A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Distinção entre plantas colhidas na natureza e propagadas artificialmente Desenvolvido pelo Secretariado CITES GreenCustoms Knowledge Series No. 8.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Distinção entre plantas colhidas na natureza e propagadas artificialmente Desenvolvido pelo Secretariado CITES GreenCustoms Knowledge Series No. 8."— Transcrição da apresentação:

1 Distinção entre plantas colhidas na natureza e propagadas artificialmente Desenvolvido pelo Secretariado CITES GreenCustoms Knowledge Series No. 8

2 2 Questões a responder Porque necessitamos de saber a diferença entre espécies de plantas colhidas na natureza e propagadas artificialmente? Que caracteristicas devemos ter em conta? Que caracteristicas devemos ter em conta nas Orquideas? Que caracteristicas devemos ter em conta nos Cactos?

3 3 Introdução Mais de espécies de plantas estão incluídas nos Anexos da CITES, e são geralmente comercializadas Existem apenas dois códigos de origem para o comércio de plantas listadas na CITES ‘A’ (ou ‘D’) para plantas propagadas artificialmente, e ‘W’ para plantas colhidas na natureza, ou aquelas que não cumprem os critérios de propagação artificial As condições para permitir o comércio de cada uma destas categorias são diferentes e, consequentemente as pessoas podem tentar comercializar plantas colhidas na natureza, alegando que são propagadas artificialmente.

4 4 Introdução Ser capaz de reconhecer as diferenças entre estas duas categorias é, por isso, importante Falsas alegações podem incluir as seguintes razões : –Plantas colhidas na natureza enviadas como propagadas artificialmente, especialmente de países que proíbem a exportação de plantas colhidas na natureza –Espécimes selvagens de espécies que não ocorrem num país em particular, são daí exportadas porque o estado de distribuição não permite a sua exportação –Espécimes de espécies do anexo I, ainda que propagadas artificialmente são comercializadas com nomes falsos para que o comerciante possa utilizar os procedimentos simplificados para espécimes do anexo II artificialmente propagados

5 5 Introdução Quando se avaliam as diferenças entre espécies colhidas na natureza e propagadas artificialmente, temos de ter em conta as condições a que cada uma teve exposta em condições normais de crescimento Em condições selvagens, podem ser comidas por animais, os insectos podem aproveitar-se delas, outras plantas plantas podem crescer nelas, etc. As plantas não estão sujeitas a essas ameaças quando crescem em condições controladas num viveiro

6 6 Introdução A chave para se ser capaz de diferenciar entre plantas provavelmente colhidas na natureza e aquelas que cresceram num ambiente controlado está na compreensão do impacto que o ambiente de crescimento exerce nas plantas Este, por sua vez, pode ter um impacto significativo na aparência da planta Evidências físicas de colheita também podem ser um indicio chave sobre a origem do espécime

7 7 Selvagem versus propagação artificial Os próximos slides fornecem dicas e truques para interpretar a origens dos espécimes de: –Orquídeas –Cactos

8 8 Orquídeas Todas as orquídeas estão incluídas ou no Anexo II ou no Anexo I da CITES Algumas das orquídeas mais procuradas estão listadas no Anexo I (incluindo o tão popular “sapatinho” Paphiopedilum spp. da Ásia e o Phragmipedium spp. da América do Sul) Paphiopedilum sanderianum

9 9 Orquídeas As orquídeas podem ser encontradas em todo o mundo, com excepção do Árctico e da Antárctica, mas são mais comuns nos trópicos A família das Orchidaceae consiste em 800 géneros e cerca de espécies Phalaenopsis equestris

10 10 Orquídeas A maior parte das orquídeas são epífitas, o que quer dizer que crescem em ramos ou caules de árvores (como esta espécie de Schomburgkia), ou em rochas ou outros substractos

11 11 Orquídeas Em zonas temperadas, as orquídeas são sobretudo terrestres. Orchis maculata Gymnadenia conopsea

