A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Parte I 2. Os motores de crescimento numa perspectiva de longo prazo AT 5 - A importância mutável dos recursos naturais Sumário 1 – Os Recursos naturais:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Parte I 2. Os motores de crescimento numa perspectiva de longo prazo AT 5 - A importância mutável dos recursos naturais Sumário 1 – Os Recursos naturais:"— Transcrição da apresentação:

1 1 Parte I 2. Os motores de crescimento numa perspectiva de longo prazo AT 5 - A importância mutável dos recursos naturais Sumário 1 – Os Recursos naturais: alguns conceitos 2 – Os recurso naturais nas vagas de inovação: energia e matérias-primas 3 - Os recursos naturais e as assimetrias internacionais no crescimento económico

2 2 Conceitos Recursos Naturais Recursos Naturais Renováveis (económicos e não económicos) Recurso Naturais Não Renováveis Reserva ==> conceito económico Dotação ==> conceito associado à geografia

3 3 Os recursos naturais nas vagas de inovação Primeiro Kondratiev (K1) Fase A:1789 - 1814 Fase B: 1814 – 1849 -Sector líder: indústria do algodão / ferro e extracção de carvão. -Matérias-primas: algodão, ferro. -Recurso energético: carvão. -Energia: vapor / moinhos de vento e de água. - País líder: Inglaterra Difusão da máquina a vapor a outros países: França, Bélgica, Alemanha, Império Austro-Hungaro, Estados Unidos.

4 4 Os recursos naturais nas vagas de inovação Segundo Kondratiev (K2) Fase A:1849 – 1873 Fase B: 1873-1896 -Sector líder: indústria do metalurgica -Matérias-primas: ferro e aço -Recurso energético: carvão -Energia: vapor(máquinas a vapor de alta pressão) -País líder: Inglaterra (até ao fim da fase A) Catching-up (arranque): Alemanha, Estados Unidos.

5 5 Fonte: Cameron, Rondo (2000: 224), História Económica do Mundo... Figura 1 – Minas de carvão na Europa

6 6 Períodotoneladas c. 17003000- 4000 c. 17509000- 12000 181070000- 80000 1969-701 760 000 Quadro 1 - Consumo de algodão : nos países europeus (até 1810) nos países modernizados (depois de1960) Fonte: Paul Bairoch (2000), Mitos e Paradoxos da História Económica,p.213

7 7 Gráfico 1 – Produção de ferro em Inglaterra (1740-1839) Fonte: Freeman e Louça (2001: 159), As time goes By...

8 8 Fonte: Freeman e Louçã (2001: 161), As time goes By... Gráfico 2 – Preço do ferro em Inglaterra

9 9 Quadro 2– Preços do carvão (xelins/tonelada) AnosPreços 1800 1810 1820 1830 1840 1850 46 38 31 26 22 16 Fonte: Freeman e Louçã (2001).

10 10 Anos$ por tonelada 1870 1875 1880 1885 1890 1893 1895 1898 107 69 68 29 32 28 24 18 Fonte: Freeman e Louçã (2001: 234) Quadro 3 – Preço do aço nos Estados Unidos

11 11 Os recursos naturais nas vagas de inovação K1 e K2 - problematizar o papel dos recursos naturais - Abundância destes recursos naturais pioneirismo em termos de crescimento económico - GB tinha vantagem pelas suas reservas mas... - A utilização do carvão não resultou da sua abundância, mas sim de transformações tecnológicas. - Difusão da máquina a vapor foi lenta não pela escassez de carvão mas pelas modificações que a sua utilização implicava ao nível da indústria têxtil. -Ferro: novas formas de fundição -Produtos sintéticos

12 12 Os recursos naturais nas vagas de inovação Terceiro Kondratiev (K3) Fase A:1896 – 1920 Fase B: 1920-1947 -Sector líder: indústria química, de material eléctrico e automóvel/ outros sectores: terciário. -Matérias-primas: ferro, aço, cobre, borracha, outros -Recurso energético: carvão e petróleo. -Energia: eléctrica (hidro e termo). - País líder: Estados Unidos. Catching-up: Japão, Rússia, Itália, etc.

