A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MPS - Ministério da Previdência Social SPS - Secretaria de Previdência Social DIAGNÓSTICO DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO BRASÍLIA, ATUALIZADO EM.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MPS - Ministério da Previdência Social SPS - Secretaria de Previdência Social DIAGNÓSTICO DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO BRASÍLIA, ATUALIZADO EM."— Transcrição da apresentação:

1 MPS - Ministério da Previdência Social SPS - Secretaria de Previdência Social DIAGNÓSTICO DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO BRASÍLIA, ATUALIZADO EM 17/02/2003

2 ASPECTOS CONCEITUAIS, ESTRUTURA E FATORES CONDICIONANTES

3 A PREVIDÊNCIA POSSUI DOIS GRANDES OBJETIVOS Garantir a reposição de renda dos seus segurados contribuintes quando não mais puderem trabalhar Evitar pobreza entre as pessoas que, por contingências demográficas, biológicas ou acidente não possam participar, por meio do mercado de trabalho, do processo de produção da riqueza nacional

4 BENEFÍCIOS ESPECIAIS Existem contribuições não-monetárias à sociedade que embasam o direito à percepção de benefícios. Ex.: aposentadoria a ex-combatentes. Requerem definição de uma fonte de financiamento específica e adequada, que não seja a folha salarial tradicional

5 FOLHA DE SALÁRIOS (exclusiva para pagamento de benefícios da Previdência) FATURAMENTO LUCRO LÍQUIDO FINANCIAMENTO A PREVIDÊNCIA SOCIAL ESTÁ INSERIDA EM UM CONCEITO MAIS AMPLO QUE É O DA SEGURIDADE SOCIAL

6 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO TRABALHADORES DO SETOR PRIVADO Obrigatório, nacional, público, sistema de repartição, subsídios sociais, benefício definido: teto de R$ 1.561,56. Admite Fundo de Previdência Complementar. Administrado pelo INSS PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Optativo, Privado, administrado por fundos de pensão abertos ou fechados, sistema de capitalização, fiscalizado pelo MPS e MF FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS Obrigatório, público, níveis federal, estadual e municipal, sistema de repartição, beneficio definido = última remuneração. Admite Fundo de Previdência Complementar. Administrado pelos respectivos governos MILITARES FEDERAIS Obrigatório, público, nível federal, sistema de repartição, benefício definido = última remuneração Administrado pelo governo federal.

7 SISTEMAS DE REPARTIÇÃO X CAPITALIZAÇÃO SISTEMA DE REPARTIÇÃO SIMPLES –Recursos recolhidos dos contribuintes atuais são destinados a cobrir os gastos com os aposentados de hoje –É um pacto social entre gerações, em que os ativos financiam os inativos. –Exemplo de países: Brasil, EUA, França, Alemanha, Espanha. SISTEMA DE CAPITALIZAÇÃO –Baseado na idéia de poupança individual –Cada segurado realiza contribuições que são depositadas em uma conta específica e acumuladas ao longo da vida ativa do trabalhador –No momento da aposentadoria, terá direito a receber de volta uma renda vitalícia baseada na contribuição ao sistema, acrescido dos rendimentos do capital –Exemplo de país: Chile

8 POR QUE A ADOÇÃO DO REGIME DE CAPITALIZAÇÃO É INVIÁVEL NO BRASIL? IMPLICA EM 3 TIPOS DE CUSTOS PARA A SOCIEDADE (CUSTOS DE TRANSIÇÃO) EM FUNÇÃO DE: –continuidade do pagamento dos atuais inativos por um período de cerca de 50 anos até a cessação dos seus benefícios –reconhecimento das contribuições passadas feitas pelos trabalhadores que desejam formar as suas contas individuais –subsídio ou pagamento de benefício assistencial a pessoas que não têm capacidade de acumular fundos para a aposentadoria ALGUMAS ESTIMATIVAS DOS CUSTOS DE TRANSIÇÃO PARA A CAPITALIZAÇÃO Fonte: Informe de Previdência Social (fev/98) Elaboração: SPS/MPS