12 12 Orquídeas Ninguém consegue identificar todas as espécies de orquídeas, especialmente na forma em que são normalmente comercializadas, sem flores Identificação é melhor realizada por peritos de plantas Contudo, ser capaz de diferenciar entre espécimes de orquídeas colhidas na natureza e artificialmente propagadas pode ajudar a identificar tentativas de fraude ou de comércio ilegal

13 13 Orquídeas Atenção Algumas das características aqui apresentadas podem, ocasionalmente, ser observadas em plantas artificialmente propagadas Deve-se ter atenção a combinação de diversas características antes de se ter uma certeza razoável sobre a origem das plantas Em caso de dúvidas, chamar um perito

14 14 Orquídeas As partes das plantas de orquídeas que necessitam de uma atenção especial são : –As raízes –As folhas –Os pseudobolbos raízes pseudobolbos folhas

15 15 Orquídeas As raízes das orquídeas são estruturas carnudas, cobertas por pelo (velame) que é frequentemente prateado, e tem a ponta normalmente branca ou verde As raízes das orquídeas epífitas, servem para prender a planta aos ramos e caules das árvores, ou a superfícies rochosas, e absorver humidade Contudo, orquídeas colhidas na natureza têm de viajar do colector ao exportador através de intermediários, e durante esse período de tempo, as raízes podem morrer parcialmente ou na totalidade

16 16 Orquídeas Apenas a ponta da raíz serve para absorver água, quer da húmidade atmosferica, quer água que escorre ao longo do substracto no qual “acenta” Quando a raiz morre, a camada externa carnosa murcha rapidamente e torna-se num pó castanho, e apenas ficam as células lenhosas do feixe vascular central da raiz Em contraste, as raízes de plantas propagadas artificialmente são sempre saudaveis

17 17 Orquídeas As raízes crescem de acordo com o substrato onde a planta cresce Plantas retiradas da natureza têm as suas raízes cortadas ou arrancadas do substrato onde crescem –Por exemplo, uma orquídea que cresce no ramo terá raízes que seguem a forma do ramo e uma orquídea que cresce em rocha terá raízes com a forma das rochas Por comparação, uma orquídea que cresce em condições controladas terá raízes plenamente saudáveis, inteiras, que reflectirão a forma do vaso onde cresceram

18 18 ROOTS Orquídeas Paphiopedilum colhido na natureza com raízes mortas

19 19 Orquídeas Orquídeas, como estes Dendrobium, estão sempre tão fortemente agarradas ao substrato em que vivem que a casaca mantém-se agarrada às raízes quando a planta é arrancada

20 20 Orquídeas Ceratostylis spp.: rizoma da orquídea coberto de raízes de fetos

21 21 Orquídeas Durante o transporte dos locais naturais na floresta, as folhas das orquídeas colhidas são muitas esmagadas, rasgadas ou dobradas Durante o embalamento anterior ao envio, as plantas perdem água e as folhas tornam- se menos túrgidas, racham ao longo da nervura central, e grupos de células podem entrar em colapso

22 22 Orquídeas Leaf damage: collapsed surface cells Nervura central danificada Células colapsadas

23 23 Orquídeas Paphiopedilum colhido na natureza com células superficiais em colapso e nervura central danificada

24 24 Um dos sinais mais reveladores de que uma planta é colhida na natureza é a influência de insectos ou pequenos mamíferos nas folhas –Sulcos escavados por insectos –Danos irregulares nas margens ou buracos na folha, causada pela mastigação –Descoloração causada por ácaros, escamas ou insectos farinhentos Em conjunto, raízes danificadas e folhas danificadas são fortes indicadores de plantas colhidas na natureza Orquídeas

25 25 Orquídeas Espécimes colhidos na natureza de Paphiopedilum com raízes mortas e folhas profundamente danificadas

26 26 Orquídeas Paphiopedilum colhido na natureza com folhas danificadas e raízes mortas

