A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1. 2 Definição do projecto casa das M. Silva Pinto 2009.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1. 2 Definição do projecto casa das M. Silva Pinto 2009."— Transcrição da apresentação:

1 1

2 2 Definição do projecto casa das M. Silva Pinto 2009

3 3 Tema Escolha do tema e sua definição. A área temática é essencial para se definirem as metodologias de busca de imagem bem como as opções operacionais do território de pesquisa. Como exemplo tomemos os transportes. É uma área em que a imagem pode ser utilizada desde a formação mais elementar no primeiro ciclo até a uma formação ao nível do terceiro ciclo ou secundário. Tudo depende do que forem as características da imagem e da sua metodologia de captação. Foi usada neste exemplo uma metodologia generalista sobre a área temática. Desde uma imagem das catenárias até à de um motor de um automóvel ou de um avião tudo é possível. Neste exemplo são usadas imagens captadas em diferentes visitas e viagens efectuadas com este objectivo. casa das M. Silva Pinto 2009

4 4 Aplicabilidade Decidir, após análise qual o âmbito da recolha, nomeadamente quanto ao nível etário a que se destina bem como ao tipo utilização que se pressupõe será feita. Para este portfólio em concreto, toda a imagem recolhida destina-se a ser usada sobretudo no primeiro e segundo ciclos, servindo de banco de dados quer para a apresentações a serem elaboradas pelos professores quer pelos alunos. Adicionalmente poderão uma ou mais imagens serem usadas com outros fins, nomeadamente como exemplos ilustrativos pontuais m fase de exploração de conteúdos, sobretudo em situações de desconhecimento profundo. casa das M. Silva Pinto 2009

5 5 Equipamento Escolha da Câmara digital em função da qualidade e características da imagem a recolher. Foram usadas para o actual portfólio. Câmara Cassio EX - Z22, e EX - Z19 Câmara Sony DCR-DVD403E Câmara Samsung HSPDA casa das M. Silva Pinto 2009

6 6 Recursos Digitais Processo de escolha de Software de tratamento de imagem, e software de inserção de imagem. Para o actual portfólio foram usados: Para imagem Gimp 2 – Software Open Source Corel Paint Shop Pro Photo XI PhotoStudio Para suporte Microsoft Word Cute PDF Writer casa das M. Silva Pinto 2009

7 7 Definição de formato de suporte Em função da escolha dos destinatários e, sobretudo da previsível utilização da imagem fazer a selecção da ferramenta na qual se fará a integração da imagem. Neste exemplo usamos o Acrobat (PDF) quer pela sua versatilidade quer pela sua capacidade de armazenamento. Pode usar-se como instrumento intermediário o Word ou qualquer outro processador de texto, nomeadamente open source. O facto de se usar um formato texto como suporte, não impede outros tipos padrão de utilização directa e simples para arquivo e ordenação de imagem. Existem imensos e gratuitos e grande parte deles permite fazer arquivos de todo o tipo. Existem mesmo organizadores de imagens digitais on-line que permitem ao utilizador controlar e disponibilizar dessa forma a s sus imagens. O que se procura aqui é uma utilização fiável e objectiva de imagem para que uma visualização rápida para uma escolha célere possa ser realizada sem grandes operações. casa das M. Silva Pinto 2009

8 8 casa das M. Silva Pinto 2009 Definição do formato de imagem Ter sobretudo em atenção a relação dimensão /qualidade orientada para os destinatários. Escolher essencialmente sobre formatos jpg, gif ou png Escolhemos o jpg, não apenas pela sua universalidade mas sobretudo por ser um formato reconhecido por quase todo o software de tratamento de imagem e com extrema facilidade ser transformado noutros tipos através de processos simples.

9 9 casa das M. Silva Pinto 2009 Caracterização da dimensão global e sectorial Decidir sobre o número de imagens a usar para cada categoria/exemplo calculando a dimensão global do objecto em função dos seus objectivos. Nem sempre é fácil fazer este tipo de previsão, sobretudo porque quando se vai para o terreno a variedade é enorme e existe uma dificuldade acrescida de tipificar e classificar o tipo de imagem que se recolhe. Note-se que nunca a previsão resulta em pleno, ou seja, as imagens que se seleccionam são exactamente correspondentes ao número que se previu, mas é no entanto é essencial que a previsão seja feita quer para uma auto regulação da dimensão global do projecto, quer para que os critérios de selecção de imagem sejam mais apertados conduzindo por isso a uma melhoria da qualidade do projecto.

