A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Introdução à Anatomia e Fisiologia Comparada dos Vertebrados Cristiano Schetini de Azevedo UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Introdução à Anatomia e Fisiologia Comparada dos Vertebrados Cristiano Schetini de Azevedo UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO."— Transcrição da apresentação:

1 Introdução à Anatomia e Fisiologia Comparada dos Vertebrados Cristiano Schetini de Azevedo UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

2 É o estudo de como os animais são formados (morfologia). O QUE É ANATOMIA ANIMAL?

3 É o estudo de como os animais funcionam. É o estudo da estrutura e função de várias partes do animal e de como essas partes trabalham juntas, permitindo aos animais desempenhar seus comportamentos normais e responder aos seus ambientes. O QUE É FISIOLOGIA ANIMAL?

4 A FISIOLOGIA É UM PROCESSO INTEGRATIVO Integra todos os sistemas para entender o funcionamento global do organismo.

5 QUEM SÃO OS VERTEBRATA? Filo Chordata, Classe Chondrychthyes

6 QUEM SÃO OS VERTEBRATA? Filo Chordata, Classe Amphibia

7 QUEM SÃO OS VERTEBRATA? Filo Chordata, Classe Reptilia Ordem Testudinata

8 QUEM SÃO OS VERTEBRATA? Filo Chordata, Classe Aves Ordem Pelecaniformes

9 QUEM SÃO OS VERTEBRATA? Filo Chordata, Classe Mammalia Ordem Proboscidea

10 QUEM SÃO OS VERTEBRATA? Filo Chordata, Superclasse Agnatha, Classe Cephalaspidomorphi, Ordem Petromyzontiformes

11 QUEM SÃO OS VERTEBRATA? Filo Chordata, Superclasse Agnatha, Classe Myxini, Ordem Myxiniformes

12 QUEM SÃO OS VERTEBRATA?

13 QUEM SÃO OS VERTEBRADOS? São os animais com vértebras. Myxiniformes (peixes-bruxa): sem vértebras. Petromyzontiformes (lampreias): com arcuálias (estruturas homólogas aos arcos neurais das vértebras). Arcuálias 1 – Crânio fibroso de peixe-bruxa (amarelo); 2 – Crânio de lampreia, formado por uma cesta branquial (azul); 3 – Crânio fechado de tubarão (azul). Verde = notocorda.

14 QUEM SÃO OS VERTEBRADOS? São os peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Peixes: Superclasse Agnatha (lampreias), Superclasse Gnathostomata (Chondrycthyes, Actinopterygii e Sarcopterygii); Anfíbios: Subclasse Lissamphibia (sapos, rãs, pererecas, salamandras e cecílias); Répteis: Ordens Testudines (tartarugas, cágados e jabutis), Crocodylomorpha (crocodilos, jacarés e gaviais); Rhynchocephalia (tuataras), Squamata (lagartos e serpentes e anfisbenas); Aves: 31 Ordens (emas, galinhas, pombas, pardais, tucanos, etc.); Mamíferos: 27 Ordens (elefantes, cavalos, bois, cachorros, baleias, etc.).

15 HOMOLOGIA, ANALOGIA, HOMOPLASIA Homologia: quando duas estruturas têm a mesma origem embriológica, dividindo um ancestral comum (membros nos Tetrapoda; mesoderme); Analogia: duas estruturas que têm a mesma função (asas de aves e insetos); Homoplasia: estruturas que simplesmente se parecem (evolução convergente – formato do corpo de vertebrados aquáticos).

16 HOMOLOGIA, ANALOGIA, HOMOPLASIA Homologia, analogia ou homoplasia? Peixe-boca-de-jacaré – Lepisosteus spp. (gar – Classe Actinopterygii, Infraclasse Holostei)

17 HOMOLOGIA, ANALOGIA, HOMOPLASIA Estruturas podem sem similares em ancestralidade, função e/ou aparência. Os tipos de similaridade não são mutuamente exclusivos. Homoplasia Analogia Homologia

18 EMBRIOLOGIA Após a fertilização, o ovo ou zigoto começa a sofrer divisões celulares (segmentação). O zigoto se transforma em uma massa celular esférica: a mórula. A mórula se transforma em uma massa celular esférica oca: a blástula. Cada célula da blástula é chamada de blastômero e a cavidade é a blastocele.

19 EMBRIOLOGIA A blástula se transforma em gástrula após a movimentação de células que se agrupam formando os três tipos de tecidos germinativos: endoderme, mesoderme e ectoderme: gástrula.

