A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 R E S I D U A L L LABORATÓRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E COMPÓSITOS MDL – Empreendedorismo e Gestão Ambiental Prof. Dr. Alcides Lopes Leão UNESP - Campus.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 R E S I D U A L L LABORATÓRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E COMPÓSITOS MDL – Empreendedorismo e Gestão Ambiental Prof. Dr. Alcides Lopes Leão UNESP - Campus."— Transcrição da apresentação:

1 1 R E S I D U A L L LABORATÓRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E COMPÓSITOS MDL – Empreendedorismo e Gestão Ambiental Prof. Dr. Alcides Lopes Leão UNESP - Campus de Botucatu Caixa Postal 237, Botucatu, SP

2 2 COMO O SER HUMANO INTERAGE COM O AMBIENTE ( OIKOS ) ?

3 3 ECOMENES (oikos-menes) eECOMENIA Resultante em processos de baixo impacto ambiental Uso dos recursos naturais baseados numa intuição ecológica de processos biológicos não lineares - SUSTENTATIBLIDADE Extrativismo – baixa pressão sobre os recursos naturais Economia – alta pressão; realizar lucros a qualquer custo

4 4 Exploração Paretto: Ninguém se beneficia se alguém não se prejudica. Exemplo: mineração, agricultura

5 5 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ONU, 1987) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ONU, 1987) Integração dos critérios ambientais nas práticas econômicas de forma que as estratégias da organização: Desenvolvimento que satisfaz as necessidades da presente geração sem comprometer a habilidade das futuras gerações de satisfazerem suas próprias necessidades u Satisfaçam às necessidades de crescimento contínuo e crescimento contínuo e u Conservem o capital natural

6 6 Desenvolvimento Sustentável Eficiência Econômica Justiça Social Sustentabilidade Ambiental Desenvolvimento Sustentável

7 7 Qualidade de Vida s Ambiental – preservação e conservação de recursos naturais (Agenda 21) s Social – saneamento básico e escolas (redução de mortalidade infantil e analfabetismo) - empregos não qualificados s Econômico – empregos diretos, gerando alternativas econômicas às regiões economicamente deprimidas. Há 13 bolsões de pobreza crônicos no Brasil: Vale do Ribeira, Jequitinhonha, etc...

8 8 Para prover água de qualidade para todo o mundo... U$S 10 bilhões por ano e... 1,1 bilhão de pessoas não tem acesso à água. Para eliminar a fome no mundo.... US$19 bilhões por ano... Atualmente gasta-se: Maquiagem : US$ 18 bilhões/ano! Perfume : US$15 bilhões! Cruzeiros em navios : U$S14 bilhões! Orçamento Militar Mundial – 957 BILHÕES em 2003 Orçamento Militar dos EUA – 450 BILHÕES (47% do orçamento mundial) Guerra do Iraque 2003/ Bilhões Worldwatch Institute – 2004

9 9

10 10 Tecnologia –Questões Sociais s Questão: Abaixo é descrito uma lista de questões sociais genéricas. Indique a quantidade de tecnologia que voce acha que será necessário nos próximos 5 anos para resolver a questão

11 11 Levine, 2003 Dinâmica do Desenvolvimento Sustentável Considerações Sóciopoliticas para obter desenvolvimento sustentável: Econômico Crescimento dos negócios e eficiência Social Justiça Social Oportunidades Econômicas Ambiental Conservação dos Recursos Naturais Saúde Pública

12 12 O Papel da Tecnologia no Desenvolvimento Sustentável s Possibilitar mudanças no processo produtivo e de consumo que resultem em menor agressão e que favoreçam e amparem a busca do desenvolvimento sustentável – abate - controla a emissão de efluentes com filtros retendo resíduos gerados –produção mais limpa - desenvolvimento tecnológico no processo ou no desenho do produto que diminuam ou eliminem a geração de resíduos

13 13 REFLEXÃO AMBIENTAL Luiz Carlos Dalben

14 14 POLUIÇÃO DO AR = AQUECIMENTO

15 15 POLUIÇÃO HÍDRICA

16 16 POLUIÇÃO DO SOLO E LENÇOL FREÁTICO

17 17 EFEITO ESTUFA - AQUECIMENTO

18 18 EFEITO ESTUFA - AQUECIMENTO

19 19 QUEM CUIDA DO AMBIENTE ?

