A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Interrupção simples com lâmpada de incandescência É empregue sempre que se deseja comandar de um só lugar um único circuito,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Interrupção simples com lâmpada de incandescência É empregue sempre que se deseja comandar de um só lugar um único circuito,"— Transcrição da apresentação:

1 Interrupção simples com lâmpada de incandescência É empregue sempre que se deseja comandar de um só lugar um único circuito, com uma ou mais lâmpadas.

2 2 Esquema funcional Apenas considera as funções da aparelhagem na montagem a realizar sem ter em conta a sua posição relativa. Tem a vantagem de mostrar quer o funcionamento quer as ligações principais, sem cruzamento de linhas, o que por si torna mais fácil a análise eléctrica do circuito. N – Neutro (potencial eléctrico de 0 Volt) F – Fase (potencial eléctrico de 230 Volt)

3 3 Esquema unifilar A representação unifilar tem uma simbologia própria e simplificada mas não nos indica o modo de ligação nas montagens de forma a compreendermos o seu funcionamento. Dá- nos, contudo, indicações úteis sobre o percurso da instalação, elementos que a constituem e a sua localização. A simplicidade desta representação, faz com que ela seja utilizada no desenho das plantas de edifícios, para a elaboração do respectivo projecto eléctrico da instalação.

4 4 Esquema arquitectural Troço de parede com um vão de janela Porta com um batente Quando o traçado das canalizações e localização dos restantes elementos da instalação (caixas de derivação, aparelhos de comando, aparelhos de utilização, etc.) é executado em plantas, o esquema daí resultante diz-se arquitectural.

5 5 Esquema multifilar 230V ~ Indica-nos a forma e ligação entre os vários aparelhos e elementos do circuito, tendo também simbologia bem definida e geralmente diferente da representação unifilar.

6 6 Implementação da instalação N F

7 Lucínio Preza de Araújo 7 Material necessário Tubo VD Braçadeiras Caixa de derivação Boquilhas Caixa de aparelhagem Interruptor simples Suporte de lâmpada Condutor H07V-U Lâmpada de incandescência

8 Interrupção simples com lâmpada fluorescente Ao contrário das lâmpadas de incandescência, as lâmpadas fluorescentes necessitam de um balastro e arrancador para arrancarem.

9 9 Esquema funcional FN N – Neutro (potencial de 0 Volt) F – Fase (potencial de 230 Volt) Apenas considera as funções da aparelhagem na montagem a realizar sem ter em conta a sua posição relativa. Tem a vantagem de mostrar quer o funcionamento quer as ligações principais, sem cruzamento de linhas, o que por si torna mais fácil a análise eléctrica do circuito.

10 10 Esquema unifilar A representação unifilar tem uma simbologia própria e simplificada mas não nos indica o modo de ligação nas montagens de forma a compreendermos o seu funcionamento. Dá- nos, contudo, indicações úteis sobre o percurso da instalação, elementos que a constituem e a sua localização. A simplicidade desta representação, faz com que ela seja utilizada no desenho das plantas de edifícios, para a elaboração do respectivo projecto eléctrico da instalação.

11 11 Esquema arquitectural Quando o traçado das canalizações e localização dos restantes elementos da instalação (caixas de derivação, aparelhos de comando, aparelhos de utilização, etc.) é executado em plantas, o esquema daí resultante diz-se arquitectural. Porta com um batente Troço de parede com um vão de janela

12 12 Esquema multifilar 230 V ~ A – Arrancador B – Balastro Indica-nos a forma e ligação entre os vários aparelhos e elementos do circuito, tendo também simbologia bem definida e geralmente diferente da representação unifilar.

13 Lucínio Preza de Araújo 13 Material necessário Tubo VD Braçadeiras Caixa de derivação Boquilhas Caixa de aparelhagem Condutor H07V-U Arrancador Balastro Lâmpada fluorescente Suportes lâmpada fluorescente Interruptor simples

14 Comutação de lustre É empregue sempre que se deseja comandar de um só lugar dois circuitos, com uma ou mais lâmpadas.

15 15 Esquema funcional Apenas considera as funções da aparelhagem na montagem a realizar sem ter em conta a sua posição relativa. Tem a vantagem de mostrar quer o funcionamento quer as ligações principais, sem cruzamento de linhas, o que por si torna mais fácil a análise eléctrica do circuito. N – Neutro (potencial eléctrico de 0 Volt) F – Fase (potencial eléctrico de 230 Volt) Ponto comum do comutador

16 16 Esquema unifilar A representação unifilar tem uma simbologia própria e simplificada mas não nos indica o modo de ligação nas montagens de forma a compreendermos o seu funcionamento. Dá- nos, contudo, indicações úteis sobre o percurso da instalação, elementos que a constituem e a sua localização. A simplicidade desta representação, faz com que ela seja utilizada no desenho das plantas de edifícios, para a elaboração do respectivo projecto eléctrico da instalação.

