A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IPv6 (Parte 1: Protocolo e Serviços Básicos)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IPv6 (Parte 1: Protocolo e Serviços Básicos)"— Transcrição da apresentação:

1 IPv6 (Parte 1: Protocolo e Serviços Básicos)
Edgard Jamhour

2 PREVISÃO DE ESGOTAMENTO
Problemas do IP Versão 4 Crescimento do IPv4 07/ milhões de hosts 01/ milhões de hosts IPv4 permite endereçar 32 bilhões de hosts. PREVISÃO DE ESGOTAMENTO = 1994

3 Previsão do Esgotamento IPv4
A análise da alocação de endereços IPv4 é feita em blocos /8 Todo o espaço de endereçamento da Internet pode ser dividido em 256 blocos /8.

4 Distribuição da Alocação
Uma parte dos endereços não pode ser utilizada no modo unicast. Endereços podem ter sido atribuídos, mas ainda não anunciados pelo BGP

5 Crescimento da Alocação IPv4
(www.nro.net)

6 Alocação de Endereços IPv6
(www.nro.net)

7 Previsão de Esgotamento
Novas alocações da IANA: 2012 Esgotamento de todos os endereços já alocados: 2018

8 Soluções Alternativas
Esgotamento do espaço de endereçamento pelo uso de classes. CIDR (Classless Inter Domain Routing) Reduziram a pressão por IP´s mas aumentam em demasia as tabelas de roteamento dos backbones na Internet. Endereços IPv4 privados podem ser utilizados apenas por clientes. Novas aplicações estão aumentando a necessidade de mais endereços IPv4 para servidores.

9 Problemas de Arquitetura
Conhece apenas as rotas no interior do AS /24 Conhece todas as rotas da Internet CPE CPE EGP A B F G E H IGP IGP C I D J SISTEMA AUTÔNOMO 1 SISTEMA AUTÔNOMO 2 L prefixo: /16 prefixo: /16 M /24

10 Crescimento das Entradas BGP

11 Exemplo de Roteador de Borda
Roteadores de borda atuais precisam suportar aproximadamente: rotas (junho 2007) Mais 50% para rotas privadas de clientes A fim de processar essas rotas sem grande atraso na propagação dos pacotes os roteadores precisam: Muita memória de acesso rápido Alta capacidade de processamento Roteadores com essa capacidade podem ter custos superiores a U$ 50K.

12 IPv6 IPv6: Internet Protocolo, versão 6. Características:
Também denominado IPng (ng: next generation) Características: Endereçamento hierárquico, baseados em prefixos, permite manter as tabelas de roteamento pequenas e roteamento eficiente no backbone. Mecanismos de autoconfiguração de interfaces de rede. Suporte ao encapsulamento de si mesmo e dos outros protocolos.

13 Características do IPv6
4. Classe de serviço para distinguir o tipo de dados. 5. Suporte a roteamento multicast aperfeiçoado. 6. Autenticação e criptografia embutidas. 7. Métodos de transição para migrar para IPv4. 8. Métodos de compatibilidade para coexistir e comunicar com IPv4.

14 Datagrama IPv6 IPv6 utiliza um formato de datagrama completamente diferente do IPv4. O cabeçalho do IPv6 é composto de duas partes: um cabeçalho de tamanho fixo zero ou mais cabeçalhos de extensão Cabeçalho Base Cabeçalho Extensão ... Cabeçalho Extensão Dados IPv6 tamanho fixo tamanho fixo ou variável Cabeçalho Com todos as funções DADOS IPv4

15 Cabeçalho IPv6 A figura abaixo mostra a porção fixa do cabeçalho IP.
O cabeçalho IPv6 tem menos campos que o IPv4 No total, o IPv6 utiliza um cabeçalho de 40 bytes. byte 1 byte 2 byte 3 byte 4 Version Byte DS Flow Label Payload length Next Header Hop Limit Source Address (16 bytes) Destination Address (16 bytes)

16 Cabeçalho IPv6 Version (4 bits) IPv4 IPv6 Contém o número fixo 6.
Será utilizado pelos roteadores e demais hosts para determinar se eles podem ou não transportar o pacote. IPv4 IPv6 O roteador analisa o campo de versão para determinar como o restante do cabeçalho deve ser interpretado.

