A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE."— Transcrição da apresentação:

1

2

3

4

5 CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE

6 O Dinis dirige-se, sem demora, à Biblioteca e procura o quadro que o criminoso refere. Bem sucedido, encontra a primeira pista e o mapa do tesouro. Leu-a e aí ficou a conhecer que D. Pedro casou em segundas núpcias com Dona Constança, na Sé de Lisboa, em D. Afonso IV e Dona Beatriz, sua mulher, sentiram especial contentamento por verem o jovem filho esposo de uma senhora que não seria certamente estéril como aquela primeira com quem casara o Infante. Nesta pista surge a primeira pergunta: Como se chamava a primeira esposa de D. Pedro I?

7 O Dinis pesquisou no computador da biblioteca os livros que devia consultar para encontrar a solução: No Reino de Portugal. História de Portugal, Vol. II, Caminho, José Mattoso, Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada, História Elementar de Portugal, Porto Editora. C. Figueiredo Lopes, Inês de Castro, História Júnior, Edições Asa, A. Do Carmo Reis, 1987.

8 D. Branca de Castela D. Catarina de Aragão D. Inês de Castro

9 Tem de descobrir este nome e ao último sobrenome guardar a terceira e quinta letras. Se for bem sucedido encontrará um local antigo desta cidade como a próxima pista.

10 CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE

11 Espaço: Sé Velha de Coimbra R: Dona Inês de Castro.(imagem da mulher) O próximo local começa pela primeira letra do último nome. É local sagrado, procurado para recolhimento espiritual.l Entrou, admirando o monumento gótico e, de repente, Dinis avista uma folha perdida por baixo do púlpito. Dinis explode de alegria. Mais uma página sobre a história de D. Pedro. Lê-a sofregamente e toma conhecimento que a sua amada viera de Castela, no séquito da princesa Dona Constança, uma linda moça, dama de honor, donzela de linhagem fidalga, filha natural de D. Pedro de Castro, nobre guerreiro da Galiza e bisneta do rei D. Sancho IV de Castela. Na verdade, era ainda parente de D. Pedro, sua prima em segundo grau. De olhos brilhantes, rosto prendado, uma cabeleira abundante a cair sobre os ombros, de tronco roliço torneado, a figura trigueira lembrava uma garça de ternura e elegância. A convivência com tão bela mulher em pouco tempo ateou no coração do Infante o amor e a paixão que não podia disfarçar. Quem é esta mulher?

12 Dona Inês de Castro Dona Urraca Dona Maria de Castela

13 O próximo local começa pela primeira letra do último nome. É local sagrado, procurado para recolhimento espiritual.

14 CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE

15 Espaço: Convento de Santa-Clara-a-Velha R: O primeiro chamou- se Afonso, o nome do avô, mas morreu criança de tenra idade; os outros, dois meninos (João e Dinis) e uma menina (Beatriz), nome da avó. (imagem de crianças) A letra que mais vezes se repetir nos quatro nomes encontrados, indica o local que deves ir e neste quatro d se repetirem. Enquanto calcorreava este espaço… mais uma página! Já nem se lembra onde a encontrou, mas sabe exactamente o que lá leu. Quando Dona Constança teve o primeiro filho, em 1342, o infante que houve o nome de Luís, foi grande contentamento do povo e festejos. Dona Constança lembrou-se, então, de usar a astúcia para afastar Inês do esposo: convidou-a para madrinha do recém-nascido. O estratagema era bem arquitectado pois que, sendo comadre de D. Pedro, a jovem fidalga teria certamente o bom senso de manter a devida distância entre ambos. Não durou muito a ilusão: na verdade, tal como anteriormente, sucedia-se o encontro dos amantes. A saúde precária da senhora Dona Constança e os desgostos de uma vida amargurada, não iriam permitir-lhe durar muito. Efectivamente, morreu de parto, logo a seguir ao nascimento da filha Maria, em D. Pedro ficava livre para cair nos braços de Inês. A existência de ambos era imensamente feliz que D. Pedro, contra a ordem de seu pai, mandou vir Dona Inês para Coimbra. Aqui nasceram seus filhos. Como se chamavam? Enquanto calcorreava este espaço… mais uma página! Já nem se lembra onde a encontrou, mas sabe exactamente o que lá leu. Quando Dona Constança teve o primeiro filho, em 1342, o infante que houve o nome de Luís, foi grande contentamento do povo e festejos. Dona Constança lembrou-se, então, de usar a astúcia para afastar Inês do esposo: convidou-a para madrinha do recém-nascido. O estratagema era bem arquitectado pois que, sendo comadre de D. Pedro, a jovem fidalga teria certamente o bom senso de manter a devida distância entre ambos. Não durou muito a ilusão: na verdade, tal como anteriormente, sucedia-se o encontro dos amantes. A saúde precária da senhora Dona Constança e os desgostos de uma vida amargurada, não iriam permitir-lhe durar muito. Efectivamente, morreu de parto, logo a seguir ao nascimento da filha Maria, em D. Pedro ficava livre para cair nos braços de Inês. A existência de ambos era imensamente feliz que D. Pedro, contra a ordem de seu pai, mandou vir Dona Inês para Coimbra. Aqui nasceram seus filhos. Como se chamavam?

