A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Alessandra Simplicio nº 1 Ana Beatriz Davoli nº 2 Andreza Higuchi nº 3 Camyla Romão nº 10 Renata Feliciano nº 31 Thalita Yuki nº34 Geografia – Professora.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Alessandra Simplicio nº 1 Ana Beatriz Davoli nº 2 Andreza Higuchi nº 3 Camyla Romão nº 10 Renata Feliciano nº 31 Thalita Yuki nº34 Geografia – Professora."— Transcrição da apresentação:

1 Alessandra Simplicio nº 1 Ana Beatriz Davoli nº 2 Andreza Higuchi nº 3 Camyla Romão nº 10 Renata Feliciano nº 31 Thalita Yuki nº34 Geografia – Professora Malu

2 Uma fonte de saúde e bem-estar

3 Os objetivos do trabalho a ser apresentado são: analisar, desenvolver e aprofundar aspectos que marcam a vida dos habitantes das grandes cidades. Todos os dias toneladas de lixo são produzidas nas grandes cidades e grande parte desse acaba nas ruas, esgotos e rios além dos litros de materiais tóxicos ou poluentes que são despejados na água por empresas e fábricas. Isso contribui para a deterioração da qualidade vida e saúde pública da população urbana. Uma das principais medidas governamentais necessárias para solucionar essas questões é o saneamento básico, assunto a ser tratado no decorrer do trabalho focando a metrópole.

4 É o conjunto de políticas adotadas em uma região que visam proporcionar uma boa qualidade de vida (higiene, saúde) para seus habitantes. Está diretamente ligada à saúde da população. Envolve o conjunto de serviços, infra-estruturas e instalações operacionais de: abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana, manejo de resíduos sólidos e a drenagem e o manejo das águas pluviais. Segundo a Constituição, todo cidadão tem direito a saneamento básico de qualidade.

5 Tratamento de água; Canalização e tratamento de esgotos; Limpeza pública de ruas e avenidas; Coleta e tratamento de resíduos orgânicos e materiais, ou seja, o tratamento e destinação do lixo em geral. Observação Para isso são projetadas estações de tratamento, conhecidas como ETA, as estações de tratamento de esgotos, conhecidas como ETE, aterros sanitários regularizados, usinas de incineração, compostagem e reciclagem; além de programas de medidas de educação da população em geral e conservação ambiental.

6

7

8 As metrópoles são centros populacionais de grande importância que concentram inúmeros serviços, empresas, trabalho, etc. Significa então um local que concentra um número elevado de habitantes, veículos e, sendo palco de graves problemas em grandes proporções, como doenças, lixo, trânsito, entre muitos outros. Isso pede a atenção especial do governo para investir em procedimentos como o saneamento básico nessas metrópoles.

9

10 I- universalização do acesso; II- Realização integral dos procedimentos. III- abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza urbana e manejo dos resíduos sólidos realizados de formas adequadas à saúde pública e à proteção do meio ambiente; IV- eficiência e sustentabilidade econômica V- articulação com as políticas de desenvolvimento urbano e regional, de habitação, de combate à pobreza e de sua erradicação, de proteção ambiental, de promoção da saúde e outras de relevante interesse social voltadas para a melhoria da qualidade de vida, para as quais o saneamento básico seja fator determinante; VI- controle social; VII- integração das infra-estruturas e serviços com a gestão eficiente dos recursos hídricos.

11 Então, como determina a lei, em todas as cidades todos os habitantes teriam direito ao acesso ao saneamento básico, o que remete a uma boa qualidade de vida. No entanto a gestão do saneamento básico no Brasil é irregular e nem todos os municípios possuem esse serviço: eles sofrem com a ausência de estrutura sanitária eficiente. Além disso, as grandes metrópoles enfrentam a batalha causada pelo desordenamento urbano, que dissemina a população. Há ainda a influência política-econômica e a desorganização social como fatores que atrasam o desenvolvimento do saneamento adequado. OU SEJA, A PROPOSTA É BONITA NO PAPEL MAS E A REALIDADE? Vídeo - Charge

12 Uma característica importante dos déficits dos serviços no Brasil é que ele se relaciona com a dupla característica da rede urbana brasileira: dispersão populacional em pequenos municípios, e concentração populacional em poucos grandes municípios. Como já vimos, as grandes metrópoles, apesar de receberem investimentos do governo, sofrem com as consequências da urbanização (aumento constante de habitantes, falta de moradia, surgimento de favelas, entre outros). Dessa forma, os investimentos do governo, mal planejados e ineficientes, não conseguem suprir a crescente demanda de serviços dessas.