27 27 Orquídeas Folha de orquídea danificada – também se nota a presença de líquenes

28 28 Orquídeas Planta de Dendrobium com muitos pseudobolbos mortos, ainda agarrados Nota: danos foliares, a forma 'paralela' do sistema radicular, e um grande buraco num pseudobulbo velho 2 1 3

29 29 Orquídeas Orquídeas artificialmente propagadas, com folhas saudaveis e raízes ainda com a forma do vaso onde cresceram

30 30 Orquídeas Bulbophyllum spp, colhido na natureza que depois cresceu em viveiro Nota: a diferença no tamanho e forma das folhas “selvagens” (1) e as que cresceram no viveiro (2) 1 2

31 31 Orquídeas Vanda spp. uma planta colhida na natureza pode crescer num viveiro durante vários anos Nota: a diferença no tamanho e na forma da parte que cresceu “selvagem” (1) e a que cresceu no viveiro (2) 2 1

32 32 Orquídeas Constantia cipoensis Crescimento na natureza Crescimento em viveiro Folhas que crescem em viveiro são normalmente maiores Nota: apenas as partes que cresceram no viveiro são consideradas propagadas artificialmente

33 33 Orquídeas Paphiopedilum spp. as características selvagens mantêm-se, mesmo que a planta tenha estado a crescer num viveiro (Cortesia Environment Canada)

34 34 Orquídeas Paphiopedilum spp. as características selvagens mantêm-se, mesmo que a planta tenha estado a crescer num viveiro (Cortesia Environment Canada)

35 35 Cactos e outras plantas suculentas Plantas suculentas são plantas que se adaptaram a condições muito áridas Desenvolveram mecanismos especiais de armazenamento de água, tais como raízes carnudas, corpos em forma de barril e folhas grossas, e mecanismos para evitar a perda de água por transpiração, através da ausência de folhas ou apenas com algumas pequenas folhas, grande parte da planta é subterrânea, e com uma grossa cobertura de cera Portanto, para as plantas suculentas os factores determinantes para a sua “vida” são água, sol e predadores

36 36 Cactos Para chegarem à escassa água, os cactos possuem um grande sistema radicular que cobre uma grande superficie, ou têm raízes muito profundas Cactos que c rescem em rochas ou substratos duros desenvolvem frequentemente raízes aprumadas Em solos de gravilha ou arenosos, desenvolverá um sistema radicular superficial grande

37 37 Cactos Mas os cactos, ou qualquer outra planta, não pode escolher o seu local de crescimento, e tem de crescer onde a semente cai. Isto também tem influência na forma do sistema radicular Melocactus

38 38 Cactos Mas os cactos, ou qualquer outra planta, não pode escolher o seu local de crescimento, e tem de crescer onde a semente cai. Isto também tem influencia na forma do sistema radicular Nota: como a forma deste Aztekium ritteri é afectada pelo local onde cresceu

39 39 Cactos Para se protegerem do sol, os cactos necessitam: –Parte ou a maior parte do corpo terá de ser subterrânea –Uma cutícula de cera grossa para se protegerem da desidratação –Espinhos longos que possam fornecer sombra –Nervuras estreitas e relativamente elevadas, as quais também podem fornecer sombra –Formação de uma camada de “cortiça”, onde a luz do sol “queima” a planta

40 40 Cactos Um cacto que cresça em condições controladas não terá necessidade de medidas de protecção, e terá uma aparência diferente: –A parte subterrânea do cacto é muito pequena –A cutícula é fina (porque existe água disponível) –Espinhos em menor quantidade ou de menores dimensões –Nervuras espessas e pouco profundas –Ausência de uma camada de “cortiça”

41 41 Cactos A parte subterrânea desta cacto colhido na natureza mostra as seguintes características : –Ausência de espinhos –O corpo da planta encortiçou (já não é esverdeada) e é subterrâneo –A "linha de superfície” é inclinada ou irregular, mostra que a planta cresceu em terreno irregular

