A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Núcleo de Estágio Auto da Barca do Inferno Gil Vicente Espelho de Portugal de 500 www.cultura-alentejo.pt A cena representa a margem de um rio – o rio.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Núcleo de Estágio Auto da Barca do Inferno Gil Vicente Espelho de Portugal de 500 www.cultura-alentejo.pt A cena representa a margem de um rio – o rio."— Transcrição da apresentação:

1 Núcleo de Estágio Auto da Barca do Inferno Gil Vicente Espelho de Portugal de 500 A cena representa a margem de um rio – o rio do outro mundo – com duas barcas preparadas para partir: uma delas, conduzida por um anjo, leva ao Paraíso; a outra, conduzida por um diabo, leva ao Inferno. Um grupo de personagens vai chegando à praia - são abordadas pelo diabo, voltam-se para o anjo, e acabam por entrar na barca do inferno.

2 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente Actividade: Recolher informações da audição da cena do Fidalgo, quanto a: 1. Caracterização do Fidalgo: (directa e indirecta). 2. Argumentos de defesa do Fidalgo. 3. Argumentos de acusação: - do Diabo - do Anjo (Falas das personagens, recursos expressivos, tom de voz…) escritomania.blogspot.com

3 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente

4 Auto da Barca do Inferno O Fidalgo Gil Vicente smarties2.blogs.sapo.pt

5 tesg.no.sapo.pt

6

7 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente tesg.no.sapo.pt

8 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente Caracterização e simbologia de personagens: o Fidalgo Pertence à nobreza Referência ao pai de Don Anrique - Denúncia social, porque também o pai do Fidalgo já tinha entrado na Barca do Inferno, isto é, toda a classe nobre tinha o mesmo modo de vida. escritomania.blogspot.com

9 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente Caracterização e simbologia de personagens: o Fidalgo Momentos psicológicos da personagem: - Ao princípio o Fidalgo está sereno e seguro de que irá para o Paraíso – recorre à ironia. - Dirige-se à barca do Anjo, arrogante, algumas vezes irritado. - Seguidamente mostra-se arrependido e desanimado, por ter confiado nos seus privilégios. - No fim dirige-se ao Diabo, mais humilde, mesmo conformado com a sentença, pedindo-lhe, no entanto, que o deixe regressar à Terra para ir ter com a amante – reconhece a sua ingenuidade. escritomania.blogspot.com

10 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente Caracterização e simbologia de personagens: o Fidalgo Expressões do texto Sereno, seguro – recorre à ironia. Pera lá vai a senhora? Arrogante, irritado e autoritário. Que me leixês embarcar… Pera senhor de tal marca não há aqui mais cortesia? Lavai-me desta ribeira! Arrependido e desanimado. …confiei em meu estado e não vi que me perdia. Humilde, conformado. Entremos, pois que assi é. escritomania.blogspot.com

11 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente A defesa do Fidalgo – os argumentos de Defesa: - A Barca do Inferno é desagradável; Parece-me isso cortiço… - Tem alguém na Terra a rezar por ele; Que leixo na outra vida quem reze sempre por mi: -Não esperava a morte; -…pois parti tão sem aviso… - É nobre e importante. Sou fidalgo de solar… …que entra minha senhoria… escritomania.blogspot.com

12 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente Acusações - Ter levado uma vida de prazeres; E tu viveste a teu prazer… Do que vós vos contentastes. - Ter sido tirano para com o povo; Não se embarca tirania… - Ser muito vaidoso e materialista; …e todo o vosso senhorio. …com fumosa senhoria,… - Desprezar o povo; …cuidando na tirania… …desprezastes os pequenos,… escritomania.blogspot.com

13 A Extracção da Pedra da Loucura Um louco é submetido a uma intervenção cirúrgica para lhe ser extraída do cérebro a pedra da loucura. O médico que o opera tem, não cabeça, um funil, representação da loucura. www3.niu.edu

