A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2014 (dados até Janeiro)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2014 (dados até Janeiro)"— Transcrição da apresentação:

1 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2014 (dados até Janeiro)

2 Sumário Executivo Os dados desse relatório são apresentados da ordem geral para específico, ou seja, apresenta primeiro o ICPN e, em seguida, os outros índices que o compõem. Essa forma de facilita o entendimento e leitura dos índices. O presente relatório resulta das entrevistas realizadas no mês de Janeiro de 2014, apresenta o nível de atividade de Dezembro de 2013 (ISA), as Expectativas (ISE) para os próximos três meses (Jan/Fev/Mar) e assim consolida no Índice de Confiança dos Pequenos Negócios (ICPN) de Janeiro de O ICPN de jan/14 (ICPN=114) apresentou queda de 3 pontos em relação ao mês anterior e queda de 3 pontos frente a jan/12. Em jan/14, o nível de confiança mais alto foi encontrado na região Nordeste (ICPN=120), entre os MEI (ICPN=120) e no setor da construção (ICPN=117). O indicador de confiança de jan/14 resulta do nível de atividade (ISA) de dezembro, que foi o mais alto do ano de 2013 O Índice de Situação Atual (ISA) de dez/13, que mede o nível de atividade dos Pequenos Negócios, apresentou aumento de 6 pontos na comparação o mês anterior. O nível de atividade de dezembro foi o mais alto de O aumento do ISA no mês de dez/13 foi puxado pelas empresas do comércio (expansão de 8 pontos), no grupo dos MEI (expansão de 10 pontos), e em especial do nordeste (expansão de 14 pontos no mês). O Índice de Situação Esperada (ISE), levantado em janeiro/14, que mede a expectativa até mar/14, atingiu o nível de 116 pontos. Este é o menor nível registrado desde o início da série (iniciada em abr/12). A queda no Índice de Situação Esperada foi puxada pelo Nordeste (queda de 20 pontos), pelo comércio (queda de 17 pontos) e pelos MEI (queda de 15 pontos). Ainda assim, o nível de expectativa mais elevado continua na região nordeste (ISE= 118). Verifica-se com isso que, justamente os segmentos que tiveram a maior expansão do nível de atividade no fim de 2013, é que fizeram o ajuste mais forte nas suas expectativas para o período até mar/14, o que mostra elevado grau de cautela por parte destes empresários para o início deste ano. Fonte: SEBRAE/FIPE 2

3 Em janeiro de 2014, o Índice de Confiança dos Pequenos Negócios (ICPN) registrou 114 pontos, apresentando queda de 3 pontos em relação ao mês anterior e também de 3 pontos em relação a jan/12. Por estar acima do nível de 100 pontos (que registra estabilidade), o ICPN do mês expressa tendência à expansão dos pequenos negócios. O ICPN resulta da combinação do Índice de Situação Atual (ISA dez/13=112) e o Índice de Situação Esperada (ISE dez/jan/fev = 116). Fonte: SEBRAE/FIPE ICPN - Índice de Confiança dos Pequenos Negócios no Brasil 3

4 Fonte: SEBRAE/FIPE Setor Em jan/14, o setor de Construção Civil apresentou ICPN mais alto (117 pontos) e a Indústria apresentou o menor índice (ICPN = 111 pontos). Todos setores apresentaram queda no indicador tanto em relação ao mês anterior, quanto em relação ao mesmo período do ano passado. Em relação a Jan/13 a maior queda foi no setor Indústria com -4 pontos e em relação a dez/13 a maior queda foi do Comércio com -5 pontos. ICPN - Índice de Confiança dos Pequenos Negócios no Brasil 4

5 Porte ICPN - Índice de Confiança dos Pequenos Negócios no Brasil Em relação ao porte, os MEI apresentaram pelo sexto mês consecutivo o maior ICPN, registrando em jan/14, 120 pontos, mesmo nível em relação a jan/13. Já as ME e EPP registraram queda no ICPN em relação ao mês anterior de -3 e -4 pontos, respectivamente. Já em relação ao mesmo período do ano anterior as ME registram queda de -4 pontos e as EPP de -3 pontos. Fonte: SEBRAE/FIPE 5

