A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

APRESENTAÇÕES PROFESSOR Nome: Sidio Rosa de Mesquita Júnior Titulação acadêmica: Mestre e doutorando em Direito Principais atividades: Professor e Procurador.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "APRESENTAÇÕES PROFESSOR Nome: Sidio Rosa de Mesquita Júnior Titulação acadêmica: Mestre e doutorando em Direito Principais atividades: Professor e Procurador."— Transcrição da apresentação:

1 APRESENTAÇÕES PROFESSOR Nome: Sidio Rosa de Mesquita Júnior Titulação acadêmica: Mestre e doutorando em Direito Principais atividades: Professor e Procurador Federal Contato: Informações adicionais:

2 APRESENTAÇÕES MATÉRIA 1. Conceitos propedêuticos: direito subjetivo, pretensão, lide, ação (de direito material e de direito processual), litígio, processo e procedimento (comum: ordinário, sumário e sumaríssimo; e especiais). 2. Atos processuais: anuláveis, nulos e inexistentes. 3. Atos judiciais: despacho, decisão interlocutória simples e mista (sentença em sentido amplo) e sentença em sentido estrito. 4. Procedimentos em espécie. 5. Recursos. 6. Ações mandamentais: habeas corpus e mandado de segurança. 6. Revisão criminal. 7. Noções sobre o processo na Justiça Militar.

3 APRESENTAÇÕES BIBLIOGRAFIA NUCCI, Guilherme de Souza. Código de processo penal comentado. São Paulo: Revista dos Tribunais. OLIVEIRA, Eugênio Pacelli de. Curso de direito processual penal. São Paulo: Atlas. CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO 1. Avaliações escritas: os alunos precisarão obter média 6,0 em 3 avaliações escritas. A primeira com 10 questões, tendo a questão o valor de 1,0 ponto. 70% da prova será composta de questões de múltipla escolha e 30% de questões para que o aluno escreva as suas respostas. Na segunda avaliação, por sua vez, a avaliação será composta de 5 questões que exigirão respostas escritas, cada uma com o valor de 1,0 ponto. 2. A PRI obedecerá aos critérios institucionais. O mesmo se pode afirmar sobre a média final.

4 GRAUS DO CONHECIMENTO VULGAR: é superficial, eis que é dado pelos sentidos da pessoa humana (audição, olfato, paladar, tato e visão), e, portanto, impreciso. CIENTÍFICO: é voltado a conhecer a natureza (a essência) do objeto de estudo. Razão de ser necessário delimitar o objeto de estudo, o que leva à fragmentariedade do conhecimento. FILOSÓFICO: é mais amplo em grau de abstração e generalidade, dirigindo-se a conhecer o espírito das coisas. TEOLÓGICO: é o conhecimento dado pela fé. Não é toda crença que se pode denominar conhecimento teológico, pois até mesmo a fé deverá passar por um processo mínimo de racionalidade. É um conhecimento importantíssimo ao jurista porque a origem do Direito e da sua coercibilidade, segundo Fustel de Coulanges, está na religião.

5 CONCEITO E AUTONOMIA DO DPCrim CONCEITO: é o ramo do Direito público interno que tem por objeto de estudo os atos e as normas processuais jurídico-criminais, bem como as suas consequências jurídicas. * Quem deve conceituar uma ciência é o filósofo, não o cientista. ** Por entender como Kelsen que a justiça é valor e que é relativa, não admito a inserção de valores no conceito do DCrim. AUTONOMIA DO DPCrim: é relativa. Prefiro a perspectiva unitária do Direito, mas reconheço que a dúvida é manifesta, estando a serem autorizados cursos de Direito e outros de Ciências Jurídicas.

6 Conceitos propedêuticos 9. Conceitos: tomo por referência Ovídio B. da Silva. 9.1 Direito subjetivo: é uma faculdade que sujeitar outrem à própria vontade. É inerte, despido de potencialidade. 9.2 Pretensão: dá potencialidade ao direito subjetivo, mas ainda é inerte. 9.3 Lide: É o conflito subjetivo de interesses qualificado por uma pretensão discutida (contestada)>>Francesco Carnelutti. A lide qualifica a pretensão por discuti-la. 9.4 Litígio: a maioria dos autores não faz a distinção de lide e litígio. Mas há quem faça, dizendo que este é a ação de direito processual.

7 Conceitos propedêuticos 9.5 Ação. * Esclareça-se que esta será estudada adiante, reparando alguns equívocos do que se dirá no momento De direito material: é aquela em que o detentor do direito subjetivo procura alcançar a sua pretensão sem a participação do Estado-Juiz De direito processual: É aquela em que se coloca a discussão perante o Estado-Juiz. 9.6 Processo: é um conjunto de atos coordenados entre si, tendentes à aplicação da lei material ao caso concreto. 9.7 Procedimento: é o rito, a exteriorização do processo. Como ele se apresentará.

