A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Processamento de Registos Listas e Estruturas DI/FCT/UNL 1º Semestre 2004/2005.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Processamento de Registos Listas e Estruturas DI/FCT/UNL 1º Semestre 2004/2005."— Transcrição da apresentação:

1 1 Processamento de Registos Listas e Estruturas DI/FCT/UNL 1º Semestre 2004/2005

2 2 Processamento de Registos Podemos agora considerar outro tipo de processamento de registos, que não envolve necessariamente a escrita de novos ficheiros, correspondente a: –Cálculo de totais e médias (de vencimentos, por exemplo) –Determinação de máximos e mínimos (de vencimentos, ou antiguidades) Vamos ilustrar estes problemas com programas para determinação dos vencimentos totais e médios dos empregados da empresa, bem como da determinação do empregado mais antigo. Em ambos os casos apenas apresentamos a versão para formato variável. De notar a instrução printf, que permite escrever no terminal mensagens formatadas (com os formatos usados em ficheiros).

3 3 Processamento de Registos O tratamento de vencimentos utiliza um contador (variável i) de registos lidos e uma variável (total) para determinação do total dos vencimentos (sendo a média igual ao quociente total/i). rem_sp("empresa_in_var.txt", "empresa_aux_var.txt"); [f_aux, msg] = fopen("empresa_aux_var.txt", "r"); [cod,nome, venc, data, count] = fscanf(f_aux,"%i%s%f%s","C"); i = 0; total = 0; while !feof(f_aux) i = i+1; total = total +venc; [cod,nome, venc, data, count] = fscanf(f_aux,"%i%s%f%s","C"); endwhile; printf("o total dos vencimentos é de %7.2f \n", total); printf("a média dos vencimentos é de %7.2f \n",total/i); fclose(f_aux); fclose(f_out);

4 4 Processamento de Registos O tratamento de datas, implica reconhecer quando uma data é anterior a outra, o que é feito com a função anterior que compara duas datas, sendo armazenada a data menor. rem_sp("empresa_in_var.txt", "empresa_aux_var.txt"); [f_aux, msg] = fopen("empresa_aux_var.txt", "r"); [cod,nome, venc, data, count] = fscanf(f_aux,"%i%s%f%s","C"); data_menor =01/01/2100; while !feof(f_aux) if anterior(data,data_menor) data_menor = data; endif; [cod,nome, venc, data, count] = fscanf(f_aux,"%i%s%f%s","C"); endwhile; printf("a entrada mais antiga foi em %s\n",data_menor); fclose(f_aux); fclose(f_out);

5 5 Processamento de Registos A comparação de datas é feita através da comparação dos seus anos, meses e dias, tendo o cuidado de converter as cadeias de caracteres em números. function d = anterior(data1,data2); % data no formato dd/mm/aaaa ano1 = str2num(substr(data1,7,4)); ano2 = str2num(substr(data2,7,4)); if ano1 ano2 d = 0; else mes1 = str2num(substr(data1,4,2)); mes2 = str2num(substr(data2,4,2)); if mes1 mes2 d = 0; else dia1 = str2num(substr(data1,1,2)); dia2 = str2num(substr(data2,1,2)); if dia1 < dia2 d = 1; else d = 0; endif; endfunction

6 6 Processamento de Registos Neste último caso, a informação transmitida não é muito interessante. Provavelmente estaremos mais interessados em saber quem é o empregado mais antigo, ou seja, qual o nome do empregado com data de entrada mais antiga. Este problema pode ser resolvido com uma pequena adaptação do código, guardando não só a data mais antiga como o nome while !feof(f_aux) if anterior(data,m_data) data_menor = data; antigo = nome endif; [cod,nome, venc, data, count] =... endwhile; printf("o empregado mais antigo é %s \n", antigo); printf("com data de entrada %s \n", data_menor);

7 7 Processamento de Registos Todos estes programas obrigam a ler um ficheiro, cada vez que se pretende responder a uma questão. No entanto, a leitura de ficheiros, mesmo em discos rápidos é tipicamente milhares de vezes mais lenta que a leitura a partir de dados em memória. Haverá pois vantagem em copiar um ficheiro de registos para memória e passar a responder às questões a partir de aí. Veremos como responder a esta questão em geral e, no caso do Octave, como tal poderá ser feitos com estruturas e listas.