9 Receita, Despesa e Necessidade de Financiamento do Regime Geral de Previdência e Regime dos Servidores Públicos (em R$ bilhões e como Proporção do PIB 2001 a 2003) sem contribuição patronal Receita, Despesa e Necessidade de Financiamento do Regime Geral de Previdência e Regime dos Servidores Públicos (em R$ bilhões e como Proporção do PIB 2001 a 2003) sem contribuição patronal Fontes: MPS, MF/SRF, MF/STN, MPOG/Boletim Estatístico de Pessoal; INSS; PLOA 2003 e MF/MPOG/Reprogramação Orçamentária 2003 Elaboração: SPS/MPS * Em 2003, dados do Regime Geral – INSS = Reprogramação Orçamentária 2003 OBS.: PIB 2001 = SCN/IBGE; PIB 2002 = PLOA 2003; PIB 2003 = Reprogramação Orçamentária 2003 Em 2002, a necessidade de financiamento da Previdência foi de R$ 71,4 bilhões, sendo R$ 17,0 bilhões do RGPS e R$ 54,4 bilhões da Previdência dos servidores públicos. Para 2003, estima-se que a necessidade de financiamento chegue a R$ 80,1 bilhões.

10 Receita, Despesa e Necessidade de Financiamento do Regime Geral de Previdência e Regime dos Servidores Públicos (em R$ bilhões e como Proporção do PIB 2001 a 2003) com contribuição patronal de 2:1 Receita, Despesa e Necessidade de Financiamento do Regime Geral de Previdência e Regime dos Servidores Públicos (em R$ bilhões e como Proporção do PIB 2001 a 2003) com contribuição patronal de 2:1 Em 2002, a necessidade de financiamento da Previdência foi de R$ 56,8 bilhões, sendo R$ 17,0 bilhões do RGPS e R$ 39,8 bilhões da Previdência dos servidores públicos. Para 2003, estima-se que a necessidade de financiamento chegue a R$ 64,8 bilhões. Fontes: MPS, MF/SRF, MF/STN, MPOG/Boletim Estatístico de Pessoal; INSS; PLOA 2003 e MF/MPOG/Reprogramação Orçamentária 2003 Elaboração: SPS/MPS * Em 2003, dados do Regime Geral – INSS = Reprogramação Orçamentária 2003 OBS.: PIB 2001 = SCN/IBGE; PIB 2002 = PLOA 2003; PIB 2003 = Reprogramação Orçamentária 2003

11 BRASIL: Idosos de 60 anos ou mais que recebem aposentadoria ou pensão a 1999 (Em %) Fonte: Microdados PNAD Elaboração: IPEA No Brasil, cerca de 77,3% das pessoas com 60 anos ou mais recebem benefícios de alguma instituição de seguridade social, incluindo benefícios assistenciais e a Previdência dos servidores públicos

12 Taxa de Crescimento Populacional – média anual por década – 1960/2050 Fonte: IBGE Elaboração: SPS/ MPS Nos próximos 50 anos, deverá ser mantida a tendência observada nas últimas décadas de queda da taxa de crescimento populacional no Brasil

13 Brasil: População Total por Faixa Etária ( ) Os idosos no Brasil representam 8,6% da população, o que equivale a um contingente de 14,5 milhões de pessoas. Em relação a 1991, houve um crescimento de 35,6% na quantidade total de pessoas idosas Fontes: Censos 1991 e 2000, IBGE. Elaboração: SPS/MPS

14 Taxa de Natalidade* (1890 a 2050) - Brasil O aumento do contingente de idosos deve-se basicamente a dois fatores: diminuição da taxa de natalidade... Fonte: IBGE Elaboração: SPS/MPS * Taxa Bruta de Natalidade = Número de Nascidos Vivos / Total da População Obs. (1): Dados a partir de 2002 são projeções.