17 Cabeçalho IPv6 O campo TOS (8bits) foi renomeado para:
byte DS. Este campo é formado da seguinte maneira: DSCP (Differentiated Services CodePoint) 6 bits (classe de tráfego para o pacote) ECN: Explicit Congestion Notification (experimental) 2 bits (reservado) BYTE DS DSCP (6 bits) ENC (2 bits)

18 No IPv6 os roteadores podem diferenciar as conexões.
Controle de Fluxo Flow Label (20 bits) Permite identificar 1 milhão de conexões entre 2 pares de IP. Permite controlar a banda associada a uma conexão. O tratamento dado a uma conexão deverá ser pré-definido em cada roteador que participar da rota do datagrama, previamente a comunicação. No IPv6 os roteadores podem diferenciar as conexões. FL=1 IPB IPA FL=2

19 Cabeçalho IPv6 Payload Lenght (16 bits) Next Header (8bits)
Indica quantos bytes seguem o cabeçalho fixo de 40 bytes. O valor é zero no caso do jumbograma. Next Header (8bits) Se houver cabeçalhos de extensão, indica o seu tipo. Atualmente são definidos 6 tipos de cabeçalho de extensão Se não houverem, indica o cabeçalho de transporte. Hop Limit (8 bits) Equivalente ao Time to Live do IPv4.

20 Cabeçalhos de Extensão
6 tipos de cabeçalhos de extensão estão definidos atualmente: Hop-by-hop options (0): informações para analisadas pelos roteadores Routing (43) rota completa ou parcial que a mensagem deve seguir Fragmentation (44) Gerenciamento de fragmentos de datagrama Authentication (51) Verificação da identidade do transmissor Encrypted security payload (50) Informação sobre o conteúdo criptografado Destination options (60) Analisadas apenas pelos computadores. Sem próximo cabeçalho (59)

21 Comparação com IPv4 Os seguintes campos do IPv4 foram eliminados do cabeçalho básico IPv6: Identificação, Flags de Fragmentação e Deslocamento de Fragmento. O TCP tende a eliminar a fragmentação de datagramas. Quando necessário pode ser definido num cabeçalho de extensão. O IPv6 especifica uma MTU de 576 bytes ou mais. Checksum de Cabeçalho Eliminado para reduzir a carga na CPU dos roteadores. Pode ser implementado pelo TCP ou pelo cabeçalho de autenticação. Tipo de Serviço (TOS) Substituído pelo conceito de fluxo

22 Cabeçalhos de Extensão
Os datagramas IPv6 podem ter 0 ou vários cabeçalhos de extensão, conforme mostra o exemplo abaixo: cabeçalho base NEXT = IPv6 (41) Cabeçalho IPv6 cabeçalho base NEXT = TCP segmento TCP cabeçalho base NEXT = ROUTE cabeçalho ROUTE NEXT=TCP segmento TCP cabeçalho base NEXT = ROUTE cabeçalho ROUTE NEXT=AUTH cabeçalho AUTH NEXT=TCP segmento TCP

23 Hop-by-hop Header Define opções sobre o datagrama transportado, que todos os roteadores devem analisar (todos os nós IPv6, incluindo o destino). Formato dos cabeçalhos de extensão: T-L-V (Type – Length – Value) Tamanho variável Type (8 bits): XX – Y – ZZZZZ XX: indica como um nó IPv6 que não reconhece a opção deve proceder. Ignorar, Descartar em Silêncio, Descartar enviando ICMP Y: se a opção muda ou não ao longo do trajeto . Se muda, não incluir no checksum ZZZZZ: bits que definem a opção E.G. Exemplo de opção: 194 (Jumbograma) Suportar datagramas com mais de 64K

24 Exemplo: Jumbograma indica o tipo de cabeçalho de extensão (hop by hop) indica o tamanho do cabeçalho de extensão (menos 8 bytes que são mandatários) indica a opção “jumbograma” 1 byte 1 byte 1 byte 1 byte Next Header 194 4 Tamanho do campo valor, em bytes. Jumbo payload length tamanho do datagrama, valor superior a 64k (até 4 Gbytes)

25 Destination Options Header
Permite passar informações que devem ser interpretadas apenas pelo destinatário. É destinado para suportar o desenvolvimento de novos softwares sem causar problemas com os roteadores existentes. Essa opção permitirá a criação flexível de novos protocolos de roteamento (para os roteadores) e novos protocolos entre usuários finais. 1 byte 1 byte 2 bytes Next Header Length opcoes opcões seqüência de opções individuais.

