A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONTABILIDADE GERAL Prof. Francisco Nobre de Oliveira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONTABILIDADE GERAL Prof. Francisco Nobre de Oliveira."— Transcrição da apresentação:

1

2 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONTABILIDADE GERAL Prof. Francisco Nobre de Oliveira

3 CONCEITOS CONTABILIDADE É a ciência que estuda o registro de atos e fatos que alteram o patrimônio de uma entidade. CONTABILIDADE COMO CIÊNCIA A contabilidade é uma ciência factual social.

4 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONCEITOS ATOS Dizem respeito a alguma ação que afeta o Patrimônio. Ex: Compra de mercadorias. FATOS São aqueles decorrentes ou não de um ATO, mas que alteram o patrimônio. Ex: O desgaste dos bens da Empresa.

5 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONCEITOS PATRIMÔNIO O conjunto de tudo que a Entidade possui e também de todas as suas dívidas. O que ela possui é classificado em bens (ex.: máquinas, equipamentos, veículos) ou direitos (ex.: direito de receber o valor de uma mercadoria vendida). As dívidas são chamadas de obrigações (ex.: obrigação de pagar um empréstimo bancário). ENTIDADE Toda Organização com fim específico.

6 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONCEITOS BEM Tudo que tem valor econômico e pode participar em uma relação jurídica. BEM MATERIAL: É aquele que possui uma dimensão física. Ex: Edifícios, veículos, etc... BEM IMATERIAL: Não possui uma dimensão física. Ex: Marcas e patentes.

7 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONCEITOS OBRIGA Ç ÃO Tudo o que a Entidade tem a pagar. DIREITO Tudo o que a Entidade tem a receber.

8 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONCEITOS CONTABILIDADE É a ciência que estuda o registro de atos e fatos que alteram o patrimônio de uma entidade.

9 Prof. Francisco Nobre de Oliveira ALTERAÇÕES DO PATRIMÔNIO ASPECTOS QUALITATIVOS Referem-se aos elementos que compões o Patrimônio. Ex: dinheiro, máquinas, valores a pagar, estoques etc. ASPECTOS QUANTITATIVOS Referem-se ao valor do Patrimônio: bens e direitos – obrigações.

10 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CAMPO DE APLICAÇÃO Empresas particulares, Empresas públicas, hospitais, comércio, indústria, escolas, governo etc.

11 Prof. Francisco Nobre de Oliveira OBJETIVOS Controlar: através dos registros contábeis, controla o Patrimônio e suas variações. Fornecer Informações: os registros são organizados num sistema de dados, permitindo a diversos usuários obter informações sobre a situação da empresa. Para a administração, essas informações são essenciais para o planejamento e a tomada de decisões. Apurar o Resultado: determinar se a entidade obteve lucro ou prejuízo em determinado espaço de tempo.

12 Prof. Francisco Nobre de Oliveira USUÁRIOS DAS INFORMAÇÕES A administração da empresa, os acionistas, bancos e instituições financeiras, clientes e fornecedores, governo (sobretudo quanto às questões tributárias) e outros usuários.

13 Prof. Francisco Nobre de Oliveira TÉCNICAS Escrituração: registro dos fatos contábeis obedecendo metodologia própria. Demonstrações Contábeis: apresentação organizada de dados obtidos dos registros contábeis Análise das Demonstrações Contábeis: interpretação de informações contidas nas demonstrações contábeis. Auditoria: técnicas que visam confirmar se os dados que deram origem aos demonstrativos contábeis e os próprios demonstrativos são representações fidedignas das alterações sofridas pelo Patrimônio.

14 Prof. Francisco Nobre de Oliveira EXERCÍCIO SOCIAL Período de tempo em que a Contabilidade obrigatoriamente deverá elaborar as Demonstrações Contábeis. Conforme determina a Lei das Sociedades Anônimas, “o exercício social terá duração de um ano e a data do seu término será fixada no estatuto da empresa”.

