A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Orí na visão Nago Erick TOsala. lrun e a consciência Feche os seus olhos e sinta a escuridão ao seu redor, tente apagar tudo da sua mente e não pense.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Orí na visão Nago Erick TOsala. lrun e a consciência Feche os seus olhos e sinta a escuridão ao seu redor, tente apagar tudo da sua mente e não pense."— Transcrição da apresentação:

1 Orí na visão Nago Erick TOsala

2 lrun e a consciência Feche os seus olhos e sinta a escuridão ao seu redor, tente apagar tudo da sua mente e não pense em nada. Simplesmente observe o som do silêncio e perceba que não conseguirá ficar só, pois sentirá a presença do seu ser ao redor. Assim era o universo, tudo que rodeava lrun era o próprio ser divino, as trevas faziam parte do seu DNA antes de surgir a Luz. A Luz, porém, não adveio das trevas, pois as trevas são a ausência da Luz. E lrun está presente no infinito, pois ele habita tudo que possamos imaginar ou jamais teremos capacidade de arquitetar. lrun e a consciência Feche os seus olhos e sinta a escuridão ao seu redor, tente apagar tudo da sua mente e não pense em nada. Simplesmente observe o som do silêncio e perceba que não conseguirá ficar só, pois sentirá a presença do seu ser ao redor. Assim era o universo, tudo que rodeava lrun era o próprio ser divino, as trevas faziam parte do seu DNA antes de surgir a Luz. A Luz, porém, não adveio das trevas, pois as trevas são a ausência da Luz. E lrun está presente no infinito, pois ele habita tudo que possamos imaginar ou jamais teremos capacidade de arquitetar.

3 O despertar de lrun A Luz surge sem esforço ou necessidade, pois a Luz sempre foi parte integrante de lrun. Esta Luz é a consciência do próprio criador. E a evolução do pensamento de lrun em sua magnitude expandiu-se no infinito, dando forma ao Ọ̀run e se fez Reflexo do próprio lrun.

4 Ọ̀run e Àiyé Nós não conseguimos ver o Ọ̀run, mas sabemos que ele existe, seu reflexo e estado de existência afirma que lrun está presente no universo que habitamos. Porem poder ver os Òrìà (Deuses) que Habitam o Ọ̀run se manifestando em nossa cultura, é uma prova que lrun vive e é tão presente quanto delega poderes aos demais deuses que habitam o Ọ̀run. E lrun ordenou que Obàtálá criasse o Àiyé. O Àiyé resume tudo o que sabemos que existe e podemos ver na sua essência a existência de lrun e os demais Deuses, sendo assim ele se expande eternamente. Tudo que vemos, tocamos, ouvimos ou sentimos são vibrações nas diversas frequências que temos a possibilidade de interpretar e ou distinguir.

5 O Ara é modelado por bàtálá Se expandirmos o nosso pensamento a uma distancia tão grande quanto possamos imaginar o infinito, na tentativa de entender quem somos, talvez mesmo assim jamais poderemos entender o que não somos. O homem não surgiu de um único casal para povoar o planeta terra, simplesmente porque ele é criado por bàtálá que modela o Ara, somente um deus pode criar algo divino. E assim é feito com cada ser humano. O Ara é o corpo do ser humano, moldado do barro retirado do Ọ̀run por uma divindade, somos o que somos, pois pertencemos a uma família no Ọ̀run - gb - Ọ̀run - e no Àiyé, a dupla consciência, que nos provem de fatores e conceitos que valoriza nossa vida terrena. Porem antes de nascer, nós somos AraỌ̀run e devemos escolher no Ọ̀run o nosso Odù (destino). Para o ser humano nunca houve um começo, pois sua origem advém do sagrado.