26 Routing Header Indica um ou mais roteadores que devem compor o caminho do pacote até o destinatário. o caminho completo pode ser especificado (strict routing) o caminho parcial pode ser especificado (loose routing) Número de saltos restantes (máximo de 23) 1 byte 1 byte 1 byte 1 byte Próximo Cabeçalho Tamanho do Cabeçalho Tipo (0) Endereços Restantes indica se cada endereço pertence a uma rota “strict” ou “loose”. Bit map 1 – 24 endereços

27 Roteamento strict routing B D C E A B D loose routing C E A 3-ABCDE
2-ACE 1-ACE C 1-ACE E A 2-ACE 0-ACE 3-ACE-111

28 Datagram Identification
Fragmentation Header A fragmentação no IPv6 funciona de maneira similar ao IPv4. Ao contrário do IPv4, o IPv6 só permite efetuar a fragmentação na origem. Os roteadores não podem fragmentar os pacotes. Se o pacote for muito grande para ser colocado num quadro, ele é descartado pelo roteador e uma mensagem ICMP é enviada de volta ao cliente. 1 byte 1 byte 13 bits 1 bit 1 bit indica se é o último fragmento ou não. Next Header Reservado Fragment Offset res MF Datagram Identification indica a posição do fragmento (múltiplo de 8 bytes).

29 Autenticação e Criptografia
A especificação do IPv6 determina que as extensões de segurança IPsec são mandatórias. Essas extensões de segurança permitem: Autenticar quem enviou o pacote para o receptor. Gerenciar a criptografia dos dados. Adicionalmente, o IPsec determina a utilização do IKE (Internet Key Exchange) para criação automática de associações de segurança entre hosts IPv6.

30 Tipos de IPSec IP Autentication Header (AH)
Protocolo 51 Oferece recursos de: Autenticação Integridade IP Encapsulating Security Payload (ESP) Protocolo 50 Confidencialidade

31 Protocolo AH Definido pelo protocolo IP tipo 51
Utilizando para criar canais seguros com autenticação e integridade, mas sem criptografia. Permite incluir uma “assinatura digital” em cada pacote transportado. Protege a comunicação pois atacantes não conseguem falsificar pacotes assinados.

32 AH e Modo Túnel e Modo Transporte
IPv6 IP TCP/UDP DADOS IP Normal IPv6 com autenticação IP AH TCP/UDP DADOS Modo Transporte IPv6com autenticação e tunelamento IP AH IP TCP/UDP DADOS Modo Tunel Especifica os Computadores Especifica os Gateways nas Pontas do Tunnel

33 Authentication Header
Provê serviços de autenticação e Integridade de Pacotes. 1 byte 1 byte 1 byte 1 byte Next Header Length reserved reserved SPI: Security Parameter Index Sequence Number Authentication Data (ICV: Integrity Check Value) Campo de Tamanho Variável, depende do protocolo de autenticação utilizado

34 Authentication Header
Permite identificar para o receptor de um datagrama quem foi que o enviou. Length: comprimento do cabeçalho em múltiplos de 32. Security Parameter Index: identificador de 32 bits, com a SA compartilhada pelo transmissor e pelo receptor. Authentication Data: Checksum de 32 bits gerado pelo MD5 (ou outro protocolo) 1 byte 1 byte 1 byte 1 byte Next Header Length reserved reserved Security Parameter Index Authentication Data More Data

35 Campos do IPsec AH Next Header: Length: Security Parameter Index:
Código do protocolo encapsulado pelo IPsec, de acordo com os códigos definidos pela IANA (UDP, TCP, etc ...) Length: comprimento do cabeçalho em múltiplos de 32. Security Parameter Index: identificador de 32 bits, com a SA compartilhada pelo transmissor e pelo receptor. Authentication Data: Código de verificação de integridade (ICV) de tamanho variável, depende do protocolo utilizado.

