A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Crise Académica – Coimbra 1969 As fotografias ordenadas e legendadas por: José Veloso e João Gonçalves (JOCA)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Crise Académica – Coimbra 1969 As fotografias ordenadas e legendadas por: José Veloso e João Gonçalves (JOCA)"— Transcrição da apresentação:

1 Crise Académica – Coimbra 1969 As fotografias ordenadas e legendadas por: José Veloso e João Gonçalves (JOCA)

2 Crise Académica – Coimbra 1969 Estas fotografias são o reflexo do trabalho e dedicação dos Fotógrafos de Coimbra: - dos Fotógrafos-Amadores da Secção Fotográfica da Associação Académica de Coimbra. Dirigentes e colaboradores desta Secção, que acompanharam todos os momentos da Luta dos Estudantes, pondo o seu entusiasmo juvenil e o seu talento num fundamental trabalho de memória fotográfica futura:

3 Crise Académica – Coimbra 1969 Do lado dos estudantes estiveram: José Miguéns, José Veloso, Carlos Valente, Renato Leitão, Armando Cunha, António José Mendes, José Manuel Antunes, Hélio Fidalgo e tantos outros, como António Portugal, fundador da Secção Fotográfica da A.A.C., além de muitos colaboradores anónimos que fizeram bonecos que ficaram para a História!

4 Crise Académica – Coimbra 1969 Ainda uma palavra de gratidão para os Fotógrafos Profissionais como: Fernando Marques (Formidável), Varela Pé Curto (Hilda), Carlos Ramos (Secção Fotográfica da A.A.C.), e tantos outros fotógrafos, que emprestaram o seu talento à justa e nobre luta dos estudantes.

5 Crise Académica – Coimbra 1969 A maioria das fotos que vão ver são o espólio da Exposição 17 de Abril, que circulava ao tempo pelo País em mais uma iniciativa da Secção Fotográfica, e que foi entregue por Carlos Valente, em 1969, à Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, que a preservou até hoje.

6 Documento com que a Direcção da Secção Fotográfica anunciava a Exposição 17 de Abril

7 17 de Abril – Chegada da comitiva com o Presidente Tomás à Praça D. Dinis, para a inauguração do novo edifício das Matemáticas

8 17 de Abril – A comitiva a caminho dos Gerais (Fac. Direito)

9 17 de Abril – Povo e estudantes, empunhando cartazes de protesto, aguardam o desfile militar que sempre acompanhava estas inaugurações

10

11 17 de Abril – Do lado oposto onde estavam os estudantes, as meninas das Ciências aguardam S.Exªs para estenderem as capas aos seus pés…

12 17 de Abril – Aguardando a chegada da comitiva (foto tirada da varanda do Hospital)

13

14 17 de Abril – O desfile militar, povo, estudantes e cartazes!

15

16

17 17 de Abril – Tomás e Saraiva aproximam-se do edifício das matemáticas, rodeados de conhecidos pides

18 17 de Abril – Os pides atentos enquanto Tomás e Saraiva se aproximam das matemáticas

19 17 de Abril – A comitiva, já com o Reitor e o Ministro das Obras Públicas, aproxima-se do edifício (foto tirada da varanda do Hospital)

20 17 de Abril – Toda a comitiva repara na manifestação e nos cartazes de protesto

21 17 de Abril – A comitiva aproxima-se da entrada do edifício (foto tirada da varanda do Hospital)

22 17 de Abril – A comitiva a entrar no edifício das matemáticas

23 17 de Abril – A comitiva a entrar no edifício (foto tirada da varanda do Hospital)

24 17 de Abril – Os estudantes deixam o passeio e avançam para o edifício das matemáticas

25 17 de Abril – Celso Cruzeiro convida os estudantes a entrar no edifício

26 17 de Abril – Celso Cruzeiro convida os estudantes a entrar no edifício (foto tirada da varanda do Hospital)

27 17 de Abril – No átrio do edifício das matemáticas

28

29 17 de Abril – Estudantes com os cartazes no átrio

30

31 17 de Abril – A comitiva oficial à entrada da sala 17 de Abril

32 17 de Abril – Américo Tomás toma lugar na mesa

33 Sala 17 de Abril – Sala cheia. Alberto Martins sentado ao centro.

34 Sala 17 de Abril – Não entra mais ninguém – prof. Manuel dos Reis prepara a intervenção

35 Sala 17 de Abril – Toma a palavra prof. Manuel dos Reis

36 Sala 17 de Abril – Toma a palavra o reitor

37 Sala 17 de Abril – Toma a palavra o ministro Saraiva (o bigode e as orelhas feitas na fotografia original em papel são fruto da itinerância que as fotografias tiveram – em Coimbra e ao longo do País)

38 Sala 17 de Abril – No uso da palavra, o ministro Saraiva (o bigode e as orelhas feitas na fotografia original em papel são fruto da itinerância que as fotografias tiveram – em Coimbra e ao longo do País)

