A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Estudaremos as seguintes estruturas: Estudaremos as seguintes estruturas: RAIZ RAIZ CAULE CAULE FOLHA FOLHA FLOR FLOR FRUTO FRUTO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Estudaremos as seguintes estruturas: Estudaremos as seguintes estruturas: RAIZ RAIZ CAULE CAULE FOLHA FOLHA FLOR FLOR FRUTO FRUTO."— Transcrição da apresentação:

1

2 Estudaremos as seguintes estruturas: Estudaremos as seguintes estruturas: RAIZ RAIZ CAULE CAULE FOLHA FOLHA FLOR FLOR FRUTO FRUTO

3

4 Em geral é um órgão subterrâneo, sem clorofila e especializado na fixação da planta e na absorção de água e sais minerais. Em geral é um órgão subterrâneo, sem clorofila e especializado na fixação da planta e na absorção de água e sais minerais.

5

6

7 FASCICULADAAXIAL MONOCOTILEDÔNEADICOTILEDÔNEA

8 Raízes se desenvolvem a partir do CAULE. Raízes se desenvolvendo a partir das folhas.

9

10 Raízes de Suporte.Raízes Tabulares (Escora).

11 Raízes TUBEROSAS.

12 PNEUMATÓFOROSRaízes Respiratórias.

13 RAÍZES AÉREAS Raízes Aéreas.

14 RAÍZES SUGADORA HAUSTÓRIOS

15

16 CORTE DE RAIZ MONOCOTILEDÔNEADICOTILEDÔNEA

17

18 Sustenta as folhas, colocando-as em condições de melhor iluminação e permitindo a realização da fotossíntese. Sustenta as folhas, colocando-as em condições de melhor iluminação e permitindo a realização da fotossíntese. Por ele passam os vasos que transportam a seiva. Por ele passam os vasos que transportam a seiva.

19 O caule apresenta crescimento apical, produzido pelo ponto vegetativo ou gema terminal. O caule apresenta crescimento apical, produzido pelo ponto vegetativo ou gema terminal. Nas axilas das folhas estão as gemas laterais ou axilares que originam os ramos laterais do caule. Nas axilas das folhas estão as gemas laterais ou axilares que originam os ramos laterais do caule.

20 VISÃO EXTERNA DO CAULE

21 TIPOS DE CAULE AÉREOS TRONCO - ESTIPE RASTEJANTE COLMO – HASTE VOLÚVEL E TREPADOR SUBTERRÂNEOS RIZOMA TUBÉRCULO BULBO AQUÁTICOS

22

23 TRONCO ESTIPE

24 COLMO HASTE

25 VOLÚVEL RASTEJANTE

26 RIZOMA CAULE DA SAMAMBAIA RIZOMA

27 TUBÉRCULOS BULBOS

28 AQUÁTICOS CACTOS – seus caules armazenam água

29

30

31

32 ACÚLEOSESPINHOS

33 CLADÓDIOSGAVINHAS

34

35

36

37 Em regiões onde as estações do ano são bem distintas, é possível observar no tronco uma série de anéis de crescimento. Em regiões onde as estações do ano são bem distintas, é possível observar no tronco uma série de anéis de crescimento. Cada anel corresponde a um ano de vida da planta. Cada anel corresponde a um ano de vida da planta.

38

39

40

41 ATIVIDADE: Escreva o tipo do caule das espécies abaixo:

42

43 É um órgão laminar, clorofilado, especializado na realização da fotossíntese. É um órgão laminar, clorofilado, especializado na realização da fotossíntese. A superfície laminar contribui muito para a fotossíntese, pois, além de facilitar a absorção de gás carbônico, permite que grande número de cloroplastos fique exposto à luz. A superfície laminar contribui muito para a fotossíntese, pois, além de facilitar a absorção de gás carbônico, permite que grande número de cloroplastos fique exposto à luz.

44

45 FOLHA INVAGINANTE PECÍOLO AUSENTE FOLHA SÉSSIL AUSÊNCIA DE PECÍOLO E BAINHA

46 NERVURAS PARALELINÉRVEAS MONOCOTILEDÔNEA NERVURAS PENINÉRVEAS DICOTILEDÔNEA

47

48

49

50 PARIPENADAIMPARIPENADA

51 FOLHA COMPOSTA DIGITADA

52 ESPINHOS DO CACTO SÃO FOLHAS MODIFICADAS, SERVE DE PROTEÇÃO DA PLANTA CONTRA PREDADORES. A FOTOSSÍNTESE É FEITA PELO CAULE.

