A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LEITURA EM LÍNGUA INGLESA Apresentação: Waléria de Melo Ferreira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LEITURA EM LÍNGUA INGLESA Apresentação: Waléria de Melo Ferreira."— Transcrição da apresentação:

1 LEITURA EM LÍNGUA INGLESA Apresentação: Waléria de Melo Ferreira

2 DIFERENTES PERSPECTIVAS LEITURA

3 LEITURA: DIFERENTES PERSPECTIVAS “Leitura é o que acontece quando as pessoas olham um texto e atribuem significado aos símbolos escritos naquele texto” (AEBERSOLD; FIELD, 1977, p. 15). “Leitura é o processo de construção de significado através da interação dinâmica entre o conhecimento existente do leitor; a informação sugerida pela linguagem escrita; e o contexto da situação da leitura” (PEARSON; RAPHAEL, 1993, p. 284).

4 LEITURA: DIFERENTES PERSPECTIVAS “In reading “an individual constructs meaning through a transaction with written text that has been created by symbols that represent language. The transaction involves the reader’s acting on or interpreting the text and the interpretation is influenced by the reader’s past experiences, language background, and cultural framework, as well as the reader’s purpose for reading (HUDELSON, 1994 apud EDIGER,2001, p. 154).

5 A compreensão crítica do ato de ler, segundo a concepção de Paulo Freire, não se esgota na decodificação pura da palavra escrita ou da linguagem escrita, mas implica a percepção das relações entre o texto e o contexto, pois linguagem e realidade se prendem dinamicamente (FREIRE, 1988, p.11-12). LEITURA CRÍTICA

6 Nessa perspectiva, para formar leitores críticos, deve- se buscar desenvolver, no aluno, habilidades que lhe possibilitem “enxergar“ o texto como um todo, ou seja, as marcas gráficas no papel, os sentidos explícitos dessas marcas e o significado social desses sentidos num todo que una linguagem e significado (MOTTA-ROTH, 1998, p. 26) LEITURA CRÍTICA A leitura crítica busca, sobretudo, formar leitores não- ingênuos perante um texto.

7 O letramento crítico busca engajar o aluno em uma atividade crítica através da linguagem, utilizando como estratégia o questionamento das relações de poder, das representações presentes nos discursos e das implicações que isto pode trazer para o indivíduo em sua vida ou de sua comunidade (MOTTA, 2008). LETRAMENTO CRÍTICO

8 Critical literacy is a discursive commitment, a form of life, a way of being in the world. Hence, practices of critical literacy are a call to theorizing the world and language/texts/inscription/lite racy in relation to the world: to developing an understanding of the social world as an CRITICAL LITERACY "uneven playing field", and becoming aware of how language and language users are implicated in creating, maintaining or challenging this playing field and the representations that support it. The field, of course, is not static, but always in the process of being made and remade,(...). (LANKSHEAR e KNOBEL, 1998, p.08)

9 Ao se tratar da habilidade da leitura, os autores McLaughlin e DeVoogd (2004, p. 01) defendem que a leitura ancorada na teoria do letramento crítico desperta o indivíduo “para fazer questionamentos sobre quais vozes estão representadas no texto, quais vozes estão ausentes, e sobre quem ganha ou perde quando faz a leitura de um texto”. A LEITURA NA VISÃO DO LETRAMENTO CRÍTICO

10 LETRAMENTO CRÍTICO EM SALA DE AULA Green (2001), Luke, O ‟ Brien and Comber (2001) e Vasquez (1996) Para criar um estado de letramento crítico em sala de aula, os autores sugerem algumas estratégias, tais como:  Justapor textos sobre um mesmo tópico para enfatizar as perspectivas dos textos;  Trabalhar com predições e pressuposições, buscando expor as pressuposições subjacentes nos textos;  Examinar ou criar finais alternativos em textos com o objetivo de contrastar valores implícitos e expectativas sociais;

11 LETRAMENTO CRÍTICO EM SALA DE AULA Green (2001), Luke, O ‟ Brien and Comber (2001) e Vasquez (1996) Para criar um estado de letramento crítico em sala de aula, os autores sugerem algumas estratégias, tais como:  Utilizar textos do cotidiano, tais como, propagandas de brinquedos e contratos legais, para demonstrar que não são textos neutros que requerem simples decodificação e resposta. Eles são produtos ideologicamente construídos que devem ser interpretados para problematizar como a identidade social e as relações de poder são estabelecidas ou negociadas nesses textos.

