A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial - Evolução Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2005.1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial - Evolução Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2005.1."— Transcrição da apresentação:

1 Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial - Evolução Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN

2 Desafio de integração de informação Visão Geral da Automação Industrial

3 Níveis de Abstração do Problema Nível de Processos Físicos Nível de Sensores e Atuadores Nível de Controle Direto: PC, CLP Nível de Supervisão Nível de Gerência Nível de Rede de Comunicação Motores, robôs, caldeiras, etc. Eletrônica de potência, transdutores, acio. pneumático, etc Algoritmos PID, fuzzy, lógica de relé,etc Tecnologias e protocolos de comunicação Visualização, configuração e armazenamento e variáveis Geração de informação estratégica

4 Tele típica de um Sistema Supervisório

5 Controle por Computador

6 Evolução da Estrutura de Automação Controle de set-point Controle Direto Controle Ponto-a-Ponto SDCD (sistemas Digitais de Controle Distribuídos)

7 Estratégia de Controle Direto

8 Estratégia Ponto-Ponto

9 SDCD A filosofia do sistema de controle digital distribuído é a de dividir os equipamentos em vários módulos funcionalmente distintos: processo, controle, operação, gerenciamento e comunicação.

10 SDCD –Visão Geral

11 SDCD – Visão Técnica

12 SDCD - Estação de Operação

13 SDCD –evolução da instrumentação –funções dos instrumentos (condicionamento de sinal, controle e display) foram distribuídas geograficamente. –substitui instrumentos analógicos, para aplicações de controle contínuo PID. –Poderosa interface homem máquina.

14 CLP X SDCD CLP era usado para aplicações com muita lógica, intertravamento e seqüencial. SDCD era usado para o controle PID do processo contínuo. SDCD fazia o controle regulatório do processo e o CLP fazia o controle de alarme e intertravamento do processo.

15 CLP X SDCD SDCD começaram a incorporar atividades de controle liga desliga no seus sistemas CLP também incorporaram o bloco PID em sua configuração e usando a estação de operação de um CP, roda aplicativos de controle supervisório.

16 CLP X SDCD CLP pode fazer tudo o que o SDCD pode fazer. O que o usuário deve decidir é como facilmente e quanto custa para cada sistema satisfazer as exigências do sistema de controle, como definido na cotação

17 Redes de Barramento de Campo

18 Evolução da Automação Industrial


Carregar ppt "Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial - Evolução Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2005.1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google