10 10

11 11 casa das M. Silva Pinto 2009 Aéreos Tipos diferentes de Aeronaves (dimensão, militares, etc.)030 Componentes de aeronaves (asas, reactores, etc.)050 Aeroportos (dia e noite)010 Estruturas de suporte (torre de controlo, radar, mangas, etc.)050 Por Água (marítimos, lacustres e fluviais) Tipos de embarcações080 As embarcações de desporto e recreio030 Lagos, rios e ancoradouros020 Estruturas de suporte portuário (Guindastes pontes móveis etc.)050 Terrestres Ferroviários Tipos de comboios030 Componentes dos comboios (tipos de vagões p. ex.)050 Estações e Interfaces030 Os Metropolitanos020 Estruturas de suporte e apoio (catenárias, carris, etc.)080 Rodoviários Estradas, caminhos, túneis, auto-estradas etc.080 Tipos de transporte150 Componentes (rodas, gps, motor, etc.)150 Estruturas de suporte (gasolinas refinarias, oficinas, etc.)100 Total previsível não superior a 1000 imagens

12 12 casa das M. Silva Pinto 2009 Constituição do bloco de imagens

13 13 casa das M. Silva Pinto 2009 Definição do território de pesquisa Decidir sobre o espaço físico da recolha ou das condições laboratoriais da execução da imagem Este passo tem a ver com a tentativa de estruturação da recolha. Pode compreender deslocações propositadas para a obtenção da imagem, o que aconteceu neste caso para a obtenção de imagens portuárias e da navegação aérea, ou integração de imagens noutros tipos de recolhas mais vastas que tenham a ver com a própria actividade do sujeito. Nas primeiras devem-se ter em atenção factores decisivos tais como: Local de captação (perspectiva) Data/hora facilitadora (movimento p. ex.) Meteorologia (condições de luminosidade p. ex.) Tempo necessário Eventos facilitadores etc.

14 14 Realização da recolha Proceder à recolha (definir uma linha de tempo) Os procedimentos de recolha devem ser objecto de dois instrumentos de controlo que se podem considerar como obrigatórios. A definição de uma linha de tempo e a definição de um registo de execução. O primeiro deve dar-nos uma perspectiva das operações de recolha que faltam fazer e do tempo previsível que se estima necessário para as operações em falta. O segundo deve dar-nos uma ideia do que foi conseguido comparativamente ao esperado e permitir a construção de um plano de retorno à recolha caso seja necessário. Este segundo instrumento de controlo possui dois pontos críticos, uma após a recolha estar previsivelmente concluída outro após o tratamento da imagem. casa das M. Silva Pinto 2009

15 15

16 16 casa das M. Silva Pinto 2009 Selecção das imagens definitivas Escolher da recolha feita as que efectivamente se vão usar Quando se utilizam equipamentos digitais, o custo de cada imagem em suporte digital é praticamente o custo do suporte, pele que a quantidade de imagem não é problema. É habitual por isso registar um significativo número de imagens de um evento ou de um objecto, ou de um pormenor para se poderem depois fazer escolhas mais qualificadas. Assim, após a recolha, muitas das imagens captadas, não possuem a qualidade ou a pertinência necessária ao trabalho que se deseja. Ou são aproveitáveis para pormenores ou após tratamento, ou então são desprezadas. Aconselha-se que sejam guardadas por tema num arquivo morto temático caso tenham qualidade fotográfica para posterior utilização.

17 17

18 18 casa das M. Silva Pinto 2009 Formatação da imagem Utilização do software para retocar a imagem (escala, formato de ficheiro, luminosidade, contraste, cor) Este é uma componente essencial do trabalho. Após a escolha das imagens é necessário muitas vezes retocá-las, cortar e compor ou mesmo redefinir contrastes e cores. Só após esse trabalho é que se consegue ter a produção quase pronta.

19 19 casa das M. Silva Pinto 2009

20 20 casa das M. Silva Pinto 2009 Colocação das imagens em suporte É a operação que consiste em organizar toda a imagem recolhida num único instrumento de amostragem, atribuindo-lhe legendas ou indicações em texto que se reportem à necessidade de as catalogar.

21 21

22 22 casa das M. Silva Pinto 2009 Teste e controlo do suporte Operação de controlo do produto final

23 23 casa das M. Silva Pinto 2009 Produção do objecto definitivo

24 24


Carregar ppt "1. 2 Definição do projecto casa das M. Silva Pinto 2009."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google