A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Francisco Sampaio Universidade do Estado do Rio de Janeiro Coordenador de Área - Medicina III – CAPES/MEC – 2005-2010 II Encontro Nacional de Pós-Graduação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Francisco Sampaio Universidade do Estado do Rio de Janeiro Coordenador de Área - Medicina III – CAPES/MEC – 2005-2010 II Encontro Nacional de Pós-Graduação."— Transcrição da apresentação:

1 Francisco Sampaio Universidade do Estado do Rio de Janeiro Coordenador de Área - Medicina III – CAPES/MEC – II Encontro Nacional de Pós-Graduação na Área de Ciências da Saúde O Impacto do Sistema de Avaliação CAPES na Produção Científica em Medicina

2 Avaliar para Avançar Seminário comemorativo dos 55 anos da Fundação da CAPES 30 anos de Avaliação da Pós-Graduação 9 e 10 de novembro de 2006 AVALIAÇAO COM CONSEQUENCIA

3 Conceito MUITO BOM (nota 5) Conceito BOM (nota 4) Avaliação CAPES Conceito REGULAR (nota 3) Conceito FRACO (nota 2) Conceito DEFICIENTE (nota 1) Conceito EXCELENTE (nota 7) Conceito EXCELENTE (nota 6) Triênio

4 Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 7 Programas Nota 5 = 13 Programas ______ 35.6% Nota 4 = 16 Programas Nota 3 = 22 Programas Medicina I = 59 Programas 11 Programas apenas MESTRADO 10 Programas apenas MESTRADO nota 3 Triênio

5 Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 10 Programas Nota 5 = 23 Programas ______ 45.33% Nota 4 = 25 Programas Nota 3 = 16 Programas Medicina II = 75 Programas 20 Programas apenas MESTRADO 10 Programas apenas MESTRADO nota 3 Triênio

6 Nota 7 = 0 Programa Nota 6 = 0 Programa Nota 5 = 9 Programas ____ 18,36% Nota 4 = 22 Programas Nota 3 = 18 Programas Medicina III = 49 Programas 7 Programas apenas MESTRADO 6 Programas apenas MESTRADO nota 3 Triênio

7 Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 7 Programas Nota 5 = 13 Programas __ 35.6% Medicina I = 59 Programas Medicina II = 73 Programas Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 10 Programas Nota 5 = 23 Programas __ 45.33% Medicina III = 49 Programas Nota 7 = 0 Programa Nota 6 = 0 Programa Nota 5 = 9 Programas ___ 18.36% Nota 4 = 22 Programas Nota 3 = 18 Programas

8 Total = 1.698

9 Total = 7.227

10 Total = Número de teses de doutorado no triênio

11 Total = Número de artigos ISI no triênio Δ 3131

12 Triênio Medicina III = 43 Programas Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 1 Programa Nota 5 = 13 Programas __ 35% Nota 4 = 17 Programas Nota 3 = 11 Programas Proposta Inicial do Comitê da Medicina-III Descredenciamento de 11 programas 22.44% -- média = 2 a 3% Após CTC e Recursos 7 programas 14.2% No triênio foi criado 1 novo programa

13 Nota 7 = 3 Programas Nota 6 = 8 Programas Nota 5 = 21 Programas __ 42.7% Medicina I = 75 Programas Medicina II = 73 Programas Nota 7 = 2 Programas Nota 6 = 8 Programas Nota 5 = 31 Programas __ 56.2% Medicina III = 43 Programas Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 1 Programa Nota 5 = 13 Programas __ 35% Nota 4 = 17 Programas Nota 3 = 11 Programas Triênio

14 Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 7 Programas Nota 5 = 13 Programas __ 35.6% Medicina I = 59 Programas Medicina II = 73 Programas Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 10 Programas Nota 5 = 23 Programas __ 45.33% Medicina III = 49 Programas Nota 7 = 0 Programa Nota 6 = 0 Programa Nota 5 = 9 Programas __ 18.36% Nota 4 = 22 Programas Nota 3 = 18 Programas Nota 7 = 3 Programas Nota 6 = 8 Programas Nota 5 = 21 Programas __ 42.7% Medicina I = 75 Programas Medicina II = 73 Programas Nota 7 = 2 Programas Nota 6 = 8 Programas Nota 5 = 31 Programas __ 56.2% Medicina III = 43 Programas Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 1 Programa Nota 5 = 13 Programas __ 35% Nota 4 = 17 Programas Nota 3 = 11 Programas Triênio Triênio

15

16 Medicina I = 2.26 artigos por docente no trienio Medicina II = 1.8 artigos por docente no trienio Medicina III = 1.5 artigos por docente no trienio