36 Authentication Data Para enviar um pacote:
O transmissor constrói um pacote com todos os campos IP e protocolos das camadas superiores. Ele substitui todos os campos que mudam ao longo da transmissão com 0’s (por exemplo, o TTL) O pacote é completado com 0’s para se tornar múltiplo de 16 bits. Um checksum criptográfico é computado para concatenação: Algoritmos: HMAC-MD5 ou HMAC-SHA-1 MAC: Message Authentication Code

37 Algoritmo de Integridade
Autenticação Para receber um pacote: O receptor utiliza o SPI para determinar qual o algoritmo a ser utilizado para validar o pacote recebido. O receptor substitui os campos mutáveis por “0” e calcula o checksum criptográfico do pacote. Se ele concordar com o checksum contido no cabeçalho do pacote de autorização, ele é então aceito. Algoritmo de Integridade ICV iguais? IP AH TCP/UDP DADOS ICV

38 HMAC h = função de hashing (MD5 ou SHA1) k = chave secreta
ipad = 0x opad = 0x5c5c5 ... c5c5c

39 Security Association Uma vez definida uma política comum a ambos os computadores, uma associação de segurança (SA) é criada para “lembrar” as condições de comunicação entre os hosts. Isso evita que as políticas sejam revistas pelo IPsec a cada novo pacote recebido ou transmitido. Cada pacote IPsec identifica a associação de segurança ao qual é relacionado pelo campo SPI contido tanto no IPsec AH quanto no IPsec ESP.

40 Associação de Segurança
SA: Associação de Segurança Contrato estabelecido após uma negociação que estabelece como uma comunicação IPsec deve ser realizada. Algoritmo de Autenticaçã/Criptografia Chave de Sessão SPI: Secure Parameter Index Número inteiro (32 bits) que identifica um SA. É transmitido junto com os pacotes IPsec para permitir ao destinatário validar/decriptografar os pacotes recebidos.

41 Security Association (SA)
Dois computadores podem possuir um conjunto amplo de políticas para transmissão e recepção de pacotes. É necessário encontrar uma política que seja comum ao transmissor e ao receptor. Eu transmito para qualquer rede sem IPsec Eu transmito para qualquer rede em IPsec AH MD5 Eu aceito pacotes de qualquer rede em com IPsec AH MD5 A B Eu transmito para qualquer rede em IPsec AH MD5 Eu transmito para qualquer rede em IPsec AH SHA1 Eu aceito pacotes de qualquer rede em com IPsec AH MD5 Eu aceito pacotes de qualquer rede em com IPsec AH SHA1

42 Campos do IPsec AH Host A Host B Sequence Number:
Numero incremental, que começa a contagem quando o SA é criada. Permite que apenas pacotes sejam transmitidos na mesma SA. Após esse número, uma nova SA deve ser criada. negociam SA e definem SPI SPI=deAparaB SPI=deBparaA SPI=deBparaA SPI=daAparaB. SPI=deAparaB e SN=1 Host A Host B SPI=deAparaB e SN=2 SPI=deBparaA e SN=1 ...

43 Quando transmitir para B use SPI=5
Transmissão dos Dados IP AH DADOS SPI=5 assinatura Algo SHA1 comparação IP AH DADOS SPI=5 assinatura Algo SHA1 A B Quando transmitir para B use SPI=5 SPI=5 algo. SHA1 chave: xxxx SPI=5 algo. SHA1 chave: xxxx

44 AH Modo Tunel e Transporte
SA IPsec AH IPsec AH IPsec AH IPsec AH IPsec AH SA INTERNET Conexão IPsec em modo Transporte IP IP IPsec AH IPsec AH IPsec AH SA SA INTERNET IP IP Conexão IPsec em modo Túnel

45 Protocolo ESP Definido pelo protocolo IP tipo 50
Utilizando para criar canais seguros com autenticação, integridade e criptografia. Além da criptografia, permite incluir uma “assinatura digital” em cada pacote transportado. Protege a comunicação pois atacantes não conseguem falsificar pacotes assinados e criptografados.