53 BRÁCTEAS SÃO FOLHAS NA BASE DAS FLORES, ÀS VEZES COLORIDAS, QUE SERVEM DE ATRATIVO À ANIMAIS POLINIZADORES.

54

55

56

57

58 A flor é a estrutura reprodutora característica das plantas denominadas espermatófitas ou fanerógamas. A flor é a estrutura reprodutora característica das plantas denominadas espermatófitas ou fanerógamas. A função de uma flor é a de produzir sementes através da reprodução sexuada. A função de uma flor é a de produzir sementes através da reprodução sexuada. Para as plantas, as sementes representam a próxima geração e servem como o principal meio através do qual as espécies se perpetuam e se propagam. Para as plantas, as sementes representam a próxima geração e servem como o principal meio através do qual as espécies se perpetuam e se propagam.

59 As gimnospermas podem possuir flores que se reúnem em estróbilos, ou a mesma flor pode ser um estróbilo de folhas férteis. As gimnospermas podem possuir flores que se reúnem em estróbilos, ou a mesma flor pode ser um estróbilo de folhas férteis. Nas angiospermas, a flor dá origem, após a fertilização e por transformação de algumas das suas partes, a um fruto que contém as sementes. Nas angiospermas, a flor dá origem, após a fertilização e por transformação de algumas das suas partes, a um fruto que contém as sementes.

60 A função da flor é mediar a união dos esporos masculino (micrósporo) e feminino (megásporo) num processo denominado polinização. A função da flor é mediar a união dos esporos masculino (micrósporo) e feminino (megásporo) num processo denominado polinização. Muitas flores dependem do vento para transportar o pólen entre flores da mesma espécie. Muitas flores dependem do vento para transportar o pólen entre flores da mesma espécie. Outras dependem de animais (especialmente insetos) para realizar este feito. Outras dependem de animais (especialmente insetos) para realizar este feito.

61 Depois de atingir o estigma o grão de pólen sofre modificações. Depois de atingir o estigma o grão de pólen sofre modificações. Emite um tubo, chamado tubo polínico, que penetra no estilete e atinge o ovário. Emite um tubo, chamado tubo polínico, que penetra no estilete e atinge o ovário. O núcleo reprodutivo ou gerador divide-se em dois, dando origem a gametas masculinos. O núcleo reprodutivo ou gerador divide-se em dois, dando origem a gametas masculinos. Um dos gametas masculinos vai unir- se à oosfera do óvulo. Um dos gametas masculinos vai unir- se à oosfera do óvulo.

62 Dessa união origina-se o zigoto que, juntamente com as outras partes do óvulo, se desenvolve formando a semente. Dessa união origina-se o zigoto que, juntamente com as outras partes do óvulo, se desenvolve formando a semente. Depois da fecundação, a flor murcha. Então as sépalas, as pétalas, os estames e o estilete caem. Depois da fecundação, a flor murcha. Então as sépalas, as pétalas, os estames e o estilete caem. O ovário desenvolve-se formando o fruto, dentro do qual ficam as sementes (óvulos desenvolvidos depois da fecundação). O ovário desenvolve-se formando o fruto, dentro do qual ficam as sementes (óvulos desenvolvidos depois da fecundação).

63

64

65 Depois da polinização, da reprodução sexuada, como visto anteriormente. Depois da polinização, da reprodução sexuada, como visto anteriormente. O ovário hipertrofiado origina o fruto. O ovário hipertrofiado origina o fruto.

66

67 Às vezes o ovário se desenvolve sem ter sido fecundado, nesse caso não há sementes, como ocorre com a bananeira. Às vezes o ovário se desenvolve sem ter sido fecundado, nesse caso não há sementes, como ocorre com a bananeira. Frutos sem sementes são denominados Partenocárpicos. Frutos sem sementes são denominados Partenocárpicos.

68 A laranja-da-baía é outro exemplo de fruto partenocárpico. A laranja-da-baía é outro exemplo de fruto partenocárpico. Em que uma mutação produziu fruto sem semente e a planta é perpetuada por meio de enxertos. Em que uma mutação produziu fruto sem semente e a planta é perpetuada por meio de enxertos.