13

14 Como tivemos a oportunidade de observar, o objetivo do saneamento básico é a saúde da população. O ser humano, ao mesmo tempo em que interfere no ambiente, gerando detritos que podem disseminar doenças, possui condições de evitar que isso ocorra, empregando medidas de saneamento. Podemos observar também que, apesar de algumas melhoras no setor e da nova regulamentação, ainda existem locais que precisam ser atendidos e procedimentos a serem implantados e melhorados para que se atinjam todas as metas do saneamento. O governo deve planejar melhor suas ações e buscar a universalização dos serviços, visando melhorar a qualidade de vida e diminuir as desigualdades e a miséria principalmente nas grandes metrópoles.

15 Cerca de 8,6 milhões (17,5%) dos 49,1 milhões de domicílios no Brasil em 2003 não eram atendidos por rede geral de abastecimento de água. Segundo dados do Governo Federal apenas 28,2% do esgoto sanitário coletado nos domicílios brasileiros recebe tratamento e só uma pequena parcela tem destinação final sanitariamente adequado no meio ambiente 15 crianças de 0 a 4 anos morrem por dia no Brasil em decorrência da falta de saneamento básico, principalmente de esgoto sanitário (FUNASA – FSP 16/7/00) 1 bilhão de pessoas não dispõem de água potável e 1,8 bilhão não têm acesso a sanitários e esgoto Algumas doenças relacionadas à falta de rede de esgotos: hepatite A, diarréias, disenterias, dengue, febre amarela, malária e leptospirose. Para cada R$ 1,00 real investido em saneamento economiza-se R$ 4,00 na área de medicina curativa

16 ucional/pac_saneamento_assemaeSP_ pdf da-revista/edicao-06/materias/a-beleza 19 Livros: 1.CAVINATTO, Vilma Maria. - Saneamento Básico; Fonte de saúde e bem- estar. 2. DIAS, Genebaldo Freire. – Ecopercepção; um resumo didático dos desafios sociambientais.

17 Pesquisador diz que saneamento básico ainda é um verdadeiro buraco para o Brasil 3 July, :16h Délcio Rocha [...]Segundo o pesquisador, a questão do saneamento básico deveria ser uma das prioridades em políticas públicas, já que a sua ausência traz muitos impactos negativos na vida das pessoas. "A falta de saneamento implica pior desenvolvimento humano em todas as dimensões, em particular na saúde. A falta de saneamento rouba a vida e mata crianças, principalmente de 1 a 6 anos de idade, e também gera consequências futuras para aqueles que sobrevivem às doenças do saneamento.[...]

18 Jornal nacional, saneamento básico (2008)

19 01- (Imagem feita pelo grupo) Em 2007 foi lançada uma nova lei para o saneamento básico nacional que visava programar e melhorar os serviços desse em todo o país. Entre suas principais modificações está a privatização do saneamento, que agora fica a cargo de cada município e um de seus princípios é a universalização do acesso. Na realidade, entretanto, ainda há uma grande parcela da população carente desses serviços sendo prejudicada. Analisando-se a situação real vemos que a nova lei é bonita e perfeita, mas a realidade nem tanto. Tendo isso em vista, a universalização do acesso a um saneamento de qualidade é apenas uma utopia ou uma futura realização? O que fazer para aproximar a utopia da realidade?

20 02- Em jornais, revistas, noticiários são sempre mostradas notícias alarmantes sobre guerras e ataques terroristas, que impressionam e indignam os telespectadores. No entanto, vemos diariamente cenas de enchentes, famílias sem acesso a água tratada e esgoto, toneladas de lixo sendo jogadas em nossos mananciais, sem que haja a mesma preocupação por parte da sociedade. A partir da imagem ao lado, comente os responsáveis e as responsabilidades para com essa realidade.

21 03- O processo de urbanização vem aumentando cada vez mais o número de pessoas vivendo nas grandes cidades. Isso traz como consequência o inchaço urbano que leva a uma deterioração da qualidade de vida nas urbes. Dessa forma, como conciliar o desenvolvimento das cidades à busca de melhores condições de vida da população?


Carregar ppt "Alessandra Simplicio nº 1 Ana Beatriz Davoli nº 2 Andreza Higuchi nº 3 Camyla Romão nº 10 Renata Feliciano nº 31 Thalita Yuki nº34 Geografia – Professora."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google