6 Orí A Orí (cabeça) nos provê de sabedoria e nos distingue dos demais, ela traz a nossa herança e o nosso DNA espiritual, somos o que somos há uma eternidade. Esta Orí é moldada mesmo antes do nosso Ara, mas não pense no feto, retire qualquer conceito sobre a concepção humana para entender quem você é, antes mesmo de nascer. Pois você deverá escolher uma Orí quando desejar encarnar. Assim com a sua Orí, você será um individuo na Àiyé, absorvendo sabedoria, conhecimento e vivência. Esta Orí se divide em dois, Orí Òde (cabeça externa) e Orí Inú (cabeça interna), com a modernidade da medicina estética atual, poderemos mudar o exterior – Orí Òde – porem ainda não foi possível a medicina entender corretamente como funciona a Orí Inú, milhares de pensamentos, idéias, sentimentos e até mesmo doenças são desconhecidos e ainda impossíveis de controlar. O que faz esta Orí Inú ser única, porque ainda não conseguiram replicar a sua personalidade? Quem realmente somos?

7 Èémí O sopro da vida, o tão desejado oxigênio que nos revigora e fortalece, sem ele não poderíamos sobreviver. Da mesma forma que nosso Ara seria inanimado sem o sopro divino, como é do conhecimento geral por todas as culturas, que Deus sopra a narina dos seres vivos para que lhe dê a vida e o anime, contudo a diferença está na importância que somos modelados por Obàtálá, um Deus Yorubá, escolhemos um Odù (destino) antes de reencarnar.

8 O Ẹ̀mí Enquanto o Èémí (respiração) é a sua parte sensível. Sendo que Ọ̀kàn (personalidade, individualidade) que engloba a nossa razão e estado consciente de pessoa. A união de todos os elementos forma o Araiye o ser vivente que concentra todos estes conceitos num só. Òjììji é a nossa sombra a qual reflete o Ẹ̀mí (espírito) no Àiyé, seria o reflexo do nosso espírito. Porem, a nossa Ẹ̀mí no Àiyé deixa de ser chamada assim e recebe o nome de nìkẹ́jì.

9 Iyè – A memória Se nós possuímos o DNA de lrun, devemos imaginar que tudo que aprendemos ou vivenciamos no Àiyé é resgatado e permanece na consciência do próprio lrun, nada do que adquirimos durante o período encarnado se perde, ele vai acumulando e estabilizando este conhecimento na mente universal de lrun. Logo teremos acesso a este conhecimento através dos rituais e passagens iniciáticas, fator importante para o lẹ́gun e a comunidade que absorve todo este conhecimento para elevação e evolução no Àiyé. Tal conhecimento é passado pelos rituais e tradições de cada nação. O Ara não possuía Reflexo assim ele era insensível e incompreensível, não havia calor, por isso não havia vida.

10 Ìpòrí e Ìpín Ìpòrí - Àjàlá modela as Orí-destino usando elementos matrizes Ìpòrí, por consequência, dupla existência, uma presente no Ọ̀run e a outra compondo o intelecto e consciência do ser humano. Este fragmento em particular ao qual a Orí foi gerado chamamos de Ìpín-orí e é ele quem determinará o Òrìà que deverá ser cultuado no Àiyé, sendo imprescindível para o resto da existência daquela Orí enquanto estiver encarnada no Àiyé. Contudo algo muito importante deve ser comentado – O Bori é para o Orí e não para o Òrìà, fato ao qual o Bori é culto restrito ao Orí e não direcionado ao Òrìà, mesmo assim levando em consideração o Ìpòrí usado para a confecção desta Orí, isso não quer dizer que o Bori seja para o Òrìà. Ìpín – O destino daquela Orí no Àiyé, que deverá ser cumprida da melhor forma, mesmo assim o Aráiye poderá recorrer a Ifá para consultar os melhores Ìpín ou corrigir algum Ìpín incorreto. Por isso Ọ̀rúnmìlà é testemunha (lẹ́ẹ̀rí-ìpín) das nossas escolhas.