46 ESP IPSec : Tunel e Transporte
MODO TRANSPORTE autenticado criptografado IP ESP HEADER TCP UDP DADOS ESP TRAILER ESP AUTH IP TCP UDP DADOS IP ESP HEADER IP TCP UDP DADOS ESP TRAILER ESP AUTH criptografado autenticado MODO TUNNEL

47 Encrypted Security Payload Header
ESP provê recursos de autenticação, integridade e criptografia de pacotes. 1 byte 1 byte 1 byte 1 byte Security Parameter Index HEADER Sequence Number Encrypted Payload (dados criptografados) Pad (0 – 255 bytes) Pad Length Next Header TRAILER Authentication Data (tamanho variável) AUTH

48 Encrypted Security Payload Header
A transmissão de dados criptografados pelo IPv6 é feita através do cabeçalho Encrypted Security Payload. a chave de criptografia utilizada é definida pelo campo Security Parameter Index. o algoritmo de criptografia pode ser qualquer, mas o DES Cipher-Block Chainin é o default. 1 byte 1 byte 1 byte 1 byte Next Header Length reserved reserved Security Parameter Index Encrypted Payload (dados criptografados)

49 Campos do IPsec ESP Header: Trailler: Auth:
SPI e Sequence Number: Mesmas funções do AH O algoritmo de criptografia pode ser qualquer, mas o DES Cipher-Block Chaining é o default. Trailler: Torna os dados múltiplos de um número inteiro, conforme requerido pelo algoritmo de criptografia. O trailler também é criptografado. Auth: ICV (Integrity Check Value) calculado de forma idêntica ao cabeçalho AH. Este campo é opcional.

50 Quando transmitir para C use SPI=6
Transmissão dos Dados IP ESP DADOS CRIPTO. SPI=6 DES com chave yyyy enchimento IP ESP DADOS CRIPTO. SPI=6 DES com chave yyyy enchimento A C Quando transmitir para C use SPI=6 SPI=6 algo. DES chave: yyyyy SPI=6 algo. DES chave: yyyy

51 ESP Modo Tunel e Transporte
SA IPsec ESP IPsec ESP IPsec ESP IPsec ESP IPsec ESP SA INTERNET Conexão IPsec em modo Transporte IP IP IPsec ESP IPsec ESP IPsec ESP SA SA INTERNET IP IP Conexão IPsec em modo Túnel

52 Configuração do IPsec Cada dispositivo de rede (Host ou Gateway) possui uma política de segurança que orienta o uso de IPsec. Uma política IPsec é formada por um conjunto de regras, muito semelhantes as regras de um firewall. As políticas IPsec são definidas de maneira distinta para os pacotes transmitidos e para os pacotes recebidos.

53 Estrutura Geral do IPsec
Administrador configura Aplicação Base de Políticas Solicita criação do SA IKE Protocolo Aplicação Sockets Transporte (TCP/UDP) refere consulta IP/IPsec(AH,ESP) Base de SAs Enlace consulta

54 Endereços IPv6 Definido pela RFC 2373 Exemplo de Endereço IPv6:
IPv6 Addressing Architecture Exemplo de Endereço IPv6: FE80:0000:0000:0000:68DA:8909:3A22:FECA endereço normal FE80:0:0:0:68DA:8909:3A22:FECA simplificação de zeros FE80 ::68DA:8909:3A22:FECA omissão de 0’s por :: (apenas um :: por endereço) 47::47:192:4:5 notação decimal pontuada ::192:31:20:46 endereço IPv4 (0:0:0:0:0:0:0:0:192:31:20:46)

55 Categorias de Endereço IPv6
Unicast: O destinatário é um único computador. Anycast: O endereço de destino define um grupo de hosts. O pacote é entregue para qualquer um deles (o mais próximo) Multicast: O destinatário é um grupo de computadores, possivelmente em redes físicas distintas.

