A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Iracema Prof. Vanderlei MACHADO DE ASSIS Contos – UFRGS – 2010 Pai contra mãe O caso da vara Capítulo dos chapéus.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Iracema Prof. Vanderlei MACHADO DE ASSIS Contos – UFRGS – 2010 Pai contra mãe O caso da vara Capítulo dos chapéus."— Transcrição da apresentação:

1 Iracema Prof. Vanderlei MACHADO DE ASSIS Contos – UFRGS – 2010 Pai contra mãe O caso da vara Capítulo dos chapéus

2 Iracema Prof. Vanderlei REALISMO ANÁLISE PSICOLÓGICA VISÃO CRÍTICA FRENTE À BURGUESIA PESSIMISMO

3 Iracema Prof. Vanderlei CAPÍTULO DOS CHAPÉUS

4 Iracema Prof. Vanderlei Narrador – terceira pessoa 1879 – Rio de janeiro

5 Iracema Prof. Vanderlei MUSA, CANTA o despeito de Mariana, esposa do bacharel Conrado Seabra, naquela manhã de abril de > início de feitio épico x simplicidade dos dilemas vividos no texto Início do conto > Mariana pede ao marido para que ele abandone o chapéu baixo usado por Conrado há anos > estranha o pedido Mariana > metódica / casa em ordem / vida ordenada / Os hábitos mentais seguiam a mesma uniformidade. Mariana dispunha de mui poucas noções, e nunca lera senão os mesmo livros: - a Moreninha de Macedo, sete vezes; Ivanhoé e o Pirata de Walter Scott, dez vezes; o Mot de l'énigme, de Madame Craven, onze vezes. Seu pai (igualmente metódico) havia insinuado a mudança > havia visto o genro com homens de chapéus altos > símbolo de status

6 Iracema Prof. Vanderlei Conrado expõe a metafísica dos chapéus: A escolha do chapéu não é uma ação indiferente, como você pode supor; é regida por um princípio metafísico. Não cuide que quem compra um chapéu exerce uma ação voluntária e livre; a verdade é que obedece a um determinismo obscuro. (...) O princípio metafísico é este: - o chapéu é a integração do homem, um prolongamento da cabeça, um complemento decretado ab æterno; ninguém o pode trocar sem mutilação. É uma questão profunda que ainda não ocorreu a ninguém. (...) Quem sabe? Pode ser até que nem mesmo o chapéu seja complemento do homem, mas o homem do chapéu. Estética = essência

7 Iracema Prof. Vanderlei Mariana sentiu-se tomada de ódio contra essa peça ridícula; não compreendia como pudera suportá-la por tantos anos. (...) Chamava-se tola, moleirona; se tivesse feito como tantas outras, a Clara e a Sofia, por exemplo, que tratavam os maridos como eles deviam ser tratados, não lhe aconteceria nem metade nem uma sombra do que lhe aconteceu. Mariana visita a amiga Sofia > Era alta, forte, muito senhora de si. / mulher que controlava o marido – diz que seu marido atenderia a ordem de mudança de chapéu se ela o fizesse / Honesta, mas namoradeira. Sofia inventa a necessidade (nula) de ir ao dentista e ao fotógrafo

8 Iracema Prof. Vanderlei Passeio pela Rua do Ouvidor (concentração humana / moda / flâneur – espécie de caminhante dos centros urbanos) > caracterização da metrópole Agitação x tranqüilidade da vida de Mariana > incomodada Sofia = prática daqueles mares, transpunha, rasgava ou contornava as gentes com muita perícia e tranqüilidade. Chapéus = simbolizam homens / mulheres No dentista, elas encontram um ex-namorado de Mariana, Dr. Viçoso (vigoroso / belo): Tinha na mão um chapéu novo, alto, preto, grave, presidencial, administrativo, um chapéu adequado à pessoa e às ambições.

9 Iracema Prof. Vanderlei Mariana = constrangida durante a conversa Viçoso insinua-se a Mariana: Como falassem da esposa de um ministro, Sofia lembrou-se de ser agradável ao ex-presidente, declarando-lhe que era preciso casar também porque em breve estaria no ministério. Viçoso teve um estremeção de prazer, e sorriu, e protestou que não; depois, com os olhos em Mariana, disse que provavelmente não casaria nunca... Mariana enrubesceu muito e levantou-se. Sofia aceita o convite de ir à Câmara > Mariana angústia: E outra vez recordava a casa, tão quieta, com todas as cousas nos seus lugares, metódicas, respeitosas umas com as outras, fazendo-se tudo sem atropelo, e, principalmente, sem mudança imprevista.