20 20 EROSÃO = CRIME AMBIENTAL

21 21 DESRESPEITO A APP ASSOREAMENTO

22 22 RECURSOS HÍDRICOS - EDUCAR USAR ADEQUADAMENTE DESPERDÍCIO

23 23 RECURSOS HÍDRICOS - PROTEGER USAR ADEQUADAMENTE DESRESPEITO A APP

24 24 Seca na China – 2007 – 400 MILHÕES afetados AQUECIMENTO GLOBAL ?

25 25 PARA QUEM NÃO ACREDITA

26 26 DESMATAMENTO DA AMAZÔNIA

27 27 EXTINÇÃO PELA FOME

28 28 EXTINÇÃO PELA POLUIÇÃO CHINA, RIO YANTGZÉ : TERCEIRO MAIOR DO MUNDO- 2007

29 29 Coleta de Esterco Animal para Queima na Africa s Mudanças de hábitos de cocção s Tecnologias de fogãos solares s Florestamento s Reflorestamento s Controle populacional

30 30 CONSCIENTIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTE

31 31 CONSCIENTIZAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTE

32 32 Principais Problemas Ambientais a Serem Trabalhados -Aquecimento GlobalAquecimentoGlobal - Poluição dos mananciais e Corpos d´águas - Proteção aquíferos (Guarani) - Desmatamento de áreas vitais - Resíduos Sólidos Urbanos - Esgotos Domésticos - Nível populacional do planeta - Emissão de gases causadores do efeito estufa s Pobreza: Encurta a média de vida do Homem em cerca de 11 anos

33 33 Tomada de consciência sobre meio ambiente 1700 AC- Código de Humarabi rei da antiga Babilônia desrespeito a agricultura, criação de gado, danos a propriedade, roubos, assassinatos etc.

34 34 Tomada de Consciência sobre O Ambiente 1700 AC- Código de Humarabi rei da antiga Babilônia (Iraque) 451 a 450 AC - Lei das XII Tábuas, redigidos pelos romanos Carta Magma, Carta da Floresta, Inglaterra Feudal Código Affonsino: império português: normas ambientais Ordenações Manoelinas vedavam a caça com instrumentos 1760 – Alvará Real de Proteção aos manguezais, no Brasil – Carta Régia criada pela coroa portuguesa, a figura do Juiz Conservador Das Matas no final do século XIX, na Inglaterra surgiu: primeira Lei Anti Poluição das Águas – Revolução industrial – Brasil baixa a Lei de tutela Ambiente Cultural,

35 35 A partir da Década de Livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson – Clube de Roma 30 profissionais, educadores Conferência da Biosfera. Racionais Recursos da Biosfera, realizada em setembro, em Paris Homem chegou na Lua – impacto na mentalidade Conferência das Nações Unidas sobre meio ambiente Estocolmo (Suécia) Conferência de Tbilise, Geórgia – Educação Ambiental 1987 – Nosso Futuro Comum (Our Common Future) 1992 – Eco 92

36 36 Consumo de Energia Per Capita (kcal/dia)

37 37 Os Maiores Desmatadores do Planeta s Brasil: Perdas Amazônia: 3,1 milhões de hectares/ano s Indonésia: Turfeiras liberando carbono quando destruídas: 1 milhão de hectares/ano s Sudão: Carvão vegetal (Acacia senegalis): hectares/ano s Burma: Devido a intensa demanda da China: hectares/ano s Zambia: Carvão vegetal e lenha (miséria): hectares/ano

