A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de 2011 www.sinaval.org.br Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 1 PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de 2011 www.sinaval.org.br Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 1 PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS."— Transcrição da apresentação:

1 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 1 PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS RIO DE JANEIRO – DEZ/2011 Indústria Naval Nacional

2 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 2 P-56 Rômulo Almeida Log-In Jacarandá Indústria Naval nacional: situação e perspectivas

3 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 3 P-56 Rómulo Almeida Log-In Jacarandá Cenário do 2º trimestre de 2011 Sumário executivo Cenário da construção naval brasileira Plataformas de produção de petróleo Plataformas de perfuração Cenário mundial da construção naval Capacidade instalada da indústria naval brasileira Estaleiros em implantação A nova indústria naval Resultados alcançados Recursos humanos, empregos e relações trabalhistas Conteúdo local Convênios e acordos Conclusões

4 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 4 Sumário executivo CENÁRIO ATUAL A indústria naval do Brasil, após ter chegado a ser a 2ª do mundo nos anos 70, em termos de carteira de encomendas, reduziu fortemente suas atividades nos anos 80 e 90; O crescimento da exploração e produção de petróleo e gás natural em alto-mar (offshore) tornou aquele segmento, nos últimos dez anos, um importante mercado para o setor naval; A partir dos anos 2000, o setor vem sendo retomado graças a uma demanda nos mercados interno e externo; No passado, o setor naval esteve fortemente concentrado na Região Sudeste, particularmente no Rio de Janeiro; Na fase atual, as perspectivas são de descentralização do segmento, com a implantação de grandes estaleiros nas Regiões Nordeste e Sul.

5 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore Os desafios prosseguem: Qualificação e formação de RH Aumento da produtividade Aumento do conteúdo local Os desafios prosseguem: Qualificação e formação de RH Aumento da produtividade Aumento do conteúdo local 5 Sumário executivo Os estaleiros brasileiros associados ao SINAVAL apresentaram, no segundo trimestre de 2011, pequena variação em relação às estatísticas do final de Emprego direto: pessoas com carteira assinada. Volume de obras: 6,243 milhões de TPB (toneladas de porte bruto). Obras em andamento: 278 empreendimentos. Contratos previstos para 2011: 14 navios do programa EBN 21 navios-sonda 30 navios de apoio marítimo.

6 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore H á uma política em estruturação que promove a industrialização, cria oportunidades para investimento produtivo do capital internacional e estimula investimentos no desenvolvimento de tecnologias e inovação. 6 FATOS POSITIVOS: A declaração da Presidenta Dilma Rousseff afirmando seu apoio ao desenvolvimento da indústria naval, na cerimônia da entrega da P-56, no Estaleiro BrasFELS (RJ); A atribuição ao SINAVAL da coordenação, de forma eficaz, de um programa de aumento do conteúdo local em navios e plataformas de produção e perfuração; I Fórum Conteúdo Local, realizado pelo SINAVAL no dia 5 de agosto, com a presença do Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, de representantes de outros Ministros, de Presidentes e Diretores dos bancos do Governo (BNDES, BB e Caixa) e de representantes da indústria naval. Sumário executivo

7 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore Conselho Diretor do FMM Resoluções publicadas em 22/06/2011 Segmento / tipoQuantidadeValor total (R$ milhões) Apoio marítimo PSV18 AHTS3 UT6 LH2 Navios – derivados e gás Prod. Claros (EBN)3 Prod. Químicos (EBN)2 Gaseiros (EBN)3 Gaseiros (Promef)8 Navegação fluvial Empurradores24 Barcaças124 Apoio portuário24261 Estaleiros Total A reunião do Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante (CDFMM), realizada em maio de 2011, aprovou prioridades de financiamentos para 217 empreendimentos de construção naval e seis estaleiros, num total de R$ 9,8 bilhões (financiáveis em até 90% desse total), projetos que, em sua maior parte, ainda não ingressaram na carteira dos estaleiros. Sumário executivo

