A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Jornal Hoje em Dia – 03-11-2013. Brasil Mais de 1 milhão de acidentes / ano.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Jornal Hoje em Dia – 03-11-2013. Brasil Mais de 1 milhão de acidentes / ano."— Transcrição da apresentação:

1 Jornal Hoje em Dia –

2 Brasil Mais de 1 milhão de acidentes / ano

3 km de estradas 18% asfaltadas = km km de estradas 18% asfaltadas = km Brasil

4 45 mil mortes / ano (incluindo óbito após 72 hs do acidente, oficialmente gira em torno de mortes / ano) 45 mil mortes / ano (incluindo óbito após 72 hs do acidente, oficialmente gira em torno de mortes / ano)

5 Brasil mil feridos / ano 60% ( ) dos feridos no trânsito ficam com lesões permanentes mil feridos / ano 60% ( ) dos feridos no trânsito ficam com lesões permanentes.

6 Brasil A cada 22 minutos, morre uma pessoa em acidente de trânsito. A cada 22 minutos, morre uma pessoa em acidente de trânsito.

7 Brasil A cada 22 minutos, morre uma pessoa em acidente de trânsito. A cada 22 minutos, morre uma pessoa em acidente de trânsito. Seminário com duração de 8 horas

8 Brasil A cada 22 minutos, morre uma pessoa em acidente de trânsito. A cada 22 minutos, morre uma pessoa em acidente de trânsito. Seminário com duração de 8 horas 480 minutos

9 Brasil A cada 22 minutos, morre uma pessoa em acidente de trânsito. A cada 22 minutos, morre uma pessoa em acidente de trânsito. Seminário com duração de 8 horas 480 minutos 22 pessoas mortas

10

11

12

13 Microônibus capota, mata dois e deixa um ferido na SP-333 Microônibus capota, mata dois e deixa um ferido na SP-333

14 O acúmulo de água na pista, aliado ao excesso de velocidade, são os ingredientes mais prováveis do capotamento de um microônibus no início da tarde de ontem na Rodovia Rachid Rayes (SP-333), entre Marília e Assis. O grave acidente matou duas pessoas e deixou outra em estado grave. O acúmulo de água na pista, aliado ao excesso de velocidade, são os ingredientes mais prováveis do capotamento de um microônibus no início da tarde de ontem na Rodovia Rachid Rayes (SP-333), entre Marília e Assis. O grave acidente matou duas pessoas e deixou outra em estado grave.

15

16 Palestra no Congresso Internacional de Transito Porto Alegre – 2012 Palestrante Carlos Henrique Ribeiro Carvalho Técnico do Instituto Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Custo anual de acidente de transito no Brasil = R$ 40,0 bilhões Palestra no Congresso Internacional de Transito Porto Alegre – 2012 Palestrante Carlos Henrique Ribeiro Carvalho Técnico do Instituto Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Custo anual de acidente de transito no Brasil = R$ 40,0 bilhões

17 Investimento de 1% do custo anual acidentes Pesquisa Rodoviária R$ 400 milhões IPR - DNIT

18 ENGENHARIA E ANÁLISE DO VALOR - EAV UMA FERRAMENTA DE MELHORIA NA QUALIDADE DOS PROJETOS DE RODOVIAS ENGENHARIA E ANÁLISE DO VALOR - EAV UMA FERRAMENTA DE MELHORIA NA QUALIDADE DOS PROJETOS DE RODOVIAS - EXPERIENCIA DO DER-MG Marcos Augusto Jabôr

19 DEFINIÇÃO DE EAV É um processo sistemático de análise de um produto, projeto, sistema ou serviço sob a ótica das funções a que se destinam, de maneira a estimular a busca de alternativas que cumpram estas funções com menores custos de investimento e operação.

20 DEFINIÇÃO DE EAV O processo se realiza criativamente por uma equipe multidisciplinar, desenvolvendo alternativas e orientações precisas para implementá- las.