15 Prof. Francisco Nobre de Oliveira INFLUÊNCIA DA LEGISLAÇÃO Normas baixadas pelo Conselho Federal de Contabilidade – CFC Lei 6404, de , conhecida como Lei das S/As, em seus Capítulos XV, XVIII e XX Decreto (Federal) de , que institui o Regulamento do Imposto de Renda (RIR) Resoluções da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) Resoluções das Agências Reguladoras (ANATEL, ANEEL, ANA, etc...) Entendimentos do IBRACON Código Civil Brasileiro (Lei 10406/02, Artigos 1177 e seguintes.)

16 Prof. Francisco Nobre de Oliveira REMISSÃO À LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Lei de 15 de Dezembro de 1976 A S S U N T OARTIGO Ações em TesourariaArt. 182 § 5º Agrupamento das Contas no Balanço PatrimonialArt. 178 Agrupamento das Contas – Limite 0,1 Art. 176 § 2º Ativo – Grupos – Critérios de AvaliaçãoArt. 183 Ativo – Grupo de Contas – ClassificaçãoArt. 179 Bônus de Subscrição – Disposições RegulamentaresArts. 75 a 79 Ciclo OperacionalArt. 179 § Único Debêntures – Disposições RegulamentaresArts. 52 a 74

17 Prof. Francisco Nobre de Oliveira REMISSÃO À LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Lei de 15 de Dezembro de 1976 A S S U N T OARTIGO Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido – Estrutura Art. 186 Demonstração das Origens e Apl. De Recursos – DOAR – Dispensa Art. 176.§ 6º Demonstração das Origens e Aplic. De Recursos – DOAR – Estrutura Art. 188 Demonstração do Resultado do Exercício – DRE – Estrutura Art. 187 Demonstração dos Lucros ou Prej. Acumulados – Inclusão DMPL Art. 186 § 2º Demonstrações Contábeis ExigidasArt. 176 Depreciação - Amortização – ExaustãoArt. 183 § 2º Diferido – Prazo para AmortizaçãoArt. 183 § 3º

18 Prof. Francisco Nobre de Oliveira REMISSÃO À LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Lei de 15 de Dezembro de 1976 A S S U N T OARTIGO Dividendo Mínimo Obrigatório – OmissãoArt. 202 § 3º Dividendo Obrigatório – CálculoArt. 202 Dividendo Obrigatório – Fixação de PercentualArt. 202 § 1º Dividendo Obrigatório – Não PagamentoArt. 202 § 4º Dividendo Obrigatório – Reserva EspecialArt. 202 § 5º Exercício Social Art. 175 Legislação Especial – ContabilizaçãoArt. 177 § 2º Legislação Especial – CVM Art. 177 § 3º

19 Prof. Francisco Nobre de Oliveira REMISSÃO À LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Lei de 15 de Dezembro de 1976 A S S U N T OARTIGO Lucro – Deduções do ResultadoArt. 189 Lucro Líquido – ConceitoAt. 191 Notas Explicativas – ExigênciasArt. 176 § 4º e 5º Notas Explicativas – Mudanças CritériosArt. 177 Obrigação Assinatura Administradores e ContabilistasArt. 177 § 4º Ordem das Contas no Ativo – Grau de LiquidezArt. 178 § 1º Parecer dos Auditores IndependentesArt. 177 § 3º Partes Beneficiárias – Disposições RegulamentaresArts. 46 a 51

20 Prof. Francisco Nobre de Oliveira REMISSÃO À LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Lei de 15 de Dezembro de 1976 A S S U N T OARTIGO Participações – Empregados – Administradores e P. Beneficiárias Art. 190 Passivo – ClassificaçãoArt. 180 Passivo – Critérios de Avaliação – GeralArt. 184 Inc. I Passivo – Critérios de Avaliação – Moeda EstrangeiraArt. 184 Inc. II Patrimônio Líquido – ClassificaçãoArt. 182 Preço de mercado – ConceitoArt. 183 § 1º Princípios Contábeis – ObrigatoriedadeArt. 177 Regime de Competência – ObrigatoriedadeArt. 177

