A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gestão da Casa Espírita: um desafio que vai além da liderança.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gestão da Casa Espírita: um desafio que vai além da liderança."— Transcrição da apresentação:

1 Gestão da Casa Espírita: um desafio que vai além da liderança.

2 Atenção senhores pilotos! É hora de aterrissar... PLAY

3

4 Qual a sua disponibilidade... De tempo? Para o autoconhecimento? Para a doação interior? Para ajudar a construir o trabalho?

5

6

7 Poder Produz efeitosRelação SocialControle Poder é a capacidade de um agente de produzir determinados efeitos, sendo uma decorrência da relação social entre pessoas, grupos ou organizações, onde uma das partes controla a outra.

8 Os três tipos de poder segundo John Galbraith Poder Condigno O poder da punição Poder Compensatório O poder da troca Poder Condicionado O poder do convencimento

9 Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo, de forma que se comprometam com a causa. Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo, de forma que se comprometam com a causa.

10 10 Equilíbrio: Liderança & Gerência Liderança Gerência Resultados de curto prazo de fácil retrocesso CAOS: Decisões não encontram adesão. CAOS: Decisões não encontram adesão. Crescimento sustentável Esforços bem-sucedidos Gestão de Excelência Crescimento sustentável Esforços bem-sucedidos Gestão de Excelência Programas de mudança têm dificuldades de começar, e uma mudança significativa de longo prazo raramente é alcançada

11 PersonalismoGerenciamento Gestão O sucesso depende de agradar a todos O sucesso depende de organização e controle O sucesso depende de envolver todos na causa (projeto)

12 Por que nos ofendemos? Por que temos tanta suscetibilidade em relação a tudo que nos cerca? Qual a razão de termos raiva diante de fatos desagradáveis?

13 Ofendemo-nos por razões naturais, provenientes do instinto de defesa e preservação. Ofendemo-nos por razões naturais, provenientes do instinto de defesa e preservação. O objetivo do sentimento de ofensa será sempre o de nos fazer refletir sobre como ter uma conduta ajustada à natureza das agressões que sofremos. O objetivo do sentimento de ofensa será sempre o de nos fazer refletir sobre como ter uma conduta ajustada à natureza das agressões que sofremos. Estamos falando do sentimento de ofensa natural ao ser humano. Estamos falando do sentimento de ofensa natural ao ser humano.

14 O melindre é uma reação neurótica às ofensas. O melindre é uma reação neurótica às ofensas. É o estado doentio de fragilidade que aumenta a proporção e a natureza das agressões que sofremos. É o estado doentio de fragilidade que aumenta a proporção e a natureza das agressões que sofremos. O melindre provoca mágoa, que é o colesterol da alma O melindre provoca mágoa, que é o colesterol da alma Na raiz do melindre e da ofensa está o orgulho. Na raiz do melindre e da ofensa está o orgulho.

15 julgando-se com direitos superiores, melindra- se com o que quer que, a seu ver, constitua ofensa a seus direitos. A importância que, por orgulho, atribui a sua pessoa, naturalmente o torna egoísta. julgando-se com direitos superiores, melindra- se com o que quer que, a seu ver, constitua ofensa a seus direitos. A importância que, por orgulho, atribui a sua pessoa, naturalmente o torna egoísta. Allan Kardec, Obras Póstumas Primeira parte: o egoísmo e o orgulho.

16 Podemos adquirir o vício de não ser contrariado, em alguns casos na infância por causa de uma educação mal orientada. Podemos também trazê-lo de vidas passadas em que éramos atendidos em tudo que queríamos A Neurose de controle

17 Três níveis de contrariedade: 1- O contrariado crônico É aquele que não aceitou o próprio ato de reencarnar. Já traz impresso na aura o clima de sua insatisfação. Pessoas assim tendem a transtornos mentais.

18 Três níveis de contrariedade: 2- O colecionador de problemas É aquele que traz de outras vivências corporais, o vício da satisfação de interesses pessoais e busca se ajustar às atuais limitações da reencarna- ção presente, preocupando-se com problemas reais e irreais.

19 Três níveis de contrariedade: 3- O adulto frustrado É aquela criança que foi mal orientada, que teve quase todos os seus desejos atendidos. Não aprendeu limites e tem baixa resistência à frustração.

20 Grandes líderes tornam-se grandes líderes para realizarem alguma coisa, não para serem importantes.

21 Delegar X Abdicar DELEGAR DELEGAR - É dar a outra pessoa uma tarefa cuja responsabilidade, em última instância, cabe a quem delega. Pressupõe: Fazer com, Acompanhar, Controlar, Dar apoio ABDICAR ABDICAR - É passar para outra pessoa uma tarefa e a responsabilidade total da mesma. Pressupõe: Deixar na mão do outro Somente cobrar resultado Não se comprometer Não se delega responsabilidade!!!