38 38 Efeitos da Poluição do Ar s SUS gasta R$360 milhões/ano em moléstias respiratórias; s Perdas por absenteísmo resultam em mais de R$2 bilhões/ano na cidade de São Paulo devido a problemas respiratórios

39 39 AGENTES CAUSAISPROPORÇÃO % Produtos Naturais30-50 Fumar20 Ocupacional5-25 Medicinal5-10 Aditivos Alimentares5-10 Causas de Cancer Não Genéticos

40 40 Ciclo do Carbono - Carbono Verde s Carbono proveniente de Biomassa: ciclo curto (décadas) – Recurso Natural Renovável s Carbono proveniente de combustível fóssil: ciclo longo (milhões de anos)

41 41 MDL: uma Contradição do Ponto de Vista Ético Científico s Considerando que cotas de emissões de carbono possam ser trocadas por áreas verdes de absorção (sumidouros ou poços de carbono), o MDL é acusado de retardar a implementação de tecnologias limpas e investimentos em energias renováveis por parte das empresas.

42 42 MDL: uma Contradição do Ponto de Vista Ético Científico s O ar limpo tornaria-se uma commodity que pode ser negociado em bolsas de valores como qualquer outra mercadoria, através dos "créditos de carbono". s As empresas, assim, continuariam a contribuir para o efeito estufa e a deteriorar a qualidade do ar local, global e de vida em seus locais de emissões.

43 43 Mercado de Créditos de Carbono s Os empresários dos países desenvolvidos que não conseguirem atingir a meta de 5% de redução (conforme previsto pelo Protocolo), poderão comprar as cotas de "não-emissão de carbono" de outras empresas no Mercado de Créditos de Carbono. Atualmente o preço no mercado varia entre US$ 3 a US$15 por tonelada de carbono.

44 44 Desenvolvimento Sustentável Políticas Nacionais s Sumidouro/Reservatórios s Mercado de Carbono s Mecanismos de Flexibilização s Cooperação Internacional s Pesquisa s Eficiência Energética s Incentivos Governamentais s Medidas Mitigatórias GEE s Medidas Eliminatórias GEE

45 45 Distribuição Mundial dos Projetos MDL

46 46

47 47 O verdadeiro Desenvolvimento Sustentável pode não ser obtido, mas ao caminharmos em direção à Sustentabilidade, ajudar-se a resolver os problemas e inigualdade econômica, degradação ambiental e injustiça social

48 48

49 49 Mercado Local em Gabão

50 50 EMPREENDEDORISMO Alguém que procura maximizar oportunidades (Drucker, 1969) Empreendedorismo Quebra de um ciclo Inovação Aproveitamento de oportunidades Empreendedor Aversão ao risco Oportunista Informação

51 51 Educação para empreendedorismo – seja líder de si mesmo Que vocês sejam empreendedores. Se empreendem, não tenham medo de falhar. Se falharem, não tenham medo de chorar. Se chorarem, repensem a vida, mas não desistam. Não se mede um Homem pelas vezes que ele cai, mas sim pelas vezes que ele se levanta (Che Guevara) Dêem sempre uma nova oportunidade a si mesmos.

52 52 Características Importantes para o Fomento de Capacidades Empresariais (Garcia, 2000, p.63) s Sonhar (Um homem que não sonha é um homem morto) s Ao realizar um sonho, busque sempre um novo s Realização: –Iniciativa, persistência e busca de oportunidades; –Capacidade de buscar formação/informação; –Eficiência; –Qualidade de trabalho s Planejamento e Metodologia: –Resolução de Problemas s Lógica: s Maturidade Pessoal: –Relação Causa/Efeito –Autoconfiança e perícia; e –Identificação dos limites. Nishimura