8 8 Processamento de Informação Alfanumérica Podemos considerar que a informação dos ficheiros de registos corresponde a uma tabela. Esta tabela é constituída por uma sequência de registos, um em cada linha. Se toda a informação fosse numérica, isto é se cada registo tivesse n campos, ela poderia ser guardada numa matriz com m linhas, uma linha para cada registo de n posições. Em Octave, existe um problema: uma posição de uma matriz não pode ser ocupada por uma cadeia de caracteres!

9 9 Processamento de Informação Alfanumérica Desta forma a informação de uma tabela alfanumérica não pode ser guardada como uma matriz. Vamos ver como se podem ultrapassar estes problemas em Octave, fazendo-o em duas fases: –Como representar um registo heterogéneo, com vários campos de diferentes tipos, alguns alfanuméricos. –Como armazenar e aceder a vários destes registos heterogéneos.

10 10 Estruturas Vectores e Matrizes são muito úteis quando os dados são todos do mesmo tipo (no Octave, de qualquer tipo numérico). No entanto, em muitos casos, a informação que se pretende agrupar com um só identificador não é do mesmo tipo. Por exemplo, um empregado duma empresa pode ter associado a seguinte informação –Um código (um número?) –Um nome (uma cadeia de caracteres) –Um vencimento (um decimal) –Uma data de entrada (uma cadeia, ou 3 campos numéricos, para o dia, mês e ano)

11 11 Estruturas As várias linguagens de programação permitem o agrupamento destes dados heterogéneos, com um mesmo identificador de uma forma variada (records no Pascal, Struct em C,...) O Octave adopta uma designação semelhante à do C, denominando estes agrupamentos como estruturas. Consideremos pois o caso do empregado abaixo, em que gostaríamos de agregar toda a informação numa única variável, do tipo estrutura, que denotaremos como emp_610. emp_610 =

12 12 Estruturas As estruturas são compostas por vários campos, cada um com um nome. Na estrutura para representação da informação de empregados, consideraremos os campos abaixo, que guardam a informação esperada –cod: o código do empregado –nome: o nome do empregado –venc: o vencimento do empregado –data: a data de entrada do empregado na empresa. emp_610 =

13 13 Estruturas Uma vez definidos os nomes dos campos da estrutura, podemos atribuir-lhe os valores pretendidos. O acesso a um campo da estrutura é feito fazendo suceder ao nome da estrutura o nome do campo pretendido, separado por um ponto (.). Por exemplo, a atribuição dos 4 valores dos campos pode ser feita pelas seguintes atribuições: emp_610.cod = 610; emp_610.nome = Paulo Fernandes Lopes; emp_610.venc = ; emp_610.data=15/04/1996; emp_610 =

14 14 Estruturas De notar que os campos de uma estrutura não são ordenados, e podem ser preenchidos por qualquer ordem. Assim a estrutura que temos referido pode ser inicializada quer com a sequência de instruções empregado.data=15/04/1996; empregado.cod = 610; empregado.nome = Paulo Fernandes Lopes; empregado.venc = ; ou com outra sequência empregado.venc = ; empregado.cod = 610; empregado.data=15/04/1996; empregado.nome = Paulo Fernandes Lopes; emp_610 =

15 15 Estruturas Uma vez agrupados os vários items de informação numa só variável do tipo estrutura, podemos referir alguns campos depois de verificar outros. Por exemplo, dados vários empregados com o tipo referido, indicar qual o nome dos que ganham mais de 1000 euros. Na sintaxe do Octave, tal poderia ser feito através da instrução condicional if emp_610.venc > 1000 then disp(emp_610.nome) endif No entanto este tipo de processamento só é verdadeiramente útil se tivermos a possibilidade de aceder a todos os empregados de uma forma genérica.

16 16 Estruturas Por exemplo, se tivéssemos uma tabela com várias linhas, com códigos na primeira coluna e vencimentos na 2ª coluna, poderíamos apresentar os códigos dos empregados com vencimento superior a 1000 euros através da seguinte instrução iterativa: for i = 1:n if tabela(i,2) > 1000 then disp(tabela(i,1)) endif endfor; Por analogia, o que é necessário é poder aceder a uma sequência de (1 a n) estruturas do tipo da do empregado. Em Octave, essa sequência pode ser implementada através de listas.