21 DEFINIÇÃO DE EAV A Engenharia de Valor tem como objetivo estabelecer um equilíbrio de rendimento, qualidade e funcionalidade do projeto, ao mais baixo custo de construção, operação e manutenção.

22 Onde: Desempenho = Definido por critérios específicos de projeto; Desempenho = Definido por critérios específicos de projeto; Custo = Custo do empreendimento – podendo-se incluir, se desejado, custos ao longo da vida útil, tanto de manutenção, operação, quanto dos usuários, além de ANÁLISE DE RISCO Custo = Custo do empreendimento – podendo-se incluir, se desejado, custos ao longo da vida útil, tanto de manutenção, operação, quanto dos usuários, além de ANÁLISE DE RISCO DEFINIÇÃO DE VALOR VALOR = DESEMPENHO CUSTO CUSTO

23 A Engenharia e Análise do Valor no DER/MG

24 Vontade Política – GOVERNO DE MINAS GERAIS Decreto N o , criando PMQP-H (Abril/2001) Portaria N o (Março/2003) Choque de Gestão – Acordo de Resultados Curso EAV em Brasília - dezembro de 2000 Estudo Voluntário – março de 2001

25 Decreto de EV do Estado De Minas Gerais Programa Mineiro da Qualidade e Produtividade no Habitat - PMQP–H Decreto , de 24 de abril de 2001, o Subcomitê de Arquitetura e Engenharia Consultiva, denominado INFRACONSULT, com os seguintes objetivos: I- Promover a implantação de metodologia de Engenharia de Valor nos projetos de obras e serviços contratados no âmbito do Governo do Estado de Minas Gerais ( Artigo 2 º,Inciso I, do decreto supra citado); II- Promover acordo setorial com a ASSOCIAÇÃO MINEIRA DAS EMPRESAS DE ENGENHARIA CONSULTIVA para implantar programa setorial de qualidade, conforme diretrizes estabelecidas pelo Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat – PBQP-H ( Artigo 6 º, Inciso II, do decreto supra citado).

26 Portaria N o 1.716, de 07 de Março de 2003 CRIA UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS... Art. 3º - São atribuições da Unidade de Coordenação:... III - determinar e assegurar a aplicação da metodologia de engenharia de valor a todos os programas e projetos de empreendimentos com custos estimados acima de R$ ,00 (dez milhões de reais);... Institucionalização no DER-MG

27 CHOQUE DE GESTÃO – ACORDO DE RESULTADOS A partir de Contratação de Assessoria Técnica – Consultoria Utilização de Equipe Técnica de Especialistas Renomados e Independentes ao Processo de Elaboração do Projeto 2. Estudo de EAV em Projetos com custo estimado acima de R$ ,00 (vinte milhões de reais)

28 Tipos de Estudos realizados no DER/MG Estudos para projetos rodoviários (ex. Aeroporto Regional da Zona da Mata)

29 Tipos de Estudos realizados no DER/MG Estudos para projetos rodoviários (ex. Aeroporto Regional da Zona da Mata) Estudos de Produtos (para aprimorar os Padrões de Itens de Engenharia – ex. Caderno de Drenagem)

30 Tipos de Estudos realizados no DER/MG Estudos para projetos rodoviários (ex. Aeroporto Regional da Zona da Mata) Estudos de Produtos (para aprimorar os Padrões de Itens de Engenharia – ex. Caderno de Drenagem) Estudos de Processos – ex. Programa de Manutenção – PRO-MG

31 Os Primeiros Estudos de EAV Aeroporto Regional da Zona da Mata – Agosto de 2001 Melhoria de Valor conjunto foi de 21,27 % e economia de R$ ,78 ( 7,12 % )

32 Os Primeiros Estudos de EAV Rodovia : MG 401 (Estrada Principal do Projeto Jaíba II e Gleba C-2) – Março de 2002 Melhoria de Valor conjunto foi de 27,51 % e economia de R$ ,38 ( 20,0 % ).