16 Dinis, Carlos, Jaime e Carolina Afonso, João, Dinis e Beatriz Henrique, Sancho, Manuel e Maria

17 De saudade se reveste Embrutecido em pranto De lá libertam os sonhos Para o rio do encanto!

18 CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE

19 Espaço: Penedo da Saudade R: No dia 7 de Janeiro do ano de ( imagem Inês degolada) Soma o primeiro e o último algarismos desse ano e numa letra do alfabeto tens que transformar. O próximo local começa por essa letra. Dinis subiu até ao Penedo da Saudade e mesmo no topo encontrou uma página presa a uma árvore. Aqui, Dinis prosseguiu motivado, já que tinha adivinhado todas as respostas. Acontecia que os Conselheiros da Corte diziam e repetiam ao senhor D. Afonso IV que havia um grande perigo para a Coroa e para o futuro próximo do país se a Dona Inês viesse a ser rainha. Efectivamente, ela pertencia à nobre família dos Castros, de fidalguia ambiciosa, que não desistia de pretensões ao trono castelhano. Poderia muito bem dar-se o caso de um filho de Dona Inês vir a ser rei, ainda que para tal fosse preciso matar o legítimo herdeiro do reino. D. Afonso IV ouvia e ficava inquieto, sem saber o que havia de decidir. Tremia só de prever que, em tempos vindouros, os seus netos iriam lutar a ferro e fogo pela posse do trono de seu avô. Os primeiros tempos do ano 1355 iam testemunhar uma tragédia de sangue. Não houve lágrimas nem gemidos de crianças inocentes que impedissem a execução de Dona Inês. Qual a data do assassinato de Dona Inês de Castro?

20 No dia 7 de Janeiro do ano de No dia 7 de Fevereiro do ano de No dia 7 de Janeiro do ano de 1356.

21 Some o primeiro e o último algarismos desse ano e numa letra do alfabeto tem que transformar. O próximo local inicia por essa letra.

22 CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE

23 Espaço: Fonte dos Amores R: Diogo Lopes Pacheco, Álvaro Gonçalves e Pêro Coelho. (imagem dos 3) São sete os nomes em número cardinal. Subtrai-lhe dois números cardinais e obterás o número ordinal da próxima pista. Dinis pensou quem seriam os algozes de Dona Inês. Continuou a leitura e percebeu que por aqueles dias, D. Afonso IV subiu a Montemor-o-Velho com o seu séquito e ali reuniu os seus conselheiros de Estado para tomar uma decisão sobre o destino da vida de Inês de Castro. Como se chamavam os assassínios de Dona Inês?

24 João Castro Castela, Dinis Ferreira e Vasco Arrigo Ricardo de Aragão, Filipe Vilhena e Carlos Avis Diogo Lopes Pacheco, Álvaro Gonçalves e Pêro Coelho

25 São sete os nomes em número cardinal. Diminua-lhes dois números cardinais e obterá o número ordinal da próxima pista.

26 CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE

27 Espaço: Quinta das Lágrimas R: Diogo Lopes Pacheco O local seguinte é constituído apenas por três nomes próprios, tal como o nome desta solução. Correu para a Quinta das Lágrimas. Logo à entrada, disfarçada na vegetação, lá estava mais uma. Agora, a história parecia um filme de terror. Ao tomar conhecimento da morte de Inês, o príncipe D. Pedro arrebatou de cólera e raiva. Chamou às armas nobreza e povo de sua confiança e desafiou o rei, seu pai, para uma guerra. Felizmente, a intervenção de Dona Beatriz conseguiu evitar o pior e levou os contendores à Paz de Canavezes, nos arredores do Porto. As promessas de perdão aos seus inimigos depressa as esqueceu D. Pedro quando subiu ao trono, no ano de O ódio que tinha aos conselheiros atirou-os para o calabouço da prisão; escapou, por sorte, um conselheiro para terra de França. A vingança foi consumada nos Paços de Santarém. Qual o nome do conselheiro de Estado que escapou?

