A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Evolução dos SGBDs. Modelo Conceptual A criação do modelo conceptual de dados é um passo intermédio e fundamental no desenvolvimento de qualquer sistema.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Evolução dos SGBDs. Modelo Conceptual A criação do modelo conceptual de dados é um passo intermédio e fundamental no desenvolvimento de qualquer sistema."— Transcrição da apresentação:

1 Evolução dos SGBDs

2 Modelo Conceptual A criação do modelo conceptual de dados é um passo intermédio e fundamental no desenvolvimento de qualquer sistema de Bases de Dados. Dependendo da maior ou menor perfeição com que é efectuado a modelização, assim a BD resultante vai suportar com maior ou menor dificuldade os requisitos actuais e as reestruturações necessários inerentes às alterações futuras. O modelo conceptual é um modelo lógico, abstracto e independente de qualquer implementação. É portanto proceder posteriormente a adaptações de acordo com o SGBD que o irá suportar, perdendo alguma riqueza do modelo inicial.

3 Gerações de SGBD Existe uma grande diferença na capacidade de modelação dos vários modelos de BD existentes, podendo estes ser classificados em 3 gerações distintas, às quais está associada tecnologia igualmente distinta: 1ª geração – primeiros passos da tecnologia de BD, com o desenvolvimento dos modelos hierárquicos e em rede; 2ª geração – corresponde ao aparecimento e divulgação do modelo relacional; 3ª geração – estado actual do desenvolvimento da tecnologia de BD, nomeadamente Object Oriented. Dada a importância do modelo relacional, é também normal conhecer estas 3 gerações por pré-relacional, relacional e pós-relacional [Date 1995]

4 Modelo Hierárquico É o 1º modelo reconhecido como tal; Os dados estão estruturados em hierarquias ou árvores, percorrendo-as desde a raiz até ao nó que contém o registo pretendido, para ser efectuado o acesso aos dados; É adequado para acesso sequencial a dados, principalmente em casos em que, pela sua natureza, os dados estão organizados de forma sequencial;

5 Modelo Hierárquico (cont.) Uma base de dados hierárquica é constituida por um conjunto de hierarquias. Os nós das hierarquias que contêm ocorrências dos registos, são designados por segmentos; O registo que numa hierarquia precede outros, designa-se registo-pai dos outros registos (registos-filhos); O relacionamento entre um registo-pai e registos- filhos é de 1:M;

6 Os dados estão organizados e podem ser acedidos segundo uma sequência hierárquica com uma navegação do tipo cima para baixo e esquerda para a direita No exemplo apresentado é fácil acedermos registos de cliente. E aos registos de produto? Modelo Hierárquico (cont.)

7 Cliente Encomenda Linha de Encomenda Produto

8 A consulta a uma linha de encomenda obriga a: –Aceder ao registo do cliente; –Extrair a localização da 1ª encomenda; –Ler vários registos até encontrar a encomenda pretendida; –Extrair a localização da 1ª linha dessa encomenda; –Ler vários registos até encontrar a linha pretendida Modelo Hierárquico (cont.)

9 Ainda no mesmo exemplo não é possível registar dados de um produto enquanto não lhe estiver associada uma encomenda; Para a aceder a um produto é preciso localizar um cliente que o tenha encomendado; Quando um produto é encomendado todos os seus dados são registados de novo; Para ultrapassar este problema são criadas hierarquias paralelas. Modelo Hierárquico (cont.) Sistema comercial mais divulgado Information Management System da IBM Corp.

10 Modelo Hierárquico (cont.) Cliente Encomenda Linha de Encomenda Produto Redundância!

11 Cliente Encomenda Linha de Encomenda Produto Apontador Registo Pai Virtual Modelo Hierárquico (cont.)

12 Modelo em Rede Aparece como uma extensão do modelo hierárquico; Elimina o conceito de hierarquia e permite assim que um mesmo registo esteja envolvido em várias associações; No modelo em rede os registos estão organizados em grafos; No modelo em rede aparece um único tipo de associação – SET, que define uma relação de 1:M entre 2 tipos de registos – owner e member;

13 O Data Base Task Group (DBTG) da CODASYL (COmmittee on DAta SYstems and Languages) estabeleceu uma norma para este modelo de BD, com linguagem própria para definição e manipulação de dados, donde este modelo também ser conhecido por CODASYL; Forma de descrição de um set: Nome do set + definição do owner + definição do member Modelo em Rede Cliente Encomenda set=Encomendas_Cliente Owner=Cliente Member=Encomenda

14 Modelo em Rede Cliente Encomenda

15 Tipo de navegação –Do Owner para o 1º Member do Set –Do Owner para o último Member do Set –De qualquer Member do Set para o respectivo Owner –De um Member para o Member anterior –De um Member para o próximo Member Modelo em Rede

16 Ao contrário do Modelo Hierárquico, em que qualquer acesso aos dados passa pela raiz, no modelo em rede pode aceder-se a qualquer nó da rede; Estes dois modelos – Hierárquico e Rede são Record-Oriented, isto é qualquer acesso à base de dados insere, consulta, altera ou remode um registo de cada vez. Modelo em Rede Sistema comercial mais divulgado CA-IDMS da Computer Associates


Carregar ppt "Evolução dos SGBDs. Modelo Conceptual A criação do modelo conceptual de dados é um passo intermédio e fundamental no desenvolvimento de qualquer sistema."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google