39 Alberto Martins levanta-se e diz: Em nome dos Estudantes de Coimbra, PEÇO A PALAVRA! (Foto cedida pelo blog IÉ-IÉ)

40 Tomás conferencia com Hermano Saraiva, enquanto o Presidente da Associação Académica de Coimbra, de pé, aguarda

41 A sala continua a aguardar resposta ao pedido do Presidente da A.A.C.

42 A resposta de Tomás: Bem, mas agora vai falar o sr. Ministro das Obras Públicas!

43 Afinal não foi dada a palavra aos estudantes, e as autoridades abandonam intempestivamente a sala

44 17 de Abril - Já no exterior, as autoridades retomam as suas viaturas

45 Os estudantes, finalmente, tomam posse da Sala 17 de Abril

46

47 Sala 17 de Abril - Alberto Martins prepara-se para a verdadeira inauguração, perante o entusiasmo dos estudantes

48 Alberto Martins fala aos estudantes. Celso Cruzeiro aplaude

49 Panorâmica da sala a escutar Alberto Martins

50 Alberto Martins no uso da palavra

51 Carlos Batista, da Junta de Delegados de Ciências, falando aos estudantes

52 Os estudantes abandonam a sala 17 de Abril, após a condigna inauguração!

53 17 de Abril - Os estudantes abandonam o edifício das matemáticas

54 17 de Abril - Os estudantes na Praça D. Dinis, após inauguração! (reconhecem-se Alberto Martins, Rui Silva, Fernanda Bernarda, José Salvador e António Jorge)

55 17 de Abril - Celso Cruzeiro, Osvaldo Castro e José Roupiço Simões

56 17 de Abril - Nas escadas monumentais

57 17 de Abril - Professores solidários com os estudantes

58 17 de Abril - Professores solidários com os estudantes (reconhecem-se os profs. Orlando de Carvalho, Avelãs Nunes e Correia Pinto)

59 17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C.

60

61

62 17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C. (Francisco Sardo no uso da palavra)

63 17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C.

64 17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C. (Luciano conversando com os presentes)

65 17 Abril - Convívio espontâneo nos Jardins da A.A.C. (reconhecem-se José Campino, Carlos Guimarães e Barbosa)

66 18 Abril – Alberto Martins e Celso Cruzeiro visitam o Mário do café Oásis, barbaramente espancado pela polícia de choque e mordido pelos cães, na noite de 17 de Abril, em frente à PIDE

67 18 Abril – Alberto Martins, Celso Cruzeiro e Fernando Soromenho dirigem-se para a Assembleia Magna nos Gerais

68 18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais

69

70

71

72 18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais (reconhecem-se Osvaldo Castro, Matos Pereira, Arouca…)

73 18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais

74

75 Cartazes nas Assembleias Magnas

76 18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais

77 Cartazes nas Assembleias Magnas

78

79

80 Cartazes nas Assembleias Magnas (à esquerda João Botelho)

81 18 Abril – Assembleia Magna nos Gerais

82

83 22 Abril – 8 estudantes são suspensos da frequência das aulas Nesse dia, a Assembleia Magna no ginásio da A.A.C. decreta o Luto Académico com greve às aulas (Décio de Sousa no uso da palavra)

84 22 Abril - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decreta o Luto Académico

85

86

87 1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico (reconhecem-se José Barata, Silva Pinto, Barbosa, Osvaldo, Fernanda Bernarda, Barros Moura e Celso Cruzeiro)

88 1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico

89

90

91 1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico (Barros Moura no uso da palavra)

92 1 de Maio - Assembleia Magna no ginásio da A.A.C., que decide a continuidade do Luto Académico

93

94 Maio - Reuniões permanentes, em vez das aulas, dando cumprimento ao Luto Académico

95

96 Maio - Reuniões permanentes, em vez das aulas, dando cumprimento ao Luto Académico (reconhecem-se Carlos Batista, Trigo, César Cordeiro, Nilton Vieira…)

97 Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Actuação do Coro Misto

98

99

100 Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Actuação do CITAC

101

102

103 Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico

104

105 Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Zeca Afonso estava connosco!

106 Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Rui Pato acompanha Zeca Afonso

107 Maio - Manifestações culturais de apoio ao luto académico: Zeca Afonso estava connosco!

108 Maio - Prepara-se o ambiente para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames

109

110

111 Maio - Prepara-se o ambiente para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames – reacção ao discurso do ministro Saraiva

112 Maio - Prepara-se o ambiente para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames

113 Maio - Convocação para a Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames

114 Foi a Dignidade que levou 6000 estudantes a votarem: Greve a Exames!

115 28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames (6000 estudantes presentes)

116

117

118

119 28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames Votação – mais de 5000 votos a favor

120

121

122 28 de Maio - Assembleia Magna que decidiu a Greve a Exames Votação contra – 190 votos

123 Greve a Exames na 2ª feira 2 de Junho 1969

124 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Coimbra cidade ocupada pela GNR

125

126 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Coimbra cidade ocupada pela GNR – nem a Sé Velha escapou…

127 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Coimbra cidade ocupada pela GNR

128

129

130

131 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Coimbra cidade ocupada - a conquista da Praça da República

132

133

134 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Coimbra cidade ocupada – nem se podia namorar nos passeios!