33 Os Primeiros Estudos de EAV Rodovia : MG 338 (Ibertioga – Piedade do Rio Grande) – Abril de 2002 Melhoria de Valor conjunto foi de 65,12 % e economia de R$ ,94( 25,98 % ).

34 MELHORIA NOS PROJETOS DE RODOVIAS – DER-MG

35 Em geral, as análises econômicas aplicadas em projetos rodoviários só levam em consideração: Em geral, as análises econômicas aplicadas em projetos rodoviários só levam em consideração: Custos operacionais de veículos Custos operacionais de veículos GANHO DE EFICIÊNCIA NOS PROJETOS EAV em Projetos Rodoviários Melhoria de Desempenho

36 Em geral, as análises econômicas aplicadas em projetos rodoviários só levam em consideração: Em geral, as análises econômicas aplicadas em projetos rodoviários só levam em consideração: Custos operacionais de veículos Custos operacionais de veículos Tempo de viagem Tempo de viagem GANHO DE EFICIÊNCIA NOS PROJETOS EAV em Projetos Rodoviários Melhoria de Desempenho

37 Em geral, as análises econômicas aplicadas em projetos rodoviários só levam em consideração: Em geral, as análises econômicas aplicadas em projetos rodoviários só levam em consideração: Custos operacionais de veículos Custos operacionais de veículos Tempo de viagem Tempo de viagem Acidentes Acidentes GANHO DE EFICIÊNCIA NOS PROJETOS EAV em Projetos Rodoviários Melhoria de Desempenho

38 A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: Segurança – risco e gravidade de acidentes Segurança – risco e gravidade de acidentes. GANHO DE EFICIÊNCIA NOS PROJETOS EAV em Projetos Rodoviários Melhoria de Desempenho

39 A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: Segurança – risco e gravidade de acidentes Segurança – risco e gravidade de acidentes Impacto ambiental Impacto ambiental. GANHO DE EFICIÊNCIA NOS PROJETOS EAV em Projetos Rodoviários Melhoria de Desempenho

40 A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: Segurança – risco e gravidade de acidentes Segurança – risco e gravidade de acidentes Impacto ambiental Impacto ambiental Trafegabilidade Trafegabilidade. GANHO DE EFICIÊNCIA NOS PROJETOS EAV em Projetos Rodoviários Melhoria de Desempenho

41 A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: Segurança – risco e gravidade de acidentes Segurança – risco e gravidade de acidentes Impacto ambiental Impacto ambiental Trafegabilidade Trafegabilidade Acessibilidade Acessibilidade. GANHO DE EFICIÊNCIA NOS PROJETOS EAV em Projetos Rodoviários Melhoria de Desempenho

42 A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: A EAV no DER/MG mede, de forma objetiva, o desempenho esperado para um projeto em termos mais amplos como: Segurança – risco e gravidade de acidentes Segurança – risco e gravidade de acidentes Impacto ambiental Impacto ambiental Trafegabilidade Trafegabilidade Acessibilidade Acessibilidade Desenvolvimento econômico, etc… Desenvolvimento econômico, etc…. GANHO DE EFICIÊNCIA NOS PROJETOS EAV em Projetos Rodoviários Melhoria de Desempenho

43 Todos os estudos de EAV do DER/MG têm medidas para melhorar o desempenho dos empreendim entos Exemplos típicos que têm sido replicados em todos os projetos do DER/MG

44 Todos os estudos de EAV do DER/MG têm medidas para melhorar o desempenho dos empreendim entos Exemplos típicos que têm sido replicados em todos os projetos do DER/MG Programa Caminhos de Minas – melhoria de desempenho superior a 10%