17 17 Listas Uma lista é uma sequência de dados do mesmo tipo, simples ou complexo, para as quais estão definidas as operações de: Criação: list(elem_1, elem_2,..., elem_k) –Cria uma lista, com os elementos de 1 a k (ou uma lista vazia se k = 0) Acrescento: append(nome_lista,elem_1,...,elem_k) –Acrescenta os os elementos de 1 a k à lista com o nome indicado no 1º argumento Acesso: nth(nome_lista, k) –Acede ao k-ésimo elemento da lista. De notar que esse elemento pode ser uma estrutura arbitrariamente complexa.

18 18 Listas Para ilustrar estes conceitos, vamos ler um ficheiro com informação sobre empregados e criar uma lista com essa informação. A instrução principal consiste em criar uma estrutura, emp, e atribuir-lhe os valores lidos do ficheiro (a formatação dos campos é feita como anteriormente). [emp.cod, emp.nome, emp.venc, emp.data, count] = fscanf(f_aux,"%i%s%f%s","C"); Para além destas instruções, são necessárias instruções para inicializar a lista e para a ir acrescentando com os empregados lidos. O número de empregados também é computado.

19 19 Listas Eis o programa completo, que cria uma lista, tab_empregados, com a informação sobre os empregados inicialmente no ficheiro empresa_aux_var.txt. [f_aux, msg] = fopen("empresa_aux_var.txt", "r"); tab_empregados = list(); n = 0; [emp.cod,emp.nome,emp.venc,emp.data, count] = fscanf(f_aux,"%i%s%f%s","C"); while !feof(f_aux) n = n+1; tab_empregados = append(tab_empregados, emp); [emp.cod,emp.nome,emp.venc,emp.data, count] = fscanf(f_aux,"%i%s%f%s","C"); endwhile; fclose(f_aux);

20 20 Listas A partir deste momento, todo o processamento da informação sobre os empregados pode ser feito sem leitura do ficheiro, mas apenas por acesso à lista tab_empregados. Se já tiver sido lida a informação dos empregados para a lista tab_empregados, com n elementos, ela pode ser acedida directamente, sem necessidade de nova leitura do ficheiro. total = 0; for i = 1:n total = total + nth(tab_empregados,i).venc; endfor; printf("o total de vencimentos é %7.2f \n, total); printf( e a sua média é %7.2f \n", total/n);

21 21 Listas Igualmente se podem escrever o nome e vencimento dos empregados que ganham mais de 1000 euros, sem necessidade de leitura do ficheiro, mas apenas usando a mesma lista tab_empregados, com n elementos. printf("Lista de empregados com mais de 1000 : \n"); for i = 1:n emp = nth(tab_empregados,i); if emp.venc > 1000 printf("\t%s\t%7.2f\t\n",emp.nome,emp.venc); endif; endfor;

22 22 Estruturas e Listas em Funções Estruturas e listas podem ser retornadas como resultado de uma função. Por exemplo, a leitura de um ficheiro com o formato considerado pode ser feita pela função (que também retorna o número de elementos): function [t, n] = ler_tabela(ficheiro); [f_aux, msg] = fopen(ficheiro, "r"); tab_empregados = list(); n = 0; [emp.cod,emp.nome,emp.venc,emp.data, count] = fscanf(f_aux,"%i%s%f%s","C"); while !feof(f_aux) n = n+1; tab_empregados = append(tab_empregados, emp); [emp.cod,emp.nome,emp.venc,emp.data, count] = fscanf(f_aux,"%i%s%f%s","C"); endwhile; fclose(f_aux); t = tab_empregados; endfunction;

23 23 Ordenação de Registos Um outro problema igualmente importante é o da apresentação dos registos de acordo com uma determinada ordem. Por exemplo: –Apresentar uma listagem dos empregados por ordem alfabética; –Apresentar uma listagem dos empregados ordenados por antiguidade; Complementarmente, podem-se adicionar restrições: –Apresentar uma listagem, ordenada por ordem alfabética, dos empregados que tenham um vencimento superior a 1000 ; –Apresentar uma listagem, ordenada por antiguidade, dos empregados que tenham um vencimento superior a 1000 ; Em qualquer dos casos é importante saber ordenar os registos de acordo com um determinado critério. Vamos então descrever dois algoritmos simples de ordenação (insert sort e bubble sort) e depois mostrar como podem ser aplicados na ordenação de registos (guardados em listas).