53 ACIONISTAS BANCOS E INSTITUÇÕES DE INVESTIMENTIO RESPONSABILIDADE CIVIL SEGUROS PERDAS FINANCEIRAS AUMENTO CUSTOS DE DISPOSIÇÃO RESÍDUOS FIRMAS DE DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS ESCASSEZ LOCAIS DE DISPOSIÇÃO GOVERNO PÚBLICO: NIMBY PRIORIDADES POLÍTICAS GOVERNO LEGISLAÇÃO CONSUMIDORES " VERDES " PRIORIDADES POLÍTICAS CONSIDERAÇÕES FINANCEIRAS CONSUMIIDORES " VERDES " RESPONSABILIDADE CIVIL BOICOTES PERDA DE MERCADO POLUIDOR - PAGADOR PRESSÃO AMBIENTAL SOBRE AS INDÚSTRIAS

54 EMISSÕES ZERO USO CRITERIOSO DE MATÉRIAS PRIMAS E ENERGIA POSTURA PROATIVA ANÁLISE DO CICLO DE VIDA VANTAGENS COMPETITIVAS FORMADORA DE CONSCIÊNCIA AMBIENTAL DIMINUIÇÃO DOS CUSTOS CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO RECICLAGEM POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA E TRABALHO

55 55 Inovar Para a maioria inovar significa um produto novo, significa pensar em invenção. E inovação não é invenção, inovação é fazer as coisas diferentes, como a própria gestão que pode ser um campo de inovação, segmentação de mercado, crédito, serviço. Inovação em princípios e processos de gestão pode criar vantagens duradouras e provocar deslocamentos radicais na posição competitiva.

56 56 Surpresa s Ser vencido é aceitável s Ser surpreendido é imperdoável Napoleão Bonaparte

57 57 Investimento em P&D Numa economia globalizada, a única fonte segura de competitividade duradoura é o conhecimento. Ex: Brasil vs. Argentina ou Cuba Nonaka & Takeuchi (The Knowledge Creating Companies)

58 58 Os Mandamentos de uma Empresa Inovadora (Toyota) s Qualidade s Obsessão por corte de custos s Investimento em formação s Emprego vitalício s Simplicidade s Procura pela visão de longo prazo s Decisão por consenso s Proximidade com o consumidor

59 59 Definição de Resíduos Matéria Prima Processo RESÍDUOS Sub-produtos Materiais não-convertidos Auxiliares Produto Componentes Reutilizáveis Componentes Não-reutilizáveis (Rejeitos) Reciclagem, uso dentro da rede de produção integrada Disposição/Tratamento

60 60 Definições - Resíduo e Rejeito s Rejeito – algo inservível, cuja única aplicação e a disposição final s Resíduo – tudo que serve para um processo produtivo próprio ou de terceiros s Sub-produto – algo que forneça uma remuneração ao negócio menor que a atividade principal s Co-produto – algo de valor compatível com o produto da atividade fim do negócio s Produto – atividade fim de um negócio

61 61

62 62 RESÍDUOS Matéria Prima de Custo Negativo INORGÂNICOS Reciclagem Aterro Industrial p Resíduos Perigosos Tratamentos Físicos- Químicos Orgânicos Reciclagem Tratamento Biológico Incineração Classe 2 Reciclagem Aterro Industrial p/ Resíduos Não Perigosos Classe 3 Classe 1 Destinação dos Resíduos Reciclagem Aterro Sanitário

63 63 POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA VISÃO Sonho da empresa MISSÃO Por que existe a empresa? VALORES Cultura da empresa DEFINIDA PELA ALTA ADMINISTRAÇÃO

64 64

65 65 A vida é muito simples: Você desenvolve algo. A maioria falha. Alguns funcionam. Você então faz mais daqueles que funcionam. Se realmente funcionam bem outros rapidamente vão copiar. Então você faz alguma coisa mais. O truque é sempre estar fazendo algo novo!!! Leonardo da Vinci, 1500


Carregar ppt "1 R E S I D U A L L LABORATÓRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E COMPÓSITOS MDL – Empreendedorismo e Gestão Ambiental Prof. Dr. Alcides Lopes Leão UNESP - Campus."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google