8 Conceitos propedêuticos Procedimento comum (CPP, art. 394): (a) ordinário (CPP, art ): é o mais comum de todos, exigindo um grande número de atos processuais; (b) sumário (CPP, art ); (c) sumaríssimo: é o mais célere, estando previsto na Lei n / Procedimentos especiais: eles, normalmente, têm por base o procedimento comum ordinário e peculiaridades no início do procedimento. Estão previstos no CPP (arts /G) e em leis especiais, v.g., Lei Antidrogas (Lei n , de ).

9 Continuação de DPP III: Nulidades 1. Importância do conhecimento dos procedimentos 2. Distinção entre inexistência, nulidade (absoluta e relativa) e anulabilidade 3. Vontade que se espera para o desenvolvimento do assunto: clima de compreensão, respeito mútuo, interesse e abertura ao debate. 4. Distinções necessárias (utilizando o exemplo clássico das crianças que nascem) 4.1 Nasce sem pernas – inexistência 4.2 Nasce com pernas: (a) as pernas jamais se moverão – nulidade absoluta; (b) as pernas não se movem, mas se for aplicado um tratamento rápido, dentro de certo prazo, melhorarão – nulidade relativa. 4.3 Nasce com pernas, mas levada ao especialista, ele percebe grave defeito, e informa que se não for aplicado o tratamento em certo prazo, as pernas melhorarão – anulabilidade.

10 Nulidades Observação: uma criança pode nascer bem, sem qualquer defeito, mas vir a apresentar problemas futuros, em decorrência de fatores supervenientes. Isso pode se dar com o processo e muitos atos jurídicos que dependem de convalidações futuras. No entanto, os atos processuais, uma vez praticados, serão válidos ou nulos, sendo que a declaração posterior do vício provocará efeitos ex tunc. 5. Natureza: (a) sanção; (b) vício; (c) os dois (vício e sanção). 6. A regra do pas de nullité sans grief (não se declara nulidade sem prejuízo) está expressa no CPP. Este dispõe.

11 Nulidades Art Nenhum ato será declarado nulo, se da nulidade não resultar prejuízo para a acusação ou para a defesa. Art A nulidade ocorrerá nos seguintes casos: I - por incompetência, suspeição ou suborno do juiz; II - por ilegitimidade de parte; III - por falta das fórmulas ou dos termos seguintes: a)a denúncia ou a queixa e a representação e, nos processos de contravenções penais, a portaria ou o auto de prisão em flagrante; b) o exame do corpo de delito nos crimes que deixam vestígios, ressalvado o disposto no art. 167; c) a nomeação de defensor ao réu presente, que o não tiver, ou ao ausente, e de curador ao menor de 21 anos;

12 Nulidades d) a intervenção do Ministério Público em todos os termos da ação por ele intentada e nos da intentada pela parte ofendida, quando se tratar de crime de ação pública; e) a citação do réu para ver-se processar, o seu interrogatório, quando presente, e os prazos concedidos à acusação e à defesa; f) a sentença de pronúncia, o libelo e a entrega da respectiva cópia, com o rol de testemunhas, nos processos perante o Tribunal do Júri; g) a intimação do réu para a sessão de julgamento, pelo Tribunal do Júri, quando a lei não permitir o julgamento à revelia; h) a intimação das testemunhas arroladas no libelo e na contrariedade, nos termos estabelecidos pela lei;

13 Nulidades i ) a presença pelo menos de 15 jurados para a constituição do júri; j) o sorteio dos jurados do conselho de sentença em número legal e sua incomunicabilidade; k) os quesitos e as respectivas respostas; l) a acusação e a defesa, na sessão de julgamento; m) a sentença; n) o recurso de oficio, nos casos em que a lei o tenha estabelecido; o) a intimação, nas condições estabelecidas pela lei, para ciência de sentenças e despachos de que caiba recurso; p) no Supremo Tribunal Federal e nos Tribunais de Apelação, o quorum legal para o julgamento

14 Nulidades Art A incompetência do juízo anula somente os atos decisórios, devendo o processo, quando for declarada a nulidade, ser remetido ao juiz competente. Art A nulidade por ilegitimidade do representante da parte poderá ser a todo tempo sanada, mediante ratificação dos atos processuais. Art As omissões da denúncia ou da queixa, da representação, ou, nos processos das contravenções penais, da portaria ou do auto de prisão em flagrante, poderão ser supridas a todo o tempo, antes da sentença final.