21 Prof. Francisco Nobre de Oliveira REMISSÃO À LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Lei de 15 de Dezembro de 1976 A S S U N T OARTIGO Reserva Legal – LimitesArt. 193 Reservas de Capital – ClassificaçãoArt. 182 § 1º Reservas de Capital – Utilização ObrigatóriaArt. 200 Reservas de Lucros - ClassificaçãoArt. 182 § 4º Reservas de Lucros – LimitesArt. 199 Reservas de Lucros a RealizarArt. 197 Reservas de Reavaliação – ClassificaçãoArt. 182 § Reservas de Reavaliação – LimitesArt. 199

22 Prof. Francisco Nobre de Oliveira REMISSÃO À LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Lei de 15 de Dezembro de 1976 A S S U N T OARTIGO Reservas EstatutáriasArt. 194 Reservas para ContingênciasArt. 195 Reservas para Orçamento de CapitalArt. 196 Resultado de Exercícios Futuros – REF - ClassificaçãoArt. 181

23 Prof. Francisco Nobre de Oliveira Atos Fatos Técnica ? B P DRE DMPL DOAR

24 Prof. Francisco Nobre de Oliveira Bens (B) Direitos (D) Obrig. c/ Terceiros (OT) Patrimônio Líquido (PL) B + D = OT + PL

25 Prof. Francisco Nobre de Oliveira BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO Bens Direitos PASSIVO Obrigações Terceiros Com os Sócios PASSIVO Circulante Exigível a Longo Prazo Result. de Exercícios Futuros Patrimônio Líquido Capital Social Reservas Lucros ou Prej. Acumulados ATIVO Circulante Investimentos Realizável a Longo Prazo Permanente Imobilizado Diferido

26 Prof. Francisco Nobre de Oliveira DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE Receitas ( – ) Custo ( = ) Lucro Bruto ( – ) Despesas ( + ) Outras Receitas ( = ) Lucro Operacional ( + ) Receita Não Operacional ( – ) Despesa Não Operacional ( = ) Result. Antes do Imposto de Renda ( – ) Imposto de Renda ( = ) Result. Antes das Participações ( – ) Participações ( = ) Lucro Líquido

27 Prof. Francisco Nobre de Oliveira PASSIVOATIVO Circulante Exigível a Longo Prazo Result. de Exercícios Futuros Patrimônio Líquido Capital Social Reservas Circulante Investimentos Realizável a Longo Prazo Permanente Imobilizado Diferido DEMONSTRATIVO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE Receitas ( – ) Custos ( = ) Lucro Bruto ( – ) Despesas ( + ) Outras Receitas ( = ) Lucro Operacional ( + ) Receita Não Operacional ( – ) Despesa Não Operacional ( = ) Result. Antes do Imposto de Renda ( – ) Imposto de Renda ( = ) Result. Antes das Participações ( – ) Participações ( = ) Lucro Líquido Lucros ou Prejuízos Acumulados

28 Prof. Francisco Nobre de Oliveira DRE – ANÁLISE DA ESTRUTURA RECEITA Ingresso de recursos provenientes das atividades da Empresa. DESPESAS Gastos que objetivam aumentar as receitas. REC./DESP. OPERACIONAIS Aquelas decorrentes das atividades relacionadas com o objetivo da Empresa.

29 Prof. Francisco Nobre de Oliveira DRE – ANÁLISE DA ESTRUTURA REC./DESP. NÃO OPERACIONAIS Aquelas decorrentes das atividades não relacionadas com o objetivo do negócio da Empresa. CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS Gasto imprescindível à atividade relacionada com a obtenção da receita.