45 Todos os estudos de EAV do DER/MG têm medidas para melhorar o desempenho dos empreendim entos Exemplos típicos que têm sido replicados em todos os projetos do DER/MG Programa Caminhos de Minas – melhoria de desempenho superior a 10% Anel Viário de Belo Horizonte – melhoria de desempenho superior a 65%

46 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas ambientais em 4,5% MEIO AMBIENTE – Desempenho de + 4,50% Utilizar bota-fora para terraplenar acessos lindeiro a rodovia, pontos de parada de ônibus, praças de balança, paradas emergenciais e outros equipamentos rodoviários, diminuir a declividade da saia de aterro. Utilizar material de bota- fora para recuperação do passivo ambiental (erosões, ravinamentos, voçorocas

47 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas ambientais em 4,5% MEIO AMBIENTE – Desempenho de + 4,50% Quando não for possível o reaproveitamento de material de corte excedente, o projeto de bota fora deverá estudar as características geotécnicas, ambientais locais de forma a minimizar a perda de áreas produtivas.

48 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas ambientais em 4,5% MEIO AMBIENTE – Desempenho de + 4,50% Criação de núcleo ambiental nas coordenadorias polo do DER, de forma a atender as necessidades das SUPRAMs para facilitar a regularização ambiental dos projetos regionais.

49 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas de segurança viária de 9,57% SEGURANÇA VIÁRIA – Desempenho de + 9,57% Travessias urbanas com tratamento intensivo e diferenciado

50 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas de segurança viária de 9,57% SEGURANÇA VIÁRIA – Desempenho de + 9,57% Travessias urbanas com tratamento intensivo e diferenciado Traffic calming

51 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas de segurança viária de 9,57% SEGURANÇA VIÁRIA – Desempenho de + 9,57% Travessias urbanas com tratamento intensivo e diferenciado Traffic calming Implantar 3 as faixas nas rampas ascendentes e descendentes para facilitar ultrapassagem de veículos lentos - em casos apropriados

52 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas de segurança viária de 9,57% SEGURANÇA VIÁRIA – Desempenho de + 9,57% Travessias urbanas com tratamento intensivo e diferenciado Traffic calming Implantar 3 as faixas nas rampas ascendentes e descendentes para facilitar ultrapassagem de veículos lentos - em casos apropriados Portais nas entradas e saídas de cidades

53 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas de segurança viária de 9,57% SEGURANÇA VIÁRIA – Desempenho de + 9,57% Travessias urbanas com tratamento intensivo e diferenciado Traffic calming Implantar 3 as faixas nas rampas ascendentes e descendentes para facilitar ultrapassagem de veículos lentos - em casos apropriados Portais nas entradas e saídas de cidades Programa de sinalização turística e rural

54 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas de segurança viária de 9,57% SEGURANÇA VIÁRIA – Desempenho de + 9,57% Travessias urbanas com tratamento intensivo e diferenciado Traffic calming Implantar 3 as faixas nas rampas ascendentes e descendentes para facilitar ultrapassagem de veículos lentos - em casos apropriados Portais nas entradas e saídas de cidades Programa de sinalização turística e rural Vibraline e rainline

55 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas de segurança viária de 9,57% SEGURANÇA VIÁRIA – Desempenho de + 9,57% Travessias urbanas com tratamento intensivo e diferenciado Traffic calming Implantar 3 as faixas nas rampas ascendentes e descendentes para facilitar ultrapassagem de veículos lentos - em casos apropriados Portais nas entradas e saídas de cidades Programa de sinalização turística e rural Vibraline e rainline Banda rugosa

56 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Melhoria da eficiência das medidas de segurança viária de 9,57% SEGURANÇA VIÁRIA – Desempenho de + 9,57% Travessias urbanas com tratamento intensivo e diferenciado Traffic calming Implantar 3 as faixas nas rampas ascendentes e descendentes para facilitar ultrapassagem de veículos lentos - em casos apropriados Portais nas entradas e saídas de cidades Programa de sinalização turística e rural Vibraline e rainline Banda rugosa Pintura horizontal com 15cm de largura.