17 Indicador da produção bibliográfica antes da implantação do Qualis

18 Conceito EXCELENTE (nota 7): 80% ou mais dos docentes deverão ter publicado no triênio 6 artigos Qualis Internacional A ou B, sendo pelo menos 3 em Qualis Internacional A. Conceito EXCELENTE (nota 6): 80% ou mais dos docentes deverão ter publicado no triênio 4 artigos em Qualis Internacional A ou B, sendo pelo menos 2 em Qualis Internacional A. Doutorado sanduiche Intercâmbio internacional c/ publicações conjuntas Assinatura convênios, Prof. Visitante, Captação Conj. de Recursos Patentes Liderança em Nucleação, etc. Avaliação CAPES

19 Conceito MUITO BOM (nota 5): 80% ou mais dos docentes permanentes deverão ter publicado no triênio 3 ou mais artigos em Qualis Internacional C ou superior, sendo pelo menos 1 artigo em periódico Qualis Internacional A ou B, por docente. Conceito BOM (nota 4): 80% ou mais dos docentes permanentes deverão ter publicado no mínino 3 artigos em periódicos Qualis Nacional A ou superior, sendo pelo menos 1 artigo em periódico Qualis Internacional C ou superior, por docente. Avaliação CAPES

20 Conceito REGULAR (nota 3): 80% ou mais dos docentes permanentes deverão ter publicado no mínino 3 artigos em Qualis Nacional B ou superior. Sem excluir o critério anterior, 60% dos docentes deverão ter publicado 1 artigo em periódico Qualis Internacional C ou superior. Problemáticos. Conceito FRACO (nota 2): 80% ou mais dos docentes deverão ter publicado no triênio 2 artigos em Qualis Nacional B ou superior. Conceito DEFICIENTE (nota 1): As demais situações. Critérios de Avaliação CAPES

21 INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR1 o.Triênio2o.Triênio% Crescimento USP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ,52% UFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ,55% UNIFESP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ,26% USP/RP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO/ RIBEIRÃO PRETO ,14% UNICAMP - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS ,75% UFRGS - UNIVERSIDADE FEDERAL RIO GRANDE DO SUL ,50% FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ,14% UFMG - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ,25% UFPR - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ,75% UNESP / BOTUCATÚ ,64% UFPE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ,34% UERJ - UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ,19% UNB - UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA ,33% UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ,05% UFBA - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ,47% UFC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ ,23% UNESP / RIO CLARO ,74% UNICAMP / PIRACICABA ,57% UNESP / ARARAQUARA ,19% UFPA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ,57% Total de Artigos ISI por IES (Top 20) e % de Crescimento no Triênio

22 Total de Artigos em Periódicos ISI por Orientador e IES Instituição de Ensino Superior Primeiro TriênioSegundo Triênio ISIOrien.ISI/OriISIOrien.ISI/Ori USP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO , ,50 UFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO , ,87 UNIFESP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO , ,94 USP/RP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO/ RIBEIRÃO PRETO , ,07 UNICAMP - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS , ,56 UFRGS - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL , ,02 FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ , ,41 UFMG - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS , ,38 UFPR - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ , ,23 UNESP/BOT - UNIVERSIDADE EST.PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO/BOTUCATU , ,20 UFPE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO , ,21 UERJ - UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO , ,12 UNB - UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA , ,17 UFSC - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA , ,16 UFBA - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA , ,71 UFC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ , ,99 UNESP/RC - UNIVERSIDADE EST.PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO/RIO CLARO , ,64 UNICAMP/Pi - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS/PIRACICABA , ,70 UNESP/ARAR - UNIVERSIDADE EST.PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO/ARARAQUARA , ,35 UFPA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ168842, ,21

23 Medianas do fator de impacto - Universo: periódicos classificados como P1.

24 Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 7 Programas Nota 5 = 13 Programas __ 35.6% Medicina I = 59 Programas Medicina II = 73 Programas Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 10 Programas Nota 5 = 23 Programas __ 45.33% Medicina III = 49 Programas Nota 7 = 0 Programa Nota 6 = 0 Programa Nota 5 = 9 Programas __ 18.36% Nota 4 = 22 Programas Nota 3 = 18 Programas Nota 7 = 3 Programas Nota 6 = 8 Programas Nota 5 = 21 Programas __ 42.7% Medicina I = 75 Programas Medicina II = 73 Programas Nota 7 = 2 Programas Nota 6 = 8 Programas Nota 5 = 31 Programas __ 56.2% Medicina III = 43 Programas Nota 7 = 1 Programa Nota 6 = 1 Programa Nota 5 = 13 Programas __ 35% Nota 4 = 17 Programas Nota 3 = 11 Programas Triênio Triênio