30 Prof. Francisco Nobre de Oliveira DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PAT. LÍQUIDO DescriçãoCapital Reservas de CapitalReavaliaçãoLucros Lucros e Prej. Acumul. Total Saldo Inicial –– Aumento Capital Com Reservas (6.000)(4.000)0 Result. Exercício–––– Destinação dos Lucros Reservas–––5.000(5.000)0 Dividendos––––(10.000) Total – Aumento Capital Com Recursos – ––

31 Prof. Francisco Nobre de Oliveira DEMONST. DAS ORIGENS E APLIC. DE RECURSOS ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE ATIVO NÃO CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Permanente PASSIVO NÃO CIRCULANTE Exigível a Longo Prazo Patrimônio Líquido CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL)

32 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONTA É um mecanismo contábil para registrar elementos da mesma NATUREZA. É representada por um RAZONETE NOME DA CONTA DébitoCrédito SALDO DEVEDORSALDO CREDOR

33 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONTA RAZONETE Representação gráfica de uma conta. FUN Ç ÃO DAS CONTAS Registrar os fatos contábeis. FUNCIONAMENTO DE UMA CONTA Indica quando e como ela será Debitada ou Creditada.

34 Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONTA: DEBITADA OU CREDITADA? Sendo um(a) Então temos uma conta de Cuja natureza é Portanto Aumenta PeloDiminui Pelo Esta é a Regra Geral exceto para as Contas Retificadoras Bem Direito AtivoDevedoraDébitoCrédito ObrigaçãoPassivoCredoraCréditoDébito ReceitaResultadoCredoraCréditoDébito ResultadoDevedoraDébitoCrédito Despesa Custo

35 Prof. Francisco Nobre de Oliveira De observância obrigatória no exercício da profissão contábil constitui condição de legitimidade das Normas Brasileiras de Contabilidade. Em sua aplicação deve prevalecer a essência das transações sobre os aspectos formais. O Conselho Federal de Contabilidade – CFC – estabeleceu os seguintes princípios contábeis (Resolução CFC n.º 750, de ): PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE

36 Prof. Francisco Nobre de Oliveira PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE PRINCÍPIO DA ENTIDADE Reconhece o Patrimônio como objeto da contabilidade, afirmando a autonomia patrimonial: o patrimônio da entidade a ela pertence. Assim, o Patrimônio da entidade não se confunde com o de seus sócios ou proprietários. Significa que uma dívida da empresa é dela e não dos sócios.

37 Prof. Francisco Nobre de Oliveira PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE A continuidade ou não da entidade, bem como sua vida estabelecida ou provável, deve ser considerada quando da classificação e avaliação das mutações patrimoniais, quantitativas e qualitativas. A continuidade influencia o valor dos ativos e o vencimento e valor dos passivos. Os demonstrativos não podem ser desvinculados dos demonstrativos anteriores, nem ter seus critérios alterados sem que os usuários tomem conhecimento disso. Ocorrendo descontinuidade ou mudança de critérios, isso deve ser evidenciado.

38 Prof. Francisco Nobre de Oliveira PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE OPORTUNIDADE Os registros devem ser feitos de imediato, ou seja, no tempo certo e na extensão correta, ainda que os valores sejam estimados e as provas documentais posteriormente anexadas. É preciso que a estimativa dos eventos seja feita por critérios técnicos, e não aleatoriamente.

39 Prof. Francisco Nobre de Oliveira PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL Os registros devem ser feitos pelos valores originais das transações e em moeda corrente do País, ainda que tenha havido desvalorização monetária até o momento da realização do registro. ATUALIZA Ç ÃO MONET Á RIA Devem ser reconhecidas as variações do poder aquisitivo da moeda nacional, através do ajuste dos valores originais. O sistema contábil sempre manterá o valor original preservado, fazendo os ajustes de forma complementar, em separado.

40 Prof. Francisco Nobre de Oliveira PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CONTABILIDADE COMPETÊNCIA As receitas e despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do período a que correspondam, independentemente do efetivo recebimento ou pagamento (regime de competência). PRUDÊNCIA Determina a adoção dos menores valores para os bens e direitos (tecnicamente, Ativo) e os maiores para as obrigações (Passivo), sempre que houver mais de uma alternativa igualmente válida

41 Prof. Francisco Nobre de Oliveira Boa sorte e até logo...


Carregar ppt "Prof. Francisco Nobre de Oliveira CONTABILIDADE GERAL Prof. Francisco Nobre de Oliveira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google