56 Categorias de Endereço
unicast OU anycast multicast

57 Classes de Endereço IPv6
Fraction of Allocation Prefix (hexa) Address Space Reserved 0::/8 1/256 Unassigned NSAP Allocation 200::/7 1/128 IPX Allocation 400::/7 1/128 Unassigned Aggregatable Global Unicast 2000::/3 1/8 Unassigned Addresses Link Local Unicast Addresses FE80::/10 1/1024 . Site Local Unicast Addresses FEC0::/10 1/1024 Multicast Addresses FF00::/8 1 1/256 Total Alocado 15%

58 Endereços Unicast Especiais
Loopback: ::1 Não especificado (todos os bits iguais a ‘0’) :: Compatível com IPv4 (prefixo de 96 bits ‘0’) ::AB:CD equivalente a A.B.C.D (e.g. ::0102:0304) Mapeado (prefixo de 80 bits ‘0’) ::FFFF:<IPv4> Permite que hosts IPv6 falem com servidores IPv4 (eg. ::FFFF:0102:0304) Local ao Enlace: Endereços de rede física ou enlace (privado não roteáveis) Local ao Site: Endereços de redes privada (privado roteáveis)

59 Aggregatable Global Unicast
Especificado pela RFC 2374 Endereçamento com três níveis hierárquicos Topologia Pública Topologia Site Interface Rede Organização Individual Site

60 Aggregatable Global Unicast
FP: Format Prefix (AGGR) TLA ID: Top Level Aggregation Identifier NLA ID: Next Level Aggregation Identifier SLA ID: Site Level Aggregation Identifier Interface ID: Link Level Host Identifier AGGR TLA NLA SLA Organização SITE SITE BACKBONE Organização BACKBONE 3 13 13 19 16 64 FP 001 TLA ID Sub -TLA NLA ID SLA ID Interface ID global routing prefix

61 Arquitetura Internet IPv4 X IPv6
O IPv6 prevê 8192 TLA, correspondentes as entradas nas tabelas de roteamento dos roteadores de mais alto nível. A alocação de endereços está sendo feita através de blocos menores, denominados sub-TLAs Cada sub-TLA pode controlar até 219 organizações ( organizações). Cada organização pode ter até 216 sites (64K sub-redes).

62 Backbone IPv6 6bone www.6bone.net Backbone experimental,
Organizado pelo IETF. Conta com participantes do mundo todo. TLA: 3FFE::/16

63 Endereços de Multicast IPv6
O formato de endereços Multicast IPv6: PF: valor fixo (FF) Flags: 0000 endereço de grupo dinâmico 1111 endereço de grupo permanente Escopo: 1: nó local, 2: enlace local, 5: site local, 8: organização 14: global. 8 4 4 112 PF Flags Escopo ID de Grupo

64 Endereços Multicast Especiais
RFC 2375 FF01::1: todas as interfaces do nó (host) FF02::1: todos os nós do enlace (rede local) FF01::2 todos os roteadores locais ao nó FF05::2 todos os roteadores do site FF02::B agentes móveis locais ao enlace FF02::1:2 agentes DHCP do enlace FF05::1:3 servidores DHCP do site FF02::1::FFxx:xxxx endereço de nó solicitado (formado com os 24 bits de endereço unicast do host).

65 ICMPv6 As funções do protocolo ICMP foram estendidas no IPv6.
O ICMPv6 (RFC 1885: Internet Control Message Protocol for IPv6) recebeu também as funções: De controle das informações de grupos Multicast (feitas pelo IGMPv4) Da resolução de endereços IPv6 (feitas pelo ARP) As funções do ICMPv6 também estão descritas na RFC 2461 (Neighbor Discovery for IPv6)

66 Mensagens ICMP Identificadas como Next Header = 58 8 8 16 Tipo:
0 a 127: erro Destino inalcançável, pacote muito grande, TTL excedido, problema de parâmetro 128 a 362: informativas Echo request, Echo response, Consulta de Adesão ao Grupo, Relatório de Adesão a Grupo, Redução de Adesão ao Grupo, Solicitação de Roteador, Anúncio de Roteador, Solicitação de Vizinho, Mensagem de Redirecionamento, etc. 8 8 16 Tipo Código Checksum Corpo da Mensagem

67 Descoberta de Vizinho O ICMPv6 permite ao host IPv6 descobrir outros hosts IPv6 e roteadores em seu enlace. Esse mecanismo permite também ao roteador redirecionar o host para outro roteador caso ele não seja a melhor escolha para rota. Essa função também existe no IPv4. A descoberta de vizinhos permite também ao host determinar a cada instante se o destinatário continua acessível (NUD: neighbor unreachability detection).