11 Liberdade de ir e vir Atúnwá o ciclo começa através de novos Ìpín, nesta transição do Ọ̀run para o Àiyé gera o Atúnwá (reencarnação). Podemos escolher o caminho que quiser, teremos liberdade de errar ou acertar, poderemos consertar nosso destino através do ritual do Bori, cultue sua Orí, zele e venere a sua Orí para que você tenha sorte e prospere. Nada é eterna, a não ser a sua personalidade, nada dura tanto quanto a sua essência perpetuada após o rito de passagem, iniciado por Ikú a morte, o Òrìà- funfun que nos leva de volta para o Ọ̀run. Assim, a vida começa, termina e recomeça pelas mãos dos Òrìà-Funfun

12 Odù O destino separado em 16 Baba Odù, cada Odù rege um caminho, cada caminho dá uma direção e uma conseguência. O Aráọ̀run deve escolher o seu Ìpín-Odù, sendo que Àjàlámòpín pega um Ìpín de dois potes de Odù para fazer um ìpín-odù. Formando um Omodù ao qual não se despacha, apenas trata e zela. São 256 Ìpín-odù possíveis. Contudo este Omodù apenas é calculado pelo Babaláwo na hora do nascimento assim que a Orí coroa, e ele deve jogar este Omodù, logo após enterrar a placenta ao pé da árvore sagrada.

13 Onibodé o porteiro do Ọ̀run E o ser em seu eterno movimento e progresso expandiu-se, inúmeras tornaram-se suas formas, e a complexidade da evolução do ser deu origem a densidade, e a densidade produziu o calor da luz, então surgiram os seres viventes. Podemos escolher entre as milhares Ìpín-odù (orí-destino) qual nós queremos, cada uma individual nos traz um caminho e uma vida, escolhemos o que seremos e a carregaremos. E assim cumprimos a eterna transição da escolha da Orí, da concepção através dos nossos pais, e aguardamos na escuridão do útero para a hora do parto, momento em que pela primeira vez vemos a Luz, passando assim pelo porteiro do Ọ̀run e nossa Orí é a primeira a nascer na Àiyé. Em seguida recebemos a nossa Èémí e somos reconhecidos como seres vivos. Ao mesmo tempo que se estabelece o nìkejì (o duplo) no Ọ̀run e Àiyé. Ativando o Iyè-àpò (memória existencial) nesta vida, damos o start para a nossa memória, em alguns momentos podemos até comungar com os ancestres e reviver alguns momentos de nossas Iyè ancestre.

14 Ìsìnkú A Luz é uma tributo do ser, considerando que cada ser vivente possuí a sua Orí e o seu destino será sempre iluminado pelos esforços de existir. O rito fúnebre que quebra o vínculo da Orí com o Ara e entrega o Aráiyé ao barro de onde foi retirado, por isso não são cremados e não devem ser enterrados longe da terra. Neste ritual é desativada a Iyè-àpò (memória existencial) e o Iyè-Ẹ̀mí (memória eterna) é ativado. Quebrando os vínculos com o Òrìà na Àiyé e o AráỌ̀run. E o Egungun o morto vivo é cultuado, ou melhor, a Iyè-Ẹ̀mí que é cultuada a partir deste momento.

15 Bori Bori é o ato que reverencia a Orí, sendo que o Òrìà durante o ritual é apenas a referência para o DNA da sua Orí no Àiyé que devemos considerar, porem nosso Bori não é feito para o Òrìà e sim para a nossa Orí, desta forma toda vez que olharmos para dentro do Igbá-Orí veremos quem somos e o que somos perante o nosso ritual e tradição, para saber quem você é perante o universo e reafirmar a sua existência no Àiyé fortalecendo a sua Orí. No Bori inutilizamos nossos erros e nossas dividas, desejando prosperidade e evolução.

16


Carregar ppt "Orí na visão Nago Erick TOsala. lrun e a consciência Feche os seus olhos e sinta a escuridão ao seu redor, tente apagar tudo da sua mente e não pense."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google