A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Introdução à Engenharia de Produção Mapeamento do Fluxo de Valor e Exercícios de lean thinking Prof. Me. Gilson P. Lopes de Souza

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Introdução à Engenharia de Produção Mapeamento do Fluxo de Valor e Exercícios de lean thinking Prof. Me. Gilson P. Lopes de Souza"— Transcrição da apresentação:

1 1 Introdução à Engenharia de Produção Mapeamento do Fluxo de Valor e Exercícios de lean thinking Prof. Me. Gilson P. Lopes de Souza Prof. Ref. Me. Everton Drohomeretski

2 J. Muniz Mapeamento do Fluxo de Valor Mapear o fluxo de valor significa andar pela fábrica e desenhar as etapas de processamento (material e informação) para um família de produtos, de porta-a- porta na sua planta. Dicas: Colete as informacões enquanto você caminha junto aos fluxos. Comece pela expedição final Analise os tempos envolvidos (tempos arquivados tornam-se obsoletos) Desenhe a mão (fazer e corrigir) 2 Processo FornecedorControleCliente

3 J. Muniz Ícones do Fluxo de Material 3

4 J. Muniz Ícones do Fluxo de Material 4

5 J. Muniz Ícones do Fluxo de Material 5

6 J. Muniz Ícones do Fluxo de Informação 6

7 J. Muniz Ícones do Fluxo de Informação 7

8 J. Muniz Métricas do Lean Tempo de Ciclo (TC): Tempo que leva entre um componente e o próximo saírem do mesmo processo, em segundos; Tempo de Troca (TR): Tempo de Setup: mix e frequência de mudança (n); Número de pessoas necessárias: Símbolo de operador: Caso o número de operadores seja elevado, é necessário inserir o número de operadores ao lado da figura. Eficiência ( Ɛ ): representa a eficiência do processo, ou seja, a parcela da jornada que foi efetivamente aproveitada para a execução de trabalho, devido a paradas não programadas. 8

9 J. Muniz Métricas do Lean Jornada Líquida (JL): representa o tempo disponível por turno para a execução de trabalho, ou seja, o tempo de trabalho disponível que é o tempo por turno, em segundos, menos os tempos de descanso, reuniões, limpeza, etc. JL = jornada – descontos Capacidade Bruta (CB): Capacidade (C): representa a quantidade máxima possível de ser produzida em um posto de trabalho por turno. 9

10 J. Muniz Métricas do Lean Tempo de Processamento: Tempo que uma peça leva para mover-se ao longo de todo um processo ou um fluxo de valor, desde o começo até o fim. Tempo de Atravessamento (Throughput time): Tempo de processamento mais o tempo de deslocamento de uma unidade ao longo das estações de trabalho. Lead Time: tempo de execução do lote requerido pelo mercado (dias de consumo) 10

11 J. Muniz Métricas do Lean Lead Time Possível (disponível pela capacidade do posto, célula ou linha): tempo gasto para produção do lote estocado (wip) Onde t = Número de turnos diários Takt Time: Ritmo estabelecido pelo mercado 11

12 J. Muniz Mapeamento do Estado Atual Mapear o estado atual significa diagnosticar (coletar dados e analisá-los) a situação vigente no chão de fábrica; Tal situação pode representar um sistema empurrado ou mesmo um sistema Lean que carece de melhorias. Aliás, todo sistema está sempre sujeito a melhoramentos; Portanto a conclusão do mapeamento do estado atual exige que as iniciativas de melhorias (kaizen) sejam definidas; Quando o sistema é empurrado cada processo tem sua própria programação, funcionando como uma ilha isolada, cada um em seu próprio ritmo. 12

13 J. Muniz Mapeamento do Estado Atual 13 Quanto menor o Lead Time, menor o tempo entre pagar pelos insumos (matéria-prima e demais gastos) e receber pelo produto acabado (melhoria no fluxo de caixa). Linha do tempo: registro do ciclo de produção, o tempo que uma peça leva para percorrer todo o caminho no chão de fábrica (o somatório dos ciclos representa o tempo de processamento), começando com a sua chegada como matéria-prima até a sua liberação para o cliente. D: Diesel; G: Gasolina