68 Resolução de Endereços
Host A IP FE80::0800:5A12:3456 MAC 08005A123456 Host B IP FE80::0800:5A12:3458 MAC 08005A123458 Ethernet Host C IP FE80::0800:5A12:3457 MAC 08005A123457 Host D IP FE80::0800:5A12:3459 MAC 08005A123459

69 Neighbor Solicitation
Comunicação de A para B A envia uma mensagem de “neighbor solicitation” Campos do IP Próximo 58 (ICMP) Saltos (255) IP Destino (endereço de nó solicitado: multicast) ICMP Tipo 135 (Neighbor Solicitation) Endereço Alvo: IP do destinatário MAC de origem

70 Neighbor Adverstisement
B envia para A um Neigbor Adverstisement Campos do IP Próximo 58 (ICMP) Saltos (255) IP Destino (endereço de nó A) ICMP Tipo 136 (Neighbor Adverstisement) Endereço Alvo: IP de B MAC de origem (o MAC de B) Flags RSO (3 bits) R Flag Roteador: A resposta foi de um roteador S Flag Solicitado: O anúncio é resposta a uma solicitação. 0 Flag SobreEscrito: Solicitação de Atualização da Cache de MAC enviada espotaneamente pelo HOST B.

71 Descoberta de Roteador e Prefixo
Os roteadores enviam mensagens periodicamente mensagens ICMP denominadas “Router Advertisements” (configurado no roteador) Essas mensagens permitem: Descoberta de Prefixo Permite ao host determinar qual o intervalo de endereços IP dos hosts da mesma LAN que ele. Descoberta de Roteador Permite ao host determinar, quando o destinatário não pertence a sua rede, para qual roteador o pacote deve ser enviado.

72 Router Advertisement Campos do IP: Campos do ICMP:
Next Header: 58 (ICMP) Saltos: 255 Endereço de Destino: Multicast Especial (todos os nós do enlace): FF02:1 Campos do ICMP: Tipo: 134 (router adverstisement) Flags: M e O: Utilizados na configuração de endereços sem estado. Tempo de Vida do Roteador Tempo em ms que o roteador deve ser considerado disponível sem outra mensagem de router adverstisement.

73 Router Advertisement Campos do ICMP (continuação):
Tempo de Vida do Roteador Tempo em ms que o roteador deve ser considerado disponível sem outra mensagem de router adverstisement. Tempo Atingível Configura os hosts com o tempo em ms que os hosts podem guardar as respostas de vizinhos na cache. Tempo de Restransmissão Configura os hosts com o tempo em ms que eles devem aguardar para retransmitir as mensagens de solicitação de vizinho quando não há resposta. Opção 1: MAC do roteador Opção 2: MTU do enlace Opção 3: Prefixo para o Enlace

74 Router Solicitation Um host que queira descobrir um roteador acessível no enlace sem aguardar a próxima mensagem de router advertisement pode enviar uma mensagem de router solicitation. Essa mensagem ICMP (tipo 133) é enviada ao endereço de multicast: Todos os roteadores do enlace: FF02::2 O roteador que recebe a mensagem responde com uma mensagem de router advertisement diretamente para o nó solicitante.

