A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Análise e Interpretação de textos Literatura Profa. Karla Faria.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Análise e Interpretação de textos Literatura Profa. Karla Faria."— Transcrição da apresentação:

1 Análise e Interpretação de textos Literatura Profa. Karla Faria

2 Isso não é um cachimbo, de Magritte

3 Pintura e representação do real A linguagem (da pintura e da literatura) não é o real, é uma representação do real. Magritte faz refletir nesse ponto... O objeto que está na tela (o cachimbo) não é o cachimbo do cotidiano, não tem obrigação de ser o real. É como ele, Magritte, vê o cachimbo. Ao dizer que isso não é um cachimbo, o pintor nos faz refletir sobre o compromisso das artes com o mundo. Se for para ser fiel à realidade, não precisa da pintura, já existe a máquina fotográfica que retrata o objeto como ele realmente é.

4 A literatura e o real Os textos literários não têm nenhum compromisso em retratar o real. Têm compromisso com a verossimilhança dos textos, com a verdade criada no texto e não com a verdade do mundo.

5 Texto O que é um texto? O que é um texto? Todo de sentido. A tudo que se pode atribuir significado. Textos podem ser: Textos podem ser: Verbal ou não verbal. Verbal ou não verbal. Palavras Imagem, figura

6 Texto literário O que faz de um texto literário? O que faz de um texto literário? O trabalho com as palavras. O escritor, o poeta potencializam as palavras, ou seja, exploram seus variados sentidos. O pintor usa as tintas para transformar uma cena, um objeto. O escritor usa a palavra para recriar o mundo. Ao ler um livro, lemos o mundo recriado pelo escritor.

7 Analisar vs. Interpretar Analisar perceber o que está posto no texto, os efeitos de sentido criados no texto. Analisar perceber o que está posto no texto, os efeitos de sentido criados no texto. Interpretar Fazer relações com a experiência do leitor. Interpretar Fazer relações com a experiência do leitor. O que o autor quis dizer. O analista não pode saber o que o autor quis dizer, pode- se saber o que o autor disse. O que o autor quis dizer. O analista não pode saber o que o autor quis dizer, pode- se saber o que o autor disse.

8 Autor vs. Enunciador Autor mundo real. Autor mundo real. Enunciador mundo do texto. Enunciador mundo do texto. Eu lírico narrador (poesia) (prosa)

9 Enquanto houver sol Quando não houver saída Quando não houver mais solução Ainda há de haver saída Nenhuma idéia vale uma vida Quando não houver esperança Quando não restar nem ilusão Ainda há de haver esperança Em cada um de nós, algo de uma criança Enquanto houver sol, enquanto houver sol Ainda haverá Enquanto houver sol, enquanto houver sol Quando não houver caminho Mesmo sem amor, sem direção A sós ninguém está sozinho É caminhando que se faz o caminho Quando não houver desejo Quando não restar nem mesmo dor Ainda há de haver desejo Em cada um de nós, aonde Deus colocou Enquanto houver sol, enquanto houver sol Ainda haverá Enquanto houver sol, enquanto houver sol

10 Textos para Análise Músicas e poemas

11 Antonio Machado Caminante, son tus huellas el camino, y nada más; caminante, no hay camino, se hace camino al andar, Al andar se hace el camino, y al volver la vista atrás se ve la senda que nunca se ha de volver a pisar. Caminante, no hay camino, sino estlas en el mar.

12 Texto de análise Vou deixar- Skank Vou deixar a vida me levar Pra onde ela quiser Estou no meu lugar Você já sabe onde é É não conte o tempo por nós dois Pois a qualquer hora posso estar de volta Depois que a noite terminar Vou deixar a vida me levar Pra onde ela quiser Seguir a direção De uma estrela qualquer É não quero hora pra voltar não Conheço bem a solidão me solta E deixa a sorte me buscar Eu já estou na sua estrada Sozinho não enxergo nada Mas vou ficar aqui Até que o dia amanheça Vou me esquecer de mim E você se puder não me esqueça Vou deixar o coração bater Na madrugada sem fim Deixar o sol te ver Ajoelhada por mim sim Não tenho hora pra voltar não Eu agradeço tanto a sua escolta Mas deixa a noite terminar Eu já estou na sua estrada Sozinho não enxergo nada Mas vou ficar aqui Até que o dia amanheça Vou me esquecer de mim E você se puder não me esqueça Não não não quero hora pra voltar não Conheço bem a solidão me solta E deixa a sorte me buscar Não não não tenho hora pra voltar não Eu agradeço tanto a sua escolta Mas deixa a noite terminar

13 Cântico XIII Renova-te. Renasce em ti mesmo. Multiplica os teus olhos, para verem mais. Multiplica-se os teus braços para semeares tudo. Destrói os olhos que tiverem visto. Cria outros, para as visões novas. Destrói os braços que tiverem semeado, Para se esquecerem de colher. Sê sempre o mesmo. Sempre outro. Mas sempre alto. Sempre longe. E dentro de tudo.

14 Três Coisas - Fernando Pessoa De tudo, ficaram três coisas: A certeza de que estamos sempre a começar... A certeza de que é preciso continuar... A certeza de que seremos interrompidos antes de terminar... Portanto, devemos: Fazer da interrupção um caminho novo... Da queda um passo de dança... Do medo uma escada... Do sonho uma ponte... Da procura um encontro...

15 O Penetra- Zeca Pagodinho quem é ele?... Não sei quem convidou Sei lá, ninguém soube dizer como fez pra entrar Já bolado pensei: "Isso não vai prestar" O cara pagava mico Soprando um apito Cismou de zoar O qu'é dele tá guardado No final da festa o bicho vai pegar [quem é ele, quem é?...] Não sei quem convidou Sei lá, ninguém soube dizer como fez pra entrar Já bolado pensei: "Isso não vai prestar" O cara pagava mico Soprando um apito Cismou de zoar O qu'é dele tá guardado No final da festa o bicho vai pegar Bebeu demais Comeu de tudo Dançou sozinho Encheu o bolso de salgadinho Foi pra fila da pipoca

16 Roubou o pedaço de bolo e o refrigerante que estava na mão do aniversariante Fez a criança chorar [o danado bebeu...] Bebeu demais Comeu de tudo Dançou sozinho Encheu o bolso de salgadinho Foi pra fila da pipoca Roubou o pedaço de bolo e o refrigerante que estava na mão do aniversariante Fez a criança chorar, ai, ai, ai... Ai, ai, ai O coro comeu antes mesmo da festa acabar Ai, ai, ai Teve que sair na marra Penetra... Bem feito Foi expulso Ralou peito depois de tanto apanhar Ai, ai, ai O coro comeu antes mesmo da festa acabar Ai, ai, ai Teve que sair na marra Penetra... Bem feito Foi expulso Ralou peito depois de tanto apanhar


Carregar ppt "Análise e Interpretação de textos Literatura Profa. Karla Faria."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google