135 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Coimbra cidade ocupada pela GNR

136

137

138

139

140

141

142

143

144 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Uma traidora (fura greves) vai a exame levada pelo papá! (reconhece-se, ao fundo, Rui Namorado)

145 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Coimbra cidade ocupada pela GNR

146 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Coimbra cidade ocupada

147 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Jipes da GNR com grades de arame farpado

148 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames

149 2 de Junho 1969 – 1º dia da Greve a Exames Jipes da GNR com grades de arame farpado

150

151

152 3 de Junho 1969 – Operação Flor Os estudantes descem à baixa da cidade, distribuindo flores à população (aqui o momento da compra)

153 3 de Junho 1969 – Operação Flor Os estudantes descem à baixa da cidade, distribuindo flores à população (outro momento da compra das flores)

154 3 de Junho 1969 – Operação Flor Após a compra das flores

155 3 de Junho 1969 – Operação Flor Cada estudante com uma flor, lá fomos a caminho da baixa

156 3 de Junho 1969 – Operação Flor A caminho da baixa, com as flores para distribuir à população

157

158 3 de Junho 1969 – Operação Flor Caras bonitas e jovens aceitam as flores oferecidas pelos estudantes

159

160 Depois do sucesso da Operação Flor, veio a Operação Balão Dia 14 de Junho, os estudantes desceram de novo à baixa, levando balões onde estavam inscritas frases revolucionárias que expressavam os motivos da luta dos estudantes e a sua ligação à população. E no largo da Portagem, quando a polícia se preparava para carregar sobre os estudantes, estes largaram os balões que subiram aos céus aos milhares, e, enquanto estudantes e população se misturavam felizes, a polícia ficou sem saber sobre quem carregar…

161 14 de Junho 1969 – Operação Balão Concentração nos jardins da Associação

162

163

164

165

166 14 de Junho 1969 – Operação Balão Junto ao Teatro Gil Vicente

167 14 de Junho 1969 – Operação Balão Rua Ferreira Borges, a caminho do largo da Portagem

168

169 14 de Junho 1969 – Operação Balão No largo da Portagem

170

171

172 14 de Junho 1969 – Operação Balão Os balões sobem aos céus…

173 A censura amordaçava a imprensa! Só eram publicadas as notas oficiosas. O DIÁRIO de COIMBRA, enganando a censura, publica esta maravilhosa prosa referente à operação balão… (recorte original do jornal da época)

174 Junho - Greve a Exames Acompanhamento pelos estudantes do evoluir da Greve

175

176 Junho - Greve a Exames Caricaturas retiradas de livros da Queima das Fitas de anos anteriores, e afixadas pela cidade para divulgação dos traidores (fura greves)

177 Caminhada para a Final da Taça de Portugal em futebol Em Coimbra, a Académica elimina o Sporting nas meias finais da Taça. Aparecem nos campos de futebol os cartazes e faixas de apoio à luta dos estudantes

178 15 de Junho 1969 –Estádio do Calhabé em Coimbra Meia final da Taça de Portugal Académica 1 Sporting 0

179

180

181

182

183 22 de Junho - Final da Taça de Portugal (Académica – Benfica) Pela 1ª vez o Presidente da República não está presente na final da Taça! Nenhum membro do governo está presente! Pela 1ª vez a RTP não transmite a final da Taça! São distribuídos mais de comunicados dando conta da luta dos estudantes!

184 22 de Junho 1969 – Chegada de comboio a Sta Apolónia com estudantes para a Final da Taça

185 22 de Junho 1969 – Entrada para o Estádio Nacional em Lisboa Final da Taça de Portugal

186 22 de Junho 1969 – Estádio Nacional completamente cheio Final da Taça de Portugal

187 22 de Junho 1969 – Os cadeirões governamentais vazios, com o estádio completamente cheio Final da Taça de Portugal

188 22 de Junho 1969 – Comunicados à população voam no estádio Final da Taça de Portugal

189 22 de Junho 1969 – Comunicados caem sobre os espectadores! Final da Taça de Portugal

190 22 de Junho 1969 – Depois de lidos, os comunicados protegem Final da Taça de Portugal

191 22 de Junho 1969 – Policias aos molhos Final da Taça de Portugal

192 Novamente o DIÁRIO de COIMBRA usa a metáfora para enganar a censura e apoiar e divulgar a luta dos estudantes. Esta a prosa do editorial do dia 23 de Junho, onde os turistas eram…os polícias (recorte original do jornal da época)

193 22 de Junho 1969 – Faixas denunciam a luta dos estudantes Final da Taça de Portugal

194

195

196 22 de Junho 1969 – Os jogadores da Académica com as capas caídas, em sinal de Luto! Final da Taça de Portugal (Gervásio, Vítor Campos, Mário Campos, Manuel António, Belo, Peres, Rui Rodrigues, Viegas, Vieira Nunes, Marques e Néné)


Carregar ppt "Crise Académica – Coimbra 1969 As fotografias ordenadas e legendadas por: José Veloso e João Gonçalves (JOCA)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google