75 Router adverstisement
Redirecionamento Pelas mensagens de “router advertisement” um host pode aprender sobre a existência de mais de um roteador na rede. Nesse caso, quando ele envia a mensagem ele pode escolher o roteador errado (como gateway default). Se o roteador não for o melhor posicionado para fazer a entrega ele envia uma mensagem Redirect (ICMP tipo 137) informando ao host sobre a existência de uma rota melhor para o destino. Ao receber a mensagem, o host atualiza sua tabela de roteamento. 1 2 A B Router adverstisement

76 Autoconfiguração de IP sem Estado
Atribuição automática de IP na inicialização de uma interface pode ser feita de duas formas. Stateful: via DHCP Stateless: via ICMPv6 (RFC 1971) O processo stateless envolve os seguintes passos: 1. O host cria um endereço de enlace local: FE80::/10 combinando com seu endereço MAC 2. O host verifica se o endereço já existe com uma mensagem de neighbor advertisement. Se já existir, a autoconfiguração falhou. 3. O host envia mensagens de solicitação de roteador, se nenhum responder, o host tenta DCHP, se nenhum responder, ele se comunica apenas no interior do enlace.

77 Autoconfiguração de IP sem Estado (continuação)
4. Se o host receber uma mensagem de router advertisement: Se o flag M estiver setado (endereço gerenciado): O nó deve solicitar seu endereço via DHCP Se o flag O estiver setado (outras configuração de estado): O nó deve obter também as demais informações de configuração de rede via DHCP. Se o flag A estiver setado O host autoconfigura seu endereço sem DHCP Opção de Prefixo: Se o flag A estiver setado, o host reconstrói seu endereço utilizando o prefixo recebido e seu endereço MAC.

78 DNS no IPv6 Foram definidas extensões no DNS para suportar IPv6 (RFC 1886). As extensões definem: Um registro AAAA para mapear host IPv6 em nomes de domínio. Um novo domínio para consultas do tipo endereço-domínio (zona reversa – registros PTR). Mudança nas consultas existentes para efetuar processamento correto das consultas A e AAAA.

79 Zona IPv6 Reversa Por exemplo, se o host possui o endereço:
www6.ppgia.pucpr.br possui o endereço: 222:0:1:2:3:4:5678:9ABC A entrada no arquivo de zona reversa será: C.B.A IPv6.INT PTR www6.ppgia.pucpr.br.

80 Mudança no Formato dos Registros
O formato hierárquico de endereços IPv6 permite que uma organização troque de prefixo de público (TLA ou NLA) sem grandes alterações na rede. Todavia, utilizando a construção dos arquivos de zona padrão, a atualização das entradas dos arquivos de zona no caso da mudança de prefixo seria muito grande. Por isso uma nova proposta de representação de nomes de domínio associada a prefixos foi definida para o IPv6 : RFC 2874: DNS Extensions to Support IPv6 Address Aggregation and Renumbering

81 Definição do Registro AAAA
Um entrada de registro AAAA seria definida da seguinte maneira: Dominío do Host AAAA Endereço IPv6 P Nome de Domínio do Prefixo Onde: O endereço IPv6 contém apenas os bits de menor ordem que independem do prefixo. P é o tamanho do prefixo.

82 Exemplo (ip6.top1.com) TLA: 2111/16 (ip6.top2.com) TLA: 2122
(ip6.prov1.com) NLA: 00AB/32 (ip6.prov2.com) NLA: 00BC Mudança de Provedor (ip6.ppgia.pucpr.br) 00A1/16 (ip6.ppgia.pucpr.br) 00B1/16 (www6) Interface: 0000:1000:5A12:3456 (www6) Interface: 0000:1000:5A12:3456 2111:00AB:00A1::1000:5A12:3456 3 13 13 19 16 64 FP 001 TLA ID SUB – TLA ID NLA ID SLA ID Interface ID

83 Configuração do Arquivo de Zonha
Antes da mudança de provedor www6.ppgia.pucpr.br AAAA ::1000:5A12: ip6.ppgia.pucpr.br ip6.ppgia.pucpr.br AAAA 0:0:00A1:: 32 ip6.prov1.com ip6.prov1.com AAAA 0:00AB:: 16 ip6.top1.com ip6.top1.com AAAA 2111:: ip6.prov2.com AAAA 0:00BC:: 16 ip6.top2.com ip6.top2.com AAAA 2122:: Para efetuar a mudança de provedor basta mudar um único registro: ip6.ppgia.pucpr.br AAAA 0:0:00A1:: 32 ip6.prov2.com


Carregar ppt "IPv6 (Parte 1: Protocolo e Serviços Básicos)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google