A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Dr. Artur de Souza Moret MESTRANDA Fabiana B. N. dos Santos Novembro, 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA- UNIR GRUPO DE PESQUISA ENERGIA RENOVAVEL.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Dr. Artur de Souza Moret MESTRANDA Fabiana B. N. dos Santos Novembro, 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA- UNIR GRUPO DE PESQUISA ENERGIA RENOVAVEL."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Dr. Artur de Souza Moret MESTRANDA Fabiana B. N. dos Santos Novembro, 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA- UNIR GRUPO DE PESQUISA ENERGIA RENOVAVEL SUSTENTÁVEL-GPERS DESMATAMENTO NA RESERVA EXTRATIVISTA DO RIO OURO PRETO- RO

2 Definição: São áreas propícias às atividades visando o Desenvolvimento Sustentável, que contemple o uso de recursos locais, capacitação para agregação de valor, com gestão local e participativa e, sobretudo não tenha impactos negativos ao meio Ambiente. Gestão: são áreas controladas pelo Estado em contratos de concessões. Existem atualmente na Amazônia cinqüenta e nove (59) RESEX, cobrindo uma área aproximada de 19 milhões de hectares. Reservas Extrativistas Objetivo: proteger os meios de vida e da cultura dessas populações e assegurar o uso sustentável dos recursos naturais Justificativas: os conflitos fundiários e a pressão pelo desmatamento em áreas ocupadas pelas comunidades.

3 Localização da área Criada pelo Decreto N° de 1990 área há Localiza-se no extremo oeste do estado de Rondônia, próxima à fronteira com a Bolívia, nos territórios municipais de Guajará- Mirim e Nova Mamoré, entre a Área Indígena Uru-Eu-Wau-Wau e o P.E Guajará Mirim.. A área é drenada pela bacia do Rio Ouro Preto, que nasce na Serra Pacaás Novos

4 OBJETIVO AVALIAR E ANALISAR AS CAUSAS DE DESMATAMENTO NA RESEX RIO OURO PRETO, GUAJARÁ-MIRIN- RONDÔNIA.

5 Fontes de informação Dados são secundários; Fontes de informação Relatórios de Projeto, Monografias, Proposta de Plano de desenvolvimento da Reserva Extrativista do Rio Ouro Preto, imagens do satélite LandSat-5 de desmatamento no período de criação ate o ano de 2008 e dados do Projeto RADAMBRASIL.

6 RESULTADOS O desmatamento entre 1990 e 2008: 3,71% correspondendo a 7468 há ha, e O incremento do desmatamento foi de 5147 ha de e de 3555 entre A média desmatada entre foi de 858 ha e 178 entre

7 RESULTADOS O desmatamento entre 1990 e 2008: 3,71% correspondendo a 7468 ha ha, e O incremento do desmatamento foi de 5147 ha de e de 3555 entre a média desmatada entre foi de 858 ha e 178 entre

8 Pressão pelo desmatamento Fonte: Interpretação e Análise de Imagens do Satélite LandSat-5, órbitas-ponto: , , e ; Realizado pelo CSR - Centro de Sensoriamento Remoto - IBAMA. A pressão pelo desmatamento é de fora para dentro da reserva No entorno da reserva a área de desmatamento é crescente

9 Desmatamento para roçado Cada família tem entre 1 e 3 ha de roçado para agricultura de subsistência e mandioca O roçado é utilizado entre 3 e 5 anos, após a exaustão é feito outro roçado e o anterior fica abandonado Cada família desmata entre 1 e 2 ha por ano.

10 CONCLUSÕES O RESEX esta sobre forte pressão externa para aumentar o desmatamento. A Taxa de desmatamento vem diminuindo. Não há atividade comercial de madeireira dentro da RESEX. A maior parte dos moradores tem entre 1 e 2 ha desmatados por ano. As atividades desenvolvidas e o modo de produção local ainda são extrativista O Estado (Município,Estado e Federação) tem baixa presença dentro da área sem atendimento adequado de saúde, educação, infra-estrutura básica A fiscalização do poder público é ineficiente e os moradores da RESEX são os fiscais de fato.

11 THANK YOU!!!!!!!!!!!!!!!


Carregar ppt "Prof. Dr. Artur de Souza Moret MESTRANDA Fabiana B. N. dos Santos Novembro, 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA- UNIR GRUPO DE PESQUISA ENERGIA RENOVAVEL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google