28 Álvaro Gonçalves Diogo Lopes Pacheco Pêro Coelho

29 Num local já encontrado, De livros e saberes revestido, Poderá fazer um grande achado Para esta aventura fazer sentido!

30 CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE

31 Espaço: Biblioteca da Universidade de Coimbra R: No ano de 1360 Soma o número de letras do primeiro nome próprio do local onde te encontras e chegarás ao seguinte Dinis, também zangado, foi à procura de uma imagem de Dona Inês de Castro. Novamente na biblioteca, encontrou uma página repleta de rostos de Inês. De facto era bela! Inesperadamente, um rosto macabro! Dona Inês morta e rainha! Recomeçou a leitura para saber que cinco anos depois da morte de Inês de Castro, o rei D. Pedro afirmou solenemente na vila de Cantanhede, distrito de Coimbra que, de facto, se casara com sua amada, clandestinamente, na cidade de Bragança. Logo a seguir, mandou construir, na igreja do Mosteiro de Alcobaça, dois túmulos sumptuosos, um para Inês e outro para ele, quando a morte o levasse. Em que ano mandou construir estes túmulos?

32 No ano de No ano de No ano de1370.

33 Espaço: Sala do Cabido da biblioteca da universidade de Coimbra R: O justiceiro /O Cruel Pesquisa o nome do rio que testemunhou este amor e desvendarás o criminoso e encontrarás o tesouro Aí, num levantar de olhos, Dinis deslumbrou a última página na estante de onde o criminoso retirara o livro. Perguntou à bibliotecária sobre o caso do roubo e esta indicou-lhe o livro, agora, incompleto. Satisfeito com tudo que leu sobre o caso amoroso, deliciou-se com as informações finais sobre o reinado de D. Pedro I. Leu que o monarca amargurado não teve companhia que lhe fizesse esquecer o grande amor da sua vida. Muitas vezes aconteceu que, nem de noite, tinha repouso tranquilo. Os pesadelos perturbavam-lhe o sono e o rei, para esquecer, saía para as ruas de Lisboa, acordava o povo ao redor, ateava fogueiras para a festa e dançava com ele até madrugada. Amiúde mandava matar bois e bezerros, distribuía carne aos pobres e necessitados, com um coração generoso que as gentes da capital e do reino admiravam e amavam; não só porque era pródigo em dar de comer a quem tinha fome, mas também porque sempre soube fazer justiça, dar prémios aos bons e castigos aos maus. O povo não esqueceria nunca o soberano e diria, de geração em geração, que dez anos como aqueles que reinaram D. Pedro nunca houve em Portugal. Qual o cognome de D. Pedro?

34 O Justiceiro/O Cruel O Capelo O Magnânimo

35 Pesquise o nome do rio que testemunhou este amor e desvendará o tesouro.

36 CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE

37 Espaço: Margens do Mondego Formato de balão (imagens de Dinis e criminoso) Encoberto pelo silêncio e pela névoa, o criminoso revela-se, sussurrando ao ouvido do Dinis: Fui eu que roubei as páginas do livro. Diz-me, Dinis, consideras que há amores impossíveis? Dinis, acanhado, mas cheio de convicção responde: O amor ultrapassa distâncias, vence as forças mais poderosas, basta lutar. D. Pedro e D. Inês venceram as forças opressoras e durante algum tempo foram muito felizes, mas (o já nosso conhecido mas) certas pessoas maldosas conseguiram acabar com toda a felicidade e apenas num gesto atravessou-se o machado no pescoço da formosa Inês.

38 . Parabéns! Chegaste ao fim.

39 Trabalho realizado pelos alunos do 7º ano, turma 5: Ana Vanessa Ferreira Fernandes Bruno Daniel Barbosa Azevedo Ana Catarina Dias Simões Professora responsável: Helena Filipa dos Anjos Malheiro Escola EB 2,3 Rosa Ramalho Ano Lectivo 2010/2011 Fim

40 Não haveis acertado! Da próxima concentrai-vos mais! Tentai novamente.

41 Bravo! Vossa Senhoria haveis acertado.

42 Bravo! Vossa Senhoria haveis acertado.

43 Bravo! Vossa Senhoria haveis acertado.

44 Bravo! Vossa Senhoria haveis acertado.

45 Bravo! Vossa Senhoria haveis acertado.

46 Bravo! Vossa Senhoria haveis acertado.

47 Bravo! Vossa Senhoria haveis acertado.

48 Bravo! Vossa Senhoria haveis acertado.


Carregar ppt "CLICA NO X DO LOCAL CORRECTO! BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google