15 Evolução da Expectativa de Vida ao Nascer no Brasil (1991 a 2001) Fonte: IBGE. Elaboração: SPS/ MPS...e ao aumento da expectativa de vida, que em 2001 atingiu 68,9 anos, sendo 65,1 para homens e 72,9 para as mulheres

16 Expectativa de Vida no Brasil – 2001 Fontes: IBGE Elaboração: SPS/MPS Para a Previdência, o conceito mais adequado é o da expectativa de sobrevida. Assim, um homem de 50 anos tinha, em 2001, uma expectativa de sobrevida de mais 23,4 anos, isto é, chegará aos 73,4 anos

17 Pirâmides Populacionais no Brasil (Em Milhões de Pessoas) Fonte: IBGE Elaboração: SPS/MPS As projeções indicam que a população mais idosa (topo das pirâmides) aumentará cada vez mais seu contingente em relação às pessoas mais jovens (base das pirâmides)

18 BRASIL: Estrutura da População Ocupada (1990 a 2002 – janeiro a novembro) Fonte: Pesquisa Mensal de Emprego - PME/IBGE Elaboração: SPS/MPS A década de 90 foi marcada pela deterioração das relações formais de trabalho, com queda de 13,7 pontos percentuais na participação dos trabalhadores com carteira assinada entre 1990 e Por outro lado, verificou-se um aumento da participação dos conta-própria e empregados sem carteira

19 REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

20 9,4 5,8 9,9 5,8 10,7 5,8 11,6 5,9 12,1 6,1 12,6 6,3 13,1 6,5 13,4 6,6 14,3 6,9 - 5,5 11,0 16,5 22,0 Milhões UrbanoRural 15,2 15,7 16,5 17,5 18,2 18,8 19,6 20,0 21,1 Benefícios Pagos pela Previdência Social – Urbano / Rural 1994 a 2002 Em milhões de benefícios Benefícios Pagos pela Previdência Social – Urbano / Rural 1994 a 2002 Em milhões de benefícios Fonte: Anuário Estatístico da Previdência Social - AEPS; Boletim Estatístico de Previdência Social - BEPS Elaboração: SPS/MPS Entre 1994 e 2002, a quantidade de benefícios pagos pela Previdência aumentou 38,6%, passando de 15,2 milhões para 21,1 milhões. Segundo o IBGE, para cada beneficiário da Previdência Social há, em média, 2,5 pessoas beneficiadas indiretamente. Assim, em 2002, a Previdência beneficiou 74 milhões de pessoas, ou seja, 41,2% da população brasileira!

21 Valor Médio dos Benefícios Pagos pela Previdência Social 1993 a 2002 Em R$ de dez/02 (INPC) Valor Médio dos Benefícios Pagos pela Previdência Social 1993 a 2002 Em R$ de dez/02 (INPC) Fontes: Anuário Estatístico da Previdência Social; Boletim Estatístico da Previdência Social Elaboração: SPS/MPS O valor médio real dos benefícios da Previdência Social atingiu R$ 389,14 em 2002, o que representa um crescimento de 27% em relação a 1994

22 62,5 55,7 40,4 32,2 46,6 49,1 71,0 44,1 75,3 65,8 47,2 40,6 32,6 53,7 58,5 88,0 (0,4) (0,2) (3,1) (7,1) (9,4) (10,1) (12,8) (17,0) Arrecadação LíquidaDespesas com Benefícios PrevidenciáriosSaldo Previdenciário Arrecadação Líquida, Benefícios Previdenciários e Saldo Previdenciário 1995 a 2002 Em R$ bilhões correntes Arrecadação Líquida, Benefícios Previdenciários e Saldo Previdenciário 1995 a 2002 Em R$ bilhões correntes Fonte: INSS Elaboração: SPS/MPS A combinação do aumento da quantidade de benefícios pagos com o incremento do valor médio destes condicionou ao aumento da despesa nos últimos anos. Com o menor crescimento da receita, verificou-se um crescimento da necessidade de financiamento, que passou de R$ 400 milhões em 1995 para R$ 17 bilhões em 2002, em termos nominais