22 GESTÃO DO COMPROMETIMENTO A liderança da casa espírita tem como maior desafio, promover o comprometimento de todos

23 O líder é o fio condutor e responsável pela quantidade e qualidade das interações, devendo atuar no nível coletivo e individual.

24 Ninguém é Substituível ! Na sala de reunião de uma multinacional o diretor nervoso fala com sua equipe de gestores. Agita as mãos, mostra o gráfico e olhando nos olhos de cada um ameaça: - "ninguém é insubstituível"! A frase parece ecoar nas paredes da sala de reunião em meio ao silêncio. Os gestores se entreolham, alguns abaixam a cabeça. Ninguém ousa falar. De repente um braço se levanta e o diretor se prepara para triturar o atrevido e diz: - Alguma pergunta? - Tenho sim. E Beethoven? - Como? O encara o diretor confuso. - O senhor disse que ninguém é insubstituível e quem substituiu Beethoven? Silêncio… O funcionário fala então: - Ouvi essa estória esses dias, contada por um profissional que conheço e achei muito pertinente falar sobre isso. Afinal as empresas falam em descobrir talentos, reter talentos, mas, no fundo continuam achando que os profissionais são peças dentro da organização e que, quando sai um, é só encontrar outro para por no lugar. Então, pergunto: - quem substituiu Beethoven? Tom Jobim? Ayrton Senna? Ghandi? Frank Sinatra? Garrincha? Santos Dumont? Monteiro Lobato? Elvis Presley? Os Beatles? Jorge Amado? Pelé? Paul Newman? Tiger Woods? Albert Einstein? Picasso? Zico? Etc.?…

25 O rapaz fez uma pausa e continuou: - Todos esses talentos que marcaram a história fazendo o que gostam e o que sabem fazer bem, ou seja, fizeram seu talento brilhar. E, portanto, mostraram que são sim, insubstituíveis. Que cada ser humano tem sua contribuição a dar e seu talento direcionado para alguma coisa. Não estaria na hora de os líderes das organizações reverem seus conceitos e começarem a pensar em como desenvolver o talento da sua equipe, em focar no brilho de seus pontos fortes e não utilizar energia em reparar seus 'erros ou deficiências'? Nova pausa e prosseguiu: - Acredito que ninguém se lembra e nem quer saber se BEETHOVEN ERA SURDO, se PICASSO ERA INSTÁVEL, CAYMMI PREGUIÇOSO, KENNEDY EGOCÊNTRICO, ELVIS PARANÓICO… O que queremos é sentir o prazer produzido pelas sinfonias, obras de arte, discursos memoráveis e melodias inesquecíveis, resultado de seus talentos. Mas cabe aos líderes de uma organização mudar o olhar sobre a equipe e voltar seus esforços, em descobrir os PONTOS FORTES DE CADA MEMBRO. Fazer brilhar o talento de cada um em prol do sucesso de seu projeto. Divagando o assunto, o rapaz continuava. - Se um gerente ou coordenador, ainda está focado em 'melhorar as fraquezas' de sua equipe, corre o risco de ser aquele tipo de técnico de futebol, que barraria o Garrincha por ter as pernas tortas; ou Albert Einstein por ter notas baixas na escola; ou Beethoven por ser surdo. E na gestão dele o mundo teria PERDIDO todos esses talentos. Olhou a sua a volta e reparou que o Diretor, olhava para baixo pensativo.

26 Continuou a dizer nesses termos: - Seguindo este raciocínio, caso pudessem mudar o curso natural, os rios seriam retos não haveria montanha, nem lagoas nem cavernas, nem homens nem mulheres, nem sexo, nem chefes nem subordinados… Apenas peças… E nunca me esqueço de quando o Zacarias dos Trapalhões 'foi pra outras moradas'. Ao iniciar o programa seguinte, o Dedé entrou em cena e falou mais ou menos assim: "Estamos todos muito tristes com a 'partida' de nosso irmão Zacarias... e hoje, para substituí-lo, chamamos:…NINGUÉM… Pois nosso Zaca é insubstituível", concluiu, o rapaz e o silêncio foi total. Conclusão: - NUNCA ESQUEÇA: Você É Um Talento Único! Com Toda Certeza Ninguém O Substituirá! "Sou um só, mas ainda assim sou um. Não posso fazer tudo..., mas posso fazer alguma coisa. Por não poder fazer tudo, não me recusarei a fazer o pouco que posso." "No mundo sempre existirão pessoas que vão amá-lo pelo que você é e outras que vão odiá-lo pelo mesmo motivo… acostume-se a isso…" Valorize-se! E valorize quem está à sua volta... Um forte abraço para você pessoa Insubstituível!!!!!

