A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AP. Conteúdo Definição de Requisitos Linguagem de Modelagem de Dados - UML – Diagrama de Caso de Uso 2.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AP. Conteúdo Definição de Requisitos Linguagem de Modelagem de Dados - UML – Diagrama de Caso de Uso 2."— Transcrição da apresentação:

1 AP

2 Conteúdo Definição de Requisitos Linguagem de Modelagem de Dados - UML – Diagrama de Caso de Uso 2

3 Requisitos Definições Requisitos servem para estabelecer um conjunto de objetivos gerais do sistema Tipos: – Requisitos funcionais gerais: funções básicas – Propriedades do sistema: não-funcionais 3

4 Requisitos e Casos de Uso O modelo de casos de uso é uma representação das funcionalidades do sistema e dos elementos externos ao sistema que interagem com estas funcionalidades O modelo de casos de uso modela os requisitos funcionais do sistema 4

5 Casos de Uso O diagrama da UML utilizado na modelagem de casos de uso é o diagrama de casos de uso Técnica de modelagem idealizada por Ivar Jacobson, na década de 1970 Posteriormente, a notação de casos de uso foi adicionada à UML 5

6 Casos de Uso Este modelo direciona diversas das tarefas posteriores do ciclo de vida do sistema de software – Codificação, Testes Além disso, o modelo de casos de uso induz os desenvolvedores a moldar o sistema de acordo com necessidades do usuário 6

7 13/05/11 O modelo de casos de uso de um sistema é composto de: – Casos de uso – Atores – Relacionamentos entre os elementos anteriores Componentes do Modelo

8 Atores Elemento externo que interage com o sistema. – externo : atores não fazem parte do sistema. – interação : um ator troca informações com o sistema Casos de uso representam uma seqüência de interações entre o sistema e o ator – troca de informações entre eles Normalmente um ator inicia a seqüência de interações com o sistema 8

9 Localizar atores

10 Atores Categorias Pessoas – Empregado, Cliente, Gerente, Almoxarife, Vendedor Organizações – Empresa Fornecedora, Agência de Impostos, Administradora de Cartões Outros sistemas – Sistema de Cobrança, Sistema de Estoque de Produtos Equipamentos – Leitora de Código de Barras, Sensor 10

11 Sistema Bancário Cliente, gerente, caixa, diretores... Hospital Paciente, atendentes, profissionais de saúde, gerência,... Caixa eletrônico Cliente, Banco,.... Compras, vendas e estoque Comprador, fornecedor, almoxarifado, vendedor, cliente,... Atores Exemplos

12

13 Casos de Uso Um caso de uso é uma seqüência de ações realizada por um sistema que produz um resultado de valor observável para determinado ator Todos os casos de uso juntos devem descrever a funcionalidade completa do sistema (requisitos) Atores são fundamentais para a descoberta dos casos de uso 13

14 Para cada ator.... Identificar Casos de Uso

15 Casos de Uso 15

16 Atores x Casos de Uso Criar interações : passo de modelagem dos caso de uso Diagrama de casos de uso Uma associação de comunicação é uma associação entre uma classe de ator e uma classe de caso de uso, que indica haver interação entre elas Um ator se comunica com os casos de uso por vários motivos, por exemplo: Para iniciar um caso de uso Para solicitar dados do sistema Para alterar os dados armazenados no sistema 16

17 Atores x Casos de Uso 17

18 18

19 Atores x Casos de Uso Relacionamentos A UML define diversos tipos de relacionamentos no modelo de casos de uso: – Comunicação – Inclusão – Extensão – Generalização 19

20 Relacionamentos Comunicação Inclusão Extensão Generalização 20

21 Comunicação Representa a informação de quais atores estão associados a que casos de uso O fato de um ator estar associado a um caso de uso significa que esse ator interage (troca informações) com o sistema Um ator pode se relacionar com mais de um caso de uso É o mais comum dos relacionamentos 21

22 Comunicação 22

23 23

24 Relacionamentos Inclusão Extensão Generalização 24

25 Inclusão Um relacionamento de inclusão é aquele que Associa um caso de uso base a um caso de uso de inclusão O comportamento definido para o caso de uso de inclusão é inserido de forma explícita no comportamento definido para o caso de uso base Servem para fatorar : separar comportamento complexo do caso de uso ou; comportamento que não faz parte do propósito principal do caso de uso a fim de diminuir a complexidade do fluxo de eventos 25

26 Inclusão Existe apenas entre casos de uso Quando dois ou mais casos de uso incluem uma seqüência de interações comum, esta seqüência comum pode ser descrita em um outro caso de uso ( de inclusão ) Este caso de uso comum: – Evita a descrição de uma mesma seqüência mais de uma vez 26