12 LETRAMENTO CRÍTICO EM SALA DE AULA Para criar um estado de letramento crítico em sala de aula, os autores sugerem algumas estratégias, tais como:  Ensinar os alunos a criar questões que problematizem o texto, que demandem interpretação sobre questões referentes à linguagem, texto e poder, bem como fornecer aos alunos perguntas com maior nível de reflexão e criticidade, tais como: Como seu entendimento do texto é influenciado por seu ambiente social e formação?

13 LETRAMENTO CRÍTICO EM SALA DE AULA Como o texto está posicionando você como leitor? O uso de voz passiva ou ativa posiciona você como leitor, de algum modo em particular? Que visão de mundo ou que valores o texto apresenta? Que pressuposições o texto faz em relação aos seus valores e suas crenças? Que perspectivas no texto são omitidas? A quem, ou a quais interesses o texto está servindo?

14 LEITURA CRÍTICA X LETRAMENTO CRÍTICO Fonte: Extraída de CERVETTI, G.; PARDALES, M.; DAMICO, J. S. A tale of differences: comparing the traditions, perspectives and educational goals of critical reading and critical literacy (2001). Disponível em: (Tabela original em inglês).

15 LEITURA CRÍTICA X LETRAMENTO CRÍTICO Fonte: Extraída de CERVETTI, G.; PARDALES, M.; DAMICO, J. S. A tale of differences: comparing the traditions, perspectives and educational goals of critical reading and critical literacy (2001). Disponível em: (Tabela original em inglês).

16 LEITURA CRÍTICA X LETRAMENTO CRÍTICO Fonte: Extraída de CERVETTI, G.; PARDALES, M.; DAMICO, J. S. A tale of differences: comparing the traditions, perspectives and educational goals of critical reading and critical literacy (2001). Disponível em: (Tabela original em inglês).

17 Ignorar palavras difíceis no texto que não comprometem a sua compreensão. Lendo para extrair informações do texto, você deve: TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

18 Buscar as palavras de conteúdo e verificar as informações que estão em seu entorno. 1.No matter where you go, the Internet is following you. Almost every portable device is being made with an Internet connection. Most new TVs and many other appliances come with Internet connections as well. The Internet is truly ubiquitous. If something is ubiquitous, ____________________. a. it is fuzzy and will bite you b. it is everywhere c. it costs too much money d. it causes rashes Lendo para extrair informações do texto, você deve: TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS / yu’b I kw Ә t Ә s/

19 TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS REINILDES DIAS (2002)

20 Identificação de gêneros textuais Skimming Scanning Cognate Words Evidências Tipográficas Background knowledge Discourse Markers Pronoun Reference Grupos Nominais Uso do Dicionário TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

21 Identifique os textos a seguir, quanto ao gênero. TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

22 É uma leitura bem rápida do texto. Permite responder perguntas como:  Qual a sua primeira reação ao texto ?  O texto é sobre o quê ? Skimming TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

23 Leitura com o objetivo de encontrar algumas informações específicas no texto. Busca-se as palavras-chave do texto. Lê-se as informações ao redor dessas palavras. Procura-se responder questões sobre o texto. Scanning TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

24 O scanning é uma prática rotineira nas nossas vidas. Alguns exemplos típicos do scanning são:  o uso do dicionário para obter informações sobre o significado de uma palavra;  a busca de um número na lista telefônica;  a utilização de um índice de um livro ou revista, para encontrar um artigo ou capítulo de interesse. Esta técnica não exige leitura completa nem detalhada do texto. SCANNING (Extraindo informações específicas)