8 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 8 Cenário da construção naval brasileira VARIAÇÃO DA TPB Dezembro de 2010 = Junho de 2011 = Obras e empregos – junho 2011 EstadoObrasTPBPart. %EmpregosPart. % Rio de Janeiro , ,24 Total Sudeste , ,62 Rio Grande do Sul , ,76 Total Sul , ,44 Pernambuco , ,49 Total Nordeste , ,59 Total Norte , ,36 Total geral VARIAÇÃO DO EMPREGO Dezembro de 2010 = Junho de 2011 =

9 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 9 Cenário da construção naval brasileira Fonte: SINAVAL Obras e empregos – Região Sudeste – junho 2011 Estado / MunicípioObrasTPBPart. %EmpregosPart. % Rio de Janeiro (total) , ,24 Rio Janeiro , ,87 Niterói , ,53 São Gonçalo , ,14 Angra dos ReisND ,70 São Paulo (total) ,297771,38 Guarujá ,17777 Araçatuba ,13ND Total Sudeste , ,62

10 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 10 Cenário da construção naval brasileira Fonte: SINAVAL Obras e empregos – Região Sul – junho 2011 Estado / MunicípioObrasTPBPart. %EmpregosPart. % Santa Catarina (Navegantes) , ,68 Rio Grande do Sul (Rio Grande) , ,76 Total Sul , ,44

11 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 11 Cenário da construção naval brasileira Fonte: SINAVAL Obras e empregos – Região Nordeste – junho 2011 Pernambuco (Suape) , ,49 BahiaND ,97 CearáND 8501,51 SergipeND 3500,62 Total Nordeste , ,59

12 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 12 Cenário da construção naval brasileira Fonte: SINAVAL Obras e empregos – Região Norte – junho 2011 Pará (Belém) ,353290,58 AmazonasND ,78 Total Norte , ,36

13 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 13 Cenário da construção naval brasileira RANKING DA CONSTRUÇÃO NAVAL BRASILEIRA Junho 2011 O ranking regional continua mantendo Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul como os principais polos da indústria naval no Brasil, acompanhados por Santa Catarina, Amazonas e a Bahia. PosiçãoEstadoTPB milObrasPart.% 1ºPernambuco ,27 2ºRio de Janeiro ,73 3ºRio Grande do Sul ,96 4ºSão Paulo ,30 5ºSanta Catarina148352,38 Outros85341,36 Total geral PosiçãoEstadoEmpregosPart.% 1ºRio de Janeiro ,23 2ºPernambuco ,49 3ºAmazonas ,78 4ºRio Grande do Sul5.5009,76 5ºBahia2.8004,97 6ºSanta Catarina2.0763,68 Outros2.1723,86 Total geral Tonelagem em construção Empregos diretos gerados em estaleiros

14 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 14 Plataformas de produção de petróleo 1 0 plataformas inteiramente construídas em estaleiros locais: P-56 já entregue; P-55; 8 cascos de FPSO para o pré-sal em construção no RG Estaleiros, em Rio Grande (RG). Quadro das encomendas Plataformas 2011 BrasilInternacionalConstrução P-56 (semissub)Total-BrasFELS / Technip Entregue em junho de 2011 P-55 (semissub)Total-EAS / QUIP / UTC 8 cascos de FPSO Total de módulos a licitar -RG Estaleiros – Rio Grande (RS) É identificável uma evolução positiva na contratação local de plataformas, nos últimos 2 anos.

15 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 15 Plataformas de produção de petróleo Estas 5 plataformas tiveram seus cascos construídos no Exterior, mas seus módulos de processo estão sendo construídos no Brasil. Quadro das encomendas Plataformas 2011 BrasilInternacionalConstrução FPSO P-58MódulosCascoEm licitação – casco Keppel (Cingapura) FPSO P-62MódulosCascoCasco Jurong (Cingapura) Módulos QUIP FPSO P-63MódulosCascoQUIP / BW (Noruega) FPSO Cidade de Paraty Integração Módulos BrasFELS CascoSchahin/Modec e SBM/Queiroz Galvão Conversão do casco Keppel FELS (Cingapura) FPSO Cidade de São Paulo Integração módulos CascoSchahin/Modec e SBM/Queiroz Galvão – Módulos BrasFELS