6 Região ICPN - Índice de Confiança dos Pequenos Negócios no Brasil Em termos regionais o Nordeste, desde de ago/13, vem registrando o maior índice no mês (ICPN=120), com queda de 4 pontos em relação ao mês anterior. Em relação a jan/13, apenas o Centro-Oeste obteve estabilidade no ICPN. Todas demais regiões apresentaram variação negativa no ICPN, com destaque para o Sul e Sudeste (– 5 pontos). 6 Fonte: SEBRAE/FIPE

7 Estados – Evolução Recente Estadosnov/13dez/13jan/14 Estadosnov/13dez/13jan/14 Acre Paraíba Alagoas Paraná Amapá Pernambuco Amazonas Piauí Bahia Rio de Janeiro Ceará Rio Grande do Norte Distrito Federal Rio Grande do Sul Espírito Santo Rondônia Goiás Roraima Maranhão Santa Catarina Mato Grosso São Paulo Mato Grosso do Sul Sergipe Minas Gerais Tocantins Pará ICPN - Índice de Confiança dos Pequenos Negócios no Brasil 7

8 DETALHAMENTO ISA e ISE

9 Indicador de Situação Atual (ISA) no mês Fonte: SEBRAE/FIPE O índice de situação atual (ISA) retrata a percepção em relação á demanda no momento atual, apresentou uma variação positiva de 6 pontos em relação ao mês anterior (ISA=112) e mais alto índice do ano de 2013 e segundo mais alto da série histórica. Em relação ao mês de dez/12, o ISA apresentou queda de 3 pontos. Em parte, o aumento no ISA no mês de dezembro é explicada pelo avanço no desempenho do faturamento no mês. 9

10 Fonte: SEBRAE/FIPE Em dez/13, o desempenho em relação aos setores de Comércio (ISA = 114) e Serviços (ISA = 113) foi positiva refletindo o aumento das vendas provenientes das festas de fim de ano. O melhor desempenho em relação ao mês anterior foi do Comércio (+8 pontos) seguido do Serviços(+6 pontos). Em relação ao porte, os MEI foram destaque tanto no ISA = 118 quanto para o avanço de 10 pontos em relação ao mês anterior. Em termos regionais o destaque foi o Nordeste, que apresentou o maior índice ISA (123) no mês, avanço de 14 pontos em relação ao mês anterior. O Norte também apresentou avanço de 7 pontos em relação ao mês anterior. SetorPorteRegião Indicador de Situação Atual (ISA) no mês 10

11 Indicador de Situação Atual (ISA) no mês Estados out/13nov/13dez/13 Estadosout/13nov/13dez/13 Acre Paraíba Alagoas Paraná Amapá Pernambuco Amazonas Piauí Bahia Rio de Janeiro Ceará Rio Grande do Norte Distrito Federal Rio Grande do Sul Espírito Santo Rondônia Goiás Roraima Maranhão Santa Catarina Mato Grosso São Paulo Mato Grosso do Sul Sergipe Minas Gerais Tocantins Pará Fonte: SEBRAE/FIPE

12 Faturamento Mensal (no mês de dezembro/13) Evolução Recente Em Dez/13, 36% das empresas registraram estabilidade de faturamento no mês, 42% registraram aumento e 21% registraram diminuição. O desempenho do faturamento em Dez/13 pode ser considerado ligeiramente pior ao observado em Dez/12, uma vez que 78% registram aumento ou estabilidade no faturamento ante a 80% em Dez/ Fonte: SEBRAE/FIPE

13 Faturamento Mensal (no mês de dezembro/13) Setor Porte Empresas do Comércio (45%) e Serviços (43%) apresentaram aumento no faturamento em Dez/2013. O destaque do mês foi para as o MEI pois 84 % deles registram aumento ou estabilidade no faturamento em Dezembro. 13 Fonte: SEBRAE/FIPE