24 24 Algoritmos de Ordenação: insert sort Suponhamos que queríamos ordenar o seguinte vector: v 0 = [12, 2, 9, 15, 10] Talvez a maneira mais intuitiva de o fazer seja através do algoritmo insert sort: –Começa-se por criar um vector v 1 apenas com o primeiro elemento de v 0 : v 1 = [12] –Acrescentam-se o restantes elementos, um a um, de modo a manter v 1 sempre ordenado: v 1 = [2, 12] v 1 = [2, 9, 12] v 1 = [2, 9, 12, 15] v 1 = [2, 9, 10, 12, 15] O problema fundamental deste algoritmo é como é que se faz para inserir um elemento numa lista ordenada.

25 25 Algoritmos de Ordenação: insert sort Para inserir um elemento numa lista ordenada podemos percorrer a lista do fim para o principio até se descobrir a posição que o elemento deve ocupar na ordenação. Ao percorrer a lista podemos ir chegando uma posição à direita todos os elementos maiores do que o novo elemento de modo a arranjar espaço para ele: function L = insert(L0,x) L=L0; n=length(L); for i=n:-1:1 if (L(i)

26 26 Algoritmos de Ordenação: insert sort A seguinte função insert_sort começa por criar um vector inicial apenas com o primeiro elemento da lista para ordenar e vai acrescentando todos os outros elementos, um a um, recorrendo à função insert: function L = insert_sort(L0) n=length(L0); L=[L0(1)]; for i=2:n L=insert(L,L0(i)); endfor endfunction

27 27 Algoritmos de Ordenação: bubble sort Um outro algoritmo de ordenação, um pouco mais sofisticado, é o bubble sort. –Suponhamos que queremos ordenar o vector: v 0 = [12, 2, 9, 15, 10] –Começa-se por percorrer o vector inicial (até ao penúltimo elemento) e trocar dois elementos sempre estiverem na ordem errada: v 1 = [2, 12, 9, 15, 10] [2, 9, 12, 15, 10] [2, 9, 12, 10, 15] –Agora, que garantidamente o último elemento do vector é o maior, repete-se o processo (para os elementos ainda não garantidamente ordenados) : v 1 = [2, 9, 12, 10, 15] [2, 9, 12, 10, 15] [2, 9, 10, 12, 15] v 1 = [2, 9, 10, 12, 15] [2, 9, 10, 12, 15] v 1 = [2, 9, 10, 12, 15]

28 28 Algoritmos de Ordenação: bubble sort O código Octave do algoritmo de ordenação bubble sort será então: function L = bubble_sort(L0) n=length(L0); L=L0; for k=n-1:-1:1 for i=1:k if L(i+1)

29 29 Algoritmos de Ordenação e Listas Os algoritmos de ordenação como o bubble sort e o insert sort podem ser utilizados para ordenar uma lista de registos se considerarmos vectores de índices. Por exemplo: –o vector [1, 2, 3, 4, 5] pode representar os cinco primeiros elementos de uma lista na sequência: 1º, 2º, 3º, 4º e 5º. –o vector [5, 4, 3, 2, 1] pode representar os mesmos cinco elementos mas por ordem inversa. Se t é uma lista de registos, nth(t,i) é o elemento de índice i No exemplo da lista de empregados, o código, nome, vencimento e data do empregado de índice i são respectivamente: –nth(t,i).cod –nth(t,i).nome –nth(t,i).venc –nth(t,i).data

30 30 Algoritmos de Ordenação e Listas Deste modo, a função listagem_nome_venc apresenta o nome e vencimento dos empregados de acordo com a ordenação dos índices representada no vector L: function listagem_nome_venc(t,L) n=length(L); for i=1:n printf("Nome: %-25s Vencimento: %7.2f \n,nth(t,L(i)).nome, nth(t,L(i)).venc); endfor; endfunction Assim, para obtermos uma listagem ordenada basta ordenar os índices e chamar a função listagem_nome_venc.