23 MAS O QUE ESTÁ POR TRÁS DA NECESSIDADE DE FINANCIAMENTO DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL?

24 Renúncias de Arrecadação da Previdência Social 2000 a 2003 Em R$ bilhões correntes Renúncias de Arrecadação da Previdência Social 2000 a 2003 Em R$ bilhões correntes 1. POLÍTICAS DE FOMENTO A VÁRIOS SEGMENTOS Existem subsídios legais concedidos a alguns setores que não contribuem pela regra geral, e sim por regras diferenciadas. Em 2002, as chamadas renúncias previdenciárias foram estimadas em R$ 10,08 bilhões. Para 2003, as renúncias devem chegar a R$ 11,05 bilhões. Fonte: GFIP, IDÉIA, Fluxo de Caixa - INSS Elaboração: SPS/MPS * Valores estimados, sujeitos a revisão

25 Necessidade de Financiamento da Previdência Social com e sem renúncia fiscal % do PIB – 2000 a 2003 Necessidade de Financiamento da Previdência Social com e sem renúncia fiscal % do PIB – 2000 a 2003 Excluindo-se os impactos das renúncias, chegar-se-ia, em 2002, a uma necessidade de financiamento de 0,53% do PIB Fonte: GFIP; IDÉIA; INSS; SCN/IBGE; PLO 2003; Reprogramação Orçamentária 2003 Elaboração:SPS/MPS * Projeção Obs.: PIB 2001 = SCN/IBGE; PIB 2002 = PLOA 2003; PIB 2003 e Necessidade de Financiamento 2003 = Reprogramação Orçamentária 2003

26 Distribuição da Quantidade de Beneficiários, segundo faixas de valores dos benefícios Em Pisos Previdenciários (Posição dez/2002) Distribuição da Quantidade de Beneficiários, segundo faixas de valores dos benefícios Em Pisos Previdenciários (Posição dez/2002) 2. POLÍTICA DE DISTRIBUIÇÃO DE RENDA VIA AUMENTO REAL DO SALÁRIO MÍNIMO Dentre os 21,1 milhões de benefícios pagos em 2002, 65,9% possuíam o valor de um salário mínimo, o que representa um contingente de 13,9 milhões de beneficiários. Com os reajustes reais no valor do salário mínimo, milhões de beneficiários têm o seu poder aquisitivo elevado, o que impacta significativamente na redução da pobreza Fontes: Boletim Estatístico da Previdência Social Elaboração: SPS/MPS

27 Necessidade de Financiamento do RGPS, se não houvesse reajuste real do salário mínimo a partir de 2000 e se não houvesse renúncia fiscal % do PIB – 1999 a 2002 Necessidade de Financiamento do RGPS, se não houvesse reajuste real do salário mínimo a partir de 2000 e se não houvesse renúncia fiscal % do PIB – 1999 a 2002 Excluindo os efeitos do reajuste real do salário mínimo, a necessidade de financiamento chegaria a 0,99% do PIB em 2002 Fonte: SPS/MPAS; GFIP; IDÉIA; INSS; IBGE; PLO 2003 Elaboração:SPS/MPS Obs.: PIB 2001 e 2002 = PLO de 2003

28 Arrecadação Líquida, Despesa com Benefícios Previdenciários e Saldo Previdenciário - Urbano e Rural (1997 a 2002) - Valores em R$ milhões correntes - 3. POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA DA ÁREA URBANA PARA A RURAL Em 2002, a necessidade de financiamento da área rural representou 86,9% da necessidade total. Nos anos anteriores, a necessidade de financiamento foi essencialmente rural. Fonte: Fluxo de Caixa INSS; Boletim Estatístico da Previdência Social; Informar/INSS Elaboração: SPS/MPS

29 CONCLUI-SE QUE, POR TRÁS DA NECESSIDADE DE FINANCIAMENTO DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL, EXISTE Política de subsídios a atividades filantrópicas, a micro e pequenas empresas, a trabalhadores domésticos e do campo, a empresas rurais, a exportação da produção rural e até a atividades desportivas Uma política de distribuição de renda por meio de aumentos reais conferidos ao salário-mínimo Uma política de transferência de renda da área urbana para a rural