57 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Sinalização Turística Rural Lago de Furnas Cachoeiras

58 EAV aplicada no Programa Caminhos de Minas Aproveitamento de Material de Cortes

59 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte Melhoria de Desempenho do Anel Viário de BH em mais de 65%. Algumas alternativas indicadas: CCO com posto da PRF e 2 postos avançados

60 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte Melhoria de Desempenho do Anel Viário de BH em mais de 65%. Algumas alternativas indicadas: CCO com posto da PRF e 2 postos avançados Reforma e revitalização das passarelas existentes, incluindo escadas, tela, iluminação, CFTV e proteção dos pilares

61 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte Melhoria de Desempenho do Anel Viário de BH em mais de 65%. Algumas alternativas indicadas: CCO com posto da PRF e 2 postos avançados Reforma e revitalização das passarelas existentes, incluindo escadas, tela, iluminação, CFTV e proteção dos pilares Aumentar a extensão do viaduto da via férrea, removendo a obstrução física existente

62 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte Melhoria de Desempenho do Anel Viário de BH em mais de 65%. Algumas alternativas indicadas: CCO com posto da PRF e 2 postos avançados Reforma e revitalização das passarelas existentes, incluindo escadas, tela, iluminação, CFTV e proteção dos pilares Aumentar a extensão do viaduto da via férrea, removendo a obstrução física existente Muro de divisão de pistas

63 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte Melhoria de Desempenho do Anel Viário de BH em mais de 65%. Algumas alternativas indicadas: Baias de emergência – ÁREAS DE ESCAPE.)

64 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte Melhoria de Desempenho do Anel Viário de BH em mais de 65%. Algumas alternativas indicadas: Baias de emergência – ÁREAS DE ESCAPE Controle de Velocidade – Falsos radares

65 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte Melhoria de Desempenho do Anel Viário de BH em mais de 65%. Algumas alternativas indicadas: Baias de emergência – ÁREAS DE ESCAPE Controle de Velocidade – Falsos radares Ruas laterais em todo o trecho, possíveis de implantação de corredores de transporte coletivo (VLT, BRT, etc.)

66 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte Câmeras de monitoramento 360 cobrindo toda a extensão do segmento tratado, possibilitando a detecção de problemas na via antes da ocorrência de acidentes. Utilização de Painéis Móveis de Mensagem Variável possibilitando uma melhor comunicação ao usuário sobre a situação do segmento.

67 Anel Rodoviário - Belo Horizonte Preferência para fluxo do anel nas saídas para vias marginais. Acréscimo no custo inicial R$82.464,00 Economia total no ciclo de vida R$ ,70 Conceito Original Conceito Alternativo

68 Anel Rodoviário - Belo Horizonte Preferência para fluxo do anel nas saídas para vias marginais. Acréscimo no custo inicial R$82.464,00 Economia total no ciclo de vida R$ ,70 Conceito Original Conceito Alternativo

69 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte

70 Áreas de Escape As áreas de escape com caixas de retenção são dispositivos capazes de deter caminhões desgovernados por perda de freios em declives longos e íngremes, evitando acidentes de consequências potencialmente catastróficas; O mecanismo de funcionamento de uma caixa de retenção é baseado fundamentalmente na resistência de rolamento causada pela penetração das rodas no material solto que é usado para preencher a caixa; Deverão ser implantadas 3 (três) áreas de escape no trecho inicial da pista norte – km 0 ao km 7.

71 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte Operação de Pontos de Embarque e Desembarque de passageiros somente em baias Construção de baias de emergência para direcionamento de veículos com defeitos mecânicos ou acidentados.

