A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ACIDENTES POR LACHESIS GUSTAVO MUSTAFA TANAJURA Centro de Informações Antiveneno da Bahia – CIAVE 07/06/2007.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ACIDENTES POR LACHESIS GUSTAVO MUSTAFA TANAJURA Centro de Informações Antiveneno da Bahia – CIAVE 07/06/2007."— Transcrição da apresentação:

1 ACIDENTES POR LACHESIS GUSTAVO MUSTAFA TANAJURA Centro de Informações Antiveneno da Bahia – CIAVE 07/06/2007

2 Acessado em 03/06/2007

3 Maior serpente peçonhenta das Américas (> 3 m). Cabeça triangular, fosseta loreal, presa inoculadora de veneno; Pupilas verticais e Dentição solenóglifa; Identificação

4 Cauda com as últimas fileiras de subcaudais modificadas e eriçadas, terminando num espinho. Identificação

5 è Gênero Lachesis (Família Viperidae). è3 espécie: L. muta rhombeata, mata atlântica, entre os Estados de Pernambuco e Rio de Janeiro e L. muta muta, na Floresta Amazônica. L.stenophrys, costa atlântica da Costa Rica e Panamá, presumivelmente na Nicarágua. L. melanocephala, na Costa Rica. ESPÉCIES ENCONTRADAS

6

7 è Surucucu, èSurucucu-pico-de-jaca (Para e Bahia), Surucucu de fogo (Nordeste), è Verrugosa, è Surucutinga, è Surucucutinga (Centro – Oeste). SINONÍMIA

8 è Bolivia: cascabel púa, diamante, pucarara; è Colômbia: abáaca, cuiama, diamante, mapaná, surucucu, dentre outros; è Costa Rica, Nicarágua e Panamá: cascabela muda, mapaná, verrugosa; è Guiana Francesa: maitre de la brousse; è Venezuela: maparé verrugosa, pararaipú. SINONÍMIA

9 Primeira descrição clínica detalhada (Haad*): 02 acidentes na Colômbia Costa Rica e Panamá - período 10 anos: 04 acidentes, 03 óbitos, 01 hospitalização de 20 dias com seqüela funcional (Roger Bolaños). ACIDENTES LAQUÉTICOS NA AMÉRICA CENTRAL E LATINA EPIDEMIOLOGIA *Mem Inst Butantan 1980/1981;44-45:403-23

10 ... O verdadeiro surucucú - lachesis mutus, - surucucú bico de jaca, como é conhecido no norte do Brazil, surucútinga como é conhecido nos Estados do Rio e Minas, é a especie venenosa que attinge a maiores dimensões, chegando alguns exemplares a 3 metros de comprimento. E' uma cobra rara, felizmente, sendo encontrada apenas em alguns dos Estados do Brazil... O OPHIDISMO no Brasil. Brazil-Medico, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 7-8, , Vital Brazil.

11 : 16 acidentes, 01 óbito ( Fonseca*) Junho de 1986 a Dezembro 1987: Acidentes ofídicos: Acidente laquético: 2,9% (Alves et al) FNS - MS. ACIDENTES LAQUÉTICOS NO BRASIL EPIDEMIOLOGIA *FONSECA, F., Animais Peçonhentos. São Paulo:Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais/Instituto Butantan.

12

13 1985 a 2000: 18 acidentes laquéticos atendidos pelo CIAVE Fonte: Fichas de Notificação. ACIDENTES LAQUÉTICOS NA BAHIA EPIDEMIOLOGIA

14 Total de acidentes: 18 casos*: Trabalhadores rurais 56,6%; Sexo masculino 89,9%; Faixa etária: ( 27,8%); Local: MMII (38,9%). ACIDENTES POR LACHESIS REGISTRADOS PELO CIAVE – BAHIA JANEIRO 1985 A DEZEMBRO *Na atualização do CIAVE, até 2004 já existiam 47 casos.

15 èRegiões sul e baixo sul do Estado ( 82 % ). èDiagnóstico: manifestações clínicas e resposta à soroterapia ( 88,9% ); Dois casos (11,1%) ocorreu identificação biológica da serpente Lachesis muta rhombeata. ACIDENTES POR LACHESIS REGISTRADOS PELO CIAVE – BAHIA JANEIRO 1985 A DEZEMBRO 2000.

16

17 DISTRIBUIÇÃO DOS ACIDENTES LAQUÉTICOS QUANTO A EVOLUÇÃO JANEIRO DE 1985 A DEZEMBRO DE Fonte: Ciave - Ba

18 è Hábitos preferencialmente noturnos. è Florestas tropicais de baixa densidade populacional. EPIDEMIOLOGIA

19 Distribuição Vertical: Ao nível do mar e de m (América Central) até 1.800m (América do Sul). Distribuição na Bahia : Toda a faixa costeira; Fragmentos de mata conservada; Sul e baixo Sul do Estado. DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA

20 è Fosfolipase A2 (LM-PLA2) – Atividade inibidora de atividade plaquetária e miotóxica local; èMetaloproteinases (LHF–I e LHF–II): Fatores hemorrágicos, atividade inflamatória local; è Giroxina: atividade tipo trombina; è Cininogenina: alterações neurotóxicas. O veneno:

21 è Dor e edema progressivos que ocorrem 01 ou 02 horas após o acidente. è Equimose extensa, sangramento, flictemas de conteúdo seroso ou serosanguinolento, nas primeiras 05 horas. è Menor frequência: sangramentos em ferimentos existentes, gengivorragia, epistaxes, hemoptise, hematúria, oligúria e anúria. QUADRO CLÍNICO - Manifestações Locais

22

23 è Manifestações neurotóxicas*: bradicardia, hipotensão arterial precoce, cólicas abdominais e diarréia. è Sudorese, náuseas, vômitos; èChoque. * Compatíveis com ativação do sistema nervoso autônomo parassimpático e estimulo vagal. QUADRO CLÍNICO – MANIFESTAÇÕES SISTÊMICAS:

24 è Síndrome cardiocirculatória: logo após a picada (acidente botrópico cerca de 10 h). Hipovolemia devido a hemorragias e diminuição ou consumo de diferentes fatores de coagulação (Haad). QUADRO CLÍNICO – MANIFESTAÇÕES SISTÊMICAS:

25 Tempo de Coagulação: Incoagulabilidade sanguínea pelo consumo de protrombina e fibrinogênio; èLeucocitose, hemoconcentração, elevação de hematócrito e hemoglobina; è Níveis de creatinoquinase aumentados e elevação de transaminases; è Comprometimento função renal. DIAGNÓSTICO:

26 Snakebite by the bushmaster (Lachesis muta) in Brazil: case report and review of the literature year-old man, bitten by a 1.82 m long L. m. muta in Brazil, developed pain and oedema at the bite site, nausea, vomiting, diarrhoea and sweating. There was peripheral neutrophil leucocytosis and evidence of fibrinogen consumption with secondary activation of the fibrinolytic system. Two hours after the bite, eight ampoules of Instituto Butantan Lachesis antivenom was administered, and haemostasis was normal 24 hr later. Toxicon Apr;35(4):

27 èInfecção secundária; èSíndrome compartimental; èNecrose; èDéficit funcional do membro. COMPLICAÇÕES:

28 COMPLICAÇÕES

29 CLASSIFICAÇÃO QUANTO A GRAVIDADE

30 è è Especifica: SAL ou SABL. Casos moderados: 10 ampolas; Casos graves: 20 ampolas. è A eficácia do Soro Antibotrópico é discutível. Nos casos atendidos pelo CIAVE, em que foram utilizadas ampolas de soro antibotrópico não houve regressão dos sintomas, o que ocorreu após a utilização do soro SABL ou SALQ. TERAPÊUTICA:

31 Relato de um caso de acidente por L m. muta tratado com 20 ampolas do soro antibotrópico que permaneceu com o sangue incoagulável até o 13º dia após o acidente. Experimentos foram realizados para obtenção das potências do soro antibotrópico para as atividades coagulante e hemorrágica dos venenos de L. m. muta e de B. atrox. Os resultados mostram que as potências do soro para a atividade hemorrágica dos venenos de L. m. muta e de B. atrox foram similares enquanto que a potência, para a atividade coagulante do veneno de L. m. muta, foi 9,2 vezes menor. Devido a ineficácia do soro antibotrópico em neutralizar, principalmente, a atividade coagulante do veneno de L. m. muta, sugerimos a não utilização do antibotrópico no tratamento dos acidentes por L. m. muta. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo v.36 n.1 São Paulo jan./fev Ineficácia do antiveneno botrópico na neutralização da atividade coagulante do veneno de Lachesis muta muta. Relato de caso e comprovação experimental

32 ... Results indicated that both antivenoms were equally effective in reversing all signs of envenoming detected both clinically and in the laboratory. Venom-induced haemostatic abnormalities were resolved within 24 h after the start of antivenom therapy in most patients. The extent of local complications, such as local skin necrosis and secondary infection, was similar in both groups. There were no deaths. The incidence of early anaphylactic reactions was 18% and 19%, respectively for specific and standard antivenoms; none was life- threatening. Measurement of serum venom concentrations by enzyme immunoassay (EIA) confirmed that both antivenoms cleared venom antigenaemia effectively. Clinical trial of two antivenoms for the treatment of Bothrops and Lachesis bites in the north eastern Amazon region of Brazil Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene, 98 (1), pp

33 Analgésicos; Hidratação; Elevação do membro picado; Antibioticoterapia quando houver infecção; Sulfato de atropina para bradicardia. TERAPÊUTICA:

34 Simpaticomiméticos para controle da pressão arterial; Antiespasmódicos para alivio da cólica; Transfusões sanguíneas, se necessário. TERAPÊUTICA:

35 èDesbridamento de áreas necrosadas; èDrenagem de abscesso; èFasciotomia na síndrome compartimental; èCirurgias reparadoras. TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES:

36 As Cobras do Verissimo...

37 Obrigado!


Carregar ppt "ACIDENTES POR LACHESIS GUSTAVO MUSTAFA TANAJURA Centro de Informações Antiveneno da Bahia – CIAVE 07/06/2007."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google