A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Q UINTO I MPÉRIO. S ONHO DO REI DA B ABILÓNIA … Ó rei, tu tiveste uma visão. Eis que uma grande, uma enorme estátua se levantava diante de ti; (...) tinha.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Q UINTO I MPÉRIO. S ONHO DO REI DA B ABILÓNIA … Ó rei, tu tiveste uma visão. Eis que uma grande, uma enorme estátua se levantava diante de ti; (...) tinha."— Transcrição da apresentação:

1 Q UINTO I MPÉRIO

2 S ONHO DO REI DA B ABILÓNIA … Ó rei, tu tiveste uma visão. Eis que uma grande, uma enorme estátua se levantava diante de ti; (...) tinha a cabeça de ouro fino, o peito e os braços de prata, o ventre e as ancas de bronze, as pernas de ferro, os pés metade de ferro e metade de barro. (…) uma pedra se desprendeu da montanha, e veio bater nos seus pés, e lhos esmigalhou. (…) A pedra que tinha embatido contra a estátua transformou-se numa alta montanha, que encheu toda a terra. Dn 2, Bíblico

3 I NTERPRETAÇÃO DO SONHO … Cabeça de oiro fino – Reino de Nabucodonosor; Peito e braços de prata – Reino menor que o anterior; Ventre e ancas de bronze – Reino dominante Pernas de ferro/pés metade de ferro, metade de argila – Reino forte e frágil simultaneamente Pedra – Reino soberano e infinito

4 Padre António Vieira Quinto Império: é uma crença messiânica, milenarista concebida pelo padre António Vieira no século XVII. Os quatro primeiros impérios eram, segundo Vieira, pela ordem: os Assírios, os Persas, os Gregos e os Romanos. O quinto seria o Império Português. Como pudemos constatar, ao visualizar o livro de Daniel, capítulo 2, nas escrituras Hebraicas (Antigo Testamento), na Bíblia, o Padre António Vieira veio basear este mito num trecho bíblico, que conta a história do rei Nabucodonosor e do seu sonho, com uma estátua que possuía cinco tipos de materiais.messiânicamilenaristaAntónio VieiraAssíriosPersasGregosRomanos

5 II. O S A VISOS S EGUNDO : A NTÓNIO V IEIRA Mas não, não é luar: é a luz do etéreo. É um dia: e, no céu amplo de desejo, A madrugada irreal do Quinto Império Doira as margens do Tejo.

6 D IVISÃO DOS IMPÉRIOS … Império dos Assírios Império dos Persas Império dos Gregos Império dos Romanos Quinto Império - Português

7 Fernando Pessoa A utopia do Quinto Império permeia a obra de Fernando Pessoa também, no livro Mensagem. No caso de Fernando Pessoa, os quatro primeiros impérios diferem dos do Padre António Vieira, sendo o primeiro o Império Grego, o segundo o Império Romano, o terceiro o Cristianismo e o quarto a Europa.Fernando Pessoa O Quinto Império foi uma forma de legitimar o movimento autonomista português, que conseguira o fim da União Ibérica.União Ibérica

8 O Quinto Império […] parte […] do império espiritual da Grécia, origem do que espiritualmente somos. E, sendo esse o Primeiro Império, o Segundo é o de Roma, o Terceiro o da Cristandade, e o Quarto o da Europa […]. Aqui o Quinto Império terá que ser outro que o inglês, porque terá que ser de outra ordem. Nós o atribuímos a Portugal, para quem o esperamos. Fernando Pessoa

9 D IVISÃO DOS IMPÉRIOS … Primeiro: Império Grego Segundo: Império Romano Terceiro: Império Cristão Quarto: Império Europeu/ Inglês Quinto: Império Português

10 C ARACTERÍSTICAS … Critica ao conformismo Apologia do sonho Chegada de uma nova era Purificação da humanidade Satisfação dos desejos humanos

11 S EBASTIANISMO & Q UINTO I MPÉRIO Temos felizmente o mito Sebastianista com raízes profundas no passado e na alma portuguesa. Nosso trabalho é pois mais fácil; não temos que criar um mito, senão que renová-lo Fernando Pessoa

12 S EBASTIANISMO & Q UINTO I MPÉRIO Pessoa: Encontrou AdoptouMito de D. Sebastião Aprofundou Transfigurou Uniu-o Mito do Quinto Império

13 S EBASTIANISMO & Q UINTO I MPÉRIO Mito SebastianistaMito do Quinto Império Salvador D. SebastiãoJesus Cristo Salvação TerritorialEspiritual Quando chegará Numa manhã de nevoeiroNa noite deserta

14 I. O S S ÍMBOLOS S EGUNDO : O Q UINTO I MPÉRIO Eras sobre eras se somem No tempo em que eras vem. Ser descontente é ser homem. Triste de quem vive em casa,Que as forças cegas se domem Contente com o seu lar,Pela visão que a alma tem! Sem que um sonho, no erguer de asa, Faça até mais rubra a brasaE assim, passados os quatro Da lareira a abandonar!Tempos do ser que sonhou, A terra será teatro Triste de quem é feliz!Do dia claro, que no atro Vive porque a vida dura.Da erma noite começou. Nada na alma lhe diz Mais que a lição da raiz – Grécia, Roma, Cristandade, Ter por vida a sepultura.Europa – os quatro se vão Para onde vai toda a idade. Quem vem viver a verdade Que morreu D. Sebastião?


Carregar ppt "Q UINTO I MPÉRIO. S ONHO DO REI DA B ABILÓNIA … Ó rei, tu tiveste uma visão. Eis que uma grande, uma enorme estátua se levantava diante de ti; (...) tinha."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google