30 Projeção da Necessidade de Financiamento em relação ao PIB 2002 a 2021 Projeção da Necessidade de Financiamento em relação ao PIB 2002 a 2021 Com as regras atuais, o cenário futuro aponta para uma necessidade de financiamento relativamente controlada no curto e médio prazos. Nos próximos 18 anos, essa necessidade deverá permanecer entre 1,38% e 1,69% do PIB. Este cenário abre algumas janelas de oportunidades para que a discussão sobre ajustes no RGPS seja feita com menos urgência, ao longo das próximas 2 décadas Fonte e elaboração: SPS/MPS Obs.: Nesta projeção são consideradas hipóteses de crescimento de longo prazo do PIB de 3,5%, inflação de 3,5% ao ano e de reajustes do salário mínimo e dos demais benefícios correspondentes à variação da inflação; no curto prazo, foi utilizado o cenário do Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2003.

31 Fonte: SINTESE/DATAPREV Elaboração: SPS/MPS Evolução da Idade Média de Aposentadoria por Tempo de Contribuição Urbana Evolução da Idade Média de Aposentadoria por Tempo de Contribuição Urbana

32 COM UM CENÁRIO DE RELATIVO CONTROLE DA NECESSIDADE DE FINANCIAMENTO EM RELAÇÃO AO PIB E COM O GRADATIVO AJUSTE NAS CONCESSÕES DAS ATCs, O FOCO NO RGPS DEVE PASSAR POR MEDIDAS DE CARÁTER GERENCIAL Combate à sonegação e fraudes Melhoria nos serviços de atendimento Incentivos à filiação e contribuição Ampliação do esforço de recuperação de créditos Aumento da arrecadação

33 Previdência e Pobreza no Brasil 1999 Previdência e Pobreza no Brasil 1999 Fonte: PNAD 1999 Elaboração: DISOC/IPEA Obs: Linha de Pobreza = R$98,00 Em 1999, 34% dos brasileiros viviam abaixo da linha de pobreza. Se não fosse a Previdência, este percentual seria de 45,3%, ou seja, a Previdência foi responsável por uma redução de 11,3 pontos percentuais no nível de pobreza, o que significa que 18,1 milhões de pessoas deixaram de ser pobres.

34 Grau de Pobreza por Idade 1999 Grau de Pobreza por Idade 1999 Fonte: PNAD 1999 Elaboração: DISOC/IPEA Obs: Linha de Pobreza = R$98,00 O grau de pobreza entre os idosos é substancialmente inferior ao da população mais jovem e, caso não houvesse as transferências previdenciárias, a pobreza entre os idosos triplicaria.

35 A maior parte da renda dos idosos provém da Previdência. Em 1999, 54,1% da renda de um homem idoso provinha de aposentadoria, enquanto 35,6% era oriunda do trabalho. No caso das mulheres, a aposentadoria representava 44,3% e a pensão contribuía com 33,3% do rendimento, enquanto apenas 12,0% provinha do rendimento do trabalho. Renda dos Idosos, por Fonte de Rendimento Participação % a 1999 Renda dos Idosos, por Fonte de Rendimento Participação % a 1999 Fonte: Perfil dos Idosos Responsáveis por Domicílios no Brasil , IBGE. Elaboração: SPS/MPS Obs. (1): Foram utilizados os microdados das PNADs de 1995 a Obs. (2): Idoso = Pessoa com 60 anos ou mais.

36 ESTUDO DE CASO: IMPACTOS QUALITATIVOS DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS EM COMUNIDADES DA AMAZÔNIA - LIVRO AMAZÔNIA CIDADÃ* Valorização das tradições e cultura locais (uso comunitário dos recursos, sendo o idoso o principal provedor) Seguro agrícola na entressafra Dinamização da economia local Financiamento de pequenas produções Fixação do homem no campo Diminuição da mortalidade infantil Fomento da cultura da documentação (entrada no mundo conhecido pelo Estado) Aumento das representações políticas municipais, estaduais e nacionais de indígenas e outros povos da região Diminuição da prostituição infantil, devastação ecológica, tráfico de drogas e violência rural * ALVAREZ, Gabriel Omar. Amazônia Cidadã: Previdência Social entre as populações tradicionais da região norte do Brasil: MPAS, p., il. (Coleção Previdência Social, Série Especial, V.L.). Fotografia de: Nicolas Reynard.