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43 Deixe o barro secar Mariana ficou toda feliz porque ganhou de presente um joguinho de chá, todo azulzinho, com bolinhas amarelas. No dia seguinte, Júlia, sua amiguinha, veio bem cedo convidá-la para brincar. Mariana não podia porque ia sair com sua mãe naquela manhã. Júlia, então, pediu à coleguinha que lhe emprestasse o seu conjuntinho de chá para que ela pudesse brincar sozinha na garagem do prédio. Mariana não queria emprestar, mas, com a insistência da amiga, resolveu ceder, fazendo questão de demonstrar todo o seu ciúme por aquele brinquedo tão especial. Deixe o barro secar Mariana ficou toda feliz porque ganhou de presente um joguinho de chá, todo azulzinho, com bolinhas amarelas. No dia seguinte, Júlia, sua amiguinha, veio bem cedo convidá-la para brincar. Mariana não podia porque ia sair com sua mãe naquela manhã. Júlia, então, pediu à coleguinha que lhe emprestasse o seu conjuntinho de chá para que ela pudesse brincar sozinha na garagem do prédio. Mariana não queria emprestar, mas, com a insistência da amiga, resolveu ceder, fazendo questão de demonstrar todo o seu ciúme por aquele brinquedo tão especial.

44 Ao regressar do passeio, Mariana ficou chocada ao ver o seu conjuntinho de chá jogado no chão. Faltavam algumas xícaras e a bandejinha estava toda quebrada. Chorando e muito nervosa, Mariana desabafou: "Está vendo, mamãe, o que a Júlia fez comigo? Emprestei o meu brinquedo, ela estragou tudo e ainda deixou jogado no chão." Totalmente descontrolada, Mariana queria, porque queria, ir ao apartamento de Júlia pedir explicações. Mas a mamãe, com muito carinho, ponderou: Filhinha, lembra daquele dia quando você saiu com seu sapatinho novo todo branquinho e um carro, passando, jogou lama em seu sapato? Ao chegar à sua casa você queria lavar imediatamente aquela sujeira, mas a vovó não deixou. Você lembra do que a vovó falou?

45 Ela falou que era para deixar o barro secar primeiro. Depois ficava mais fácil limpar. Pois é, minha filha! Com a raiva é a mesma coisa. Deixa a raiva secar primeiro. Depois fica bem mais fácil resolver tudo. Mariana não entendeu muito bem, mas resolveu ir para a sala ver televisão. Logo depois alguém tocou a campainha Era Júlia, toda sem graça, com um embrulho na mão. Sem que houvesse tempo para qualquer pergunta, ela foi falando: Mariana, sabe aquele menino mau da outra rua que fica correndo atrás da gente? Ele veio querendo brincar comigo e eu não deixei. Aí ele ficou bravo e estragou o brinquedo que você havia me emprestado. Quando eu contei para a mamãe ela ficou preocupada e foi correndo comprar outro brinquedo igualzinho para você. Espero que você não fique com raiva de mim. Não foi minha culpa.

46 Não tem problema, disse Mariana, minha raiva já secou. E, tomando a sua coleguinha pela mão, levou-a para o quarto para contar a história do sapato novo que havia sujado de barro. Segure seus ímpetos, deixe o barro secar para depois limpá-lo. Assim você não correrá o risco de cometer uma injustiça.

47 Líder Abelha Faz cera e se levanta só para ferrar os outros. Líder Caranguejo Só faz o serviço andar pra trás. Líder Chiclete Não desgruda! Líder Síndico Só se preocupa com o prédio. Líder Disco Velho Só chia. Líder Doril Surgiu problema? Sumiu... Líder Broadway Só pensa em eventos Líder Fósforo Esquenta a cabeça por pouco.

48 Líder James Bond Vive espionando. Líder Atendente Só fala: O próximo. Líder Limão Vive azedo. Líder Lombardi Só fala por trás. Líder Morcego Só aparece no fim do expediente. Líder Peixe Na hora de tomar decisão, nada. Líder Sorvete Se derrete todo quando vê um superior. Líder Touro Sentado Não tira o traseiro da cadeira.


Carregar ppt "Gestão da Casa Espírita: um desafio que vai além da liderança."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google