14 O Parvo Joane considera a barca do Diabo como sendo a Nave dos Loucos (a naviarra nossa…Dos tolos). É uma alusão transparente à Nave dos Loucos que constitui o tema (…) do célebre quadro de António Bosch, com o esmo título. O Parvo da peça de Gil Vicente é não só um desses pobres de espírito a quem cabe o reino dos céus, como um desses loucos do mundo às avessas. Paul Teyssier, Gil Vicente – O Autor e a Obra A Nau dos Loucos

15 Jeroen Bosch Hieronymus van Aken, cujo pseudónimo é Hieronymus Bosch, e também conhecido como Jeroen Bosch, (cf Agosto de 1516), foi um pintor e gravador holandês dos séculos XV e XVI. Muitos dos seus trabalhos retratam cenas de pecado e tentação, recorrendo à utilização de figuras simbólicas complexas, originais, imaginativas e caricaturais, muitas das quais eram obscuras mesmo no seu tempo. galeriadearte2.vilabol.uol.com.br

16 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente A Alcoviteira A crise de valores morais A continuação da existência da alcoviteira, muito embora punida pela justiça, testemunha aquela persistência naquele modo de vida e na requisição dos seus préstimos. Intermediária, podemos dizer que esta figura joga com a oferta e a procura do mercado da imoralidade. É por isso um barómetro da própria degradação moral da sociedade. Gil Vicente leva-a a um julgamento moral, mas, automaticamente, condena aqueles que do seu mister se utilizam e que para isso lhe pagam. * Alcoviteira: Se fosse ò fogo infernal lá iria todo o mundo! A Alcoviteira representa os elementos do povo e da baixa-burguesia, que se dedicavam a encaminhar as raparigas e mulheres casadas para a prostituição. Representa uma particular actividade profissional, proibida por lei. * Cf. CRUZ, Maria Leonor Garcia, Gil Vicente e a Sociedade Portuguesa de Quinhentos.

17 A alcoviteira (1656), Johannes Vermeer

18 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente A Alcoviteira Brízida Vaz 1. Apresenta-se com voz elogiosa e usa uma linguagem popular. Começa por recusar a entrada na Barca do Inferno e acusa-se a si própria, dizendo tudo o que traz consigo. 2. É a personagem que mais bagagem traz - maior número de elementos cénicos - representando todos os pecados que fez ao longo da sua vida. 3. Defende-se dizendo que tinha sido muito martirizada, que tinha convertido muitas raparigas, que as tinha encaminhado e, até, que as tinha vendido aos padres da Sé, argumentando que, se tinha servido a Igreja, deveria ir para o Paraíso. 4. É uma personagem-tipo e faz o mesmo percurso em cena que o Fidalgo, o Onzeneiro e o Frade – Barca do Inferno – Barca do Paraíso – embarque na Barca do Inferno. O Anjo não lhe dá atenção.

19 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente A Alcoviteira Brízida Vaz (A inversão do discurso oficial da Igreja.) E eu som apostolada, angelada e martelada, e fiz cousas mui divinas. Santa Ursula non converteo tantas cachopas como eu: todas salvas pelo meu, que nenhua se perdeo! E prove Àquele do Céo Que todas acharam dono.

20 Auto da Barca do Inferno Gil Vicente O Frade chega ao cais com uma moça, com a qual violou o seu voto de castidade. A Alcoviteira O Frade Diabo: Essa dama, é ela vossa? Frade: Por minha la tenho eu, e sempre a tive de meu. (…) Frade: Como? Por ser namorado e um folgar com uma mulher se há um frade perder com tanto salmo rezado. A Alcoviteira julga-se com direito ao Paraíso por ter ajudado o Clero. Alcoviteira: Eu sô aquela preciosa que dava as moças a molhos, a que criava as meninas pera os Cónegos da Sé…


Carregar ppt "Núcleo de Estágio Auto da Barca do Inferno Gil Vicente Espelho de Portugal de 500 www.cultura-alentejo.pt A cena representa a margem de um rio – o rio."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google