25 Qualidade dos Artigos Publicados nos Programas de Pós-Graduação Internacional A - Fator Impacto > 0.5 Internacional B - Fator Impacto < 0.5 Internacional C - Sem FI, porém indexados no PubMed/Medline Qualis Internacional Sistema QUALIS Nacional A - SciELO Nacional B - LILACS Nacional C - Sem Indexação Qualis Nacional * Artigos com substanciamento

26 Deliberações CTC/CAPES Qualis de Periódicos composto de oito estratos (nomes indefinidos, escala alfanumérica, qualis x notas) Instrução Nº 05/DAV/2008 A1 (+ elevado) A2 B1 B2 B3 B4 B5 C (Peso zero)

27 Crescimento 8% ano 4x a média mundial de 1.9%

28

29

30

31

32

33 Gráfico 1. Produção Científica Brasileira na Área Médica:

34 _ 76.7%

35 BIOMEDICINA (Medicina e Biologia) 41.1% da Produção Científica Nacional (ISI - Index for Scientific Information) Pós-Graduação

36 O aumento nas publicações está ligado à avaliação. "O crescimento se deu de forma mais pronunciada nas áreas em que há atualmente mais cobrança na avaliação

37 Top 20 Países em Publicações Relacionadas à Área de Saúde USA % United Kingdom 8.57 Japan 8.11 Germany 6.63 France 5.19 Canada 4.02 __69.18% Italy 3.54 Netherlands 2.33 Australia 2.27 Spain 2.06 Paraje et al Science Vol

38 Sweden1.93 China1.63 Switzerland1.39 India1.16 Israel1.04 Belgium1.03 Denmark0.90 Finland0.89 Brazil0.73 Korea0.59 Rest Of World9.32 Paraje et al Science Vol Top 20 Países em Publicações Relacionadas à Área de Saúde

39 Top 20 Países em Publicações Relacionadas à Área de Saúde USA % China 9.33 Germany 7.84 Japan 7.64 United Kingdom 7.19 France 5.53 Canada 4.77 __~ 70% Italy 4.50 Spain 3.52 India 3.07

40 Australia3.04 Coreia do Sul 2.83 Russia2.66 Holanda2.55 Brasil2.02 Taiwan1.92 Sweden Switzerland Israel Rest Of World9.32 Top 20 Países em Publicações Relacionadas à Área de Saúde 15ª. posição

41 Reunião CTC em abril de 2007

42 Pesquisa em Ciência, Tecnologia e Saúde Tópicos Principais Tópicos Principais: Sistema de Avaliação da CAPESSistema de Avaliação da CAPES Sistema Qualis para Artigos PublicadosSistema Qualis para Artigos Publicados Plataforma Lattes do CNPqPlataforma Lattes do CNPq SciELOSciELO

43 Fonte - Milena Holmgren, Stefan A. Schnitzer - Science on the Rise in Developing Countries - Plos Biology (Janeiro/2004) América Latina X Países Desenvolvidos Investimento a Pesquisa e ao Desenvolvimento

44 Investimento em CT&I Institutos Nacionais de Saúde (NIH) - EUA US$ 28 bilhões Ministério de Ciência e Tecnologia US$ 2 bilhões OESP, 21/06/2006

45 Doutores Titulados/100 mil habitantes 30,0 13,6 4,6 Coréia de Sul Brasil Alemanha Fonte: CAPES/MEC – Divulgação: Folha SP 06/01/2005 pág. C5

46 PATENTES INTERNACIONAIS EM 1 ANO - Países Emergentes - Coréia do Sul China Índia Rússia Cingapura África do Sul Brasil País Nro. de Patentes OESP, 08/03/2006

47 PATENTES E PESQUISA NA INDÚSTRIA - Pesquisadores - Coréia do Sul Brasil 40% 82% Indústria Universidade 60% 18% OESP, 08/03/2006 País Pesquisadores

48 PATENTES INTERNACIONAIS EM Ranking Geral - E.U.A Japão Alemanha França Grã-Bretanha Brasil País Nro. de Patentes 1º 2º 3º 4º 5º 27º OESP, 08/03/2006 Posição

49 Estudantes matriculados no Ensino Superior: Brasil9% Bolivia20% (economia 61x menor) Argentina40% Souza, MM – OESP - 04/04/2004 Universidade Brasileira

50

51 O Brasil possui o pior nível educacional entre os grandes da América Latina. Uma pesquisa feita pela Fundação SEADE ( Sistema Estadual de Análise de Dados - Secretaria de Secretaria de Economia e Planejamento do Estado de São Paulo ), com funcionários de grandes corporações Brasileiras, revelou que 48% tem dificuldade com comunicação escrita, 34% não possuem conhecimentos matemáticos e 58% tem problemas com trabalho em equipe.