42 42 Cactos Espinhos curtos Selvagem cutícula fina (cor mais escura) Propagação artificial Nervura larga Espinhos longos Nervura fina Cutícula grossa (cor mais clara) Note a diferença entre este cacto selvagem e um propagado artificialmente

43 43 Cactos A maioria do cactos não podem ser colhidos na natureza com o seu sistema radicular inteiro Para ajudar a determinar se um cacto foi colhido na natureza, outra pista é observar as condições do sistema radicular –Um corte ou um sistema radicular incompleto é um forte indício que a planta foi colhida na natureza

44 44 Cactos Nesta caixa de cactos de Frailea spp. apreendidos, podemos ver as raízes cortadas e grande parte da planta é castanha e encortiçada, sugerindo que as plantas foram colhidas na natureza

45 45 Note a parte inferior da planta encortiçada (1) e a ausência de raízes (2), sugerindo que esta planta foi colhida na natureza Esta planta tem, provavelmente mais de 100 anos de idade Cactos Copiapoa spp. 1

46 46 Cactos Note a raiz aprumada desta Lophophora williamsii cortada, e a maior parte da planta cresceu debaixo do solo, mostrando portanto que a planta foi colhida na natureza

47 47 Cactos Dois espécimes de Uebelmannia mostram claramente características de plantas de origem selvagem Note a planta à esquerda cresceu num viveiro durante algum tempo, e cresceu um amontoado de raízes

48 48 Cactos Note ninhos de vespas nesta Copiapoa spp. colhida na natureza

49 49 Cactos Turbinicarpus spp. Colhido na natureza Note os tecidos encortiçados e as raízes cortadas Obregonia denegri colhida na natureza Note o tecido encortiçado e as raízes cortadas em ângulo recto Esta forma pode ser causada pelas obstruções naturais do solo

50 50 Cactos Exemplos de dois viveiros –As plantas da esquerda não têm sistema radicular, indicando que são, provavelmente, colhidas na natureza –As plantas da direita mostram raízes normais

51 51 Cactos Plantas colhidas na natureza e que cresceram durante um período de tempo em condições controladas Note a diferença na cor do corpo e no tamanho dos espinhos da parte que cresceu na natureza e a parte que cresceu em condições controladas Astrophytum spp Uebelmannia spp

52 52 Cactos Cactos de propagação artificial, com bons desenvolvimentos do sistema radicular, sem partes encortiçadas (porque não havia nenhuma razão para recolher ao solo), e um saudável corpo verde (cutícula fina)

53 53 Cactos Contudo …é necessária atenção quando se tenta determinar se a planta foi colhida na natureza Esta planta foi propagada artificialmente, embora pareça apresentar característica que sugerem o contrário Turbinicarpus schmiedickianus

54 54 Resumo Ser capaz de diferenciar entre plantas colhidas na natureza e propagadas artificialmente é importante porque as disposições da CITES para os dois casos podem ser muito diferentes As plantas são influenciadas pelas condições em que crescem, plantas que crescem em condições controladas (luz, água, nutrição, protecção de predadores) terão forma e aparência diferente de plantas sujeitas a condições climáticas rigorosas, competição por alimentos e água, e ataques de predadores

55 55 Resumo Plantas colhidas na natureza também podem exibir diversos atributos que plantas propagadas artificialmente não apresentam, como folhas cortadas e danificadas e sistemas radiculares cortados Plantas colhidas na natureza e que crescem durante um tempo em condições controladas podem exibir características com influência de ambos os ambientes Pode haver razões para que plantas propagadas artificialmente apresentem danos, portanto, é necessário cuidado quando fizer a sua fiscalização

56 56 Secretariado CITES Genebra


Carregar ppt "Distinção entre plantas colhidas na natureza e propagadas artificialmente Desenvolvido pelo Secretariado CITES GreenCustoms Knowledge Series No. 8."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google