31 31 Algoritmos de Ordenação e Listas Para ordenar os índices pode-se usar um algoritmo de ordenação tendo o cuidado de redefinir a comparação entre dois elementos de acordo com o critério de ordenação que se pretende. Por exemplo, a função bubble_sort_list_cod usa o bubble sort para ordenar os índices existentes no vector L0 por ordem crescente do código do empregado: function L = bubble_sort_list_cod(t,L0) L=L0; n=length(L0); for k=n-1:-1:1 for i=1:k if nth(t,L(i+1)).cod < nth(t,L(i)).cod temp=L(i); L(i)=L(i+1); L(i+1)=temp; endif; endfor; endfunction

32 32 Algoritmos de Ordenação e Listas Para ordenar os índices pode-se usar um algoritmo de ordenação tendo o cuidado de redefinir a comparação entre dois elementos de acordo com o critério de ordenação que se pretende. A função bubble_sort_list_venc é idêntica à anterior mas ordena os índices existentes no vector L0 por ordem crescente do vencimento do empregado: function L = bubble_sort_list_venc(t,L0) L=L0; n=length(L0); for k=n-1:-1:1 for i=1:k if nth(t,L(i+1)).venc < nth(t,L(i)).venc temp=L(i); L(i)=L(i+1); L(i+1)=temp; endif; endfor; endfunction

33 33 Algoritmos de Ordenação e Listas Para ordenar os índices pode-se usar um algoritmo de ordenação tendo o cuidado de redefinir a comparação entre dois elementos de acordo com o critério de ordenação que se pretende. A função bubble_sort_list_data ordena os índices existentes no vector L0 por ordem crescente de antiguidade do empregado, e usa a função anterior para comparar duas datas: function L = bubble_sort_list_data(t,L0) L=L0; n=length(L0); for k=n-1:-1:1 for i=1:k if anterior(nth(t,L(i+1)).data,nth(t,L(i)).data)==1 temp=L(i); L(i)=L(i+1); L(i+1)=temp; endif; endfor; endfunction

34 34 Algoritmos de Ordenação e Listas Para ordenar os índices pode-se usar um algoritmo de ordenação tendo o cuidado de redefinir a comparação entre dois elementos de acordo com o critério de ordenação que se pretende. A função bubble_sort_list_nome ordena os índices existentes no vector L0 por ordem alfabética dos nomes dos empregados, e usa a função my_str_norm_before para comparar dois nomes: function L = bubble_sort_list_nome(t,L0) L=L0; n=length(L0); for k=n-1:-1:1 for i=1:k if my_str_norm_before (nth(t,L(i+1)).nome,nth(t,L(i)).nome)==1 temp=L(i); L(i)=L(i+1); L(i+1)=temp; endif; endfor; endfunction

35 35 Algoritmos de Ordenação e Listas Se além da ordenação estivermos também interessados em seleccionar apenas alguns registos, podemos previamente construir um vector apenas com os índices dos registos seleccionados. Por exemplo, a função select_venc cria um vector apenas com os índices de L0 cujos empregados tenham um vencimento superior a 1000 : function L = select_venc(t,L0) L=[]; j=0; n=length(L0); for i = 1:n if nth(t,L0(i)).venc > 1000 j=j+1; L(j)=L0(i); endif; endfor; endfunction Assim para obter apenas estes índices ordenados pelo nome do empregado bastaria: L=select_venc(t,L0); L=bubble_sort_list_nome(t,L)

36 36 Algoritmos de Ordenação e Listas Podemos agora dar resposta a cada uma das perguntas anteriores. Primeiro lê-se o ficheiro de texto para uma tabela: Para apresentar uma listagem dos empregados por ordem alfabética de nomes ou por antiguidade, teríamos que considerar todos os índices, ordená-los de acordo com o critério e apresentar os campos que queremos visualizar dos respectivos registos: L=[1:n]; L1=bubble_sort_list_nome(t,L);listagem_nome_venc(t,L1); L2=bubble_sort_list_data(t,L);listagem_nome_venc(t,L2); [t,n] = ler_tabela("empresa_aux_var.txt"); Se além disto estivermos apenas interessados nos empregados com um salário superior a 1000, temos que previamente seleccionar apenas os índices dos registos que satisfazem o critério: L=[1:n]; L=select_venc(t,L); L1=bubble_sort_list_nome(t,L);listagem_nome_venc(t,L1); L2=bubble_sort_list_data(t,L);listagem_nome_venc(t,L2);


Carregar ppt "1 Processamento de Registos Listas e Estruturas DI/FCT/UNL 1º Semestre 2004/2005."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google