52 O tempo de escolaridade no país, é inferior à metade da média européia Fontes - OCDE e MEC Fontes - OCDE e Bird anos 9,5 anos 9 anos 8 anos 6,2 anos Brasil - Fora da Escola

53 No Brasil, o percentual de estudantes entre 18 e 24 anos matriculados em universidades é um dos piores do mundo Fontes - OCDE e MECFontes - OCDE e Bird % 27% 39% 46% 50% 80% Brasil - Fora da Escola

54 68% dos 30.6 milhões de brasileiros entre 15 e 64 anos, que estudam ou estudaram até a 4a série não conseguem ler mais que um anúncio curto – sem conseguir interpretá-lo Lêem mas não entendem.68% dos 30.6 milhões de brasileiros entre 15 e 64 anos, que estudam ou estudaram até a 4a série não conseguem ler mais que um anúncio curto – sem conseguir interpretá-lo Lêem mas não entendem. 13% deste grupo ( 4 milhões) pode ser considerado analfabeto em escrita e leitura – não conseguem decodificar palavras e frases em texto curto.13% deste grupo ( 4 milhões) pode ser considerado analfabeto em escrita e leitura – não conseguem decodificar palavras e frases em texto curto. Qualidade do Ensino Básico

55 24% (8 milhões) dos 31 milhões de brasileiros que estudam ou estudaram da 5a à 8a série não conseguem passar do nível rudimentar de alfabetização.24% (8 milhões) dos 31 milhões de brasileiros que estudam ou estudaram da 5a à 8a série não conseguem passar do nível rudimentar de alfabetização. Não conseguem interpretar ou fazer cálculos simples como somar ou diminuir.Não conseguem interpretar ou fazer cálculos simples como somar ou diminuir. Qualidade do Ensino Básico

56

57

58

59 O sistema de avaliação e seu progressivo aprimoramento tem contribuído sobremaneira para o incremento da produção científica de qualidade no país.

60 Em todas as áreas de ciência básica a pesquisa é executada essencialmente nas Universidades Públicas e nos Institutos de Pesquisa. Está intimamente relacionada aos programas de pós graduação existentes no país e depende de verbas individuais ou institucionais concedidas por agências de fomento federais, estaduais ou internacionais

61 Apesar do número elevado, apenas uma pequena parcela das escolas médicas constituem núcleos de pesquisa consolidados. Apenas 8 das faculdades de medicina, que podem ser identificadas como os grandes centros geradores de pesquisa científica na área médica, concentram 115 dos 128 pesquisadores da categoria 1 do CNPq. Zago, M. A., Mari, J. J., Carvalheiro, J. R., Silva, L. J. & Luz, P. L. (2002). Área de Ciências da Saúde. Ciência no Brasil: Medicina. Parcerias Estratégicas, Edição Especial, Volume 4, Academia Brasileira de Ciências.

62 A área da saúde forma cerca de 1300 doutores por ano e publica cerca de 4600 artigos na base ISI por ano. A velocidade de crescimento da formação de recursos humanos e da produção científica é muito superior à velocidade de crescimento dos recursos transferidos à pesquisa, podendo-se chegar ao estrangulamento antes da consolidação definitiva do sistema.

63

64 Medicina I = 2.26 artigos por docente no trienio Medicina II = 1.8 artigos por docente no trienio Medicina III = 1.5 artigos por docente no trienio

65 Medicina I = 2.26 artigos por docente no trienio Medicina II = 1.8 artigos por docente no trienio Medicina III = 1.5 artigos por docente no trienio

66 Total de Artigos em Periódicos ISI por Média de Orientador, Triênio e Área de Avaliação Primeiro TriênioSegundo Triênio% de Área AvaliaçãoISIMedOriISI/MedOriISIMedOriISI/MedOriCrescimento EDUCAÇÃO FÍSICA882600, ,6446,88 ENFERMAGEM423930, ,245,00 FARMÁCIA , ,9538,64 MEDICINA I , ,0435,89 MEDICINA II , ,4139,88 MEDICINA III , ,9641,33 ODONTOLOGIA , ,1762,39 SAÚDE COLETIVA , ,4324,48


Carregar ppt "Francisco Sampaio Universidade do Estado do Rio de Janeiro Coordenador de Área - Medicina III – CAPES/MEC – 2005-2010 II Encontro Nacional de Pós-Graduação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google