17 17 Esquema arquitectural Quando o traçado das canalizações e localização dos restantes elementos da instalação (caixas de derivação, aparelhos de comando, aparelhos de utilização, etc.) é executado em plantas, o esquema daí resultante diz-se arquitectural. 3 Porta com um batente

18 18 Esquema multifilar Indica-nos a forma e ligação entre os vários aparelhos e elementos do circuito, tendo também simbologia bem definida e geralmente diferente da representação unifilar. 230 V ~ Ponto comum do comutador

19 19 Implementação da instalação N F Ponto comum do comutador

20 Lucínio Preza de Araújo 20 Material necessário Tubo VD Braçadeiras Caixa de derivação Boquilhas Caixa de aparelhagem Lâmpada de incandescência Suporte de lâmpada Condutor H07V-U Comutador de lustre

21 Comutação de escada ou de quarto Montagem que tem por objectivo o comando de um só circuito eléctrico de dois sítios diferentes. As escadas, quartos, certos corredores e salas com duas entradas são exemplos de locais onde, por funcionalidade e comodidade, as lâmpadas devem ser comandadas de dois locai diferentes. Acende-se na entrada, apaga-se na saída e vice – versa.

22 22 Esquema funcional Apenas considera as funções da aparelhagem na montagem a realizar sem ter em conta a sua posição relativa. Tem a vantagem de mostrar quer o funcionamento quer as ligações principais, sem cruzamento de linhas, o que por si torna mais fácil a análise eléctrica do circuito. N – Neutro (potencial eléctrico de 0 Volt) F – Fase (potencial eléctrico de 230 Volt) Ponto comum do comutador

23 23 Esquema unifilar A representação unifilar tem uma simbologia própria e simplificada mas não nos indica o modo de ligação nas montagens de forma a compreendermos o seu funcionamento. Dá- nos, contudo, indicações úteis sobre o percurso da instalação, elementos que a constituem e a sua localização. A simplicidade desta representação, faz com que ela seja utilizada no desenho das plantas de edifícios, para a elaboração do respectivo projecto eléctrico da instalação.

24 24 Esquema arquitectural Quando o traçado das canalizações e localização dos restantes elementos da instalação (caixas de derivação, aparelhos de comando, aparelhos de utilização, etc.) é executado em plantas, o esquema daí resultante diz-se arquitectural. Porta com um batente Troço de parede com um vão de janela

25 25 Esquema multifilar Indica-nos a forma e ligação entre os vários aparelhos e elementos do circuito, tendo também simbologia bem definida e geralmente diferente da representação unifilar. 230 V ~ Ponto comum do comutador

26 26 Implementação da instalação N F Ponto comum do comutador

27 Lucínio Preza de Araújo 27 Material necessário Tubo VD Braçadeiras Caixa de derivação Boquilhas Caixa de aparelhagem Lâmpada de incandescência Suporte de lâmpada Condutor H07V-U Comutador de escada

28 Comutação de escada com inversor Montagem que tem por objectivo o comando de um só circuito eléctrico de mais de dois sítios diferentes. É utilizada em corredores compridos, corredores em ângulo, caixas de escada, etc.

29 29 Esquema funcional Apenas considera as funções da aparelhagem na montagem a realizar sem ter em conta a sua posição relativa. Tem a vantagem de mostrar quer o funcionamento quer as ligações principais, sem cruzamento de linhas, o que por si torna mais fácil a análise eléctrica do circuito. N – Neutro (potencial eléctrico de 0 Volt) F – Fase (potencial eléctrico de 230 Volt)

30 30 Esquema unifilar A representação unifilar tem uma simbologia própria e simplificada mas não nos indica o modo de ligação nas montagens de forma a compreendermos o seu funcionamento. Dá- nos, contudo, indicações úteis sobre o percurso da instalação, elementos que a constituem e a sua localização. A simplicidade desta representação, faz com que ela seja utilizada no desenho das plantas de edifícios, para a elaboração do respectivo projecto eléctrico da instalação.

31 31 Esquema arquitectural Quando o traçado das canalizações e localização dos restantes elementos da instalação (caixas de derivação, aparelhos de comando, aparelhos de utilização, etc.) é executado em plantas, o esquema daí resultante diz-se arquitectural. 4 Parede Porta

32 32 Esquema multifilar Indica-nos a forma e ligação entre os vários aparelhos e elementos do circuito, tendo também simbologia bem definida e geralmente diferente da representação unifilar. 230 V ~

33 33 Implementação da instalação N F

34 Lucínio Preza de Araújo 34 Material necessário Tubo VD Braçadeiras Caixa de derivação Boquilhas Caixa de aparelhagem Suporte de lâmpada Condutor H07V-U Lâmpada de incandescência Inversor de grupo Comutador de escada

35 Dupla comutação de escada Utiliza-se quando se pretende comandar dois circuitos eléctricos de dois sítios diferentes.

36 36 Esquema funcional Apenas considera as funções da aparelhagem na montagem a realizar sem ter em conta a sua posição relativa. Tem a vantagem de mostrar quer o funcionamento quer as ligações principais, sem cruzamento de linhas, o que por si torna mais fácil a análise eléctrica do circuito. N – Neutro (potencial eléctrico de 0 Volt) F – Fase (potencial eléctrico de 230 Volt) F N

37 37 Esquema unifilar A representação unifilar tem uma simbologia própria e simplificada mas não nos indica o modo de ligação nas montagens de forma a compreendermos o seu funcionamento. Dá-nos, contudo, indicações úteis sobre o percurso da instalação, elementos que a constituem e a sua localização. A simplicidade desta representação, faz com que ela seja utilizada no desenho das plantas de edifícios, para a elaboração do respectivo projecto eléctrico da instalação.