69 PERICARPO - ABACATE

70

71 FRUTA X FRUTO FRUTA = indica as partes comestíveis da flor, que nem sempre se desenvolvem do ovário. Podem se originar de outras partes passando a ser chamados de PSEUDOFRUTOS. FRUTA = indica as partes comestíveis da flor, que nem sempre se desenvolvem do ovário. Podem se originar de outras partes passando a ser chamados de PSEUDOFRUTOS. Qualquer fruto comestível e adocicado Qualquer fruto comestível e adocicado FRUTO = produto que sucede à flor e contém a semente. FRUTO = produto que sucede à flor e contém a semente. Ovário fecundado de uma flor. Ovário fecundado de uma flor.

72 Na laranja o que se come são os pêlos suculentos do endocarpo. Na laranja o que se come são os pêlos suculentos do endocarpo.

73 No caju, a parte suculenta desenvolve-se do pedúnculo de uma única flor. No caju, a parte suculenta desenvolve-se do pedúnculo de uma única flor. Pseudofruto Simples Pseudofruto Simples

74 Na maçã e na pêra, o fruto é a parte central, que envolve as sementes. Na maçã e na pêra, o fruto é a parte central, que envolve as sementes. A parte carnosa vem do receptáculo. A parte carnosa vem do receptáculo. Pseudofrutos Simples Pseudofrutos Simples

75 No morango, o fruto são os pequenos pontos espalhados pela parte. No morango, o fruto são os pequenos pontos espalhados pela parte. O pseudofruto desenvolve-se do receptáculo de flor com diversos ovários. O pseudofruto desenvolve-se do receptáculo de flor com diversos ovários. Pseudofruto Composto Pseudofruto Composto

76 No figo e no abacaxi, a parte comestível desenvolve-se do receptáculo e de outras peças florais reunidas em inflorescências. No figo e no abacaxi, a parte comestível desenvolve-se do receptáculo e de outras peças florais reunidas em inflorescências. Infrutescências Infrutescências

77

78 Pericarpo Suculento Pericarpo Suculento Pericarpo Seco Pericarpo Seco CARNOSOS SECOS

79 CARNOSOS BAGA = proveniente de um ovário; formado por um ou mais carpelos, com um ou diversas sementes. BAGA = proveniente de um ovário; formado por um ou mais carpelos, com um ou diversas sementes. DRUPA = comumente formada de um único carpelo, com uma semente envolta pelo endocarpo duro, que forma o caroço. DRUPA = comumente formada de um único carpelo, com uma semente envolta pelo endocarpo duro, que forma o caroço.

80 SECOS DEISCENTES = abrem-se quando maduros, liberando as sementes. DEISCENTES = abrem-se quando maduros, liberando as sementes. INDEISCENTES = não se abrem, nem quando maduros. INDEISCENTES = não se abrem, nem quando maduros.

81 FOLÍCULO = um carpelo; se abre por uma fenda longitudinal. FOLÍCULO = um carpelo; se abre por uma fenda longitudinal. Ex: magnólia LEGUME = um carpelo; se abre por duas fendas longitudinais. LEGUME = um carpelo; se abre por duas fendas longitudinais. Ex: Feijão ; ervilha. DEISCENTES

82 CÁPSULA = 2 ou + carpelos; com deiscência variada. CÁPSULA = 2 ou + carpelos; com deiscência variada. Ex: algodão - azaléia - sapucaia

83 SÍLIQUA = 2 carpelos; com 2 aberturas, como se fosse uma vagem dupla. SÍLIQUA = 2 carpelos; com 2 aberturas, como se fosse uma vagem dupla. Ex: mostarda

84 AQUÊNIO = um carpelo; com uma semente presa em apenas 1. AQUÊNIO = um carpelo; com uma semente presa em apenas 1. Ex: girassol - noz INDEISCENTES

85 SÂMARA = com expansões aladas. SÂMARA = com expansões aladas. Ex: murici - bordo INDEISCENTES Semente alada do Ipê

86 LINHARES, Sergio. GEWANDSZNAJDER, Fernando. Biologia: volume único – 1. ed. – São Paulo: Ática, LINHARES, Sergio. GEWANDSZNAJDER, Fernando. Biologia: volume único – 1. ed. – São Paulo: Ática, Figuras e Fotos pesquisados e retirados do Google. Figuras e Fotos pesquisados e retirados do Google.


Carregar ppt "Estudaremos as seguintes estruturas: Estudaremos as seguintes estruturas: RAIZ RAIZ CAULE CAULE FOLHA FOLHA FLOR FLOR FRUTO FRUTO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google