13 13 Os recursos naturais nas vagas de inovação Quarto Kondratiev (K4) Fase A: 1947– 1973 Fase B: 1973-199.. -Sector líder: Bioquímica e electrónica / manutenção da importância das indústrias do K3. -Matérias-primas: produtos sintéticos -Recurso energético: petróleo; urânio -Energia: electricidade -País líder: Estados Unidos Catching-up: Portugal, Coreia do Sul, etc.

14 14 Gráfico 3 – Uso de electricidade nos Estados Unidos Fonte: Freeman e Louçã (2001: 228)

15 15 Gráfico 4 – Preço do cobre Fonte: Freeman e Louçã(2001: 241).

16 16 1880/841909/131925/291934/38 França Carvão Petróleo 3.26 23.64 4.5 17.33 5.33 23.96 6.01 8.92 Estados Unidos Carvão (betuminoso) Cravão(antracite) Petróleo (bruto) 1.21 2.04 4.56 1.24 2.19 3.58 2.15 5.86 7.25 2.02 4.45 5.22 Quadro 4 – Preços em dólares correntes por tonelada equivalente de carvão Fonte: Bairoch, Paul (2001: 215), Mitos e Paradoxos da História Económica.

17 17 DataReservas (10 6 ton)Reservas (nº anos) 1947947822 19501181022 19552596933 19604078837 19654768730 19718544234 197291376 (670 biliões de barris) 35 Quadro 5 - Reservas mundiais de petróleo

18 18 Os recursos naturais nas vagas de inovação K4 e K3 - problematizar o papel dos recursos naturais Produtos sintéticos ==> diminuição da importância das regiões exportadoras de recursos naturais Comércio Internacional: alteração das especializações produtivas Fonte energética: electricidade e sua mobilidade / novas formas de a produzir Crescente importância do petróleo ==> novas regiões inseridas no comércio internacional

19 19 Recursos naturais e CEM: um balanço - CEM ==> pressão sobre os recursos naturais (esgotamento / poluição) mas Progresso Tecnológico permite maior eficiência na sua utilização - Papel dos recursos naturais é diferente ao longo das vagas de inovação ==> contraste entre os K1 e K2 / K3 e K4 - Importância do comércio internacional - Alterações estruturais ==> alterações nos sectores líder (industrialização e terciarização)

20 20 Os recursos naturais e as assimetrias internacionais Gráfico 5 - Recursos Naturais vs PIB per cpaita Fonte: Weil, D. N., Economic Growth, 2005.

21 21 Quadro 6 – Produção e balança comercial de energia comercial (em milhões de toneladas equivalentes em carvão) Fonte: Paul Bairoch (2000: 95), Mitos e Paradoxos da História Económica. 19091929193719501973 Europa Ocidental Produção469,8728,7714,6507,3617,5 Balança Comercial 12,131,510,4- 67,0- 846,3 América Norte Produção527,8873,3847,41195,92453,6 Balança Comercial 3,715,333,48,7- 168,1 Papel dos países menos desenvolvidos na modernização: o fornecimento de matérias-primas

22 22 Quadro 7 – Produção e balança comercial dos principais minérios (milhares de toneladas de conteúdo de metal) Fonte: Paul Bairoch (2001: 99), Mitos e Paradoxos da História Económica.

23 23 Os recursos naturais e as assimetrias internacionais A dotação de recursos naturais tem importância diferente conforme o período em estudo ausência de correlação entre riqueza de recursos e níveis de produto per capita. Importância do comércio externo dos produtos naturais: baixa especialização produtiva (dutch disease) vs dependência económica. O contraste histórico entre finais do século 19 e finais do século 20 (matérias-primas energéticas / produtos sintéticos). No 4 e 5K: crescente importância da I&D para o crescimento económico abrindo oportunidades para mais países entrarem para o CEM, transformando o capital humao no factor estratégico.

24 24 Objectivos Compreender a relação entre CEM e a alteração na importância relativa dos recursos naturais. A relatividade temporal do conceito de reserva e dotação. Demonstrar que o CEM, na tendência, tornou a dotação de uma economia em recursos naturais uma variável menos determinante do seu desempenho. Enunciar os factores explicativos dessa tendência.


Carregar ppt "1 Parte I 2. Os motores de crescimento numa perspectiva de longo prazo AT 5 - A importância mutável dos recursos naturais Sumário 1 – Os Recursos naturais:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google