38 38 Esquema arquitectural Quando o traçado das canalizações e localização dos restantes elementos da instalação (caixas de derivação, aparelhos de comando, aparelhos de utilização, etc.) é executado em plantas, o esquema daí resultante diz-se arquitectural.

39 39 Esquema multifilar Indica-nos a forma e ligação entre os vários aparelhos e elementos do circuito, tendo também simbologia bem definida e geralmente diferente da representação unifilar.

40 Lucínio Preza de Araújo 40 Material necessário Tubo VD Braçadeiras Caixa de derivação Boquilhas Caixa de aparelhagem Lâmpada de incandescência Suporte de lâmpada Condutor H07V-U Comutador de escada duplo

41 Automático de escada O automático de escada é um aparelho controlado à distância, por botões de pressão, que comanda um circuito e o faz de seguida abrir automaticamente ao fim de um determinado tempo. Tem como função evitar que as lâmpadas das escadas de imóveis com vários andares fiquem, por esquecimento, constantemente ligadas.

42 42 Esquema funcional Apenas considera as funções da aparelhagem na montagem a realizar sem ter em conta a sua posição relativa. Tem a vantagem de mostrar quer o funcionamento quer as ligações principais, sem cruzamento de linhas, o que por si torna mais fácil a análise eléctrica do circuito. N – Neutro (potencial eléctrico de 0 Volt) F – Fase (potencial eléctrico de 230 Volt) Posições seleccionáveis no automático de escada: P – Permanente D – Desligado M - Manual

43 43 Esquema unifilar A representação unifilar tem uma simbologia própria e simplificada mas não nos indica o modo de ligação nas montagens de forma a compreendermos o seu funcionamento. Dá- nos, contudo, indicações úteis sobre o percurso da instalação, elementos que a constituem e a sua localização. A simplicidade desta representação, faz com que ela seja utilizada no desenho das plantas de edifícios, para a elaboração do respectivo projecto eléctrico da instalação.

44 44 Esquema arquitectural Quando o traçado das canalizações e localização dos restantes elementos da instalação (caixas de derivação, aparelhos de comando, aparelhos de utilização, etc.) é executado em plantas, o esquema daí resultante diz-se arquitectural. 3

45 45 Esquema multifilar Indica-nos a forma e ligação entre os vários aparelhos e elementos do circuito, tendo também simbologia bem definida e geralmente diferente da representação unifilar. 230 V ~

46 Lucínio Preza de Araújo 46 Material necessário Tubo VD Braçadeiras Caixa de derivação Boquilhas Caixa de aparelhagem Suporte de lâmpada Condutor H07V-U Lâmpada de incandescência Botão de pressão Automático de escada

47 Telerruptor Tem como função comandar um circuito eléctrico de vários sítios, através de botões de pressão. As instalações com comando por telerruptor substituem os comutadores/inversores por botões de pressão, originando uma redução do número de condutores e de custos.

48 48 Esquema funcional Apenas considera as funções da aparelhagem na montagem a realizar sem ter em conta a sua posição relativa. Tem a vantagem de mostrar quer o funcionamento quer as ligações principais, sem cruzamento de linhas, o que por si torna mais fácil a análise eléctrica do circuito. N – Neutro (potencial eléctrico de 0 Volt) F – Fase (potencial eléctrico de 230 Volt)

49 49 Esquema unifilar A representação unifilar tem uma simbologia própria e simplificada mas não nos indica o modo de ligação nas montagens de forma a compreendermos o seu funcionamento. Dá- nos, contudo, indicações úteis sobre o percurso da instalação, elementos que a constituem e a sua localização. A simplicidade desta representação, faz com que ela seja utilizada no desenho das plantas de edifícios, para a elaboração do respectivo projecto eléctrico da instalação.

50 50 Esquema arquitectural Quando o traçado das canalizações e localização dos restantes elementos da instalação (caixas de derivação, aparelhos de comando, aparelhos de utilização, etc.) é executado em plantas, o esquema daí resultante diz-se arquitectural. Parede Porta 3

51 51 Esquema multifilar Indica-nos a forma e ligação entre os vários aparelhos e elementos do circuito, tendo também simbologia bem definida e geralmente diferente da representação unifilar.

52 Lucínio Preza de Araújo 52 Material necessário Tubo VD Braçadeiras Caixa de derivação Boquilhas Caixa de aparelhagem Suporte de lâmpada Condutor H07V-U Lâmpada de incandescência Telerruptor Botão de pressão


Carregar ppt "Interrupção simples com lâmpada de incandescência É empregue sempre que se deseja comandar de um só lugar um único circuito,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google