A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Firewall Iptables Professor: João Paulo de Brito Gonçalves.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Firewall Iptables Professor: João Paulo de Brito Gonçalves."— Transcrição da apresentação:

1 Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Firewall Iptables Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

2 Os firewalls existem no Linux desde o kernel 1.1, com o ipfw, originário do BSD. Os firewalls existem no Linux desde o kernel 1.1, com o ipfw, originário do BSD. Esse filtro era userspace, ou seja, rodava como um programa comum no sistema, similarmente ao BIND (servidor de nomes). Esse filtro era userspace, ou seja, rodava como um programa comum no sistema, similarmente ao BIND (servidor de nomes). Com o kernel 2.0 veio o ipfwadm, que ainda era uma ferramenta userspace e controlava as regras de filtragem do kernel. Com o kernel 2.0 veio o ipfwadm, que ainda era uma ferramenta userspace e controlava as regras de filtragem do kernel. Na versão 2.2 do kernel, veio o ipchains (ainda presente em algumas distribuições) e em 1999, veio o iptables 2, presente a partir do kernel Na versão 2.2 do kernel, veio o ipchains (ainda presente em algumas distribuições) e em 1999, veio o iptables 2, presente a partir do kernel Iptables -Introdução

3 O iptables é um firewall nativo do Linux e que faz parte do seu kernel e por isto tem um desempenho melhor que firewalls instalados como aplicações. Com isso, ele é bastante seguro e rápido. O iptables é um firewall nativo do Linux e que faz parte do seu kernel e por isto tem um desempenho melhor que firewalls instalados como aplicações. Com isso, ele é bastante seguro e rápido. Iptables -Introdução

4 No iptables, existem tabelas de filtragem (chains), e três delas são básicas e não podem ser apagadas: INPUT, OUTPUT e FORWARD. A chain INPUT trata dos pacotes de entrada, aqueles que chegam da rede. A chain OUTPUT trata dos pacotes de saída, aqueles que vão para a rede. E finalmente a chain FORWARD trata do encaminhamento de pacotes, ou seja, roteamento. Cadeias e políticas-padrão

5

6 Roteador Comandos do Iptables iptables -A adiciona uma nova regra ao fim da lista de regras iptables -P muda a política padrão de uma cadeia, de forma que todo pacote desta cadeia ficará sujeito a esta política, caso não exista nenhuma regra anterior que se aplique a mesma. iptables -D apaga uma regra específica da lista iptables -L lista as regras existentes na lista. iptables -F remove todas as entradas adicionadas na lista de regras do iptables

7 Roteador Alvos das regras iptables -I Insere uma nova regra ao início da lista de regras -j – define o alvo do pacote caso o mesmo se encaixe em uma regra. As principais ações são ACCEPT, DROP, REJECT. ACCEPT aceita o pacote REJECT rejeita educadamente o pacote, enviando um pacote de resposta ao emissor. DROP o pacote simplesmente é descartado, sem aviso. LOG Permite fazer log dos pacotes que se encaixam na regra.

8 Parâmetros para a filtragem de pacotes -p – especifica o protocolo aplicado à regra. Se enquadra aos protocolos da camada de transporte, como tcp, udp e icmp Ex: iptables - A INPUT –p tcp –j ACCEPT

9 Parâmetros para a filtragem de pacotes -s – especifica a origem (source) do pacote ao qual a regra deve ser aplicada. A origem pode ser um host ou uma rede. Nesta opção geralmente utilizamos o IP seguido de sua sub-rede: Ex: iptables –A INPUT –s –j DROP iptables –A INPUT –s –j ACCEPT Este comando descarta todo pacote de entrada vindo da origem O segundo comando aceita todo pacote de entrada vindo da origem

10 Parâmetros para a filtragem de pacotes -d – especifica o destino do pacote (destination) ao qual a regra deve ser aplicada. Sua utilização se dá da mesma maneira que a ação –s. Ex: iptables –A OUTPUT –d –j DROP iptables –A OUTPUT –d –j ACCEPT Este comando descarta todo pacote de saída com destino à máquina O segundo comando aceita todo pacote de saída com destino à máquina

11 Parâmetros para a filtragem de pacotes -i – especifica a interface de entrada a ser utilizada e como um Firewall possui mais de uma interface esta regra acaba sendo muito importante para distinguir a qual interface de rede o filtro deve ser aplicado. Ex: iptables –A INPUT –i eth0 –j DROP O comando permite que todo pacote que entra pela interface eth0 seja selecionado para ser descartado pelas regras do firewall.

12 Parâmetros para a filtragem de pacotes -o – especifica a interface de saída a ser utilizada e se aplica da mesma forma que a regra –i, mas este parâmetro é menos usado, pois normalmente nos preocupamos em impedir que o firewall aceite conexões em determinadas portas, ao invés de tentar interceptar as respostas. Ex: iptables –A FORWARD –o eth0 –j DROP O comando permite que todo pacote que sai pela interface eth0 seja selecionado para ser descartado pelas regras do firewall.