14 Faturamento Mensal (no mês de dezembro/13) Região Entre as regiões, a Nordeste e a Norte apresentaram desempenho melhor no faturamento em Dezembro de Fonte: SEBRAE/FIPE

15 Faturamento Mensal (no mês de dezembro/13) Estados AumentoEstabilidadeDiminuição EstadosAumentoEstabilidadeDiminuição Acre54%32%13% Paraíba46%34%19% Alagoas54%30%16% Paraná41%35%24% Amapá50%34%16% Pernambuco47%36%17% Amazonas48%34%18% Piauí57%29%14% Bahia54%31%15% Rio de Janeiro41%36%23% Ceará59%27%14% Rio Grande do Norte53%31%16% Distrito Federal40%42%18% Rio Grande do Sul41%36%23% Espírito Santo36%33%31% Rondônia42%34%24% Goiás42%34%24% Roraima53%32%15% Maranhão47%36%17% Santa Catarina45%34%21% Mato Grosso42%36%21% São Paulo41%37%22% Mato Grosso do Sul34%36%30% Sergipe43%34%22% Minas Gerais30%45%25% Tocantins45%32%22% Pará41%38%21% 15 Fonte: SEBRAE/FIPE

16 Pessoal Ocupado (no mês de dezembro/13) Evolução Recente O emprego nos últimos meses manteve-se praticamente na mesma proporção. 9% das empresas registraram aumento de Pessoal Ocupado, 84% registraram estabilidade,e 7% diminuição. Pode-se perceber um desempenho em Dez/13 um pouco pior que o observado em dez/12, quando 96% das empresas registraram estabilidade ou aumento do pessoal ocupado ante a 93% em Dez/ Fonte: SEBRAE/FIPE

17 Pessoal Ocupado (no mês de dezembro/13) SetorPorte No mês, os setores de Comércio e Serviços registraram as maiores taxas de aumento ou estabilidade de pessoal ocupado. Os MEI e ME obtiveram o melhor desempenho em relação ao emprego no mês de Dezembro. 17 Fonte: SEBRAE/FIPE

18 Pessoal Ocupado (no mês de dezembro/13) Região Em termos regionais, o destaque foi para a região Nordeste, que apresentou desempenho diferenciado no emprego no mês de dez/13 ao das demais regiões que são bastante semelhantes. 18 Fonte: SEBRAE/FIPE

19 Pessoal Ocupado (no mês de dezembro/13) Estados AumentoEstabilidadeDiminuição EstadosAumentoEstabilidadeDiminuição Acre14%83%3% Paraíba11%85%4% Alagoas11%84%6% Paraná10%80%10% Amapá14%82%4% Pernambuco12%82%6% Amazonas10%84%6% Piauí11%85%5% Bahia18%77%5% Rio de Janeiro11%82%6% Ceará12%85%4% Rio Grande do Norte14%83%3% Distrito Federal13%80%7% Rio Grande do Sul6%89%6% Espírito Santo6%86%8% Rondônia13%77%10% Goiás7%86%6% Roraima15%79%6% Maranhão11%80%9% Santa Catarina9%83%7% Mato Grosso10%83%7% São Paulo8%85%7% Mato Grosso do Sul8%84%7% Sergipe12%83%5% Minas Gerais5%89%6% Tocantins6%91%4% Pará10%79%11% 19 Fonte: SEBRAE/FIPE

20 Indicador de Situação Esperada (ISE) – p/3 meses No quesito que avalia a expectativa dos empresários para os próximos três meses (jan/fev/mar), o ISE teve variação negativa de 11 pontos em relação ao mês anterior e de 4 pontos em relação ao mesmo período do ano anterior. Vale lembrar que ISE maior de 100 pontos expressa uma expansão da atividade esperada nos próximos 3 meses. Ou seja, o empresário continua otimista no entanto, em menor nível que nos meses anteriores. 20 Fonte: SEBRAE/FIPE