16 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 16 Plataformas de produção de petróleo 3 plataformas inteiramente construídas em estaleiros internacionais: P-61; FPSO Santos; FPSO Angra dos Reis. Quadro das encomendas 2011 Plataformas BrasilInternacionalConstrução TLP P-61-TotalFloatec (Keppel FELS + RJ Mc Dermott FPSO Santos-TotalModec - aluguel FPSO Angra dos Reis-TotalModec - aluguel

17 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 17 Plataformas de perfuração Ocorreu a decisão política de contratar no País os 21 navios-sonda que ainda não foram licitados. A licitação será realizada pela SETE Brasil. Quadro das encomendas EquipamentoOperaçãoBrasilInternacionalConstrução 2 sondas tipo jack-up Em construção Total-Consórcio Rio Paraguaçu 7 navios- sonda Em construção CascoTorre de perfuração EAS 21 navios- sonda A licitar pela SETE CascoTorre de perfuração - Sondas jack up P-59 e P-60 Duas plataformas de perfuração tipo jack-up estão em construção na Bahia pelo Consórcio Rio Paraguaçu.

18 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 18 Cenário mundial da construção naval Participação brasileira nas encomendas mundiais = 3,94% Petroleiros Suezmax = 10,69%; Navios de apoio marítimo tipo PSV = 13,60%; Carteira de encomendas de FPSOs = 57,4%. A participação brasileira é ainda tímida em: Navios graneleiros = 0,07%; Porta-contêineres = 0,60%. Encomendas nos estaleiros mundiais (quantidade de navios) MundoBrasil (1)A/B % Total ,94 Petroleiros ,59 ULCC / VLCC1580 0,00 Suezmax ,69 Aframax11586,96 Panamax6446,25 Produtos334205,99 Outros395*92,28 Gaseiros17274,07 Químicos47800,00 Graneleiros ,07 Porta-contêineres66940,60 Offshore753476,24 AHT3300,00 AHTS29851,68 PSV ,60 Outros17200,00 FPSO14857,14 Diversos69000,00 Fonte: Clarksons - junho 2011 Brasil: Inclui encomendas Transpetro e Petrobras / EBN – não inclui sondas *Nove navios bunker

19 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 19 Capacidade instalada da indústria naval brasileira CENÁRIO ATUAL Nº. de estaleiros no Brasil (os mais representativos) Capacidade de processamento de aço t/ano Área total ,7 milhões de m² Diques secos e flutuantes Carreiras Cais de acabamento PREVISÃO DE NOVOS ESTALEIROS Estaleiros de grande porte a 4 Estaleiros de médio porte a 6 Capacidade instalada, considerando essa previsão t/ano

20 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 20 Capacidade instalada da Indústria Naval brasileira NOVOS ESTALEIROS COM PROJETOS APROVADOS PELO CDFMM Estaleiro (grande porte) Cidade Estado Projeto Aliança São Gonçalo Rio de Janeiro Expansão Alusa-Galvão Barra do Furado Rio de Janeiro Nova planta Corema Salvador Bahia Nova planta EISA Coruripe Alagoas Nova planta EBR São José do Norte Rio Grande do Sul Nova planta Enseada de Paraguaçu Paraguaçu Bahia Nova planta RG Estaleiros Rio Grande Rio Grande do Sul Expansão Hermasa Manaus Amazonas Nova planta Mac Laren Niterói Rio de Janeiro Expansão Mauá Niterói Rio de Janeiro Expansão OSX Porto do Açu Rio de Janeiro Nova planta Promar Recife Pernambuco Nova planta Renave Niterói Rio de Janeiro Expansão São Miguel São Gonçalo Rio de Janeiro Nova planta STX Quissamã Rio de Janeiro Nova planta TWB Itajaí Santa Catarina Expansão Wilson, Sons Rio Grande Rio Grande do Sul Nova planta Wilson, Sons Guarujá São Paulo Expansão

21 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 21 Aliança Offshore (RJ) Local: São Gonçalo (Guaxindiba). Situação: a unidade metalmecânica de processamento de aço e construção de blocos tem inauguração prevista para RG Estaleiros S/A – ERG 2 (RS) Local: Superporto de Rio Grande. Situação: Licença de Instalação concedida pela Fepam. Estaleiro OSX – Porto Açu, RJ Estaleiros em implantação OSX (RJ) Local: Porto Açu, no Norte do Estado do Rio de Janeiro. Situação: Licença de Instalação concedida.

