; i < 10; i++ { fmt.Println(<-c) } quit <- 0 }() fibonacci(c, quit)

25 DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM
Executando... 1 2 3 5 8 13 21 34 55 sair

26 DESCRIÇÃO DA LINGUAGEM
package main import ( "fmt" "time" ) func main() { tick := time.Tick(1e8) boom := time.After(5e8) for { select { case <-tick: fmt.Println("tick.") case <-boom: fmt.Println("BOOM!") return default: fmt.Println(" .") time.Sleep(5e7) } } } Executando... . tick. BOOM!

27 EXEMPLOS DO USO DO GOOGLE GO
Os exemplos aqui mostrados foram obtidos direto do Tour do Google Go, disponível online. Os exemplos a seguir são exercícios propostos pelo Tour, que demonstram um pouco mais da simplicidade e praticidade da linguagem.

28 Exemplo 1 - Árvores Binárias Equivalentes
EXEMPLOS DO USO DO GOOGLE GO Exemplo 1 - Árvores Binárias Equivalentes Podem haver muitas árvores binárias diferentes com a mesma sequência de valores armazenados nas folhas. Por exemplo, aqui estão duas árvores binárias que armazenam a sequência 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13.

29 Este exemplo utiliza o pacote tree, o qual define o tipo:
EXEMPLOS DO USO DO GOOGLE GO A função para verificar se duas árvores binárias armazenam a mesma seqüência é bastante complexa, na maioria das linguagens. Vamos usar a simultaneidade de Go e canais para escrever uma solução simples. Este exemplo utiliza o pacote tree, o qual define o tipo: type Tree struct { Left *Tree Value int Right *Tree }

30 EXEMPLOS DO USO DO GOOGLE GO
package main import ( "fmt" "tour/tree" ) func Walk(t *tree.Tree, ch chan int){ if t.Left != nil { Walk(t.Left, ch) } ch<-t.Value if t.Right != nil { Walk(t.Right, ch) . . func Same(t1, t2 *tree.Tree) bool { ch1:=make(chan int) ch2:=make(chan int) go Walk(t1, ch1) go Walk(t2, ch2) for i:=0; i<10; i++ { if <-ch1 != <-ch2 { return false } return true

31 EXEMPLOS DO USO DO GOOGLE GO
. func main() { ch := make(chan int) go Walk(tree.New(1), ch) for i:=0; i<10; i++ { fmt.Println(<-ch) } fmt.Println("Equivalent Binary Trees?", Same(tree.New(1), tree.New(1))) fmt.Println("Equivalent Binary Trees?", Same(tree.New(1), tree.New(2)))

32 EXEMPLOS DO USO DO GOOGLE GO
Executando... 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Equivalent Binary Trees? true Equivalent Binary Trees? false

33 EXEMPLOS DO USO DO GOOGLE GO
Exemplo 2 - Webcrawler Usaremos os recursos da concorrência de Go para paralelizar um web crawler., buscando URLs em paralelo, sem buscar a mesma URL duas vezes. Um Web crawler é um tipo de robô de Internet ou agente de software. Em geral, ele começa com uma lista de URLs para visitar (também chamado de seeds). À medida que o crawler visita essas URLs, ele identifica todos os links na página e os adiciona na lista de URLs para visitar. Tais URLs são visitadas recursivamente de acordo com um conjunto de regras.

34 package main import "fmt“ type Fetcher interface { Fetch(url string) (body string, urls []string, err error) } func Crawl(url string, depth int, fetcher Fetcher) { type moreUrls struct{ depth int urls []string more := make(chan moreUrls) getPage := func(url string, depth int) { body, urls, err := fetcher.Fetch(url) if err != nil { fmt.Println(err) } else { fmt.Printf("found[%d:%s] %q\n", depth, url, body) more <- moreUrls{depth+1, urls}

35 outstanding := 1 go getPage(url, 0) visited := map[string]bool{url:true} for outstanding > 0 { next := <-more outstanding-- if next.depth > depth { continue } for _, url := range next.urls { if _, seen := visited[url]; seen { visited[url] = true outstanding++ go getPage(url, next.depth)

36 func main() { Crawl("http://golang.org/", 4, fetcher) } type fakeFetcher map[string]*fakeResult type fakeResult struct { body string urls []string func (f *fakeFetcher) Fetch(url string) (string, []string, error) { if res, ok := (*f)[url]; ok { return res.body, res.urls, nil return "", nil, fmt.Errorf("não encontrado: %s",url)

37 var fetcher = &fakeFetcher{ "http://golang.org/": &fakeResult{ "The Go Programming Language", []string{ "http://golang.org/pkg/", "http://golang.org/cmd/", }, }, "http://golang.org/pkg/": &fakeResult{ "Packages", "http://golang.org/", "http://golang.org/cmd/", "http://golang.org/pkg/fmt/", }, }, "http://golang.org/pkg/fmt/": &fakeResult{ "Package fmt", "http://golang.org/", "http://golang.org/pkg/", "http://golang.org/pkg/os/": &fakeResult{ "Package os", }

38 EXEMPLOS DO USO DO GOOGLE GO
Executando... found[0:http://golang.org/] "The Go Programming Language“ found[1:http://golang.org/pkg/] "Packages“ não encontrado: found[2:http://golang.org/pkg/fmt/] "Package fmt" found[2:http://golang.org/pkg/os/] "Package os"

39 BIBLIOGRAFIA


Carregar ppt "Google Go Pós-Graduação em Modelagem Computacional – PGMC"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google