21 Os empresários da Construção tem melhores expectativas para os próximo meses (ISE =132) seguido da Indústria (ISE = 120). Os MEI continuam sendo os mais otimistas. Em termos regionais, os mais otimistas foram os empresários do Nordeste (ISE =118). SetorPorteRegião Indicador de Situação Esperada (ISE) – p/3 meses 21

22 Indicador de Situação Esperada (ISE) – p/3 meses Fonte: SEBRAE/FIPE Estados nov/13dez/13jan/14 Estadosnov/13dez/13jan/14 Acre Paraíba Alagoas Paraná Amapá Pernambuco Amazonas Piauí Bahia Rio de Janeiro Ceará Rio Grande do Norte Distrito Federal Rio Grande do Sul Espírito Santo Rondônia Goiás Roraima Maranhão Santa Catarina Mato Grosso São Paulo Mato Grosso do Sul Sergipe Minas Gerais Tocantins Pará

23 Expectativa de Faturamento (jan/fev/mar) Fonte: SEBRAE/FIPE Evolução recente Pra o trimestre (Jan. a Mar.), 44% das empresas esperam aumento de faturamento, 34% esperam estabilidade e 22% esperam diminuição. O nível de expectativas quanto ao faturamento em Jan/14 está igual ao observado pelos empresários em Jan/13, ou seja, 78% esperam aumento ou estabilidade no faturamento. 23

24 Expectativa de Faturamento (jan/fev/mar) SetorPorte Em termos setoriais, Construção têm as maiores expectativas em relação ao aumento do faturamento (52%) para os próximos meses. Entre os portes, as expectativas em relação ao aumento do faturamento são maiores para o MEI (50%). 24 Fonte: SEBRAE/FIPE

25 Expectativa de Faturamento (jan/fev/mar) Região Empresários do Nordeste e Norte mantêm expectativas mais otimistas em termos de expectativas de faturamento para os próximos três meses. 25 Fonte: SEBRAE/FIPE

26 Expectativa de Faturamento (jan/fev/mar) Estados AumentoEstabilidadeDiminuição EstadosAumentoEstabilidadeDiminuição Acre37%40%22%Paraíba38%39%24% Alagoas46%32%22%Paraná48%37%16% Amapá50%34%16%Pernambuco46%33%22% Amazonas47%29%23%Piauí42%29% Bahia49%34%18%Rio de Janeiro50%27%23% Ceará51%29%20%Rio Grande do Norte42%29% Distrito Federal44%34%23%Rio Grande do Sul36%38%26% Espírito Santo50%32%19%Rondônia42%34%24% Goiás45%35%21%Roraima46%34%19% Maranhão50%30%20%Santa Catarina40% 20% Mato Grosso43%34%23%São Paulo42%35%23% Mato Grosso do Sul44%35%21%Sergipe50%30%20% Minas Gerais42%35%23%Tocantins47%32%21% Pará51%30%20% 26 Fonte: SEBRAE/FIPE

27 Expectativa de Pessoal Ocupado (jan/fev/mar) Fonte: SEBRAE/FIPE Evolução As expectativas dos empresários em relação às contratações no próximo trimestre é de aumento para 15%, estabilidade para 80% e diminuição para 5%. O nível de expectativas dos empresários quanto ao emprego em Jan/14 está igual ao observado no mesmo período do ano anterior(Jna/13): 95% esperam aumento ou estabilidade no emprego. 27

28 Expectativa de Pessoal Ocupado (jan/fev/mar) SetorPorte A expectativa de aumento de Pessoal Ocupado no período jan/fev/mar é mais forte nas empresas da Construção Civil e nas EPP. No entanto, nas EPP também é maior a expectativa de diminuição do emprego. 28 Fonte: SEBRAE/FIPE

29 Expectativa de Pessoal Ocupado (jan/fev/marc) Região As expectativas de emprego nos próximos meses é semelhante em todas regiões com ligeiro destaque para o Centro-Oeste. 29 Fonte: SEBRAE/FIPE