13 Parâmetros para a filtragem de pacotes --sport – porta de origem (source port). Com esta regra é possível aplicar filtros com base na porta de origem do pacote. Ex: iptables –A INPUT –p tcp –-sport 22 –j DROP O comando permite que todo pacote de entrada usando o protocolo TCP e com origem na porta 22 seja descartado.

14 Parâmetros para a filtragem de pacotes --dport – porta de destino (destination port) especifica a porta de destino do pacote e funciona de forma similar à regra sport. iptables –A OUTPUT –p tcp –-dport 22 –j DROP O comando permite que todo pacote de saída usando o protocolo TCP e com destino na porta 22 seja descartado.

15 Parâmetros para a filtragem de pacotes -m mac --mac-source – é a regra que permite especificar endereços MAC dentro de regras do iptables. Ele é uma forma de dificultar o uso de endereços IP falseados para ganhar acesso ao servidor, pois permite relacionar o IP ao endereço MAC da placa instalada. Não é 100% eficaz pois o endereço MAC pode ser trocado via ifconfig e ele não é válido para a camada de rede, ou seja, quando sai da rede local, ele é descartado. iptables -A INPUT –p tcp --dport 22 –m mac --mac- source 00:1B:24:46:29:88 –j DROP

16 Parâmetros para a filtragem de pacotes Comando faz com que qualquer pacote de entrada com destino na porta 22 advindo da máquina que possua MAC 00:1B:24:46:29:88 seja descartado. iptables -A INPUT –p tcp --dport 22 –m mac -- mac-source 00:1B:24:46:29:88 –j REJECT Comando faz com que qualquer pacote de entrada com destino na porta 22 advindo da máquina que possua MAC 00:1B:24:46:29:88 seja rejeitado.

17 Parâmetros para a filtragem de pacotes multiport - com o modulo multiport é possível que especifiquemos múltiplas portas a serem afetadas pela regra, sob o limite máximo de 15. EX: iptables –A INPUT –p tcp –i eth0 –m multiport –-dport 80,25,53,110 –j DROP Este comando indica em uma só regra por via de multiport que o firewall descartará (-J DROP) qualquer pacote que entre pela interface eth0 (-i eth0) destinado às portas 80,25, 53, 110.

18 Bloqueando domínios É possível ainda permitir ou bloquear com base no domínio, tanto para entrada como para saída. Isto permite bloquear sites e programas diretamente a partir do firewall, sem precisar instalar um servidor Squid e configurá-lo. Iptables –A OUTPUT –d –j DROP O comando impede que pacotes de saída destinados ao domínio sejam enviados, ou seja, impede que o domínio seja acessado a partir da própria máquina local. Originalmente o iptables sabia trabalhar apenas com endereços IP. A possibilidade de criar regras baseadas em domínios são um recurso um pouco mais recente, onde o firewall faz um lookup no domínio, para saber qual o IP atual.

19 Salvando as regras criadas no Firewall Toda regra criada no Iptables fica gravada em memória RAM, sendo posteriormente apagada quando o sistema é ligado ou reiniciado. Para que o administrador de redes não seja obrigado a ter que refazer todas as regras de firewall sempre que o sistema é ligado, existe um comando do iptables que possibilita que salvemos as regras criadas em um arquivo, que depois pode ser usado para restaurar as regras no firewall. Para então salvar as regras criadas em um arquivo, devemos usar o comando: iptables-save > nome_do_arquivo

20 Salvando as regras criadas no Firewall Após isto, o arquivo criado terá todas as regras do firewall criadas. Em uma próxima ocasião quando o sistema for reiniciado, as regras podem ser restauradas através do comando iptables-restore < nome_do_arquivo Este comando acessará o arquivo e colocará em memória todas as regras que estavam gravadas no arquivo.

21 Roteamento no Linux O roteamento em um sistema Linux é nativo do kernel, ou seja, ao iniciar o serviço de rede, o kernel já ativou o roteamento de pacotes. O serviço roda inicialmente de uma forma local, roteando apenas os pacotes da própria máquina. Para que o kernel possa rotear pacotes de outras máquinas é preciso dizer que ele deve fazer isso, que é feito inserindo o valor 1 no arquivo /proc/sys/net/ipv4/ip_forward.

22 Verificando o valor de ip_forward # cat /proc/sys/net/ipv4/ip_forward Mudando o valor de ip_forward # echo 1 > /proc/sys/net/ipv4/ip_forward Verificando o novo valor de ip_forward # cat /proc/sys/net/ipv4/ip_forward Também é possível fazer isso, e de uma forma mais adequada, editando-se o arquivo /etc/sysctl.conf. Roteamento no Linux


Carregar ppt "Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Firewall Iptables Professor: João Paulo de Brito Gonçalves."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google