25 Palavras de origem grega ou latina bem parecidas com as do português. Exemplos: Cognatas – o que são? Técnicas e Estratégias de Leitura em Inglês different - implement - literature education - consequence – poem – Conscience - conjunction

26 Existem três tipos de Cognatas Idênticas. Ex.: cinema, social, hotel Semelhantes. Ex.: telephone, violent Distantes. Ex.: activity, computer Cognatas - tipos Técnicas e Estratégias de Leitura em Inglês

27 Na primeira leitura, dê o valor ao termo como cognato verdadeiro. Avalie o contexto e verifique se o valor dado produz coesão e compreensão. Cognatas – como testar! A sensible diet can cure cancer My father is retired The boy and the girl pretend they are scientists I hope you enjoy this lecture I do not eat pork The doctor was an ingenious surgeon Técnicas e Estratégias de Leitura em Inglês

28 FALSE COGNATES Os falsos cognatos, por sua vez, apresentam significados distintos entre os idiomas. EXEMPLOS: Actually (na verdade) - Pretend ( fingir ) – Pull (Puxar) – Push ( Empurrar) – Eventually - ( finalmente)

29 IDENTIFYING COGNATES

30 DICAS TIPOGRÁFICAS Recursos utilizados pelo autor para auxiliar na compreensão do texto, ressaltar informações relevantes. Exemplos: Negrito Subtítulos Figuras Maiúsculas Colchetes Parênteses Títulos Itálico Quadros e tabelas Gráficos e Mapas Fotos

31 Evidências Tipográficas Técnicas e Estratégias de Leitura em Inglês

32 EVIDÊNCIAS TIPOGRÁFICAS

33 Inferir o conteúdo de um texto através de seu conhecimento prévio sobre o tema. Previous Knowledge TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

34 Prestar atenção nas palavras de transição, conhecidas como “Marcadores de discurso” connectors linkers: MARCADORES DISCURSIVOS TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

35 coordinating, concessive (addition):  I play the piano and I sing in the choir.  There's also a fence-painting contest to see who can paint the fastest. TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

36 Alternative: You can have a sandwich or a cake. Either you do it now or you will never do it. Contrast: I had no choice but to accept their offer. I would like to get a degree, but on the other hand, I don’t feel like studying for so many years. His story is true. However, I wouldn’t trust him. TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

37 Cause / Motive: He didn’t go out because he was very busy. As he couldn’t find a job, he enrolled on a web-design course. Since we had spent all our money, we couldn’t even buy a little souvenir. Result / Consequence: We woke up late, so we missed our bus. He’s broken his leg, therefore he won’t be able to play in the next match. TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

38 Purpose: He’s qualifying to become an accountant. He has taken a course in business administration in order to gain career advancement. Time: When I was on holiday, I used to get up late. Come whenever you like. TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

39 Um texto é formado por vários parágrafos que se relacionam entre si. Logo, faz-se necessário o uso de palavras chamadas referenciais, a fim de evitar a sobrecarga de repetições desnecessárias em um texto. Há dois tipos de referência: A referência lexical; A referência gramatical. ELEMENTOS DE REFERÊNCIA E SUBSTITUIÇÃO

40 Mary sometimes talks to me about her husband. “Harry”, she says, “is a strong and hardworking man”, his only problem is that he is the most selfish person she has ever met. REFERÊNCIA LEXICAL

41 Deserts are very dry regions. They have very little rainfall. Few plants live there. Some specialized animals do. Some deserts have a surface of sand. The sand often forms dunes. These are created by the wind. Others have stones or rocks. REFERÊNCIA GRAMATICAL

42 OUTROS EXEMPLOS DE REFERÊNCIA 1. Their beautiful new car was badly damaged when it was struck by a falling tree. 2. Jack was born in a British industrial town and Gillian grew up in an American one. 3. My parents live in the north of the country and my husband’s relatives live there too.