15 Nulidades Art A falta ou a nulidade da citação, da intimação ou notificação estará sanada, desde que o interessado compareça, antes de o ato consumar-se, embora declare que o faz para o único fim de argüi-la. O juiz ordenará, todavia, a suspensão ou o adiamento do ato, quando reconhecer que a irregularidade poderá prejudicar direito da parte. Art As nulidades deverão ser argüidas: I - as da instrução criminal dos processos da competência do júri, nos prazos a que se refere o art. 406; II - as da instrução criminal dos processos de competência do juiz singular e dos processos especiais, salvo os dos Capítulos V e Vll do Título II do Livro II, nos prazos a que se refere o art. 500;

16 Nulidades III - as do processo sumário, no prazo a que se refere o art. 537, ou, se verificadas depois desse prazo, logo depois de aberta a audiência e apregoadas as partes; IV - as do processo regulado no Capítulo VII do Título II do Livro II, logo depois de aberta a audiência; V - as ocorridas posteriormente à pronúncia, logo depois de anunciado o julgamento e apregoadas as partes (art. 447); VI - as de instrução criminal dos processos de competência do Supremo Tribunal Federal e dos Tribunais de Apelação, nos prazos a que se refere o art. 500;

17 Nulidades III - se a parte, ainda que tacitamente, tiver aceito os seus efeitos. Art Os atos, cuja nulidade não tiver sido sanada, na forma dos artigos anteriores, serão renovados ou retificados. § 1 o A nulidade de um ato, uma vez declarada, causará a dos atos que dele diretamente dependam ou sejam conseqüência. § 2 o O juiz que pronunciar a nulidade declarará os atos a que ela se estende.

18 Nulidades III - se a parte, ainda que tacitamente, tiver aceito os seus efeitos. Art Os atos, cuja nulidade não tiver sido sanada, na forma dos artigos anteriores, serão renovados ou retificados. § 1 o A nulidade de um ato, uma vez declarada, causará a dos atos que dele diretamente dependam ou sejam conseqüência. § 2 o O juiz que pronunciar a nulidade declarará os atos a que ela se estende.

19 Nulidades III - se a parte, ainda que tacitamente, tiver aceito os seus efeitos. Art Os atos, cuja nulidade não tiver sido sanada, na forma dos artigos anteriores, serão renovados ou retificados. § 1 o A nulidade de um ato, uma vez declarada, causará a dos atos que dele diretamente dependam ou sejam conseqüência. § 2 o O juiz que pronunciar a nulidade declarará os atos a que ela se estende.

20 Nulidades: perguntas (1)A não participação do MP em audiência de instrução, para a qual foi previamente notificado, é causa de nulidade absoluta? (2)Por que o art. 564, inc. III, alínea a, está tacitamente derrogado? (3)Por que as alíneas f e g do inc. III do art. 564, estão tacitamente revogadas? (4)Interprete o art. 572, caput, do CP, dizendo quais nulidades estão alcançadas por ele.

21 Procedimento comum ordinário (CPP, art. 394, § 1º, inc. I) Inquérito policial ou auto de prisão em flagrante Oferecimento da denúncia ou queixa 1.Recebimento da denúncia ou queixa (CPP, art. 396) 2.Citação (CPP, art. 396) 3.Defesa prévia e exceção (CPP, art. 396-A) 4.Decisão (CPP, arts. 397 e 399) Suspensão condicional do processo (Lei n /1995, art. 89) 5. Audiência de instrução e julgamento (CPP, arts ) 6. Diligências das partes (CPP, art ) 7. Alegações finais (CPP, art. 404, parágrafo único) 8. Sentença (CPP, arts )

22 Procedimento comum sumário (CPP, art. 493, § 1º, inc. II) Inquérito policial ou auto de prisão em flagrante Oferecimento da denúncia ou queixa 1.Recebimento da denúncia ou queixa (CPP, arts ) 2.Citação (CPP, art. 396) 3.Defesa prévia e exceção (CPP, art. 396-A) 4.Decisão (arts. 397 e 399) Suspensão condicional do processo (Lei n /1995, art. 89) 5. Audiência de instrução e julgamento (art )

23 Procedimento sumaríssimo (CPP, art. 394, § 1º, inc. III) Termo circunstanciado de ocorrência ou auto de prisão em flagrante (Lei n /1995, art. 69) Fase preliminar o composição civil (Lei n /1995, arts ) o Transação (Lei n /1995/1995, art. 76) Oferecimento da denúncia ou queixa (Lei 9.099, art. 77) Citação (Lei n /1195, art. 78) Audiência de instrução e julgamento: - Possibilidade de retornar às fases dos arts (art. 79); - Defesa prévia; 1. Recebimento da denúncia (art. 81, caput); *Suspensão condicional do processo (art. 89); 2. Instrução e sentença (art. 81).

