A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Jefferson RODRIGUES-SOUZA 1, 4, Thaíssa Brogliato Junqueira ENGEL 1, Clesnan MENDES-RODRIGUES 1, Felipe Wanderley AMORIM 2, Diana Salles SAMPAIO 1, 3.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Jefferson RODRIGUES-SOUZA 1, 4, Thaíssa Brogliato Junqueira ENGEL 1, Clesnan MENDES-RODRIGUES 1, Felipe Wanderley AMORIM 2, Diana Salles SAMPAIO 1, 3."— Transcrição da apresentação:

1 Jefferson RODRIGUES-SOUZA 1, 4, Thaíssa Brogliato Junqueira ENGEL 1, Clesnan MENDES-RODRIGUES 1, Felipe Wanderley AMORIM 2, Diana Salles SAMPAIO 1, 3. 1.Universidade Federal de Uberlândia. 2.Universidade Estadual de Campinas. 3.Bolsista CAPES/PNPD. 4.Autor para correspondência: 2.Polinizações Experimentais Figura 2: Polinização experimental em T. stans utilizando uma pinça cirúrgica. 3.Germinação, Massa Seca e Sobrevivência das Plântulas Figura 3: Sementes de T. stans semeadas em bandejas de isopor. Utilizou-se como substrato uma mistura de Plantmax® e vermiculita na proporção de 1:1. 4.Número de Embriões por Semente e Ploidia Diplóide 2n = 40 Poliploidia? Diplóides Pyrostegia venusta Cipó-de-São-João Poliembrionia e poliploidia? Mutações em diplóides? Polinizações experimentais Pyrostegia venustaTecoma stans Nº FloresNº Frutos (%)Nº FloresNº Frutos (%) Polinização manual cruzada 737 (9,59%)4722 (46,81%) Autopolinização manual 712 (2,81%)4714 (29,79%) Autopolinização espontânea 710 (0,00%)460 (0,00%) Emasculação670 (0,00%)420 (0,00%) Polinização natural1100 (0,00%)5316 (30,19%) ISI-0,29-0,64 RE-0,00-0,64 Polinizações experimentais Pyrostegia venustaTecoma stans E (%)TME (dia)Sobrevivência%E (%)TME (dia)Sobrevivência% Polinização natural75,60±11,64 ab 35,88±1,19 b 67,86 a 62,50±28,67 b 15,16±1,53 b 46,43 c Polinização manual cruzada 83,33±6,36 a 35,18±1,71 b 70,83 a 94,64±3,15 a 29,57±6,95 a 91,07 a Autopolinização manual 60,53±3,72 b 39,80±3,58 a 47,37 b 85,83±4,75 ab 17,40±1,78 b 71,67 b Análise estatística F e t (P < 0,05) F 2,13 =5,252 (P=0,021) F 2,13 =5,860 (P=0,015) Teste t de proporções F 2,16 =6,770 (P=0,007) F 2,16 =20,279 (P<0,001) Teste t de proporções Tabela 1: Desenvolvimento de frutos em polinizações experimentais em Tecoma stans e Pyrostegia venusta (Bignoniaceae). Tabela 2: Medidas de emergência (média ± DP) e sobrevivência de plântulas em P. venusta e T. stans. E: emergência; TME: tempo médio de emergência; Análise de variância (F) e teste t de proporções foram utilizados para avaliar diferenças entre os tratamentos. Valores seguidos por letras diferentes na mesma coluna diferem pelo teste de Tukey ou pelo teste t de proporções. de-jardim-tecoma-stans.html Os botões em pré-antese foram ensacados com sacos de organza. As flores de primeiro dia foram polinizadas (Fig. 2) e novamente ensacadas. Pv 1-Uberlândia, MG Pv 2-Córdoba, AR Ts 1-Uberlândia, MG Ts 2-Ribeirão Preto, SP Ts 3-Juiz de Fora, MG Figura 1: Localização e código das populações de P. venusta e T. stans estudadas no Brasil e na Argentina. 1.Populações Estudadas (Fig. 1) Em T. stans, plântulas de polinizações cruzadas apresentam maior emergência, tempo médio, sobrevivência (Tabela 2) e massa seca subterrânea (Tabela 3). O número de embriões por semente foi verificado através de dissecação de sementes para todas as populações. O número cromossômico foi verificado nas populações Pv 1, Ts 1 e Ts 2 através células mitóticas de pontas de raízes. Foram analisadas 20 células em metáfase mitótica para cada população. Foram analisadas de 50 a 200 sementes por população. Todas as populações são monoembriônicas, reforçando a ausência de apomixia. As populações deT. stans são diplóides, enquanto a de P. venusta é tetraplóide (Fig. 4). Tabela 3: Massa de plântulas (média ± DP) em Tecoma stans (Bignoniaceae). MSPA: Massa seca da parte aérea; MSPS: massa seca da parte subterrânea; MST: massa seca total. Em P. venusta não houve diferença nas medidas de massa seca das plântulas entre os tratamentos (dados não apresentados). PPG Valores seguidos por letras diferentes na mesma coluna diferem pelo teste de Tukey RESULTADOS Figura 4: Células em metáfase mitótica. A. População Ts1 deT. stans diplóide com 2n=36. B. População Pv1 de P. venusta é poliplóide com 2n=80. Barras = 10µm. A A B B Polinizações experimentais MSPA (mg)MSPS (mg)MST (mg) Polinização natural43,28±15,57 a 16,00±6,39 ab 59,28±20,96 a Polinização manual cruzada 45,77±17,73 a 18,76±9,40 a 64,53±26,06 a Autopolinização manual37,55±18,33 a 13,60±6,15 b 51,15±23,54 a Análise de variância: F (P < 0,05) F 2,87 =1,791 (P=0,173) F 2,87 =3,318 (P=0,041) F 2,87 =2,446 (P=0,093)


Carregar ppt "Jefferson RODRIGUES-SOUZA 1, 4, Thaíssa Brogliato Junqueira ENGEL 1, Clesnan MENDES-RODRIGUES 1, Felipe Wanderley AMORIM 2, Diana Salles SAMPAIO 1, 3."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google