A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O valor da informação disponível numa BD torna importante que esta esteja permanentemente num estado de integridade ou, se tal não for possível, que a.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O valor da informação disponível numa BD torna importante que esta esteja permanentemente num estado de integridade ou, se tal não for possível, que a."— Transcrição da apresentação:

1 O valor da informação disponível numa BD torna importante que esta esteja permanentemente num estado de integridade ou, se tal não for possível, que a sua indisponibilidade ocorra num curto espaço de tempo e que se faça a sua reposição para um estado de integridade. Requisitos dos SGBD Recuperação/Tolerância a Falhas

2 A recuperação/tolerância a falhas tem por objectivo restaurar a BD para um estado de integridade, após a ocorrência de uma falha; Os mecanismos de recuperação baseiam-se na utilização de formas de redundância que quase duplicam a BD, utilizando: –Backup e transaction log Requisitos dos SGBD Recuperação/Tolerância a Falhas

3 Os backups são cópias de segurança da BD, que são executados periodicamente e constituem um ponto de partida para a recuperação da BD após a ocorrência de uma falha, independentemente da sua gravidade; Reflectem uma situação passada, donde a reposição a partir de um backup implica perder todas as actualizações posteriores à realização do mesmo. Requisitos dos SGBD Recuperação/Tolerância a Falhas

4 Uma forma de minimizar esta situação é aumentando a periodicidade dos backups, o que é um processo pesado, consumidor de recursos e que pode obrigar a paragens dos sistemas; A periodicidade dos backups depende do valor dos dados, do seu volume e da frequência com que são acedidos e alterados; Requisitos dos SGBD Recuperação/Tolerância a Falhas

5 O backup é um mecanismo de reposição da BD. Os transaction logs são mecanismos de repetição das transacções ocorridas desde o último backup (rollforward); Normalmente para se refazer uma transacção é necessário o ficheiro de transaction log, onde está guardada uma identificação da transacção e uma cópia dos dados actualizados por ela (after image); Requisitos dos SGBD Recuperação/Tolerância a Falhas

6 Sendo esta a forma mais comum de resolver os problemas provocados por uma falha, têm que existir outros mecanismos que permitam o roll back das transacções não terminadas, ocorridos durante a execução não sucedida das mesmas; Donde o ficheiro transaction log necessita igualmente de guardar os dados anteriores ao início da execução da transacção (before-images) Requisitos dos SGBD Recuperação/Tolerância a Falhas

7 É da conjugação destes dois mecanismos - backups e transaction logs, que se garantem duas das características fundamentais das transacções: –Atomicidade (desfazendo uma transacção não sucedida) –Persistência (refazendo os efeitos de uma transacção bem sucedida) Requisitos dos SGBD Recuperação/Tolerância a Falhas

8 Falha de disco - o(s) disco(s) onde a BD está armazenada fica(m) inutilizado(s). É a falha considerada mais grave e que obriga à reconstrução de todo o SGBD; Falha de sistema - pode resultar de problemas de hardware ou software, não sendo possível garantir a validade dos dados. Implica repor a BD a partir do seu último estado de integridade. Requisitos dos SGBD Tipo de Falhas

9 Falha de transacção - é a mais inofensiva e recupera-se recorrendo ao ficheiro transaction log e às before images da transacção que não foi bem sucedida. Em qualquer processo de recuperação recorre-se ao rollback das transacções efectuadas até ao momento em que os transaction log e os ficherios da base estão sincronizados, para se poderem desfazer todas as transacções decorridas desde então. Requisitos dos SGBD Tipo de Falhas

10 Esse momento coincide com o último backup, o qual se muito afastado no tempo, obriga a um processo moroso e complexo de recuperação da BD. Requisitos dos SGBD Tipo de Falhas Falha de disco Último backuo Tn Tn+1 Tn+2 Tn+3

11 Para evitar este tipo de situações, recorre-se a marcas de segurança, conhecidas por checkpoints. Basicamente, para reduzir o número de acessos aos discos, nos ficheiros de transaction log as actualizações são realizadas na memória RAM, em buffers, sendo posteriormente escritos em disco; Requisitos dos SGBD Tipo de Falhas

12 Quando ocorre uma falha, o conteúdo desses buffers pode perder-se, ou pelo menos pode não existir uma garantia de validade do seu conteúdo; Assim os checkpoints registam os momentos em que o conteúdo dos buffers foi escrito nos discos, definindo-se um momento em que o transaction log e a BD estão sincronizados. Requisitos dos SGBD Tipo de Falhas

13 Falha de Sistema Último backuo Tn Tn+1 Tn+2 Tn+3 Checkpoint

14 Sistema de Base de Dados vs Sistemas de Gestão de Ficheiros Diferenças mais importantes entre as duas abordagens: Abstracção de dados – a nível aplicacional não é necessário conhecer pormenores como comprimento de registos, métodos de acesso, etc.; Independência programas/dados – nos sistemas de gestão de ficheiros a definição dos dados faz parte das aplicações, pelo que estas têm de ser alteradas sempre que se alteram as estruturas dos dados; Partilha de dados – no sistema de gestão de ficheiros é o nível aplicacional que faz a gestão da concorrência; Diminuição da Redundância – no sistemas de BD a redundância pode ser controlada e quase reduzida;

15 Sistema de Base de Dados vs Sistemas de Gestão de Ficheiros (cont.) Controlo no acesso aos dados – a possibilidade de criação de vistas parciais sobre os dados, podem dar-se autorizações mais ou menos limitadas; Desenvolvimento + Manutenção – o desenvolvimento é efectuada a mais alto nível, evitando perda de tempo com pormenores irrelevantes à solução; idem no que refere à manutenção; Integridade dos dados – pela utilização de regras que traduzem as condições de validade dos dados, é o sistema de BD que vai assumir a correcção dos dados submitidos ao sistema; Mecanismos de Recuperação a falhas – sendo uma característica dos sistemas de BD, esta recuperação é mais fiável que a efectuada através de desenvolvimento de aplicações específicas; Questões ad-hoc

16 Sistema de Base de Dados vs Sistemas de Gestão de Ficheiros (cont.) Questões ad-hoc – esta é sem dúvida a potencialidade mais importante e apreciada. Interagindo com o sistema de BD o utilizador pode obter, em run-time, respostas a questões imprevisíveis.

17 Administradores e Utilizadores dos SGBDs As categorias de utilizadores que intervêm num determinado sistema de BD, depende da natureza da BD, da sua dimensão e do tipo de organização em que é implementada. Porém e utilizando uma classificação genérica, os utilizadores podem ser classificados da seguinte forma: utilizadores finais que actuam como operadores das aplicações que acedem à BD;

18 Utilizadores especializados possuem os conhecimentos teóricos e práticos que lhes permite interagir com o interface do sistema de forma a actualizar informação na BD, criar novas BD, etc.; Programadores - técnicos com conhecimentos adequados para a criação de aplicações; Administradores e Utilizadores dos SGBDs

19 Administradores - responsáveis pela definição e implementação da política de informação da empresa. Por ex. :definir o tipo de informação, as permissões de acesso à informação. Administradores e Utilizadores dos SGBDs


Carregar ppt "O valor da informação disponível numa BD torna importante que esta esteja permanentemente num estado de integridade ou, se tal não for possível, que a."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google