10 Iracema Prof. Vanderlei Mariana reavalia o pedido feito ao marido: Tinha razão no pedido ao marido; mas era caso de doer-se tanto? era razoável o espalhafato? Certamente que as ironias dele foram cruéis; mas, em uma, era a primeira vez que ela lhe batera o pé, e, naturalmente, a novidade irritou-o. Retorno = alívio para Mariana: Depois de uma manhã inteira de perturbação e variedade, a monotonia trazia-lhe um grande bem, e nunca lhe pareceu tão deliciosa. Na verdade, fizera mal... Quis recapitular os sucessos e não pôde; a alma espreguiçava-se toda naquela uniformidade caseira. > rotina recuperada x tumulto da cidade Conrado chega com outro chapéu: Escuta uma coisa, respondeu ela com uma carícia divina, bota fora esse; antes o outro.

11 Iracema Prof. Vanderlei O CASO DA VARA

12 Iracema Prof. Vanderlei Narrado em terceira pessoa Não sei bem o ano, foi antes de > antes da lei Eusébio de Queirós > proibição do comércio internacional de escravos

13 Iracema Prof. Vanderlei Cena inicial > Damião havia fugido do seminário e pensa onde poderia buscar abrigo > casa do pai: este o devolveria ao seminário após castigo / padrinho João Carneiro: moleirão, o levara para o seminário - Vou pegar-me com Sinhá Rita! Ela manda chamar meu padrinho, diz-lhe que quer que eu saia do seminário... Talvez assim... Sinhá Rita era uma viúva, querida de João Carneiro; Damião tinha umas idéias vagas dessa situação e tratou de a aproveitar. > apesar das idéias vagas, o personagem percebe a possibilidade de ajuda Damião invade a casa de Sinhá Rita > vê um padre passando Sinhá Rita > ensinava rendas a crias da casa e de fora / Sinhá Rita tinha quarenta anos na certidão de batismo, e vinte e sete nos olhos. Era apessoada, viva, patusca, amiga de rir; mas, quando convinha, brava como diabo.

14 Iracema Prof. Vanderlei Damião pede ajuda a Sinhá Rita para sair do seminário > ela argumenta que ele deveria procurar seu padrinho > resposta de Damião: Meu padrinho? Esse é ainda pior que papai; não me atende, duvido que atenda a ninguém... – espécie de desafio > ninguém exclui a própria amante Não atende? interrompeu Sinhá Rita ferida em seus brios. Ora, eu lhe mostro se atende ou não... > ela aceita o desafio e manda um moleque chamar João Carneiro Damião conta uma piada > uma das aprendizes, Lucrécia, ri e é ameaçada por Sinhá Rita: se à noitinha a tarefa não estivesse pronta, Lucrécia receberia o castigo do costume.

15 Iracema Prof. Vanderlei Lucrécia: era uma negrinha, magricela, um frangalho de nada, com uma cicatriz na testa e uma queimadura na mão esquerda. Contava onze anos. Damião reparou que tossia, mas para dentro, surdamente, a fim de não interromper a conversação. > cicatrizes e tosse provavelmente provenientes dos castigos Damião decide apadrihá-la: se ela não acabasse o trabalho, ele partiria em sua defesa > ela rira por sua causa > sentimento nobre x possível de realização? João Carneiro atende ao chamado e ouve as exigências de Sinhá Rita > padrinho = dividido = indispor-se com a amante ou com o compadre? > Estava entre um puxar de forças opostas. Não lhe importava, em suma que o rapaz acabasse clérigo, advogado ou médico, ou outra qualquer cousa, vadio que fosse.

16 Iracema Prof. Vanderlei João Carneiro pensa em soluções absurdas: Deus do céu! um decreto do papa dissolvendo a Igreja, ou, pelo menos, extinguindo os seminários, faria acabar tudo em bem. João Carneiro voltaria para casa e ia jogar os três-setes. / pensa mesmo na morte do menino João Carneiro manda um bilhete > o negócio não estava encaminhado, mas no dia seguinte insistiria com o compadre > ele conclui dizendo que Damião deveria ir para a sua casa Resposta de sinhá Rita: Joãozinho, ou você salva o moço, ou nunca mais nos vemos. > forma de mostrar sua força sobre o homem Chegada a hora de recolher os trabalhos de renda, Lucrécia ainda não havia terminado o seu > castigo

17 Iracema Prof. Vanderlei Sinhá Rita persegue-a pela casa > arrasta-lhe pela orelha > Sinha Rita pede para que Damião alcançasse uma vara Dilema de Damião > cumprir sua palavra x agradar aquela que o auxiliava: Damião ficou frio... Cruel instante! Uma nuvem passou-lhe pelos olhos. Sim, tinha Jurado apadrinhar a pequena, que por causa dele, atrasara o trabalho... Lucrécia pede ajuda: Me acuda, meu sinhô moço! Sinhá Rita, com a cara em fogo e os olhos esbugalhados, instava pela vara, sem largar a negrinha, agora presa de um acesso de tosse. Damião sentiu-se compungido; mas ele precisava tanto sair do seminário! Chegou à marquesa, pegou na vara e entregou-a a Sinhá Rita. > o interesse individual sobrepõe-se