22 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 22 Estaleiro de Submarinos (RJ) Local: Itaguaí, Sul do Estado do Rio de Janeiro. Situação: a Odebrecht foi selecionada pela DNCS para construir o Estaleiro de Submarinos. Plano de Negócios: Construção, na França e no Brasil, de cinco submarinos, sendo um com propulsão a energia nuclear, com transferência de tecnologia da DNCS francesa. O primeiro submarino ficará pronto em A localização do estaleiro e da base de submarinos em Itaguaí responde à necessidade estratégica de proteção das áreas de produção de petróleo offshore do pré-sal na bacia de Santos. Segmento de casco do submarino produzido pela Nuclep Estaleiro e base de submarinos em Itaguaí (RJ) Estaleiros em implantação (Situação em maio de 2011)

23 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 23 A nova indústria naval brasileira Trajetória Já são oito anos desde 2003, quando foi entregue a Ministros do então Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva o estudo realizado pelos estaleiros sobre a retomada da indústria da construção naval brasileira. Em 2003, como agora, era inexpressiva a participação da bandeira nacional no transporte marítimo internacional. A navegação entre os portos brasileiros havia se reduzido. Uma frota de navios ultrapassando a idade madura exigia renovação. No segmento offshore, a Petrobras reconhecia a falta de uma capacidade local para construção de navios e plataformas de produção e perfuração. (Julho de 2011) Ariovaldo Rocha, Presidente do SINAVAL Foi quando ocorreu a decisão de recuperar a indústria da construção naval brasileira, aproveitando as encomendas que seriam geradas.

24 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 24 Metas alcançadas Os estaleiros propunham executar uma retomada da indústria naval em três etapas: Recuperação, com a construção de navios de apoio marítimo e petroleiros; Consolidação, com a renovação tecnológica dos estaleiros e uma programação de encomendas de dez anos. Expansão, com o aumento da competitividade dos estaleiros e a exportação de navios e plataformas. O Brasil está visível nas estatísticas internacionais. Esses fatos positivos são o resultado da política industrial definida pela Presidenta Dilma, em diversas oportunidades, porque a indústria naval depende de políticas públicas e de decisões de política industrial, fiscal e financeira. A nova indústria naval brasileira (Julho de 2011)

25 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 25 Metas alcançadas Desoneração fiscal nos fornecimentos para a construção naval: Decreto nº 6.704, de 19/12/2008, que trata da desoneração do IPI para o fornecimento de materiais para a construção naval, e Lei nº , de 17/09/2008, que trata da redução a zero das alíquotas de PIS/PASEP e COFINS sobre equipamentos destinados à construção naval. Criação do Fundo Garantidor da Construção Naval – FGCN : Em 25/09/2008, pela Lei nº , complementada pela Lei nº , de 13/10/2009, com destinação de R$ 5 bilhões para formação do patrimônio do Fundo. Retira a cobrança de imposto de renda das aplicações financeiras para manutenção do Fundo. A nova indústria naval brasileira (Julho de 2011)

26 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 26 Relações trabalhistas A Organização Internacional do Trabalho (OIT) considera a Comissão Tripartite brasileira um exemplo de ação bem- sucedida. A Comissão Tripartite é formada por estaleiros, por trabalhadores representados pela CNM/CUT e pelos Sindicatos de Metalúrgicos, e pelos Auditores Fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Foi atingido o objetivo com a edição da NR-34 (Norma Regulamentadora nº 34) pelo Ministério do Trabalho e Emprego, divulgada em reuniões com estaleiros nas diversas regiões do País. Jorge Antonio de Faria – SINAVAL; Luiz Carlos Lumbreras – DSST/SRTE-RJ; Alcino Vieira dos Santos – SRTE/AM; Edson Carlos Rocha – CNM/CUT. Reunião sobre a NR-34 em Manaus (AM), em maio de Marcelo Carvalho, na reunião de Recife (PE), em junho de 2011, sobre a NR-34.