30 Estados AumentoEstabilidadeDiminuição EstadosAumentoEstabilidadeDiminuição Acre12%84%4% Paraíba16%77%7% Alagoas22%75%3% Paraná15%78%8% Amapá12%80%8% Pernambuco16%77%7% Amazonas11%85%4% Piauí12%81%7% Bahia13%81%7% Rio de Janeiro16%79%5% Ceará15%80%5% Rio Grande do Norte11%82%7% Distrito Federal19%76%5% Rio Grande do Sul15%82%3% Espírito Santo15%80%5% Rondônia16%76%8% Goiás17%79%4% Roraima18%79%3% Maranhão24%70%6% Santa Catarina16%79%4% Mato Grosso16%81%3% São Paulo16%79%5% Mato Grosso do Sul14%82%4% Sergipe16%79%5% Minas Gerais10%87%3% Tocantins14%84%3% Pará15%80%5% Expectativa de Pessoal Ocupado (jan/fev/mar) 30 Fonte: SEBRAE/FIPE

31 Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas expectativas Abrangência: - Regiões: Nacional, 5 Grandes Regiões, 26 Estados e o Distrito Federal - Setores: Indústria, Comércio, Serviços e Construção - Porte: MEI, ME e EPP Amostra: MEI, ME e EPP (200 por UF exceto SP com 400) - Margem de erro: 2,0 pontos percentuais (dado nacional geral) 2,5 pontos percentuais (dado nacional setorial) 7,0 pontos percentuais (dado estadual geral) Periodicidade: - Mensal (última entrevista em Jan/13) - Este relatório: dados até Dez/13 para o ISA e dados até Jan/13 para Expectativas, ISE e ICPN Metodologia: inspirada nos Indicadores de Confiança: - da Universidade de Michigan e do Conference Board norte-americano 31

32 Questões levantadas (em out/13) Questão 1 O que aconteceu com o FATURAMENTO TOTAL de sua empresa no mês de dezembro, comparado com o mês anterior? Questão 2 O que aconteceu com o TOTAL DE PESSOAS OCUPADAS na sua empresa no mês de dezembro, comparado com o mês anterior? Questão 3 O que o Sr.(a) acredita que ocorrerá com o FATURAMENTO TOTAL mensal de sua empresa nos próximos três meses (jan/fev/mar), comparado com os últimos 3 meses? Questão 4 O que o Sr.(a) acredita que ocorrerá com o TOTAL DE PESSOAS OCUPADAS de sua empresa nos próximos três meses (jan/fev/mar), comparado com o nível atual (dezembro) 32

33 Variáveis Questão 1 % aumento % igualdade % diminuição Indicador de Situação Atual (ISA) Índice de Confiança dos Pequenos Negócios no Brasil (ICPN) Questão 2 % aumento % igualdade % diminuição Questão 3 % aumento % igualdade % diminuição Indicador de Situação Esperada (ISE) Questão 4 % aumento % igualdade % diminuição Indicador = (% aumento - % diminuição) Matriz de Resultados 33

34 Variáveis Indicador de Situação Atual (ISA) Expressa o nível de atividade atual > 100 (expansão da atividade no último mês) = 100 (estabilidade no último mês) < 100 (retração da atividade no último mês) Indicador de Situação Esperada (ISE) Expressa o nível de atividade esperada (nos próximos 3 meses) > 100 (expansão da atividade esperada nos próximos 3 meses) = 100 (estabilidade esperada esperada nos próximos 3 meses) < 100 (retração da atividade esperada nos próximos 3 meses) Índice de Confiança dos Pequenos Negócios (ICPN) Expressa a tendência do nivel de atividade, levando em conta o presente e o futuro > 100 tendência de expansão da atividade = 100 tendência de estabilidade da atividade < 100 tendência de retração da atividade ICPN = (ISA + ISE)/2 34

35 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Informações sobre este documento: Unidade de Gestão Estratégica Sebrae-NA (61) (61) Outras informações sobre o Sebrae:


Carregar ppt "ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2014 (dados até Janeiro)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google