72 EAV aplicada no Anel Viário de Belo Horizonte BARREIRAS TIPO PORTÃO Este sistema possibilita gerenciar situações de emergência ou contingência através do desvio do tráfego, com a implantação de aberturas de 12 metros. Este sistema possibilita gerenciar situações de emergência ou contingência através do desvio do tráfego, com a implantação de aberturas de 12 metros. Na via principal foram selecionados 7 (sete) locais: Na via principal foram selecionados 7 (sete) locais: Km 1,3 - Km 3,5 - Km 5,4 - Km 7,0 Km 1,3 - Km 3,5 - Km 5,4 - Km 7,0 Km 16,0 - Km 18,0 - Km 21,0 Km 16,0 - Km 18,0 - Km 21,0 Na via lateral, 3 (três) locais estão previstos: Na via lateral, 3 (três) locais estão previstos: Km 6,0 – pista norte – Betânia. Km 6,0 – pista norte – Betânia. Km 16,7 – pista sul – bairro Eng. Nogueira. Km 16,7 – pista sul – bairro Eng. Nogueira. Km 15,8 – pista sul – Entrº rua Prof. José Vieira de Mendonça. (garantir a fluidez do trânsito de retorno do Mineirão) Km 15,8 – pista sul – Entrº rua Prof. José Vieira de Mendonça. (garantir a fluidez do trânsito de retorno do Mineirão)

73 Exemplo de EAV como ferramenta de auxílio na melhoria de projetos – Anel Viário de BH RESUMO DAS ALTERNATIVAS NoNo NOME ECONOMIA DE CUSTOS INICIAIS (R$) MELHORIA DE DESEMPENHO (%) MELHORIA DE VALOR (%) ECONOMIA DE CUSTO TOTAL DE TRANPORTE (R$) 1 BLOCO 1 - Redução de Custos Iniciais ,401,40%15,92% ,02 2 BLOCO 2 - Melhoria de Desempenho ( ,97)64,63%-3,99% ,98 3 BLOCO 3 - Melhoria de Valor ( ,62)64,63%6,33% ,98 4 BLOCO 4 - Recomendações da Equipe de EV - com CBUQ ( ,91)65,83%7,23% ,74 5 BLOCO 5 - Recomendações da Equipe de EV - com CONCRETO ( ,83)66,08%6,36% ,54 A EAV teve como objetivo orientar a contratação do projeto executivo, dando diretrizes das melhores alternativas a serem desenvolvidas.

74 ESTUDO DE CASO - DER-MG Aeroporto Regional da Zona da Mata

75 EXEMPLODEALTERNATIVA Adotar conceito de frequência de utilização para dimensionamento do pavimento da pista de um Aeroporto Adotar conceito de frequência de utilização para dimensionamento do pavimento da pista de um Aeroporto 7,5 m 45,0 m 7,5 m Conceito Original (PCN 45) 7,5 m 15,0 m 15,0 m 15,0 m 7,5 m Conceito Alternativo (PCN 66)

76 Conceito Original Conceito Alternativo Aeroporto Regional da Zona da Mata Remoção do solo mole. Acréscimo no custo inicial R$ ,14 Melhoria no desempenho 0%

77 Conceito Original Conceito Alternativo Aeroporto Regional da Zona da Mata Substituição do meio fio padrão por especial. Redução no custo inicial R$ ,47 Melhoria no desempenho 0%

78 ESTUDO DE CASO - DER-MG Rodovia : MG 338 Trecho : Ibertioga - Piedade do Rio Grande

79 Ibertioga - Piedade do Rio Grande Estudo da Variante de Placas com redução de extensão. Acréscimo no custo inicial R$ ,37 Economia total no ciclo de vida R$ ,54 Melhoria no desempenho 8,0%

80 Ponto negro

81 Programa de Engenharia do Valor – DER/MG

82 Não Fazer Função? Não Fazer Função?

83

84

85

86

87

88

89

90 MUITO OBRIGADO ! Eng. Marcos Augusto Jabor


Carregar ppt "Jornal Hoje em Dia – 03-11-2013. Brasil Mais de 1 milhão de acidentes / ano."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google