20 EMBRIOLOGIA Organogênese É o processo de formação dos tecidos e órgãos após a separação da endoderme, mesoderme e ectoderme.

21 EMBRIOLOGIA Organogênese

22 RELAÇÕES EVOLUTIVAS INFLUENCIAM A ANATOMIA E A FISIOLOGIA Espécies intimamente relacionadas compartilham mais características anatômicas e fisiológicas do que espécies pouco relacionadas.

23 RELAÇÕES EVOLUTIVAS INFLUENCIAM A ANATOMIA E A FISIOLOGIA Estas características podem ser herdadas de um ancestral ou podem ser características derivadas (novas; diferentes do ancestral). Plesiomorfia e apomorfia.

24 RELAÇÕES EVOLUTIVAS INFLUENCIAM A ANATOMIA E A FISIOLOGIA Plesiomorfia: caráter ancestral não modificado. Ex.: quatro asas posteriores em vários grupos de insetos. Simplesiomorfia: compartilhamento de uma característica plesiomórfica por mais de um grupo. Ex.: a coluna vertebral apresentada por todos os Tetrapoda viventes (condição encontrada no ancestral aquático).

25 RELAÇÕES EVOLUTIVAS INFLUENCIAM A ANATOMIA E A FISIOLOGIA Apomorfia: caráter derivado (diferente de como era no ancestral). Ex.: asas posteriores transformadas em balancins dos Diptera. Sinapomorfia: compartilhamento de uma característica apomórfica por mais de um grupo. Ex.: pulmões foliáceos dos Arachnida derivados das brânquias foliáceas do ancestral.

26 RELAÇÕES EVOLUTIVAS INFLUENCIAM A ANATOMIA E A FISIOLOGIA Autapomorfia: caráter derivado (diferente de como era no ancestral), mas encontrado em apenas um grupo terminal. Ex.: asas posteriores transformadas em balancins dos Diptera.

27 RELAÇÕES EVOLUTIVAS INFLUENCIAM A ANATOMIA E A FISIOLOGIA Exemplo: Perda da cauda = apomorfia (sinapomorfia dos grupos 2 e 3). Possuir escamas = plesiomorfia (simplesiomorfia dos grupos 2 e 3). Perda das escamas = apomorfia do grupo 1. Perda de um dígito = autapomorfia do grupo 3. Ter cinco dígitos = simplesiomorfia dos grupos 1 e 2.

28 CONCEITOS DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA Todos os táxons devem ser monofiléticos. Resultam nos cladogramas: diagramas que representam relações de parentesco.

29 CONCEITOS DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA Grupo monofilético: grupo formado por uma espécie ancestral comum mais recente e todos os seus descendentes. Grupo parafilético: grupo formado por uma espécie ancestral comum mais recente, mas que não inclui todos os seus descendentes. Grupo polifilético: grupo que não contém o ancestral comum mais recente de todos os membros do grupo. 123 MONOFILÉTICO PARAFILÉTICO POLIFILÉTICO

30 CONCEITOS DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA Exemplo: Aves e Ornithopoda = polifilético. Dinosauria e Aves = monofilético. Dinosauria sem Theropoda = parafilético. 16 grupos monofiléticos no cladograma.

31 QUADRO RESUMO Todas as aulas terminarão com um quadro resumo da anatomia dos grupos estudados. CaracterísticaPeixesAnfíbiosRépteisAvesMamíferos OvoMesolécito heterolécito ou macrolécito heterolécito /telolécito Mesolécito heterolécito Macrolécito telolécito Microlécito isolécito ou alécito ClivagemHoloblástica igual Holoblástica desigual Meroblástica discoidal Holoblástica igual GastrulaçãoInvaginação da parede da blástula EpiboliaFormação da linha primitiva Disco embrionário Formação do celoma EnteroceliaEsquizocelia

32 BIBLIOGRAFIA DE ESTUDO - KARDONG, K.V. Vertebrados: anatomia comparada, função e evolução. ROCA p. - MOYES, C.D. & SCHULTE, P.M PRINCÍPIOS DE FISIOLOGIA ANIMAL. 2º EDIÇÃO. PORTO ALEGRE: ARTMED, 756P. - HILDEBRAND, M. & GOSLOW, G. Análise da Estrutura dos Vertebrados. 2ed. São Paulo. Atheneu p.

33 PERGUNTAS?


Carregar ppt "Introdução à Anatomia e Fisiologia Comparada dos Vertebrados Cristiano Schetini de Azevedo UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google