A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROCESSAMENTO DO RNA Biologia Molecular Profª Marília Scopel Andrighetti.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROCESSAMENTO DO RNA Biologia Molecular Profª Marília Scopel Andrighetti."— Transcrição da apresentação:

1 PROCESSAMENTO DO RNA Biologia Molecular Profª Marília Scopel Andrighetti

2 PROCESSAMENTO DO RNA Os diferentes RNAs sintetizados no processo de transcrição são chamados de transcritos primários ; Na maioria das vezes, esses transcritos não representam a molécula madura, ou seja, aquela cuja sequência e estrutura correspondem à forma final do RNA funcional; Esses transcritos necessitam sofrer modificações que fazem parte do processamento do RNA.

3 O transcrito primário da molécula de mRNA é também conhecido como pré-mRNA ou RNA heterogêneo (hnRNA); Este RNA precursor é sintetizado no núcleo e sofre várias alterações, transformado-se no que se chama mRNA (RNA maduro ou processado). O RNA maduro é, então, transportado para o citoplasma onde será traduzido; Os rRNAs e tRNAs são processados tanto em procariotos quanto em eucariotos. Já o processamento do hnRNA ocorre apenas em eucariotos. PROCESSAMENTO DO RNA

4 mRNAProteína pré-mRNA mRNA DNA traduçãotranscrição processamento PROCESSAMENTO DO RNA

5 1. Capping - cap 5; 2. Polyadenylation - cauda poli A; 3. Splicing – excisão de íntrons e junção dos éxons. TRÊS PASSOS BÁSICOS DO PROCESSAMENTO

6 Após o início da transcrição da molécula de mRNA é adicionado um resíduo de guanina à sua extremidade 5; Este resíduo chamado cap sofre, então, metilação (adição do radical metil – CH 3 ) no N7 da guanina, resultando na formação de uma 7-metilguanosina; O cap protege a extremidade 5 da ação de exonucleases e, também, é utilizado para reconhecimento, pelo ribossomo, do sítio de início do processo de síntese proteica. 1. CAPPING - CAP 5

7

8

9 A maioria dos mRNAs possui uma sequência de resíduos de adenina na sua extremidade 3 que é chamada de cauda poliA (aproximadamente 200 A) e é adicionada à molécula após a transcrição pela enzima poliA polimerase; Quando se reconhece a sequência AAUAAA, altamente conservada e localizada 10 a 30 nucleotídeos upstream ao sítio de poliadenilação, é um sinal de que a molécula está terminando e que deve ser adicionada a cauda poliA à extremidade da mesma. 2. POLYADENYLATION - CAUDA POLI A

10 Funções: Facilitar transporte e tradução Estabilizar a molécula Quando ocorre: Após terminação 2. POLYADENYLATION - CAUDA POLI A

11

12 ESTRUTURA PROTEGIDA

13 Os íntrons apresentam um grau de conservação maior do que os éxons, além de apresentarem uma característica muito importante: Os primeiros e os últimos dois nucleotídeos da extremidade 5 e 3, GU e AG, são altamente conservados, indicando que os íntrons evoluíram de um ancestral comum. 5 = GT (DNA) e GU (hn RNA) = início do íntron. 3 = AG (DNA e hnRNA) = final do íntron. 3. SPLICING – EXCISÃO DE ÍNTRONS E JUNÇÃO DOS ÉXONS

14 Além disso, o íntron apresenta uma ADENINA a 40 nucleotídeos da extremidade 3, a qual forma um sítio de ramificação ; Splicing mediado por spliceossomo (ou encadeossomo): Spliceossomo Spliceossomo = vários snRNPs (U1, U2, U4, U5, U6) + proteínas Ajuda a clivar no sítio de splicing; Remove os íntrons; Impede afastamento dos éxons; Une os éxons. 3. SPLICING – EXCISÃO DE ÍNTRONS E JUNÇÃO DOS EXONS

15 U1 snRNP liga-se à extremidade 5; U2 snRNP liga-se ao sítio de ramificação (adenina); U5 snRNP liga-se à extremiadade 3; Após, U4 e U6 snRNPs ligam-se ao complexo formando o spliceossomo.

16 3. SPLICING – EXCISÃO DE ÍNTRONS E JUNÇÃO DOS EXONS Primeira clivagem ocorre entre o éxon à esquerda e a extremidade 5 do íntron; O sítio 5 é então atacado pela adenina no sítio de ramificação; O sítio 3 do íntron é então atacado pela extremidade 3 do éxon à esquerda, ocorrendo a segunda clivagem; Ao final, o íntron é liberado na forma de um laço e os éxons são unidos.

17 3. SPLICING – EXCISÃO DE ÍNTRONS E JUNÇÃO DOS EXONS

18

19 PROCESSAMENTO DO RNA

20 Um transcrito primário pode ser processado de diferentes maneiras, sendo que, o que é íntron para um mRNA pode ser éxon para outro; Esta diferença de processamento pode ser devida à presença de dois ou mais sítios de poliadenilação e/ou à diferença no processo de splicing do hnRNA; Essa possibilidade de processamento diferencial em relação à retirada dos íntrons, chamamos de splicing alternativo. SPLICING ALTERNATIVO


Carregar ppt "PROCESSAMENTO DO RNA Biologia Molecular Profª Marília Scopel Andrighetti."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google