14 J. Muniz Exemplo A empresa Motorparts produz componentes para motores automotivos. Ela é responsável pela produção de uma família de componentes, sendo que a diferenciação deve-se a utilização em motores a gasolina ou Diesel. Esses componentes são enviados ao seu cliente, a montadora de veículos MotorCar. 14

15 J. Muniz Exemplo – Mapeamento do Estado Atual 15

16 J. Muniz Exemplo – Processo de Torneamento Jornada Líquida (segundos disponíveis por turno) Lead Time Requerido: refere-se ao mercado Lead Time Disponivel: refere-se a capacidade de produção Capacidade: 16

17 J. Muniz Exemplo – Processo de Torneamento 17 Como se obeserva o Lead Time Disponível (2,41 dias) é inferior ao Lead Time Requerido (3,78 dias). De fato, esta linha não tem que ficar produzindo ao longo de toda a jornada. Sua capacidade elevada pode permitir uma utilização intermitente

18 J. Muniz Exemplo – Mapeamento do Estado Atual 18

19 J. Muniz Mapeamento do Estado Futuro O mapa do estado futuro descreve a proposta de melhoria para minimizar, se possível eliminar, os problemas observados no mapa atual, ou seja: Quando o mapa atual refere-se a um sistema empurrado observa-se que: cada processo atua como uma ilha isolada; os defeitos são geralmente encobertos pelos estoques em processo; há pequeno tempo de agregação de valor frente ao tempo total gasto pelo produto na planta da empresa. Embora, isoladamente um processo possa contribuir para o atendimento das encomendas do cliente, no contexto geral o lead time completo pode estar aquém do esperado. 19

20 J. Muniz Análise do Takt Time (TT) 20

21 J. Muniz Análise da Capacidade Bruta (CB) 21

22 J. Muniz Produção ao longo dos turnos 22

23 J. Muniz Recálculo dos Turnos 23

24 J. Muniz Nova Política de Turnos 24

25 J. Muniz Continuando os estudos de melhorias 25

26 J. Muniz Continuando os estudos de melhorias 26

27 J. Muniz Continuando os estudos de melhorias 27

28 J. Muniz Mapeamento do Estado Futuro Desenvolver um fluxo contínuo onde possível Produzir uma peça de cada vez, com cada item sendo passado imediatamente de um estágio para o seguinte, sem nenhuma parada entre eles Representado por uma caixa de processo no mapa Porém Alguma razões para a impossibilidade de fluxo contínuo: Processos com tempos de ciclo muito rápidos ou lentos e necessitam mudar para atender a multiplas familias de produtos; Processo distantes, e o transporte de uma peça por vez não é viável Processos não confiáveis para ligarem-se diretamente a outros processos. 28

29 J. Muniz Uso de supermercados onde o fluxo contínuo não se estende 29

30 J. Muniz Uso de supermercados onde o fluxo contínuo não se estende 30

31 J. Muniz Exemplo - Mapeando o Estado Futuro 31

32 J. Muniz Exemplo - Mapeando o Estado Futuro 32

33 J. Muniz Exemplo - Mapeando o Estado Futuro Considerando o estoque de kits de montagem (matéria prima) da MotorParts, pode-se tomar as seguintes providências: Supermercado de recebimento de matéria prima; Mesmo que o fornecedor não esteja preparado para receber kanbans, estes podem ser enviados ao departamento de controle de produção, para solicitar matéria-prima com base na utilização real; Fornecedor realizando entregas diárias, através o milk run. Redução do estoque de matéria-prima; O montante a ser mantido estocado pelo fornecedor é de 2 dias de produção. 33

34 J. Muniz Exemplo - Mapeando o Estado Futuro 34 1 dia 4 dias

35 J. Muniz Exemplo - Mapeando o Estado Futuro 35

36 J. Muniz Atividade Em Grupo de no máximo 4 alunos Trazer na aula que vem para tirar dúvidas. Entregar no dia 15/10 36


Carregar ppt "1 Introdução à Engenharia de Produção Mapeamento do Fluxo de Valor e Exercícios de lean thinking Prof. Me. Gilson P. Lopes de Souza"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google