18 Iracema Prof. Vanderlei PAI CONTRA MÃE

19 Iracema Prof. Vanderlei Narrado em terceira pessoa Diálogos do narrador x leitor / comentários pessoais do narrador (Chegou o oitavo mês, mês de angústias e necessidades, menos ainda que o nono, cuja narração dispenso também. / Tinha já insinuado aquela solução, mas era a primeira vez que o fazia com tal franqueza e calor,-- crueldade, se preferes.) Rio de Janeiro

20 Iracema Prof. Vanderlei Início do conto > espécie de ensaio sobre a questão escravidão / situação do escravo > o narrador comenta as práticas utilizadas > ferro ao pescoço / máscara de folha de flandres Ironia: Era grotesca tal máscara, mas a ordem social e humana nem sempre se alcança sem o grotesco, e alguma vez o cruel. / Há meio século, os escravos fugiam com freqüência. Eram muitos, e nem todos gostavam da escravidão. Sucedia ocasionalmente apanharem pancada, e nem todos gostavam de apanhar pancada. Mas não cuidemos de máscaras. > o narrador muda o foco explorado até então

21 Iracema Prof. Vanderlei Candido Neves > 30 anos / não se mantinha por muito tempo nos empregos: tipografia, comércio, entalhador, Fiel de cartório, contínuo de uma repartição anexa ao Ministério do Império, carteiro e outros empregos foram deixados pouco depois de obtidos. Clara > órfã / vivia com uma tia, Mônica / buscava pretendentes (peixes) para o casamento Tia Mônica > costureira / amiga de patuscadas (permite o casamento > festa) Candido Neves (doce / claro) / Clara (clara) X Prender escravos = sustento

22 Iracema Prof. Vanderlei Dificuldades financeiras x desejo de ter um filho > Nossa Senhora nos dará de comer, acudiu Clara. Gravidez de Clara = maior dedicação de Clara à costura Prazer para Cândido: Pegar escravos fugidos trouxe-lhe um encanto novo. Não obrigava a estar longas horas sentado. Só exigia força, olho vivo, paciência, coragem e um pedaço de corda. > mudança de emprego = desnecessária a especialização Um dia os lucros entraram a escassear. (...) Como o negócio crescesse, mais de um desempregado pegou em si e numa corda, foi aos jornais, copiou anúncios e deitou-se à caçada. > reflexo da situação social

23 Iracema Prof. Vanderlei Feto crescia x falta de dinheiro / ameaças e posterior despejo Tia Mônica sugere a Roda dos Enjeitados > espécie de roda fixada através de uma parede onde crianças indesejadas eram abandonadas > encontradas principalmente em hospitais Cândido = indignado com a sugestão x aparente aceitação de Clara Cândido ainda tenta encontrar uma escrava que lhe daria a recompensa de 100 mil réis > Arminda > não a encontra

24 Iracema Prof. Vanderlei Cândido = não consegue ajuda e decide aceitar a roda Cândido leva o filho: Ao entrar na Rua da Guarda Velha, Cândido Neves começou a afrouxar o passo. - Hei de entregá-lo o mais tarde que puder, murmurou ele. > forma de permanecer um pouco mais com o filho Cândido encontra Arminda > deixa o filho numa farmácia (onde obtivera anteriormente algumas informações da escrava) e parte em sua perseguição Arminda é capturada > argumenta: - Estou grávida, meu senhor! exclamou. Se Vossa Senhoria tem algum filho, peço-lhe por amor dele que me solte; eu serei tua escrava, vou servi-lo pelo tempo que quiser. Me solte, meu senhor moço! Cândido: - Você é que tem culpa. Quem lhe manda fazer filhos e fugir depois? perguntou Cândido Neves. > sem moral para cobrar Conflito explica o título do conto: pai x mãe > ambos têm os mesmos motivos

25 Iracema Prof. Vanderlei Arminda é levada para seu senhor, que paga a recompensa a Cândido Aborto: Arminda caiu no corredor. Ali mesmo o senhor da escrava abriu a carteira e tirou os cem mil-réis de gratificação. Cândido Neves guardou as duas notas de cinqüenta mil-réis, enquanto o senhor novamente dizia à escrava que entrasse. No chão, onde jazia, levada do medo e da dor, e após algum tempo de luta a escrava abortou. Cândido retoma o filho e leva-o de volta para casa > Tia Mônica, ouvida a explicação, perdoou a volta do pequeno, uma vez que trazia os cem mil-réis. Disse, é verdade, algumas palavras duras contra a escrava, por causa do aborto, além da fuga. Cândido Neves, beijando o filho, entre lágrimas, verdadeiras, abençoava a fuga e não se lhe dava do aborto. -Nem todas as crianças vingam, bateu-lhe o coração. > falta de sensibilidade do personagem > relação com a ordem social a base de crueldade


Carregar ppt "Iracema Prof. Vanderlei MACHADO DE ASSIS Contos – UFRGS – 2010 Pai contra mãe O caso da vara Capítulo dos chapéus."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google