24 Procedimento dos crimes dolosos contra a vida Primeira fase: iudicium acusationis * Oferecimento da denúncia/queixa 1. Recebimento da denúncia/queixa (art. 406) 2. Citação (art. 406) 3. Resposta (art. 406) ** Exceções (art. 407) *** Ausência de resposta (art. 408) 4. Réplica (art. 409) 5. Audiência de instrução (art. 411) **** Prazo para conclusão: 90 dias (art. 412) 6. Decisão: (a) pronúncia (art. 413); (b) impronúncia (art. 414); (c) absolvição sumária (art. 415); (d) desclassificação (art. 419). **** Ver aditamento (art. 417) e emendatio libelli (art. 418).

25 Procedimento dos crimes dolosos contra a vida Segunda fase: iudicium causae * Intimação da decisão de pronúncia (art. 422) ** Preparação do processo (arts ) **** Lista geral de jurados (arts ) ***** Desaforamento (arts ) ******Organização da pauta (arts ) ******* Sorteio e convocação dos jurados (arts ) ******** Função do jurado (arts )

26 Estudo das nulidades do art. 564 do CPP Art A nulidade ocorrerá nos seguintes casos: I – Incompetência, suspeição e suborno do Juiz A incompetência territorial é relativa, mas o Juiz poderá declarar de ofício (CPP, art. 109). Porém, as incompetências material e funcional são absolutas A suspeição deve ser excepcionada na forma do art. 111 do CPP, inclusive a do Membro do MP. Sendo nulidade relativa, pode se convalidar. Suborno é corrupção (art. 316 e 317 do CP – v. art. 319). II – Ilegitimidade de parte * Polastri Lima afirma que a ação contra menor de 18 anos é inexistente (2006, v. 3, p. 181). Digo: é nulidade absoluta.

27 Estudo das nulidades do art. 564 do CPP Irregularidade na admissão de assistente: não gera nulidade Irregularidade da procuração, na ação de iniciativa privada: deve ser sanada no prazo decadencial (art. 38 do CPP) Vítima menor de 18 anos que outorga poderes: vício que pode ser sanado. III – Falta de fórmulas (fórmulas são atos) III.a denúncia, queixa, representação e portaria A portaria para início da ação nas contravenções não mais é admitida (CF, art. 129, inc. I). Outrossim, o art. 531 do CPP, onde havia a previsão, foi modificado. V. princípio ne procedat iudex ex officio. Denúncia e queixa sem assinatura é causa de inexistência jurídica * O que é esquissa?

28 Nulidades (art. 564 do CPP) III.b Exame de corpo de delito (art. 158) A prova pode ser suprida por outros meios (CPP, art. 167) III.c Defensor e curador ao menor de 21 anos. A falta de defesa técnica é causa de nulidade absoluta, a insuficiência da defesa dependerá da demonstração do prejuízo. O mesmo defensor para réus que apresentam teses colidentes, será causa de nulidade absoluta. O maior de 18 anos, desde o CC/2002, não depende de curador. Vide o art. 194 do CPP, revogado pela Lei n /2003. III.d Intervenção do MP Entendo que é causa de nulidade relativa (vide arts. 45 e 257)

29 Nulidades (CPP, art. 564) III.e Citação e interrogatório (CPP, arts ; Lei n /1995, art. 66) A falta de citação é causa de nulidade absoluta e o defeito de citação é causa de nulidade relativa. Esta máxima merece críticas porque o vício poderá ser sanado. O interrogatório foi modificado pela Lei n /2003 e pela Lei n /2009. Agora há contraditório e ampla defesa no ato, bem como pode ser realizado por videoconferência. III.f Sentença de pronúncia e libelo O novo procedimento do júri não tem mais a fase do libelo. A pronúncia, por sua vez, ensejará intimação por edital, no caso de não localização do pronunciado (CPP, art. 420). Não é mais obrigatória a intimação do rol de testemunhas arroladas pela acusação. O que é imprescindível é o relatório (CPP, art. 423, inc. II).

30 Nulidades (CPP, art. 564) III.g Intimação para a sessão plenária do júri Antes da Lei n /2008, os acusados por delitos inafiançáveis não poderiam ser levados a julgamento sem a presença física. Hoje, todo acusado solto que não for localizado poderá ser intimado e julgado sem a sua presença (o art. 430 determina aplicar a mesma regra para da intimação da pronúncia). Ver o art III.h Intimação das testemunhas para o júri A testemunha será intimada pessoalmente e se for arrolada sob a cláusula de imprescindibilidade, sua ausência poderá provocar o adiamento do julgamento (CPP, art. 461).


Carregar ppt "APRESENTAÇÕES PROFESSOR Nome: Sidio Rosa de Mesquita Júnior Titulação acadêmica: Mestre e doutorando em Direito Principais atividades: Professor e Procurador."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google