27 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 27 Emprego Aumento do emprego A estimativa do SINAVAL contempla a geração de 15 mil novos empregos diretos, até 2014, considerando três indicadores principais: 1 – Os investimentos previstos e anunciados de novos estaleiros; 2 – O plano de investimentos da Petrobras do período 2011 a 2015; 3 – O programa atual de construção naval em andamento, que assegura a manutenção dos atuais 56 mil empregos diretos gerados. O Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói e Itaboraí, Reginaldo da Costa e Silva; Ariovaldo Rocha, Presidente do SINAVAL; o Diretor do Sindicato dos Metalúrgicos, José Mascarenhas ;e o Secretário-Executivo do SINAVAL, Sergio Leal – assinatura da Convenção Coletiva de Trabalho em 26 de maio de 2011.

28 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 28 Novos empregos previstos Recursos Humanos necessários Engenheiros: navais, mecânicos, elétricos, de produção, de segurança; Técnicos: projetistas, mestres, caldeireiros, encarregados, administradores, RH, compradores; Operários: especializados em corte e solda automática e manual, operadores de máquinas, instaladores, montadores de estrutura, montadores de tubulação, mecânicos, eletricistas e instrumentistas. Apoio: administrativo, segurança, cozinha industrial e outros. Distribuição por categorias Engenheiros - 10%1.500 Técnicos - 10%1.500 Operários especializados - 70% Apoio administrativo - 5%750 Apoio - outros - 5%750

29 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 29 O número de empregos na indústria naval e offshore brasileira teve um aumento significativo nos últimos onze anos Fonte: SINAVAL Nota: quando considerado o segmento de barcos de lazer e iates, o número passa a em ,900 4,900 6,500 7,500 12,500 14,000 42,000 40,000 19,000 56,100 46,600

30 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 30 Conteúdo local O conteúdo local não é apenas uma política do Governo: é uma obrigação contratual imposta pela ANP. Para todos os casos de exploração do pré-sal em regime de partilha de produção, essa obrigação será definida por lei e sujeita a grandes multas. Objetivos: Desenvolvimento da indústria nacional; Geração de empregos; Crescimento da economia.

31 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 31 Conteúdo local O início A formação da rede entre o SINAVAL e as associações dos fornecedores ABIMAQ, ABINEE e ABITAM para aumento do conteúdo local nos navios e plataformas começou em junho de I Fórum Conteúdo Local – 5/8/2011 Teve como objetivo debater e apontar soluções para o desenvolvimento da cadeia produtiva naval e offshore, fontes de financiamento, qualidade dos produtos, atendimento aos prazos e outros fatores decisivos para o sucesso dos negócios. Franco Papini, Vice-Presidente Executivo do SINAVAL, coordenou o I Fórum Conteúdo Local.

32 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 32 Conteúdo local Grupo de Trabalho de navios Os equipamentos para navios foram detalhados a partir de dois tipos de navios: um petroleiro para produtos claros e um navio de apoio marítimo (OSV – Offshore Supply Vessel). As planilhas consideram os seguintes grupos de materiais e equipamentos: A – Estrutura: aço estrutural e perfis bulbo; B – Máquinas: motores, compressores e bombas; C – Redes e tubulações: de aço e de cobre, ligas e válvulas; D – Eletricidade: redes, cabos e painéis de controle; E – Acessórios de casco; F – Material de acabamento; G – Tratamento e pintura.

33 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 33 Conteúdo local Grupo de Trabalho de navios O chamado pacote elétrico alcançou 100% de conteúdo nacional: Cabos elétricos; Quadros e painéis; Grupos geradores.

34 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 34 Conteúdo local Grupo de Trabalho de navios Os segmentos mais críticos para fornecimento local são: Motores acima de 650 HP para propulsão; Motores auxiliares para geração de energia; Bombas de carga e de lastro; Equipamentos de navegação, comunicação e segurança.

