A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Conversando sobre a Depressão Luciana Porto C. da Nóbrega Psiquiatra.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Conversando sobre a Depressão Luciana Porto C. da Nóbrega Psiquiatra."— Transcrição da apresentação:

1 Conversando sobre a Depressão Luciana Porto C. da Nóbrega Psiquiatra

2 O que é depressão? Depressão é uma doença do humor caracterizada por um conjunto de sintomas variados Sentimentos de tristeza são comuns em situações de perdas, fracassos e conflitos interpessoais (ex. luto) x reação desprorporcional com comprometimento funcional Depressão pode ser uma manifestação de doenças físicas ou uso de medicações

3 Sintomas da depressão: Tristeza prolongada, sensação de vazio e ataques de choro sem explicação; Dormir muito pouco ou dormir demasiado; Perda de apetite e de peso ou aumento de apetite e de peso; Perda de interesse ou prazer em atividades que antes eram prazerosas; Inquietação ou irritabilidade; Lentificação;

4 Sintomas da depressão Sintomas físicos persistentes que não respondem ao tratamento (como dor de cabeça, dor crônica, prisão de ventre e outras alterações digestivas); Dificuldade em concentar-se, recordar ou tomar decisões; Fadiga ou perda de energia; Sentimentos de culpa, de desesperança ou inutilidade; Pensamentos recorrentes sobre morte e suicídio. Fonte: INEF – Instituto de Estudos e Orientação da Família

5 No idoso... Humor ansioso ou irritado Queixas físicas diversas com exames clínico/laboratoriais normais Queixas de memória com bons resultados nos testes cognitivos Apetite reduzido com perda de peso na ausência de doença física

6 No idoso... Insônia inicial e principalmente despertar precoce (< 5 horas/noite) Idéias de baixa auto-estima, menos valia Atos auto-lesivos, desesperança e ideação suicida Crenças irreais de perseguição, doença grave ou falência dos órgãos internos

7 Outras condições que cursam com sintomas depressivos: Luto Ajustamento Depressão bipolar Distimia Distúrbio misto de ansiedade e depressão Transtorno disfórico pré-menstrual

8 É comum as pessoas ficarem deprimidas? Maioria não procura atendimento médico, ½ em atendimento clínico não especializado; ¼ em psicoterapia, ¼ com psiquiatra A depressão é pouco diagnosticada pelo médico não psiquiatra (30 a 50%) Transtorno freqüente 3 a 11% da população geral 20% dos idosos 33% pós IAM e 47% nos pcts. com câncer

9 É comum as pessoas ficarem deprimidas? Duas x mais freqüente em mulheres (15 a 25%) Incapacitante: 4ª causa de afastamento do trabalho (em 2020 será 2ª causa) Crônico e recorrente: 80% apresentarão um segundo episódio, em média 4 12% não remitem

10 Quando buscar ajuda? Se houver suspeita Teste de duas questões Durante o último mês você se sentiu incomodado por estar para baixo, deprimido ou sem esperança? Durante o último mês você se sentiu incomodado por ter pouco interesse ou prazer para fazer as coisas?

11 O que causa depressão? Muitas causas podem estar envolvidas: Biológicas – excesso ou falta de algumas substâncias no cérebro, os neurotransmissores Genéticas – herança familiar multifatorial Medicamentos – alguns medicamentos como antihipertensivos, cimetidina, indometacina, etc. Doenças clínicas: IAM, câncer, transtornos hormonais, etc. Psicológicas: cognição negativa, perdas precoces, situações de vida.

12 Tratamento Medicamentos antidepressivos Psicoterapia ECT

13 Tratamento: Fases AgudaObjetivo: remissão dos sintomas e melhora do funcionamento psicossocial Duração: em geral, de 6 a 8 semanas ContinuaçãoObjetivo: prevenção de recaídas e recuperação do funcionamento psicossocial Duração: em média, de 4 a 9 meses ManutençãoObjetivo: prevenção de recorrências Duração: indefinida

14 Tratamento: Fases

15 Tratamento: Adesão Atitudes e crenças Deve-se tomar o antidepressivo só até melhorar Antidepressivos podem mudar a personalidade Meu médico me forçou a tomar o antidepressivo Pode-se tomar menos pílulas nos dias em que você se sente melhor Minha depressão desapareceria mesmo sem tratamento Pode-se tomar pílulas extras nos dias em que você se sente pior

16 Tratamento: Adesão Causas de abandono do tratamento antidepressivo Sentem-se melhor Efeitos adversos Medo de ficar dependente Sentimento de desconforto Falta de eficácia Tenho que me curar sozinho

17 Tratamento: Adesão Informações que influenciam positivamente a adesão: Medicamentos demoram de duas a quatro semanas para fazer efeito Não parar sem antes falar com o médico Realizar atividades de laser

18 Suicídio 14 – 15% dos pacientes deprimidos tentam (11% com êxito) Não considerar como tentativas de chamar a atenção 15 – 22% apresentam nova tentativa no ano seguinte; 10% se suicidam em 10 anos Fatores de risco: M, > 45 anos, separado ou divorciado, classes sócioeconômicas extremas, morar em área urbana, desempregado ou aposentado, ser ateu, e ter poucos contatos sociais; doenças crônicas Personalidade impulsiva, uso de álcool e drogas.

19 Suicídio Perguntando sobre ideação suicida Sente que a vida perdeu o sentido? Tem esperança de que as coisas vão melhorar? Pensou que seria melhor morrer? Pensamentos de por fim à própria vida? São idéias passageiras ou persistentes? Pensou em como se mataria? Já tentou, ou chegou a fazer algum preparativo? Tem conseguido resistir a esses pensamentos? É capaz de se proteger e retornar para a próxima consulta? Tem esperança de ser ajudado?

20 Circunstâncias que sugerem risco de suicídio: Comunicação prévia de que iria se matar Mensagem ou carta de adeus Providências finais (ex. conta bancária) antes do ato Planejamento detalhado Precauções para que o ato não fosse descoberto Ausência de pessoas por perto que pudessem socorrer Não procurou ajuda logo após a tentativa de suicídio Método violento, ou uso de drogas mais perigosas Crença de que o ato seria irreversível e letal Afirmação clara de que queria morrer Arrependimento por ter sobrevivido

21 Concluindo... Transtorno mental mais comum na população Recorrente e com risco de cronificação Recuperação plena se tratado adequadamente

22

23 Referências Fleck MPA et al. Diretrizes da Associação Médica Brasileira para o tratamento da depressão. Revista Brasileira de Psiquiatria 2003;25(2): Shua-Haim JR et al. Depression in Elderly. Hospital Medicine 1997;33(7):45-58 Louzã MR et al. Psiquiatria Básica. Artes Médicas. Porto Alegre, Moreno DH e Soares MB. Diagnósticos & Tratamento: Elementos de Apoio - Depressão. Editora Lemos. São Paulo, Botega NJ. Prática psiquiátrica no hospital geral: interconsulta e emergência. Editora Artmed. Porto Alegre, 2002.

24 Contato


Carregar ppt "Conversando sobre a Depressão Luciana Porto C. da Nóbrega Psiquiatra."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google