37 BRASIL: CONTRIBUINTES X NÃO- CONTRIBUINTES DA POPULAÇÃO OCUPADA TOTAL* Fonte: PNAD 2001/IBGE Elaboração: Secretaria de Previdência Social/MPS * Pessoas de 10 anos ou mais. Exclui militares e estatutários. Existem 40,7 milhões de brasileiros que estão fora do sistema previdenciário, o que representa 57,7% da população ocupada total...

38 CONTRIBUINTES X POTENCIAIS CONTRIBUINTES POR POSIÇÃO NA OCUPAÇÃO NA POPULAÇÃO OCUPADA RESTRITA* Fonte: PNAD 2001/IBGE Elaboração: Secretaria de Previdência Social/MPS * Pessoas de 16 anos a 59 anos e com rendimento igual ou acima de 1 salário-mínimo (R$ 180,00 = set/01). Exclui militares e estatutários. ** São trabalhadores que não recebem rendimentos do trabalho, mas possuem outras fontes de renda...mas nem todos podem contribuir. EXCLUINDO (i) pessoas que recebem menos de 1 salário mínimo e (ii) pessoas com idade inferior a 16 anos e superior a 59 anos, chega-se a 18,7 milhões de pessoas potenciais contribuintes à Previdência Social

39 PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO

40 Fonte: SPS/MPS Elaboração: SPS/MPS Regimes Próprios da União: Poder Executivo Poder Judiciário Poder Legislativo Militares Possibilidade propiciada pela Constituição de 88 e pelo RJU (Lei 8.112/90) Todos os 27 Estados e DF; Municípios (38,5% do total). Os demais Municípios estão vinculados ao RGPS/INSS.

41 Quantidade de Servidores da União, Estados e Capitais Fonte: Boletim Estatístico de Pessoal dez-02/MPOG; Secretarias de Administração Estaduais e Secretarias de Administração Estaduais Elaboração: SPS/MPS 1 Posição em nov/02, excluindo-se os servidores de empresas públicas e sociedades de economia mista 2 Não há informações sobre Boa Vista/RR, Manaus/AM, Rio Branco/AC e Rio de Janeiro/RJ

42 Regras de Elegibilidade e Cálculo do Benefício As regras de concessão e valor do benefício são distintas entre RPPS e RGPS Fonte: SPS/MPS Elaboração: SPS/MPS * Dispositivo constitucional que prevê teto não foi regulamentado.

43 Tempo mínimo de contribuição e permanência para acesso a benefício As regras de tempo mínimo de contribuição e permanência para acesso a benefício são distintas entre RPPS e RGPS Fonte: SPS/MPS Elaboração: SPS/MPS

44 Regras de Reajuste do Benefício As regras de reajuste dos benefícios são distintas entre RPPS e RGPS Fonte: SPS/MPS Elaboração: SPS/MPS

45 Contribuintes do RGPS e do RPPS Os tipos de contribuintes são distintos para cada Regime de Previdência Fonte: SPS/MPS Elaboração: SPS/MPS

46 Alíquotas e Bases de Incidência Contribuintes Pessoas Físicas As alíquotas e bases de incidência de contribuições previdenciárias diferem conforme o Regime Fonte: SPS/MPS Elaboração: SPS/MPS

47 Alíquotas e Bases de Incidência Contribuintes Patronais As alíquotas e bases de incidência de contribuições previdenciárias diferem conforme o Regime Fonte: SPS/MPS Elaboração: SPS/MPS