35 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 35 Conteúdo local Grupo de Trabalho de plataformas de perfuração e de produção O conteúdo local para sondas de perfuração (drillships e semissub) envolve ações de qualificação de recursos humanos e fornecimentos de equipamentos, em conjunto com a ANP e o MME – Ministério de Minas e Energia. 11 grupos de equipamentos; 111 subgrupos; Total: 534 itens. Plataforma P-56, mais de 70% de conteúdo local

36 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 36 Conteúdo local Grupo de Trabalho de plataformas de perfuração e de produção Os levantamentos cobrem fornecimentos para dois tipos de plataformas e analisam os setores de: Processo; Mecânica; Elétrica; Instrumentação/automação; Tubulação; Segurança; Refrigeração; Telecomunicações; Estrutura, casco e acomodações. Painel de comando do sistema elétrico para plataformas

37 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 37 Convênios e acordos internacionais O SINAVAL assinou acordos que asseguram o desenvolvimento de parcerias com instituições que representam indústrias na Argentina, Espanha, na Coréia e no Japão. Objetivo: ampliar as opções dos estaleiros brasileiros no desenvolvimento de suas atividades. Convênios de cooperação internacional assinados: FINA – Federação da Indústria Naval Argentina; Câmara Oficial de Comércio, Indústria e Navegação de Pontevedra, da região da Galícia, Espanha; KICOX NCPD – Korean Industry Complex Corp. – Noksan Cluster; KOTRA – Korea Trade Investment Promotion Agency; ASIME – Associação de Industriais Metalúrgticos da Galícia, Espanha; Foro Marítimo Vasco, do País Basco, Espanha; JSMEA – Japan Marine Equipment Association.

38 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 38 Convênios e acordos O SINAVAL assinou, com as instituições financeiras agentes do Fundo da Marinha Mercante (FMM), convênios para troca de informações, fortalecimento empresarial e outras atividades. Convênios assinados: Banco do Brasil; BNDES; Caixa. Acordo de parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV) O acordo de parceria com a FGV inclui o desenvolvimento de projetos gerenciais, pesquisas, cursos de aperfeiçoamento e especialização, seminários, palestras e elaboração de índices.

39 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 39 Conclusões 1 – A indústria da construção naval brasileira atingiu o estágio de consolidação, com a geração ordenada de empregos, distribuição regional da produção e atendimento às normas e certificações internacionais. 2 – Respondeu de forma positiva aos financiamentos com recursos do Fundo da Marinha Mercante, implantando novos estaleiros e capacitando recursos humanos em diversos Estados brasileiros. 3 – Navios e plataformas construídos no Brasil atendem aos padrões de qualidade internacionais. 4 – Grupos empresariais brasileiros e internacionais continuam a realizar investimentos na implantação de novos estaleiros. 5 – A política industrial para a reativação do setor está sendo bem-sucedida nos objetivos de implantar a capacidade local para a construção de navios e plataformas, com geração de emprego e renda.

40 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 40 Conclusões 6 – As boas práticas nas relações trabalhistas dos estaleiros mereceram o reconhecimento da Organização Internacional do Trabalho (OIT). 7 – A nova fase de expansão da indústria da construção naval visa atender ao Plano de Investimentos da Petrobras, à expansão do transporte marítimo de longo curso e cabotagem e ao transporte fluvial. 8 – O crescimento previsto da contratação de pessoal nos novos estaleiros coloca a capacitação e qualificação de Recursos Humanos como um dos desafios do setor. 9 – O aumento do conteúdo local na construção de navios e plataformas ganha prioridade, em O SINAVAL avança para se tornar um dos coordenadores desse esforço para aumento da produção local de sistemas e equipamentos. 10 – Acordos assinados com as instituições financeiras que são os principais agentes do Fundo da Marinha Mercante permitirão ao SINAVAL integrar ao esforço do conteúdo local os maiores bancos de fomento do País. 11 – Os desafios estão identificados e suas soluções vêm sendo encaminhadas.

41 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 41 Conclusões O SINAVAL tem confiança na continuidade da política industrial para a construção naval brasileira, que se apresenta como um segmento forte no desenvolvimento socioeconômico para promoção da melhoria da qualidade de vida de todos os brasileiros.

42 SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 42 OBRIGADO !


Carregar ppt "SINAVAL – Cenário no 2º Trimestre de 2011 www.sinaval.org.br Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore 1 PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google