43 Usar as palavras-chave da questão elaborada, para facilitar a procura da resposta. Use uma régua não transparente para “varrer” o texto, buscando essas palavras (índices das questões). É possível que as informações que você procura, estejam no entorno dessas palavras. Indexação de Questões TÉCNICAS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM INGLÊS

44 Esse deve ser o último recurso a ser utilizado. Além de não oferecer a carga semântica da palavra ou expressão, torna a leitura muito lenta, provocando desânimo no leitor e interrompe a compreensão do texto. Dicionário Técnicas e Estratégias de Leitura em Inglês

45 USO DO DICIONÁRIO O dicionário geralmente oferece recursos para facilitar o seu manuseio, como lista de símbolos fonéticos (para sabermos como pronunciar) divisão silábica (que é diferente do português), abreviaturas (para entendermos a explicação das palavras), a classe gramatical da palavra, exemplos usando a palavra etc.

46 Observe o exemplo abaixo retirado do dicionário Oxford Escolar para Estudantes Brasileiros de Inglês: Ac.count /Ә ‘kaunt/ ♦ s 1. (Fin, com) conta: checking account conta corrente. 2. fatura 3. accounts [pl] contabilidade 4. Relato, descrição ♦ vi ~ (to sb) for sth prestar contas (a alguém) de algo. O que significa: - Os símbolos entre barras / / ? - O til? ~ - O ponto? Ac. count. - As letras s e vi ? - O símbolo ♦ ? - A informação entre colchetes [ ] ?

47 I house two friends. I would like to better my life. Joe has to water the plant in the lab everyday. I feel blue today. CQC reporters dog the politicians’lives. The doctor states that the patient’s state in The United States is improving day by day. Dicionário Quais os significados dos termos em itálico? Técnicas e Estratégias de Leitura em Inglês

48 Giulia likes Chocolate Milk. Giovana likes Milk Chocolate. Técnicas e Estratégias de Leitura em Inglês

49 Referências BAYNHAM, M. Literacy practices. London: Longman, BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. vol.1, Brasília: CERVETTI, N.; PARDALES P.; DAMICO, G. A tale of differences: comparing the traditions, perspectives, and educational goals of critical reading and critical literacy, Disponível em:

50 Referências Luke, A., O’Brien, J., & Comber, B. Making community texts objects of study. In H. Fehring & P. Green (Eds.), Critical literacy: A collection of articles from the Australian Educators’ Association. Newark, NJ: International Reading Association, MATTOS, Andréa Machado de Almeida; VALÉRIO, Kátia Modesto. Letramento crítico e ensino comunicativo: lacunas e interseções. In: RBLA, Belo Horizonte, v. 10, n. 1, pp McLAUGHLIN, M.; DeVOOGD, G. L. Critical literacy: enhancing students’ comprehension of text. New York: Scholastic, MOTTA, ARACELLE PALMA FÁVARO. O letramento crítico no ensino/aprendizagem de língua inglesa sob a perspectiva docente. Londrina, Disponível em: MUNHOZ, Rosângela. Inglês Instrumental – Estratégias de Leitura.São Paulo-SP: Textonovo SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte, Autêntica, SOUZA, Adriana et alii. Leitura em língua inglesa: uma abordagem instrumental. São Paulo: Disal, STREET, B. V. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press,1984. TFOUNI. Leda Verdiani. Adultos não alfabetizados: o avesso do Avesso. São Paulo: Cortez, p. Vasquez, Vivian. Using Everyday Issues and Everyday Texts to Negotiate Critical Literacies with Young Children. American University, Washington, DC Hawaii Paper., Available: Técnicas e Estratégias de Leitura em Inglês

51 Enjoy reading! Bye!


Carregar ppt "LEITURA EM LÍNGUA INGLESA Apresentação: Waléria de Melo Ferreira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google