48 Evolução da Quantidade de Ativos, Inativos e Pensionistas Civis e Militares da União sem Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista a Fonte: Boletim Estatístico de Pessoal dez-2002/MPOG Elaboração: SPS/MPS * Posição em nov/2002

49 Idade Média de Ingresso no Serviço Público Federal por Concurso Público 1995 a 2002 Idade Média de Ingresso no Serviço Público Federal por Concurso Público 1995 a 2002 Fonte: Boletim Estatístico de Pessoal dez-2002/MPOG Elaboração: SPS/MPS * Posição em nov/2002 Ano Idade * 34

50 A estrutura etária do funcionalismo implica continuidade da tendência de custos crescentes Distribuição Etária dos Servidores Civis do Executivo Federal (posição em nov/02) Fonte: Boletim Estatístico de Pessoal dez-2002/MPOG Elaboração: SPS/MPS

51 Idade média de aposentadoria (Integral e Proporcional) dos Servidores Civis no Poder Executivo Posição em Dezembro Idade média de aposentadoria (Integral e Proporcional) dos Servidores Civis no Poder Executivo Posição em Dezembro Fonte: SIAPE/SRH/MPOG; Boletim Estatístico de Pessoal – dez/02 Elaboração: SPS/MPS * Posição em novembro/2002 Obs.: A amostra utilizada no cálculo corresponde à parcela dos servidores que possuem em seu cadastro a informação referente à data da aposentadoria

52 Valor Médio dos Benefícios Previdenciários no Serviço Público Federal e no RGPS (média de dezembro/01 a novembro/02) R$ correntes Valor Médio dos Benefícios Previdenciários no Serviço Público Federal e no RGPS (média de dezembro/01 a novembro/02) R$ correntes Fontes: Boletim Estatístico da Previdência Social; Boletim Estatístico de Pessoal – dez-02 / SRH/MPOG; STN/MF Elaboração: SPS/MPS 1 Exclui Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista; inclui Administração Direta, Autarquias, Fundações, Ministério Público da União e Banco Central do Brasil 2 Inclui benefícios previdenciários e acidentários, e exclui benefícios assistenciais

53 11,7 anos É o tempo médio de serviço dos servidores anterior à entrada no Regime Próprio da União, ou seja, em média o servidor trabalhou 11,7 anos antes de ingressar na União. Este tempo pode ter sido exercido tanto no RGPS como em algum outro regime próprio.

54 Passivo Atuarial da União e dos estados (R$ milhões – 2001) Fonte: Avaliações atuariais, DRAAs e projeções atuariais enviados à CGAET. Elaboração: SPS/MPS A soma do descasamento entre contribuições e benefícios projetados para todos os atuais integrantes do RPPS da União/Estados (civis e militares) em 2001 é igual a R$ 673, 3 bilhões (61% do PIB). Isso inviabiliza a adoção de regime baseado na capitalização plena

55 UNIÃO - Poder Executivo – Civis (Massa Aberta*) Estimativa da Evolução da Necessidade de Financiamento a Fonte: SPS/MPS Elaboração: SPS/MPS * Considera a reposição de servidores

56 Evolução da Necessidade de Financiamento dos Militares, desconsiderando contrapartida da União a Fonte e Elaboração: SPS/MPS

57 UNIÃO - Poder Executivo - Civis e Militares (Massa Aberta*) Estimativa da Evolução da Necessidade de Financiamento a Fonte: SPS/MPS Elaboração: SPS/MPS * Considera a reposição de servidores

58 Problemas e Diretrizes - Regime Próprio dos Servidores Públicos -

59 A REFORMA DA PREVIDÊNCIA É NECESSÁRIA. ESTE É O MOMENTO DE A SOCIEDADE REFLETIR SOBRE COMO VIABILIZAR NO LONGO PRAZO UM SISTEMA PREVIDENCIÁRIO SOCIALMENTE JUSTO E ECONOMICAMENTE VIÁVEL


Carregar ppt "MPS - Ministério da Previdência Social SPS - Secretaria de Previdência Social DIAGNÓSTICO DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO BRASÍLIA, ATUALIZADO EM."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google