27 sli de 27 de 15 5 Inclusão

28 Relacionamentos Comunicação Inclusão Extensão Generalização 28

29 Extensão Um relacionamento de extensão Associa um caso de uso de extensão a um caso de uso base O comportamento definido para o caso de uso de extensão pode ser inserido no comportamento definido para o caso de uso de base Criados para modelar comportamentos opcionais ou excepcionais São executados somente face a certas condições Casos de uso de inclusão são sempre executados 29

30 Extensão Sejam A e B dois casos de uso. – Um relacionamento de extensão de B para A indica que um ou mais dos cenários de A podem incluir o comportamento especificado por B – Neste caso, diz-se que B estende A – O caso de uso A é chamado de estendido e o caso de uso B de extensor 30

31 Extensão A execução do caso de uso B (extensor) depende de escolha do ator Após a execução de B – O fluxo volta ao caso de uso principal, recomeçando logo após o ponto em que o extensor foi inserido 31

32 Extensão 32

33 Relacionamentos Comunicação Inclusão Extensão Generalização 33

34 Uma generalização de casos de uso É um relacionamento de um caso de uso filho com um caso de uso pai O filho pode adotar todo o comportamento e as características descritas para o pai Usado para relacionar um caso de uso mais especializado com um mais geral Este relacionamento complica mais do que facilita e deve ser evitado 34

35 Generalização de Atores Na generalização de ator, o filho herda o papel que o pai pode desempenhar em um caso de uso Facilita a leitura do modelo de caso de uso 35

36 Notação Os relacionamentos de inclusão e extensão são representados por uma seta direcionada de um caso de uso para outro A seta ( tracejada ) de um relacionamento de inclusão recebe o estereótipo > A seta ( tracejada ) de um relacionamento de extensão recebe o estereótipo > A seta ( sólida ) de um relacionamento de generalização não recebe estereótipo 36

37 Atividade 37 Na seqüência da entrevista com o responsável pela biblioteca, foi também entrevistado o funcionário que está no atendimento ao público: O novo sistema deverá permitir aos alunos a reserva de livros pela internet, com aviso por correio eletrônico quando o livro for devolvido, Tem sido um serviço freqüentemente sugerido, em particular para os livros com uma elevada procura. No registro da devolução dos livros também pode ser necessário o cálculo de uma multa por atraso. Também foi sugerido que fosse enviado um a todos os alunos com livros em atraso, informando o número de dias e o valor da multa. Para realizar qualquer tarefa no sistema o funcionário deverá estar registrado no sistema.

38 Atividade 38

39 39

40 Como fazer? 40 A modelagem de um caso de uso partirá sempre do levantamento de requisitos com o usuário. Dos requisitos, são determinados o contexto do sistema e os atores. Para cada ator identificado, buscam-se suas responsabilidades e o que cada um espera de comportamento do sistema. Esses comportamentos são nomeados de casos de uso.

41 Descrevendo o caso de uso 41 A descrição de um caso de uso na realidade é um coleção de cenários de sucesso (cenário principal) e fracasso (cenários alternativos) que vão descrever os passos de um ator na utilização do sistema, e a reação desse sistema a cada um desses passos, até que se atinja o objetivo principal do caso de uso.

42 Descrevendo o caso de uso 42 Descrição de um caso de uso é dividida em várias seções: Descrição: normalmente é escrita com uma ou duas frases que identificam o objetivo do caso de uso. Não são citados detalhes, pois estes entrarão no corpo do caso de uso. Lista de atores: relaciona-se o nome de todos os atores que interagem com o caso de uso. Pré-condições: indica tudo que deve ser verdade para que o caso de uso tenha início. Quem garantirá essa pré-condição é o sistema.

43 Descrevendo o caso de uso 43 Cenário principal: apresenta uma seqüência normal dos eventos que devem se produzir para implementar a funcionalidade descrita pelo caso de uso e também que dados são necessários a implementação da funcionalidade.

44 Descrevendo o caso de uso 44 Algumas boas práticas para se descrever os cenários principal e alternativos: Escreva sempre o que acontece e não como acontece. Escreva um texto com terminologia mais próxima do usuário. Numerar itens.

45 Descrevendo o caso de uso 45 Sub-cenários(quando pertinente): algumas vezes o cenário principal é complexo e pode ser dividido em sub-cenários para facilitar a compreensão. Cenários alternativos: relacionam tudo que se espera do sistema quando da ocorrência de exceções nos itens do cenário principal. Nesta seção teremos vários pequenas cenários, que abrangem tanto exceções quanto alternativas. Pós-condições: indica tudo que deve ser verdadeiro para que o caso de uso seja considerado completo com sucesso.

46 Descrevendo o caso de uso 46

47 Exemplo UC – Registrar Devolução 47

48 48


Carregar ppt "AP. Conteúdo Definição de Requisitos Linguagem de Modelagem de Dados - UML – Diagrama de Caso de Uso 2."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google